Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Lula organiza a tropa para ir atrás de Marina

Aproximação do eleitorado de Marina e da própria senadora são prioridade para Lula. Aliados do PT devem dialogar mais com a ex-candidata

Redação Época, com Agência Estado

Saiba mais

Diante da incerteza de apoio da senadora Marina Silva (PV) à Dilma Rousseff no segundo turno das eleições, o presidente Lula e seis governadores aliados avaliaram nesta terça-feira (5) que a campanha da petista deve ir atrás do eleitorado da ex-candidata de forma rápida. Em reunião pela manhã no Palácio da Alvorada, o grupo deixou claro que vai orientar os aliados que têm boa relação com Marina a intensificar as conversas com a senadora, reconhecida como figura importante no jogo sucessório.
"A campanha tem de dialogar com o eleitor dela", afirmou o senador e governador eleito do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), um dos participantes do encontro. "Todos que conhecerem a Marina precisam procurá-la. A própria Dilma tem bom contato com ela". Casagrande relatou que o grupo avalia que a campanha de Dilma não pode ficar refém de temas religiosos, como a discussão sobre o aborto.
A candidata, segundo o senador, deve reafirmar sempre sua posição sobre o assunto, mas tem de centrar no projeto político do presidente Lula. No primeiro turno das eleições, Dilma se reuniu com representantes de igrejas evangélicas para dizer que era contra o debate sobre o plebiscito para liberar a interrupção da gravidez. "É preciso deixar claro que a disputa é de projeto político", afirmou Casagrande. "Dilma não pode ficar presa a um tema religioso, ela tem de tocar a vida".
Lula não tem "perspectiva" de se afastar do governo para entrar de corpo e alma na campanha, como sugerem aliados como o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB). A tendência é o presidente continuar suas viagens pelo país, inaugurando obras e participando de comícios de aliados, com ou sem a presença de Dilma. Renato Casagrande relatou que Lula está "muito" animado e voltou a pedir empenho na campanha. "O presidente e o grupo avaliam que Dilma tem que aproveitar a oportunidade para apresentar o seu projeto político", disse o senador. "É preciso ir para as ruas".
Também participaram do encontro o governador eleito do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), e os governadores reeleitos Omar Aziz (PMN-Amazonas), Marcelo Déda (PT-Sergipe) e Eduardo Campos (PSB-Pernambuco). Ainda estiveram no Palácio os deputados Ciro Gomes (PSB-CE), Armando Monteiro (PTB-PE) e Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), e os senadores Paulo Paim (PT-RS), Edison Lobão (PMDB-MA), Epitácio Cafeteira (PTB-MA), Renan Calheiros (PMDB-AL), Valdir Raupp (RO), Delcídio Amaral (PT-MS) e Cristovam Buarque (PT-DF).
Na segunda-feira (4), após se reunir com Dilma, em Brasília, o governador reeleito da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse em entrevista que a campanha petista tinha de buscar o eleitorado de Marina e reforçar as semelhanças entre os projetos do PT e do PV. "As trilhas e caminhos da Marina estão muito mais próximos das trilhas (de Dilma) do que dos do outro candidato", avaliou o governador, referindo-se ao adversário tucano José Serra.

Anúncios

Outubro 6, 2010 - Posted by | Brasil - Eleições 2010, Campanha Eleições 2010, Eleições 2010, jornalismo, política, SEGUNDO TURNO ELEIÇÕES 2010

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: