Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

1ª. Edição do Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana/2014 – Edital PNPI 2014

Estão abertas, de 28 de abril a 19 de julho, as inscrições para o Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, edital que premiará ações de patrimônio desenvolvidas em terreiros – tombados ou não – a nível nacional.
A documentação comprobatória da ação, bem como os anexos deverão ser enviados via Correios aos cuidados do Departamento do Patrimônio Imaterial, localizado na sede do Iphan, em Brasília.

Confira o edital no link abaixo:
1ª Retificação do Edital 01/2014
Edital de concurso 01/2014 – Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana/2014
Anexo 1 – Ficha de inscrição
Anexo 2 – Resumo da ação
Anexo 3 – Currículo da instituição proponente
Anexo 4 – Termo de consentimento prévio informado
Anexo 5 – Carta de apoio
Anexo 6 – Apresentação de recurso
Para mais informações, contatar:
povos.matrizafricana@iphan.gov.br
Desirée Ramos Tozi
(61) 2024-5434
Diego Simas
(61) 2024-5424
Francisco Phelipe
(61) 2024-5438

Anúncios

Julho 9, 2014 Posted by | cultura, direitos humanos, jornalismo, projeto cultural | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil exibe "Os Guarda-chuvas do Amor"

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

Estrelado por Catherine Deneuve, filme foi um dos grandes sucessos do cinema francês na década de 1960

Sucesso do cinema francês será apresentado na Casa Digital, a partir das 19h nesta quarta-feira (09/07), em sessão gratuita

O Cineclube Henfil, projeto da Secretaria Municipal de Cultura, apresenta hoje, (09/07) o segundo filme em homenagem ao cinema francês. A partir das 19h, o público poderá conferir a obra "Os Guarda-chuvas do Amor" ("Les Parapluies de Cherbourg"), lançado em 1963, na França, com 91 minutos de duração e estrelado por Catherine Deneuve, considerada uma das mais importantes atrizes do mundo. A sessão é gratuita e acontece na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, no Centro). Senhas de acesso serão distribuídas 30 minutos antes do evento.

Dirigido por Jacques Demy, a comédia musical conta a história de Guy Foucher (Nino Castelnuovo), um jovem mecânico de 20 anos, que é apaixonado por Geneviève Emery (Catherine Deneuve), de 17 anos, e que trabalha com a mãe no negócio da família, uma loja de guarda-chuvas elegante, mas pouco lucrativa. Geneviève também o ama, mas sua mãe acha que ela é muito nova para casar e não vê como Guy pode manter uma família. Após Guy ser convocado para o serviço militar, ela descobre estar grávida.

A obra ganhou o Globo de Ouro, em 1966, como Melhor Filme Estrangeiro, e Jacques Demy recebeu a Palma de Ouro do Festival de Cannes (França), em 1964, como Melhor Diretor. O musical também recebeu quatro indicações ao Oscar: Melhor Filme Estrangeiro (1965), Melhor Música Original – "I will wait for you", Melhor Trilha Sonora e Melhor Roteiro – as três últimas concorreram na premiação de 1966 porque o filme estreou nos cinemas americanos somente neste ano.

Este foi o primeiro dos quatro filmes da parceria entre o diretor Jacques Demy e a atriz Catherine Deneuve. Os demais foram "Duas Garotas Românticas" (1967), "Pele de Asno" (1970) e "Um Homem em Estado Interessante" (1973). Outra curiosidade é que todos os diálogos da obra "Os Guarda-chuvas do Amor" são cantados.

O Cineclube Henfil ainda presenteia os amantes do cinema com outros sucessos franceses: "Les Dames du bois de Boulogne" (16/07) e "Pauline et François" (23/07). O projeto da Secretaria Municipal de Cultura é realizado desde dezembro de 2012.

Julho 9, 2014 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, projeto cultural | | Deixe um comentário

Maricá cria política municipal contra aquecimento global

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Clarildo Menezes

Uma das iniciativas para diminuir o efeito estufa é o plantio de mudas na cidade, por meio do projeto "Maricá + Verde"

Prefeitura disponibilizará, em breve, no site um programa para medir quanto cada cidadão emite de gás carbônico (CO²) por ano

Para inserir a cidade nos esforços mundiais em torno da redução dos impactos ambientais causados pela emissão de gás carbônico (CO²), a Prefeitura de Maricá criou a Política Municipal de Atenuação do Aquecimento Global, integrada à Lei Orgânica da cidade (artigo 331-A, da lei nº 40, de 10 de junho de 2014). Iniciativas ecologicamente corretas já estão em execução na cidade, como o projeto "Maricá + Verde" (com 2.298 mudas plantadas desde março), intensificação de esforços para a preservação das Unidades de Conservação e a eliminação de pontos críticos do passivo ambiental, como é o caso da remediação do antigo aterro municipal, fechado definitivamente em 2013. O projeto de recuperação da área está sendo elaborado pela Secretaria Municipal de Ambiente.

Secretário Tiago de Paula participou da formulação da política municipal

O secretário municipal de Ambiente, Tiago de Paula, colaborou com a formulação da politica municipal. Segundo ele, é necessário que todos tenham consciência ambiental para diminuir o efeito estufa na atmosfera. "Andar de carro movido a gasolina, fumar cigarros e até o consumo de carne bovina contribuem para o aumento do aquecimento do planeta. O que se faz no Brasil reflete em qualquer lugar", exemplificou o secretário, explicando a relação de causa e efeito com o consumo da carne. "O gado é responsável por quase 1/5 de todo o aquecimento global. O animal expele gases, especialmente metano, que é 21 vezes pior do que o CO² quando se trata de aumentar o efeito estufa", acrescentou.

Um teste para medir o aquecimento global

Para conhecer quanto cada cidadão contribui com o aquecimento global, a Secretaria de Ambiente criou um programa – em breve estará disponível no site da prefeitura – onde é feito um cálculo anual de emissão de gás carbônico. Após preencher a tabela, o programa indica quantas árvores são necessárias – segundo dados da secretaria, cada árvore equivale a 180 kg de CO² – para compensar o dano ambiental causado, principalmente, pela queima de combustíveis fósseis, como gasolina, diesel, querosene de aviação, carvão mineral – para geração de energia elétrica via termelétricas – e gás. "De todo o gás carbônico que cada pessoa emite, 40% estão relacionados ao uso do automóvel. A solução é andar menos de carro e, quando o fizer, optar pelo etanol como combustível", afirmou Tiago, acrescentando que a secretaria disponibiliza gratuitamente mudas nativas da Mata Atlântica.

A reciclagem do lixo é outro bom exemplo de como é possível evitar o aumento do aquecimento global. "O lixo de um cidadão americano médio provoca a emissão de 227 kg de CO² por ano. Reciclar esse material evita que novas embalagens tenham de ser produzidas a partir de mais árvores cortadas. Além disso, reduzir a produção de lixo em 10% já é o suficiente para deixar de emitir 545 kg de gases em um ano", reforça o secretário. Ainda segundo Tiago, para uma distância de 1.600 km percorrida, um avião joga no ar em torno de 150 kg de gás carbônico. "Na mesma distancia, quando percorrida por um trem, são emitidos somente 3 kg de CO². As aeronaves são responsáveis por 3,5% da emissão de gases que causam o efeito estufa", completou. Não à toa, a indústria aeronáutica vem investindo pesadamente em novos materiais, mais leves e resistentes e que possam reduzir o atrito com o ar e impliquem em economia de combustível.

Com esta legislação municipal, a secretaria coloca em prática ainda o banco de áreas verdes nas Áreas de Preservação Permanente (APP) do município. "Quando o Inea autoriza a construção de um empreendimento, os empresários precisam plantar uma quantidade maior do que a foi retirada para compensar. Só que não existem terrenos disponíveis e estamos oferecendo o nosso banco de áreas", declarou Tiago, acrescentando outro serviço disponível na secretaria. "Recuperamos, gratuitamente, propriedades rurais degradadas com o plantio de mudas nativas da Mata Atlântica. O dono do terreno tem de se comprometer em manter a região preservada", concluiu.

Os interessados precisam solicitar este serviço na Secretaria de Ambiente (Rua Vereador Luiz Antônio da Cunha, 428, no Flamengo). Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 2637-3835.

Prefeitura elabora projeto para remediação do aterro municipal, fechado definitivamente em 2013 – Foto: Fernando Silva

Cachoeira do Espraiado é uma das Unidades de Conservação

Emissão de CO² por veículos a gasolina e diesel causa o aquecimento global – Foto: Fernando Silva

Julho 9, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, meio ambiente | Deixe um comentário

Prorrogado prazo de cadastramento de trilheiros em Maricá

Texto: Leandra Costa (edição: Raquel Andrade)

Cadastro também pode ser feito no site da Prefeitura

Visando o ordenamento da prática do motocross na cidade de Maricá, a Secretaria Municipal de Ambiente estendeu até o dia 01/08 o prazo de cadastramento dos trilheiros, inicialmente, marcado até o dia 01 de julho. Os membros serão devidamente cadastrados e autorizados a fazer trilha na unidade de conservação do Espraiado (ARIE – Área de Relevante Interesse Ecológico do Espraiado).

