Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Casa de Cultura recebe a Exposição Pequenos Artistas de Maricá

Nesta quarta-feira, às 17h, será lançada uma exposição de mandalas e desenhos abstratos, de crianças de 8 a 15 anos, das escolas municipais Carlos Magno Legentil e João da Silva… Bezerra. O trabalho foi idealizado pelo professor de artes Paulo Sérgio Aranda, com o objetivo de cumprir a ementa proposta pela Secretaria Municipal de Educação e principalmente ensinar e desenvolver nos alunos a capacidade criativa, crítica e sensitiva no gosto pela arte. Os quadros expostos na Casa de Cultura têm seu conteúdo baseado nos elementos principais das artes visuais, como ponto, reta, cores quentes e frias, primárias e secundárias.
Ao ver a felicidade de seus alunos ao terem a oportunidade de ver suas obras expostas pela primeira vez, o professor comenta a inserção das crianças no mundo das artes. “Eu falei para eles que amanhã (hoje), a partir das 17h, vocês poderão se considerar artistas plásticos. E os que fizeram um trabalho sem interesse e não foram escolhidos, na próxima vão repensar, pois vão ter outras.”
Para a inauguração da exposição, os visitantes e os pequenos artistas poderão desfrutar de um coquetel a partir das 17h. O professor Paulo Sérgio Aranda, junto a Secretaria de Cultura, que organizou o espaço para receber as obras, ressalta o incentivo recebido pela equipe. “Eu fiquei apaixonado, pois sempre sou eu e mais um pra fazer as coisas. E aqui na Secretaria não, o que tinha de gente trabalhando, ajudando, dando idéia, foi um mutirão da Cultura.”
Os visitantes poderão ver a exposição até o dia 19 de maio, de segunda a sexta de 9h às 17h, na Casa de Cultura, Praça Orlando de Barros Pimentel.

Anúncios

Maio 15, 2013 Posted by | arte, cultura, Exposições, jornalismo, Maricá, projeto cultural, social | Deixe um comentário

Arte em Taboa de Dona Benedita é o próximo documentário a ser produzido pela Prefeitura de Maricá através da Secretaria Municipal de Cultura

Texto e fotos Rosely Pellegrino. Edição: Valéria Vianna

O artesanato com palha de taboa, assim como outras plantas destinadas à cestaria, é uma das categorias artesanais de maior expressão na arte manual de Maricá.

“Resgatar a cultura e a arte de Maricá” faz parte do Programa de Governo do Prefeito de Maricá, Washington Quaquá, que, através da Secretaria Municipal de Cultura, está realizando a criação de um Banco de Imagens e Áudio de Maricá para disponibilização na Internet. No caso específico das imagens captadas pela equipe da secretaria, com Dona Benedita colhendo Taboa no brejo da Gamboa, preparando a palha e produzindo sua arte, também irão alimentar os documentários a serem produzidos para o Encontro da Juventude Católica, em julho, e para a Feira da Providência em novembro.

O artesanato brasileiro é um dos mais criativos e apreciados em todo o mundo. Quem vem de fora, costuma se fascinar com a grande diversidade de peças elaboradas pelos talentosos artesãos de norte a sul do país. Isso porque cada região brasileira possui uma arte manual peculiar, que expressa a cultura e a arte local. Dessa forma, não existe nada melhor para comprar do que uma peça de artesanato local como lembrança de um destino visitado. Uma das técnicas que vem sendo cada vez mais aplicada no artesanato brasileiro é a do artesanato com palha de taboa – uma planta aquática que nasce de forma abundante em brejos –realizada com maior ênfase pelos artesãos das regiões Nordeste e Sudeste do Brasil.

O que é TABOA

DSCN0508“Das mãos de meus pais conheci a fibra da Taboa, planta que para muitos não tem utilidade, mais, para mim e para toda minha familia nos trouxe a arte” (Benedita Rosa do Amparo Barros)

TABOA typha dominguensis. A taboa é aquele “capim alto” dos brejos, formando massas uniformes, planta bastante rústica e que está presente em vários pontos do planeta.
É chamada na França de “Massete”, na índia de “Keya” na Amazônia de Partasana.
A taboa cresce rápido, toma qualquer espaço alagadiço, tanto em água doce, como em água salobra.

