Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Governo do Rio não pode remover índios do Maracanã

Obras da Copa

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, obteve neste sábado (12/1) uma decisão que impede a remoção dos indígenas que ocupam o antigo Museu do Índio, imóvel vizinho ao estádio do Maracanã. A demolição faz parte do projeto de adequação da instalação esportiva para a Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016. As informações são do portal R7.

Segundo a decisão da juíza Adriana Angeli, enquanto não forem cumpridas as exigências da Lei Estadual que trata dos despejos coletivos ou não for obtida decisão judicial, o estado do Rio não poderá remover os índios, sob pena de multa diária.

Neste sábado, representantes do governo do estado estiveram no local, segundo assessoria de imprensa, para atualizar o contato com os indígenas que moram no prédio. O objetivo, de acordo  com o comunicado, era finalizar o cadastro social para que haja a remoção das pessoas durante a semana e, “logo que possível, a demolição do prédio”.

As instalações do museu estão no meio de uma briga entre os índios que moram lá e o governo, que pretende demolir o prédio para as obras do Maracanã, palco da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

O imóvel, vizinho ao estádio Jornalista Mário Filho, foi erguido há mais de 150 anos. A  tribo que mora no local luta para preservá-lo. A remoção do antigo Museu do Índio, ainda segundo a nota do governo do Rio, integra o projeto de modernização do complexo do Maracanã, “sendo parte importante na questão da mobilidade”.

Anúncios

Janeiro 16, 2013 Posted by | direitos humanos, jornalismo, Judiciário | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá, Inea e Cedae encontram irregularidades no manancial do Rio Ubatiba

Texto: Marcelo Moreira | Fotos: Divulgação/Prefeitura de Maricá

Curso natural da água na localidade do Silvado foi, ao longo dos anos, alterado ilegalmente por proprietários de terra.

A ação do homem em Maricá está colocando em risco a vida do Rio Ubatiba, no Silvado – cujo manancial é responsável por boa parte da água que abastece a cidade. A descaracterização foi constatada numa operação conjunta da prefeitura, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e da Cedae na última semana.

Uma das consequências das irregularidades é o esvaziamento da capacidade de vazão do rio.

Durante a ação de fiscalização, os técnicos encontraram construções irregulares, criação de gado em local impróprio e desvio do curso natural da água para uso particular. Todas as irregularidades estão em propriedades que, em benefício de poucos, colocam em risco um bem essencial para toda a população.

Segundo a Assessora Especial de Saneamento Ambiental, Luciana Andrade, que representou a prefeitura durante a inspeção, os donos de propriedades que cercam o curso das nascentes do rio se apropriaram da natureza, desviando a água para construção de piscinas naturais, irrigação de plantações e assentamento de redes próprias para o consumo humano da água. “São interferências graves que vem acontecendo há anos e que colocam em risco a vida do manancial, reduzindo a vazão natural que chegaria à captação”, declarou Luciana, que explicou ainda como a destruição da natureza traz impactos que serão sentidos nos próximos anos. “A retirada da mata ciliar, por exemplo, só será resolvida, mesmo com o reflorestamento, depois de pelo menos cinco anos”, disse.

Ainda segundo a Assessora de Saneamento Ambiental, a prefeitura tomará medidas enérgicas para coibir novas irregularidades e demolir tudo o que foi construído sem autorização. “Não vamos permitir que a natureza continue sendo sacrificada e que se coloque em risco a capacidade de abastecimento de água. Quando falamos de água estamos falando em sobrevivência e a prefeitura dará uma resposta à altura para esse problema, ressaltou, acrescentando que a parceria com o Inea é importante, por exemplo, para multar quem desrespeitou as legislações ambientais.

Moradores concretaram parte do solo para desviar o curso d’água.

Água desviada indevidamente está sendo usada para irrigação de plantações, por exemplo.

Barragem mostrada na foto também é ilegal. da capacidade de vazão do rio.

Janeiro 16, 2013 Posted by | água, jornalismo, Maricá | | Deixe um comentário

Filme “O Circo” é a atração de hoje no festival Charlie Chaplin na Casa de Cultura de Maricá

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

Entrada Franca

No filme, Chaplin é confundido com ladrão e entra no circo para fugir da polícia

Nesta quarta-feira (16/01), a prefeitura de Maricá abre as portas da Casa de Cultura para mais uma edição do festival Charlie Chaplin. A partir das 19h, o Cineclube Henfil exibe gratuitamente “O Circo”, último filme totalmente mudo do humorista (Chaplin ainda rodaria "Luzes da Cidade", em 1931, e "Tempos Modernos", de 1936, como obras sem sonorização, porém ambos tinham música sincronizada como trilha sonora e efeitos de som).

No filme, produzido em 1928, o vagabundo Carlitos é confundido com um ladrão e, ao fugir da polícia, invade um espetáculo circense. Ao tentar se desvencilhar dos policiais, arranca risos da plateia, que o confunde com um artista, e acaba sendo contratado pelo circo. Logo se apaixona pela filha do dono.

Como em todas as suas obras, Chaplin produziu bastidores interessantes. No caso de "O Cirdo", fez exercícios de como andar na corda bamba. Chegou a gravar uma cena a 12 metros de altura, mas o negativo da câmera foi perdido. O diretor refez a gravação, mas acabou admitindo que na época que a nova cena não ficou tão boa quanto à versão original. Chaplin também sofreu uma crise nervosa durante as gravações, porque seu estúdio fora destruído por um incêndio.

Outra curiosidade do filme “O Circo” é que Charles Chaplin, inicialmente, seria indicado ao Oscar de melhor ator. Mas a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood resolveu retirar esta indicação e lhe dar um Oscar honorário, em reconhecimento ao trabalho como produtor, diretor, ator e roteirista. Em 1969, este clássico foi relançado nos cinemas americanos, em uma versão que contou com uma música cantada pelo próprio Chaplin, que na época já tinha 80 anos.

No dia 23 deste mês, o Cineclube Henfil ainda exibirá três curtas metragens do Festival Carlitos – “Vida de Cachorro”, “Ombros, Armas!” e “Pastor de Almas”. A programação de janeiro será encerrada dia 30 com o clássico “Luzes da Ribalta”. O cineclube funciona na Casa de Cultura, na Praça Orlando de Barros Pimentel, Centro.

"O Circo" foi o último filme totalmente mudo de Chaplin

Janeiro 16, 2013 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá | Deixe um comentário

Hoje tem III Rio Jazz Festival

Confira Programação do III Rio Jazz Festival

– Entrada Franca para todos os shows

16 de janeiro 12h30, no CCBB – Daniel Garcia, Ronaldo Diamante

20 de janeiro 11h30 , no MAM – Museu de Arte Moderna  – Corda toca Piazzola

23 de janeiro 12h30, no CCBB – Tutti clássicos in jazz

26 de janeiro 18 horas, na Hebraica – Adriano Souza com Rafael Barata na bateria,  e Rômulo Gomes  no contrabaixo

27 de janeiro 11h30, no MAM – Museu de Arte Moderna – Augusto Mattoso Trio

30 de janeiro 12h30, no MAM – Museu de Arte Moderna – Gravíssimo bass ensemble

31 de janeiro 12h30, na Casa Rui Barbosa – Hamleto Stamato Trio

o III Rio Jazz Festival

Janeiro 16, 2013 Posted by | cultura, jornalismo, musica | , | Deixe um comentário