Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Greg Spier e Julio Lopes no “Seminário discute Segurança Viária e Lei Seca” no Rio de Janeiro

Segurança viária, fiscalização e alternativas para melhorar a infraestrutura das estradas do Rio, além dos resultados do primeiro ano de ação da Operação Lei Seca, foram temas do seminário Segurança Viária, promovido pelo Secretário Estadual de Transpores, Julio Lopes nesta segunda-feira (21/09), na sede da Fecomércio. O debate sobre segurança viária, um dos pontos altos do evento, ficou a cargo do especialista americano Greg Speier, que, a convite do secretário Julio Lopes, veio à cidade especialmente para compartilhar sua reconhecida experiência de mais de 30 anos no assunto.

IMG_0380r Greg Spier é diretor da Speier Road Safety Solutions, consultoria especializada em segurança viária, e já prestou serviços a clientes nos EUA (Banco Mundial e Governo Federal dos Estados Unidos, e Foundation for Traffic Safety, fundação responsável pela segurança do trânsito de Washington), no Chile e em Lima.

O seminário reuniu as principais autoridades da pasta de Transportes do país como o Assessor Técnico do Ministério dos Transportes, Duwal Bueno, o Presidente do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), Alfredo Peres, o Inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Marcelo Lessa, o presidente do Conselho Nacional de Trânsito (CETRAN), Antonio Sergio Damasceno, e do diretor do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), Celso Crespo. Também estiveram presentes os subsecretários da Secretaria Estadual de Transportes, Delmo Pinho, e Sebastião Rodrigues, além do Chefe de Gabinete, Luiz Veloso.

O secretário Julio Lopes abriu o evento fazendo rápida introdução sobre a atual situação das estradas do Rio de Janeiro. Ele deu enfoque à BR-101 Norte, na qual a Secretaria vem trabalhando para a construção do Arco Metropolitano e duplicação das vias. Julio Lopes disse que a presença do convidado Greg Speier é fundamental para que os órgãos de regulamentação e controle do setor de Transportes possam avançar na questão da segurança viária, tornando as estradas do país em vias mais confiáveis.

IMG_0399r  – Precisamos vencer os obstáculos, que são muitos, para transformar as rodovias brasileiras em estradas mais amigáveis. Gosto muito desse termo usado pelo Greg para se referir às vias. É uma penalidade muito alta condenar alguém a morte por desvio de atenção na estrada. As rodovias precisam se tornar vias que perdoam, ou seja, que dispõem de alternativas de segurança eficientes capazes de salvar vidas e perdoar descuidos – afirma Julio Lopes.

Aproveitando esse viés de conscientização e nova filosofia para o sistema de Transportes de um país, Greg Speier começou sua palestra falando da importância de se identificar a realidade do país em relação à segurança viária; quais são os motivos que levam à preocupação com relação ao tema; e quais são os principais fatores para implementação de uma infraestrutura de segurança viária de qualidade. Greg divulgou uma pesquisa que diz que de 2000 até 2020 a América Latina e o Caribe vão ter 50% a mais de óbitos por acidentes, enquanto que os países desenvolvidos vão diminuir sua porcentagem para 27,8%.

Além disso, Greg disse também que, na maioria das pesquisas realizadas, cabe ao condutor – ou fator humano – a maior fatia (95%) da porcentagem de responsabilidade pelas colisões. O restante se destina ao veículo e às condições da via. O especialista diz ainda que, os países desenvolvidos estão buscando soluções para segurança viária por meio de modernização nas pesquisas, melhoria contínua dos sistemas de infraestrutura, e na investigação permanente nas causas dos acidentes. Isso garantiu que a Suécia, por exemplo, ganhasse classificação cinco estrelas (semelhante a dos hotéis de máxima qualidade) em seu sistema viário, diminuindo drasticamente o índice de acidentes.

  – Se preocupar com infraestrutura viária é contribuir economicamente para o país. Os custos de um acidente para os cofres públicos são altíssimos. Economias como a do Brasil, que está crescendo frente ao mercado internacional requerem corredores viários eficientes e seguros. Outro ponto fundamental deve ser a conscientização dos condutores. A Polícia viária deve exercer controle contínuo nas estradas para mudar a consciência dos motoristas – enfatiza Greg Speier.

O presidente do DENATRAN, Alfredo Peres aproveitou para informar que a autarquia estuda a implementação de placas de segurança nos carros fabricados no país. São chips, placas eletrônicas, que vão agilizar a identificação e fiscalização dos veículos. Outra medida prevista para 2012 é a obrigatoriedade de os fabricantes de carro promoverem o CrashTest, testes para avaliar impacto de batidas, não somente para o motorista, como também para o carona.

O segundo ponto alto do seminário foi a apresentação dos resultados do primeiro ano da Operação Lei Seca. O coordenador, Carlos Alberto Lopes chamou para si a atenção do especialista convidado ao apresentar as estatísticas do transito no Brasil. Por ano, 40 mil pessoas morrem em acidentes de trânsito, e mais de 50% dos acidentes têm como causa a combinação direção e álcool. Isso acarreta para os cofres do governo um gasto de R$ 30 bilhões com internação hospitalar, remoções e recuperação dos veículos. Segundo Carlos Alberto, com esse montante daria para construir 700 mil casas populares.

Carlos Alberto explicou que o objetivo da implantação do Programa é implementar uma política pública de governo permanente capaz de garantir o direito à vida do cidadão, além de reduzir os índices de acidentes. A Lei Seca atua na capital, baixada e região metropolitana do Rio, além dos locais que apresentam maior número de ocorrência como Avenidas Brasil e Presidente Vargas, Estradas dos Bandeirantes e Lagoa-Barra, entre outros. Dados da operação mostram do início do ano até agora 13.700 veículos foram multados. E do período que vai de abril a agosto, 2.117 pessoas deixaram de ser vitimados por acidentes de trânsito, gerando uma economia de R$ 84 milhões.

O coordenador do Programa falou também sobre o apoio que a Operação Lei Seca recebeu não somente da sociedade, mas dos modais de transportes e do poder público.

– Tivemos aderência total à Lei Seca por parte dos taxistas, das Barcas, Supervia e Metrô. Isso foi fundamental para o sucesso do Programa e devemos esse êxito ao secretário Julio Lopes pelo trabalho de interface junto aos presidentes das concessionárias. Venho em nome do governador Sérgio Cabral agradecer à sua contribuição – parabeniza Carlos Alberto Lopes.  

Para encerrar os debates o secretário Julio Lopes agradeceu à presença do seminarista convidado Greg Speier, que se mostrou impressionado com os números e o êxito da Operação Lei Seca.


por: Fabíola França

Assessoria de Comunicação da Secretária Estadual de Transpores

Anúncios

Setembro 24, 2009 Posted by | jornalismo, segurança pública, Seminários, transporte | Deixe um comentário