DSCN0699DSCN0700DSCN0701 Trança – É usada na fabricação de esteiras e outros trançados. Chega a dar 4 cortes por ano, isso em água pura, onde talvez, possa dar mais ainda.
A taboa funciona como depuradora de águas (filtro), como os aguapés.
Possui outras utilidades: Suas folhas possuem celulose em estado muito puro, que poderia ser aproveitada pelas fábricas de papel e papelão; do seu rizoma tira-se alimento, saboroso e nutritivo, sendo que na Austália fazem bolo doce com seu rizoma.

DSCN0505

DSCN0550DSCN0553DSCN0563DSCN0572 Dona Benedita Colhendo a Taboa, nos informa que a altura da água pode chegar acima da cintura,  Quando perguntamos a Dona Benedita sobre os riscos de entrar no brejo, em meio aos chumaços do capim alto, ela afirma que são muitos, por conta dos mosquitos, cobras e sanguessugas.

O pólem da flor é um sucedâneo (medicamento que pode substituir outro por ter as mesmas propriedades) ao licopódio (pó para simular relâmpagos em teatro e cobrir pílulas farmacêuticas) de uso farmacêutico.
Muitos animais usam os taboais para se reproduzir, como cobras,  jacarés, tartarugas, patos e gansos – daí o gosto dos caçadores por essas áreas.

DSCN0624DSCN0638DSCN0643 Dona Benetida e sua filha Sebastiana, limpando, secando a palha e montando os fardos para serem carregados.

A taboa é uma matéria viva, portanto se for molhada, deixe seca-la ao sol.
Mas chegar ao resultado ideal não é tão difícil, basta apostar na Simplicidade.

DSCN0646 Porém, apesar do modismo, essa técnica para a família da artesã Dona Benedita é bastante antiga, pois foi desenvolvida por sua família há muitos anos. Assim como inúmeras famílias de artesãos espalhadas no país, a de Benedita Rosa do Amparo Barros, há mais de sete gerações em Maricá, utiliza o trabalho com a fibra de taboa como renda e ajuda no sustento da família.

Filha de Seu Osvaldo e Dona Albertina, a artesã maricaense de 62 anos, Dona Benedita, como é conhecida carinhosamente, começou a trabalhar desde cedo e mantém a tradição da família, tendo viva na memória a imagem de sua avó, parteira muito estimada em toda região, conhecida como Dona Moça, que também passava o dia no brejo com a família cortando a taboa e depois, por semanas, estendia as fibras até secarem para poder tecer as esteiras.

A taboa recolhida no brejo é cortada, separada, secada, ripada, raspada e trançada para que depois seja costurada, se transformando em diversos produtos artesanais.

E foi assim, acompanhando seus pais desde pequena que, aos 10 anos, Dona Benedita entrou pela primeira vez no brejo para colher a planta e começou a trabalhar na produção de esteiras de taboa, contribuindo no sustento da família, de 4 irmãos. Os irmãos foram trabalhar na roça e estudaram (ela nunca foi a escola e também nunca parou de trabalhar).

Com orgulho, ela fala: “Hoje, se for no brejo cortar taboa com uma criança, é trabalho escravo. Mas, naquele tempo, era normal todos ajudarem no sustento da família. Ou ia para roça ou ia cortar taboa. Este era o trabalho da família.”

Atualmente, a rotina ainda se repete e Dona Benedita caminha, às vezes, mais de quatro quilômetros e passa o dia no brejo, selecionando e cortando a taboa em sua fase madura, dando o corte na altura certa para garantir um novo crescimento, mantendo a planta viva e fornecendo a matéria prima necessária para dar continuidade a sua arte.

