Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Defesa Civil de Maricá convida associações de moradores para reunião

 

Texto: Marcelo Ambrosio

A subsecretaria municipal de Defesa Civil de Maricá está convidando os presidentes de associações de moradores de todo o município para uma reunião no próximo sábado (12/01), às 10h, na qual será mostrado o Plano de Contingência elaborado para situações de emergência. O encontro será na sede da Defesa Civil – situada ao lado do Corpo de Bombeiros, na RJ-106 e é aberto a quem quiser participar. Segundo o subsecretário, coronel Jorge Braga, o objetivo da reunião é transmitir o máximo de orientações possível aos representantes das associações, para que estes, ao primeiro sinal de alarme, possam iniciar ações coordenadas com o poder público. “Vamos discutir com eles, por exemplo, a implantação de pontos de apoio pré-determinados para que, em caso de emergência, todos saibam para onde devem ir”, afirma o coronel.

A agenda também prevê a avaliação sobre a implantação de um sistema de alarme para emergências naturais, da mesma forma que municípios da Região Serrana fizeram. “No nosso caso não temos maiores riscos de deslizamentos de encostas, mas aqui há muitas famílias que vivem em situação precária, em margens de córregos que podem se tornar caudalosos por conta de um temporal”, completa o subsecretário, que pretende ainda exibir o Plano de Contingência preparado para ações desse tipo – e que prevê o acionamento de diversas esferas de administração do município em uma força conjunta de ação rápida.

Anúncios

Janeiro 11, 2013 Posted by | Associações, Defesa Civil, jornalismo, Maricá | | Deixe um comentário

Igreja Matriz de Maricá terá lavagem de escadaria neste sábado dia 12.01

Texto: Rafael Zarôr e Fernando Uchôa | Fotos: Fernando Silva

Evento religioso vai reunir grupos afros do município em um pedido de paz no mundo no próximo sábado

A tradicional lavagem da escadaria da Igreja de N.Sª do Amparo, ação religiosa que acontece há 14 anos em Maricá, será realizada amanhã, sábado, dia 12 de janeiro. O evento, organizado pela Fonte de Orientação Religiosa das Matrizes Africanas (Forma), com apoio da prefeitura, vai reunir grupos religiosos afro do município num pedido de paz no mundo pelas guerras e catástrofes naturais.

A edição de 2013 do evento começa às 16h com uma procissão da Praça da Bandeira, no Centro, até à Avenida Nossa Senhora do Amparo, também na região central, onde fica a igreja. Antes da lavagem, os grupos afro irão fazer um minuto de silêncio em homenagem aos mortos. O evento em Maricá é o terceiro maior no Brasil, ficando somente atrás da famosa lavagem da Igreja do Bonfim, em Salvador (BA), que ocorre há 120 anos, e da Igreja São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, há 20 anos.

Após a ação religiosa, os participantes farão uma roda no anfiteatro da Praça Orlando de Barros Pimentel, para cantar músicas de candomblé e umbanda. A prefeitura cedeu o espaço do anfiteatro e vai montar os equipamentos de som para a realização do evento na praça, além de dar apoio durante a procissão com a presença de guardas municipais.

Janeiro 11, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, religioso | , | Deixe um comentário

MPB nas Escolas

Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin fala sobre a importância da Musica Popular Brasileira ser intoduzida nas escolas

Nada mais estimulante que a história da música popular do Brasil para definir as várias qualificações da alma do povo miscigênico que nós somos.

Tanto as letras das músicas quanto a diversidade inebriante de seus ritmos permitem a qualquer pessoa um mergulho em profundidade na alma poliforme e descontraída, alegre ou romântica, cafusa ou mulata, simples ou por vezes mais sofisticada desta nossa quase “civilização tão própria e original” que representa a nação.

De mais a mais, e insisto, as letras (sobretudo elas) inferem toda uma conexão muito conveniente da literatura e da história do país, de modo muito direto e muito simples. E nossos ritmos – o cadinho mágico dos gêneros musicais – exibem opulentamente a magnética magia da ginga, da dança, da sensualidade, e até da ingenuidade de um povo argamassado quer pela mistura dos três raças formadoras (a índia, a branca e a negra), quer pela capacidade de surpreender ao absorver e amalgamar os estrangeirismos que nos chegam além das fronteiras, deglutindo-os com uma sofreguidão criativa inebriante e quase sempre surpreendente.

Por tudo isso, clamo de há muito que não há nada mais eficaz do que ensinar-se nas escolas municipais do país esta história. Mas, vejam bem, a saga da MPB, a sua história, essa linda e maturada trajetória que nos povoa há séculos (sendo que o último, o século XX, foi verdadeiramente consolidador e definidor) e que resume como poucas outras a grandeza descontraída da civilização brasileira.

É verdade que aqui e acolá a gente vê e sabe de notícias esparsas de tentativas de introduzir-se a música nas escolas do primeiro grau. Não bastam aulinhas de violão ou de coral.

Mas, atentem para um detalhe importante: é fundamental que se estabeleçam os parâmetros verdadeiros dessa riquíssima história, a de seus míticos personagens e a dos seus principais gêneros musicais, que rolam pelo espaço de dezenas de décadas a fio.

Até porque, para que as crianças do primeiro grau possam por ela se interessar, é necessário – eu diria obrigatório – que a verdade do que existe hoje em MPB possa ser exemplarmente qualificada. Se agora – neste século XXI – nós temos o que temos é porque tivemos origem e fôlego suficientes para chegar até aqui. Bem ou mal. A meu ver muito bem.

Ricardo Cravo Albin

Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin

Janeiro 11, 2013 Posted by | jornalismo, musica | , , | Deixe um comentário