Os interessados em obter a autorização poderão comparecer a sede da Secretaria Municipal de Ambiente, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, localizada na Rua Vereador Luiz Antônio da Cunha, 428, no Flamengo, ou efetuar o cadastro por meio de um formulário online, disponível no site da Prefeitura  (http://www.marica.rj.gov.br/ambiente/?a=formulario). Para o cadastro, é necessário apresentar carteira de identidade, CPF, comprovante de residência e foto 3X4.

O subsecretário de Ambiente, Evandro Sathler, explicou que quem fizer o cadastramento até o prazo irá receber a carteira de trilheiro custeada pela secretaria. "Após esse período, o custo ficará sob a responsabilidade do esportista", acrescentou. Até o momento, mais de 100 trilheiros já se cadastraram.

Julho 9, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, turismo | | Deixe um comentário

Novo projeto da Fazenda São Bento da Lagoa, referência em sustentabilidade, terá ocupação predial de apenas 6,4% do terreno

Empreendimento vai criar RPPN de restinga, dar titularidade a pescadores da comunidade local, gerar milhares de empregos e ajudar a requalificar o Leste Fluminense

A IDB Brasil – Iniciativas e Desenvolvimento Imobiliário — apresentou a imprensa maricaense, o novo empreendimento da Fazenda São Bento da Lagoa, previsto para ser implantado numa área de aproximadamente 840 hectares em Maricá, no Estado do Rio. O projeto, um complexo turístico, residencial, comercial, empresarial e esportivo, com investimento inicial estimado em R$ 3 bilhões, preserva 81% do território com vegetação nativa, além de manter e resgatar a cultura da comunidade de pescadores de Zacarias, que ocupa 2% da área. Apenas 6,4% do terreno terão ocupação predial efetiva – o percentual restante é de intervenções sem edificações, como praças, vias e jardins.

A Fazenda São Bento da Lagoa está localizada em área privilegiada de Maricá, com praia, lagoa, restinga e outros ecossistemas de Mata Atlântica. A empresa ajudará não apenas a preservar, como recuperar e ampliar esses recursos naturais. Formado em Ciências Ambientais, o diretor-geral da IDB Brasil, David Galipienzo, explica que, após as iniciativas de revegetação das áreas degradadas, a Fazenda São Bento da Lagoa ganhará, em extensão, mais de 100 hectares de vegetação nativa de restinga, o que equivale, em tamanho, ao Parque do Aterro do Flamengo.

Fazenda São Bento 1Panorâmica 1

Galipienzo explica que o empreendimento levará melhorias há muito esperadas pela população local.

— O projeto procurou um equilíbrio importante entre a comunidade, a restinga e o desenvolvimento sustentável da região. Os pescadores ganharão título de propriedade, infraestrutura e urbanização no mesmo padrão do empreendimento, além de incentivos à cultura da pesca. Já a restinga se transformará numa Reserva do Particular do Patrimônio Natural (RPPN), que abrigará um Centro de Pesquisas. Sob a ótica do desenvolvimento econômico, a região vai ganhar infraestrutura, além de atividades geradoras de renda. Tudo com equilíbrio — destaca o diretor da IDB Brasil.

A Fazenda São Bento da Lagoa também tem um papel transformador no cenário de desenvolvimento econômico da região. O empreendimento está estrategicamente localizado a poucos minutos de pontos-chave do desenvolvimento do Estado — a 25 km do polo petroquímico Comperj, a 15 km do Porto de Jaconé, a 45 km do Centro do Rio e a 5 km do Centro de Maricá — e deve se transformar num importante polo residencial e turístico do Leste Fluminense. O projeto prevê a construção de quatro hotéis de alto padrão, dois shopping centers, centro empresarial, campo de golfe, centro hípico e clubes, além de unidades residenciais de alto padrão.

Um importante atrativo turístico do empreendimento é o campo de golfe, com 18 buracos. Diferentemente de complexos similares, a área não será exclusiva para sócios. Além de aberto ao público geral, o campo de golfe terá um desenho sustentável, que minimiza as áreas gramadas e os impactos ambientais. A técnica aplicada à construção da área é sustentável, ainda incomum no Brasil, e prevê o reflorestamento com o uso de plantas nativas da região. Ainda não muito popular no país, o turismo de golfe movimenta, anualmente, 30 bilhões de dólares no mundo, com mais de 15 milhões de praticantes da modalidade.