Dos três filhos, apenas a filha Sebastiana tomou gosto pela confecção da arte em taboa. Ela nos contou que, desde pequena, Dona Benedita levava ela e os irmãos para a labuta, lembrando que a mãe estendia um pano no brejo, onde colocava ela e os irmãos, enquanto trabalhava colhendo a taboa. Aos 13 anos, para ajudar no orçamento, Sebastiana entrou no brejo e começou a trabalhar com a mãe, acompanhando sempre todo o processo, desde o corte da colheita, amarração dos fardos, separação das fibras, secagem e produzir a esteira, peça finalizada com o trançado da palha. E foi assim que ela estudou, se casou, construiu casa e criou os filhos. Hoje, Sebastiana tem um emprego, mas afirma que produzir artesanato em taboa é o que mais gosta de fazer. Sempre que pode, ela acompanha e ajuda a mãe no corte da taboa, normalmente realizada nos feriados ou fins de semana, quando passam o dia dentro do brejo cortando a planta e amarrando os fardos. Em um dia de trabalho, juntas, elas cortam um caminhão de taboa. Ela nos informou que a planta depois de seca reduz o volume e que esta quantidade dá para as duas trabalharem e se manterem durante o inverno.

DSCN0744DSCN0746DSCN0747DSCN0756

Vale ressaltar que, em Maricá, hoje em dia, apenas Dona Benedita e sua filha Sebastiana continuam mantendo viva esta tradição.

DSCN0680 As esteiras fazem parte do passado, há mais de 20 anos Dona Benedita descobriu que também poderia economizar matéria prima e criar várias peças com a trança da taboa e passou, desde então, a produzir diversos produtos artesanais, como tapetes, cestos de vários tipos, bolsas, jogos americanos, suporte para panelas, chinelos e outros. Caminho também seguido por sua filha, que acrescentou na arte em taboa a pintura e vários produtos antes produzidos apenas com cipó, pano, e outras palhas.

DSCN0655DSCN0657Equipe da Secretaria Municipal de Cultura de Maricá, (editora deste blog) produtora cultural Rosely Pellegrino, o cameraman Katito e Igor, da Secretaria Municipal de Defesa Civil, acompanharam Dona Benedita e sua filha Sebastiana na colheita da Taboa.

Aproveitamos para agradecer ao Secretário Municipal de Defesa Civil, Coronel Braga e sua equipe, pelo apoio e parceria com a Secretaria Municipal de Cultura.

Vale mencionar que Dona Benedita está expondo e vendendo sua arte no Mercado das Artes, localizado no Centro, em frente à Casa de Cultura de Maricá.

Maio 15, 2013 Posted by | arte, cultura, jornalismo, Maricá, projeto cultural | , | 1 Comentário

Ricardo Cravo Albin apresenta Leila Pinheiro na ABL

Leila Pinheiro na ABL apresentação de Ricardo Cravo Albin

Maio 15, 2013 Posted by | Lazer, musica, social | , , | 1 Comentário

Obras do Comperj

A Petrobras informa que foi intimada, no início da noite desta terça-feira (14), de sentença que anula as licenças ambientais emitidas pelo órgão ambiental estadual para as obras do Comperj, implicando em paralisação imediata das obras. A Petrobras informa ainda que está avaliando as medidas cabíveis.

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Maio 15, 2013 Posted by | COMPERJ, jornalismo | | Deixe um comentário

Forum contra dependência química mostra ampliação de atendimentos em Maricá

Texto: Fernando Uchôa | Fotos: Clarildo Menezes

A Subsecretaria Municipal de Prevenção e Combate à Dependência Química de Maricá promoveu, nesta segunda-feira (13/05), na Casa Digital, mais uma edição do Fórum Permanente , destinado a discutir políticas públicas do setor. Além de apresentar os projetos em atividade, o subsecretário Allan Christi exibiu o quadro atual de atendimento do setor, e que mostra não só um panorama do problema das drogas no município, como o esforço da própria Prefeitura no desafio de enfrenta-lo. Segundo Christi, a cidade tem hoje 260 usuários atendidos, dos quais 125 são considerados casos ‘ativos’ – ou seja, aqueles nos quais o dependente mantém o consumo da droga. Além disso, há 60 casos regulares – situação na qual o dependente não usa mais a droga – e 30 grupos familiares, com um crescimento extraordinário da demanda – espontânea, emergencial e de urgência (avaliação e atendimento clínico).

