Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Brizola Neto irá colaborar para fortalecer a vinda da indústria naval em Maricá

Fonte : O Fluminense

Fotos: Rosely Pellegrino

Maricá recebe colaborador para projeto da indústria naval no município

DSC02023

Deputado Federal Brizola Neto e o Prefeito de Maricá, Washington Quaquá,  irão se encontrar  esta semana em Brasília para tratar de recursos para a indústria naval naquele município. Os detalhes da viagem foram acertados na manhã de ontem, durante encontro realizado em Maricá, na Fundação Darcy Ribeiro, no bairro Cordeirinho. Os recursos pretendidos, de cerca de R$ 160 milhões, destinam-se a obras de infraestrutura para atrair investimentos da iniciativa privada. A construção de um estaleiro na cidade, segundo os dois políticos, criaria mais de 5 mil empregos diretos e indiretos para a população.

DSC02011

"O projeto surgiu da grande demanda de construção de navios em todo o País. Maricá tem condições de arcar com essas construções, que podem trazer desenvolvimento ao polo econômico da cidade. Se o Brasil não correr na frente, vamos perder diversas encomendas de grandes navios para outros países", observou Brizola Neto, que se prontificou a ser um grande mediador do projeto junto ao Governo Federal.

O prefeito Quaquá esclareceu que o pontapé inicial ao projeto de ascensão de Maricá na indústria naval, incluirá, além das obras de infraestrutura, a desapropriação de uma área de quase 1,4 mil metros quadrados.

"Nesse processo de crescimento, cabe ao poder público essas tarefas. O restante fica a cargo das empresas privadas interessadas na instalação do estaleiro", explicou o prefeito, informando que quatro empresas privadas já estariam interessadas na iniciativa.

Ainda de acordo com Quaquá, além da verba federal, a participação do Governo do Estado no projeto também é bem-vinda.

"Ainda não é uma realidade, porque não houve contato com o Governo Estadual, mas sem dúvida todo apoio é bem vindo ao projeto", salientou o prefeito.

Segundo Brizola Neto, as obras de infraestrutura seriam financiadas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

"Vamos tentar esses recursos (R$160 milhões) com a ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, mas ainda temos como alternativas, recursos provenientes de outros programas federais", esclareceu.

DSC02024 DSC02017

Também estiveram presentes na reunião, o secretário municipal do Trabalho e Emprego, Gegê Galindo, e do Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo, Aleksander Santos, além do subsecretário de Indústria Naval Hélio Frassu.

Prefeitura tem área em vista

O terreno em vista para a construção do primeiro estaleiro de Maricá fica na Estrada de Jaconé, logo na entrada do bairro, próximo a um campo de golfe. Segundo o prefeito Quaquá, a área seria de propriedade privada de um grupo líder na fabricação de aços. Ainda de acordo com Quaquá, até o final do ano, a verba deve ser aprovada pelo Governo Federal, para o início das obras.

Em abril, empresários holandeses da empresa Huisman do Brasil, especializada em manutenção e construção de equipamentos navais, estiveram em Maricá, negociando com o prefeito Washington Quaquá a construção do estaleiro em Jaconé.

Os holandeses puderam avaliar de perto, durante um voo de helicóptero sobre Maricá, a possibilidade de viabilizar o empreendimento. Extasiado com a beleza das lagoas e praias, o diretor da Huisman, David Rodenburg, disse ter gostado muito do que viu, mas pediu a construção de entroncamentos com recursos públicos e agilidade na liberação das licenças ambientais.

"Gostamos da região, que além de ter um bom calado (profundidade para que o navio possa atracar), também está próxima das bacias de Campos e de Santos, e da cidade do Rio de Janeiro, que conta com universidades e mão-de-obra qualificada. Além disso, a cidade é muito bonita e conta com boa infraestrutura para a moradia de nossos funcionários", disse David, na ocasião.

Anúncios

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | 2 comentários

Super Race de Parapente – Resultado Geral ESTADUAL RJ ETAPA SAMPAIO CORREA – Maio 2009

Fonte: Postado por superraceparapente
fotos: Robélio Orcca
Organização Haroldo Castro Neves e Durval Henk.

O evento aconteceu em Sampaio Correia, no dia 9 de Maio de 2009


Reunião com a equipe de segurança.

juiz geral Marcelo Almeida

Rampa Leste Sampaio Correa

piloto Sebastião M. Barcelos

Agradecimento especial ao Araujo presidente da Associação de Voo Livre de Sampaio Correa que sozinho realizou este evento esportivo com toda estrutura e segurança para os competidores.

piloto Joe

Abertura da janela prova 1

piloto Marcelo Melo

Rampa Leste

Prova 1 dia 09 de maio 2009.