O ambiental, o social e o econômico

A Fazenda São Bento da Lagoa ocupará uma área de aproximadamente 840 hectares, na APA de Maricá (Área de Proteção Ambiental), uma unidade de conservação onde são permitidos, por Lei, usos compatíveis aos projetados para o empreendimento. O valioso patrimônio ambiental, cultural, arqueológico e científico será protegido por meio da criação da segunda maior Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) do Estado do Rio, que assegurará a preservação perpétua do trecho de restinga. Além disso, a área abrigará um Centro de Pesquisas que vai fomentar estudos científicos sobre todas as especialidades existentes nos ecossistemas locais. A gestão ficará a cargo do empreendedor, em parceria com o poder público, instituições de pesquisa e ONGs.

Todo o esgoto gerado no empreendimento será tratado em estações próprias com tratamento terciário, que utilizarão os mais rígidos padrões de qualidade da água em sua operação. Não haverá lançamento de esgoto através de emissário para o mar ou para a lagoa. Nas obras, serão usados prioritariamente materiais sustentáveis e haverá reaproveitamento de recursos naturais, como a água.

A responsabilidade social é outro forte componente do empreendimento. Maricá é um município litorâneo com tradição pesqueira, cultura que a IDB Brasil perpetuará. Assim, a comunidade pesqueira de Zacarias, inserida na área da Fazenda, será mantida em seu lugar, de acordo com a demarcação do Plano de Manejo. Um processo de regularização fundiária entregará aos pescadores escrituras definitivas de suas moradias. A comunidade receberá melhorias urbanísticas e infraestruturas de água, esgoto e drenagem no mesmo padrão do empreendimento. As medidas aumentarão a segurança e a qualidade de vida da população. Os pescadores e suas famílias receberão ainda cursos de qualificação de mão de obra e participarão de projetos que visam ao resgate da cultura da pesca artesanal. Serão beneficiados também pela revitalização da Lagoa de Maricá, prevista no projeto.

A economia é outro segmento que sentirá a presença positiva do empreendimento. Durante 10 anos até a finalização do complexo, milhares de empregos diretos serão gerados nas obras. Quando entrar em funcionamento, as instalações existentes na Fazenda São Bento da Lagoa gerarão, em diversas fases, empregos suficientes para tornar a área o maior polo gerador de renda do município.

O empreendimento confirmará sua participação na curva de crescimento sustentável de Maricá e do Leste Fluminense, trazendo melhorias de infraestrutura e lazer – como hospital, escola, dois shopping centers, centro empresarial, área esportiva, ordenação de vias, entre outras – há muito tempo reivindicadas pela população. A Fazenda São Bento da Lagoa é um empreendimento de caráter inclusivo, que assegura à população acesso a todas as belezas naturais da região.

O Grupo Cetya e o novo projeto

Infográfico comparativo entre os projetos de 2007 e o atual, de 2013:

Infográfico autalizado 2013

O Grupo Cetya, controlador e administrador da IDB Brasil, além de atuar em projetos que preveem recuperação ambiental realiza, há décadas, investimentos para o desenvolvimento sustentável nos territórios em que atua. O grupo espanhol destina 0,7% de seu lucro anual a iniciativas socioambientais. O trabalho da empresa rendeu prêmios e reconhecimento por boas práticas operacionais, iniciativas e projetos de restauração, conservação e desenvolvimento sustentável.

O novo projeto da Fazenda São Bento da Lagoa está de acordo com as especificações do Plano de Manejo para a APA de Maricá, aprovada e sancionada pelo Governo do Estado de Rio de Janeiro, em 2007, e cumpre neste momento processo de licenciamento no Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

A concepção do novo projeto foi completamente modificada em relação à proposta preliminar apresentada para a região em 2007. Em 2008, a IDB teve sua composição societária alterada e passou a ser administrada pelo Grupo Cetya, que atua há 40 anos no mercado de construção com expertise em sustentabilidade. Os novos sócios impuseram rigorosas diretrizes de sustentabilidade para o empreendimento e uma baixíssima taxa de ocupação para a área.

Fonte: Approach Comunicação Integrada

Julho 9, 2014 Posted by | construção civil, Habitação, jornalismo, Maricá, meio ambiente, Mercado Imobiliário, moradia | , , , | Deixe um comentário