O problema é exposto em números: o número de atendimentos feitos pela subsecretaria comprova que as ações são mais do que necessárias: enquanto em fevereiro foram registrados 24, em março e abril houve um salto, 111 no primeiro e 290 atendimentos no segundo.

Para atender à expansão desse aumento da procura do serviço, novos técnicos (psicólogos e assistentes sociais) estão sendo admitidos por meio de processo seletivo , no município. A família também é tratada juntamente com o usuário (grupos familiares). No caso de menores envolvidos com drogas e que estejam em situação de risco, entram órgãos como o CREAS, Conselho Tutelar e CMDCA.

Atividades

O Fórum também discutiu as atividades de apoio ao combate à dependência atualmente em curso. De acordo com a subsecretaria, a quantidade de palestras em escolas está sendo ampliada: contra 20 escolas beneficiadas em 2012, este ano a intenção da subsecretaria é a de atender as 49 unidades da rede. Ações sociais como o Dia Nacional da Luta contra o Álcool, Ação Social em Itaipuaçu (realizada em 27/04) e ações promovidas por associações de bairro como a Associação de Moradores de Inoã, também fizeram parte desse esforço. A subsecretaria igualmente confirmou que o banco de dados com informações do atendimento aos usuários e dados das instituições de recuperação atuantes no município está sendo atualizado. Outras atividades importantes complementam o esforço, como os cursos e oficinas de geração de renda (tapeçaria e jardinagem). A criação do Conselho Municipal de Prevenção às Drogas (Comad), já tem projeto de lei, de autoria do ex-vereador Jorge Castor, está sendo revisto para ser apresentado à Câmara Municipal.

Segundo a secretária municipal de Assistência Social, Laura Maria Vieira da Costa, além da proposta de criação do COMAD, existe uma lei municipal que sustenta a realização de palestras em escolas públicas sobre prevenção às drogas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). “A lei abrange as escolas municipais. Em relação às estaduais, federais e particulares, podemos oferecer o serviço, que exige pessoal técnico qualificado. A prevenção é a melhor forma de combate”, disse.

Allan Christi concluiu dizendo que toda política pública desenvolvida pelo setor, busca a participação das comunidades, para um maior esclarecimento sobre a importância do papel que elas têm no processo. “A luta contra o abuso do álcool e das drogas é um tema delicado e complexo, pois o usuário é uma pessoa doente, que precisa ser tratada. Sem a interação entre governo e sociedade civil, se torna mais difícil a prevenção e o combate”.

Maio 15, 2013 Posted by | assistencia social, jornalismo, Maricá, projeto social | Deixe um comentário

Prefeitura Municipal de Maricá abre 80 vagas para palestra sobre sistemas hidráulicos

Texto: Leandra Costa (edição: Marcelo Ambrosio)

Palestra sobre sistemas hidráulicos tem 80 vagas

A secretaria municipal de Educação de Maricá oferece 80 vagas para a palestra técnica “Águas Quentes, Águas Frias, Esgoto e Saneamento”. Com duração de 4h, a capacitação vai explicar sobre o funcionamento do sistema hidráulico de uma casa e oferecer dicas para a instalação dos materiais mais adequados para evitar futuros problemas de vazamento, respeitando as exigências da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

O curso será oferecido pela empresa Tigre em dois dias, no dia 20 de maio (segunda-feira), ou no dia 24 de maio (sexta-feira), e em dois horários, na parte da tarde (13h às 17h), na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel), e à noite (18h às 22), no CEM Joana Benedicta Rangel (Avenida Nossa Senhora do Amparo nº 57 – Centro).

Os interessados devem se inscrever até o dia 17 de maio, na secretaria municipal de Educação, localizada na Rua Barcelar da Silva Bezerra nº 105 – Centro. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (21) 2637-8817.