Nossos agradecimentos a todos os pilotos que prestigiaram e realizaram uma belíssima corrida até o Goal na 1º prova de sábado dia 09 de maio,parabenizando em especial o piloto Mauricio Albuquerque(GRUMARI) que mostrou muita habilidade na prova de 21,1 km que acabou lhe conferindo o título na etapa de Sampaio.
No domingo 10 de maio infelizmente não houve prova devido as condições climáticas não estarem favoraveis.
Esta aberta a temporada Estadual RJ 2009 até a 2º Etapa em Itamonte ,bons voos a todos.

2009-05-09
Race to Goal 21,1 km
1 -19 Mauricio M Albuquerque (CAMPEÃO 1º ETAPA)
2- 21 Sebastião M. Barcelos
3- 18 Alessandro Heringer de Jesus
4- 12 Carlos Queiroga
5- 14 Daniel Wenna
6- 8 Erico Oliveira
7- 20 Rogério Santos Félix
8- 9 Fabricio Marinato Armindo
9- 16 Charles Faria de Souza
10- 22 Thiago Scherrer Machado
11- 17 Flávio Jesus P. dos Santos
12- 11 Bruno Queiroga
13- 10 Marcelo Silva e Melo
14- 23 Dalton Scherrer Machado
15 -6 Rodrigo Lira Ferreira
15- 2 Rodolfo P. Ladeira
17- 1 Rogério Brum de Souza
18- 3 André Jean Rodrigues
18- 15 Mônica Raitz Büchele
18- 7 Altamiro P. de Carvalho
18- 13 Joe Vieira da Silva
18- 5 Paulo Pompei de Lima e Silva Jr
18- 4 Mário Henrique Soares

Postado por superraceparapente às 16:03

Maio 12, 2009 Posted by | esportes, jornalismo, shows e eventos, turismo | Deixe um comentário

Bondinho do Pão de Açúcar vai parar por sete dias

Fonte:    G1

bondinho

O bondinho do Pão de Açúcar, na Urca, na Zona Sul do Rio, vai parar por sete dias para a substituição do sistema eletroeletrônico do transporte.

A visita ao tradicional cartão postal do Rio será interrompida entre os dias 11 e 17 de maio. O bondinho voltará a funcionar a partir das 8h do próximo dia 18.

Após 36 anos, o atual sistema do bondinho, que é analógico, será substituído por um novo sistema digital, que custará cerca de R$ 8 milhões. A administradora dos bondinhos planejou a mudança do sistema para maio, por ser um período de baixa temporada para o turismo.

O novo sistema pretende proporcionar mais segurança, conforto e comodidade para os turistas que visitam o cartão postal diariamente. O primeiro ponto a receber o novo sistema será o trecho Praia Vermelha/Morro da Urca.

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | Deixe um comentário

ONU -Habitat vai premiar as práticas sustentáveis no Coleste

Fonte: Revista do Pólo Petroquímico de Itaboraí

risco_favela

O Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), o Centro de Informações do Comperj e o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Leste Fluminense (Conleste), realiza o projeto Prêmio de Boas Práticas de Desenvolvimento Sustentável na Região do Conleste. As inscrições estarão abertas até 30 de junho de 2009 e podem participar os representantes da sociedade civil, o setor privado e os poderes públicos dos onze municípios do Conleste, integrado por Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Abreu, Itaboraí, Guapimirim, Maricá, Magé, Niterói, Rio Bonito, São Gonçalo, Tanguá e Silva Jardim. Este projeto se insere na Missão do Centro de Informações do Comperj de contribuir para o desenvolvimento humano sustentável da região.

O Prêmio de Boas Práticas é parte estruturante do projeto "A Observação Internacional dos Impactos do Comperj sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) nos municípios do Conleste. O objetivo deste Prêmio é identificar, promover e divulgar experiências desenvolvidas nos municípios da região do consórcio que promovam a melhoria das condições de vida da população por meio de projetos que demonstrem um impacto sustentável.
“A sustentabilidade urbana é um pré-requisito para o desenvolvimento do setor privado e a criação de cidades mais harmoniosas. O novo paradigma de câmbio climático fez desabrochar um novo foco em tecnologias inovadoras e empreendimentos originais, que utilizem menos recursos, produzam mais e com menos emissões nocivas. Para tal, é necessário direcionar o sistema de mercado atual à geração de riqueza a níveis ótimos e sustentáveis, através de empreendimentos social e ambientalmente responsáveis” explica Onu Habitat.
As Boas Práticas são definidas pelas Nações Unidas e pela comunidade internacional como iniciativas bem-sucedidas que:
Apresentam impacto visível e tangível na melhoria da qualidade de vida das populações;
Representam o resultado de parceria efetiva entre os setores público, privado e as organizações da sociedade civil; são sustentáveis em termo sociais, culturais, econômicos e ambientais.
As Boas Práticas são utilizadas pela comunidade internacional como meio de:
Incentivar as políticas públicas, com base no que realmente funciona;
Conscientizar os tomadores de decisão de todos os níveis, bem como a população em geral, quanto à formulação de políticas e a busca por soluções potenciais para problemas comuns de ordem social, econômica e ambiental; Compartilhar e transferir tecnologia, expertise e experiência através de rede de intercâmbio e aprendizado entre os participantes/beneficiários das boas práticas.