Maio 15, 2013 Posted by | construção civil, Educação, jornalismo, Maricá, palestra gratis | | Deixe um comentário

População aprova mudanças da Lei de Uso do Solo de Maricá em audiência pública

Texto: Marcelo Ambrosio | Fotos: Rosely Pellegrino

z DSCN2313 A Prefeitura de Maricá realizou, na noite desta terça-feira (14/05), na quadra do Esporte Clube Maricá, audiência pública para discutir as novas regras de uso do solo e do zoneamento urbano da cidade. Com o crescimento acelerado, o atual Plano Diretor, criado em 2006, não atende mais às necessidades e a Lei 145/06, de Uso do Solo, é a primeira a ter sua reformulação discutida. “Há uma indústria de fabricação de tintas para plataformas que quer se instalar em Maricá, mas a legislação não prevê nenhuma área para algo desse tipo. É isso que temos de estudar e alterar aqui, dentro do que a cidade e a população entendam que seja o melhor”, afirmou o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Celso Cabral. O secretário deu a medida dessa necessidade: “Em 2010, analisávamos de 20 a 25 processos de licenciamento urbano por semana. Hoje”, acrescentou, “esse número passou de 300 a 320 por semana. É preciso agir agora”, disse.

DSCN2301DSCN2304 Na pauta, figurou como ponto principal a criação de uma Zona de Especial Interesse Industrial, a ser instalada na região que compreende os bairros de Manoel Ribeiro, Bambuí, Bananal e Jaconé. A audiência contou com a presença do prefeito Washington Quaquá, do secretário de Desenvolvimento Econômico, Lourival Casula, e de outras autoridades. “É a oportunidade de definir ações de forma que Maricá não tenha os problemas enfrentados pelos municípios que não fizeram isso”, afirmou Casula. Durante o evento, por iniciativa do prefeito, foi posta em votação a proposta de aceitar ou não alterações na Lei de Uso do Solo. A maioria dos presentes apoiou a iniciativa.

DSCN2350DSCN2349

DSCN2311DSCN2361 A criação dessa área específica, impulsionada pelo Comperj e pela logística do petróleo mas aberta a outras possibilidades, permitirá a chegada de indústrias capazes de gerar emprego e renda com sustentabilidade e responsabilidade social. “Temos empresas a caminho, com carta de intenção assinada: uma fábrica de barcos esportivos, vinda da Itália, em Bambuí e uma montadora de carrocerias de trens, bondes e caminhões, também italiana, que virá para Manoel Ribeiro”, detalhou o prefeito. Apenas nos dois exemplos serão gerados 370 empregos diretos – e qualificados. “Cada projeto terá a sua audiência pública, para que a população opine e avalie. Tudo será feito com total responsabilidade social e ambiental”, acrescentou. Segundo o prefeito, a alteração anterior, anulada pela Justiça, permitiu que a cidade pudesse receber o gasoduto do pré-sal, já definido pela Petrobras. “Discordamos da decisão, mas em vez de recorrer, ampliamos a discussão e o próprio modelo. Temos de rever tudo”, disse.

O novo zoneamento urbano permitirá, ainda que o suporte à exploração de petróleo e gás no mar tenha um heliporto estrategicamente situado a 200 km em linha reta dos campos do pré-sal. “Estive com a empresa, e eles projetam 120 voos por dia saindo de Maricá, com mais 240 empregos gerados”, afirmou o prefeito. A viabilização do futuro Polo Naval de Jaconé também passa pelo novo marco legal, já que a área receberá não só um porto, mas também um estaleiro, com previsão de 13 mil empregos diretos e indiretos. A alteração na lei permitirá, ainda a criação de uma área para construção de galpões industriais, às margens das RJs 104 e 106, igualmente voltada à dinâmica do Comperj e do petróleo.

As compensações ambientais serão proporcionais. No caso do porto, por exemplo, será a construção, pela empresa responsável pelo projeto, do enrocamento de pedras e a dragagem que abrirá o canal de Ponta Negra à navegação.

Maio 15, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, meio ambiente | | Deixe um comentário