O Prêmio é formado por um troféu e um certificado comemorativo, entregues durante o Fórum Empresarial Hábitat, na data de 07 de julho de 2009 em Nova Déli, Índia.

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | Deixe um comentário

Municípios do Conleste pensam em criar uma "cedae" regional

Fonte: Revista do Pólo Petroquímico de Itaboraí

Conleste pode criar uma empresa de água para atender a região

Uma empresa regional de águas e esgotos pertencente a municípios que integram o Conleste e que possuem potencial hídrico. A notícia foi dada pelo Agente de Desenvolvimento do consórcio, Washington Quaquá (PT), prefeito de Maricá, enquanto anunciava o rompimento de contrato com a Cedae em seu município, a partir da criação de uma empresa municipal de águas e esgotos que espera já esta na Câmara Local, para ser votada. Quaquá tem estudos que apontam de R$ 80 a 100 milhões, os custos para, em cinco anos, poder atender com esses serviços todo o município, gerando mais de mil empregos.
A questão da Água no comperj sempre existiu, desde os primeiros momentos de discussão, tanto na demanda de consumo quanto nas interferências nas bacias hídricas regionais. A Petrobras será uma consumidora de primeira classe e por isso a Cedae têm se dedicado as soluções possíveis, inclusive com a possibilidade de impactar a Bacia do Guapiaçu, próximo das refinarias, onde se discute a construção de barragem.
A água da empresa maricaense Quaquá ainda não sabe buscar. Todavia a verba que pensa necessária ele já tem caminho certo. O prefeito diz que irá buscar no Ministério das Cidades os caminhos do BNDES e Caixa Econômica Federal. O petista Quaquá já foi chamado de campeão de vôos a Brasília, onde praticamente está de 15 em 15 dias.

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | 1 Comentário

Audiência anuncia início de metrô gonçalense no mês que vem

Fonte: Revista do Pólo Petroquímico

Moradores de São Gonçalo puderam conhecer um pouco mais sobre o projeto de construção da Linha 3 do metrô, que vai ligar o município à Niterói, passando por 14 estações, em 23 km de trilhos. Detalhes sobre a construção da linha e sobre a reurbanização de sua extensão foram apresentados por técnicos da Secretaria Estadual de Transportes durante audiência pública, na Câmara Municipal de São Gonçalo, para discutir a implantação do sistema.
O metrô de São Gonçalo é uma necessidade principalmente do Comperj já que o município espera fornecer boa parte da mão de obra para a construção das refinarias e além dessa característica o subsecretário de Transportes, Sebastião rodrigues, expôs aos vereadores, líderes comunitários e empresários da região os benefícios que a Linha 3 levará à população.
– São Gonçalo será a primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro, depois da capital, a ter metrô. Com a chegada deste sistema de transporte a São Gonçalo haverá um intercâmbio direto entre as cidades de Niterói e do Rio de Janeiro, o que, certamente, valorizará intensamente o comércio e o mercado imobiliário de São Gonçalo, além de proporcionar mais conforto, praticidade e dignidade ao cidadão gonçalense.

"Já temos a licença ambiental prévia e o Instituto Estadual do Ambiente deve liberar uma definitiva que nos permita o início das obras já nesse próximo mês. Já fizemos também um plano de trabalho para receber mais R$ 400 milhões por meio desse mesmo convênio com o Ministério das Cidades", afirmou Rodrigues.
A obra para a implantação da Linha 3 será financiada com o Governo Federal, que entrará com 80% dos recursos, e pelo Governo do Estado, que investirá 20%. O Governo do Estado já assinou um convênio com o Ministério das Cidades para a liberação de R$ 62,5 milhões para a elaboração do projeto executivo e para o início das obras. O Estado também já entrou com aditivo de mais R$ 380 milhões para a sequência da construção da Linha.
As obras dependem ainda de uma Licença de Instalação, que será concedida pela INEA, órgão que já aprovou a Licença Prévia Ambiental para a execução do projeto. Esta licença identifica os impactos ambientais não só em relação á preservação da ecologia, mas também às questões relacionadas ao bem-estar da população local.
Durante a audiência, foram debatidas as possibilidades de serem construídos pequenos centro empresariais ao redor das futuras estações e uma ciclovia por todo o perímetro da linha, além de instalação de bicicletários. Estas questões, que não fazem parte do projeto original, já licitado, serão consideradas e analisadas por especialistas.
Em Itaboraí e região, a expectativa é de que o projeto do metrô possa ser ampliado, chegando pelo menos à Rio Bonito, já que as perspectivas de aumento populacional são grandes e já existem trilhos no trecho, passando, inclusive, nas proximidades das refinarias que serão construídas.

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | 1 Comentário

Petrobras diz que é capaz de fazer o Comperj até sem sócios

Fonto: Revista do Pólo Petroquímico

A semana foi de controvérsia para o noticiário nacional sobre o Comperj. A Petrobras admitiu que os possíveis parceiros para a construção das refinarias em Itaboraí encontram dificuldade de integrar capitalização por causa da crise financeira mundial e ao mesmo tempo garantiu que o Comperj é prioridade, e que a companhia tem como e pretende levar o projeto sozinho, se necessário. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, avisa, contudo, que quem chegar depois pagará mais caro. Ele lembrou ser como imóveis. “Quem compra na planta paga mais barato” advertiu.
A mídia escreveu muito para dizer pouco ou quase nada de novo. Falou da indecisão dos grupos Ultra e Quattor e da estratégia da Petrobras em criar seis novas empresas para facilitar a administração societária do Comperj e de dez empresas estão interessadas no empreendimento, segundo o diretor Paulo Roberto Costa, diretor de abastecimento da Petrobras.
Paulo Roberto mantém a tranqüilidade quanto o Comperj lembrando que a necessidade do mercado exige a refinaria. "Não teremos condições de atender o mercado com produtos próprios fabricados aqui se não houver um aumento da oferta. Se isso não acontecer, por volta de 2017 e 2020 o país se tornará um grande importador de matéria-prima" tem se repetido. Para Gabrielli sobrou a questão do pré-sal e fartura de óleo leve. Mas sobre isso ele lembrou que vai se continuar a produzir muito óleo pesado e que uma refinaria flex processa óleo pesado, também processa leve.
Em Itaboraí o Comperj não toma ciência do que se escreve. Prossegue com a terraplanagem e dá vida a cidade, com os funcionários das empresas contatadas uniformizados enfeitando a paisagem. Eles são vistos no comércio e na hora do almoço lotam os restaurantes e agencias bancárias e chamam a atenção pelo uso característico da Bandeira Nacional estampada na camisa. Distingue-se, contudo, entre os tantos, os funcionários da Biofibra, uma empresa itaboraiense que responde pelo projeto de tratamento de efluentes do Comperj, que junto a Bandeira Brasileira ostentam, também, para orgulho local, a bandeira do município.

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | Deixe um comentário

Vândalos incendeiam oca construida para evento pelos índios Guaranis em Maricá

Fotos: Pery Salgado – Informativo CULTURARTEEN

Texto: Subsecretaria de Comunicação Social de Maricá

 DSCF7580DSCF7579
   Em uma atitude de vandalismo, dois indivíduos ainda não identificados, que saíram de um bar localizado nas proximidades, atearam fogo à oca erguida pelos índios guaranis na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro de Maricá, para as comemorações do Dia do Trabalhador. O atentado ocorreu por volta das cinco horas de hoje e o fogo chamou a atenção de um guarda municipal que, no entanto, não conseguiu debelar o incêndio.
   Indignado, o prefeito Washington Quaquá, que ofereceu uma área no município para os guaranis se transferirem de Camboínhas para a cidade, classificou o ato como desumano. O secretário municipal de Segurança, coronel Jorge Braga, disse que o Serviço Reservado do 12º Batalhão da  Polícia Militar e agentes da   82ª DP estão à procura dos autores do atentadoDSCF7582DSCF7581 

 

Nota desta editora: por email recebi as fotos e o texto abaixo, de Pery Salgado, que comentou a respeito:

Blog: www.culturarteen.blogspot.com

Ninguém sabe, ninguém viu, mas na madrugada de hoje (11 de maio) a Oca dos índios acolhidos pela Prefeitura de Maricá e que estava em exposição na praça Orlando de Barros Pimentel desde o último dia 30 de abril, foi incendiada. Seria um ato de repúdio aos índios por terem conseguido da Prefeitura uma área na APA com aproximadamente 2 km² (área similar ao do Condado de Maricá) ou um ato de vandalismo de moleques que não cuidam e destroem nosso patrimônio público e privado pelas noites de Maricá?
Pery

Maio 12, 2009 Posted by | jornalismo | Deixe um comentário