Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Prefeitura Municipal de Maricá e Ministério da Cultura convidam atores publicos e sociedade civil para reunião de Ativação do Território de Vivência do CEU de Maricá RJ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ

SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

MINISTÉRIO DA CULTURA
Secretaria da Economia Criativa – SEC
Oficina de Mobilização Social ampliada com atores públicos e sociedade civil

Caros,

É com grande prazer que comunicamos o início do processo de visitação de 2014 aos municípios participantes do Programa CEU – Centro de Artes e Esportes Unificados, com o objetivo de estreitar laços com os todos os atores públicos e sociedade civil – membros do Grupo Gestor do CEU Maricá, artistas e comunidade em geral.

Será boa oportunidade para troca de experiências, conhecer e contribuir no uso e programação deste equipamento, além de participar da qualificação do mapeamento do “Território de Vivência” em torno do CEU, já iniciado pela equipe do Ministério da Cultura.

Assim, gostaríamos de convidá-lo para a Oficina de Mobilização Social, na data de 25/07/2014, no próprio CEU Maricá. Entendemos este evento como uma ação conjunta entre o Ministério da Cultura, a prefeitura e a sociedade civil e, portanto contamos com seu apoio nesta construção.

Aguardamos ansiosamente sua presença, entendendo esse espaço como momento oportuno para a boa gestão compartilhada. Segue o roteiro do evento, conforme a programação descrita abaixo.

ROTEIRO – NOITE
Dia 25/07/2014 Horário 18:30 às 21:00

Objetivo Específico. Oficina ampliada com atores púbicos e da sociedade civil: Qualificação do mapeamento sociocultural da cidade e construção de agenda de mobilização social e articulação com o Grupo Gestor.

Participação Esperada
• Representantes da Sociedade civil;
• Representantes/Líderes culturais;
• Representantes do Poder Público;
• Membros dos Grupos Gestores do CEU e representantes dos CEUs convidados.

Programação
18:20 – Acolhimento;
18:30 – Apresentação da programação;
18:35 – Apresentação dos presentes;
19:15 – Apresentação: Mobilização Social e Territórios de Vivência;
19:30 – Apresentação do mapeamento do Território de Vivência;
19:45 – Qualificação do mapeamento;
16:50 – Questões Norteadoras;
20:05 – Exercício de programação dos espaços do CEU;
20:30 – Validação do mapeamento e programação;
20:50 – Avaliação da oficina;
21Encerramento.

Anúncios

Julho 25, 2014 Posted by | cultura, jornalismo, Maricá, projeto cultural | , , | Deixe um comentário

Projeto de implantação dos recifes artificiais de Maricá é apresentado

Texto: Marcelo Ambrosio | Fotos: Fernando Silva

Luiz Guilherme de Aguiar apresentou o projeto, voltado para a criação de estruturas móveis capazes de proporcionar a prática do surf em ondas perfeita

Os engenheiros Luiz Guilherme de Aguiar e Maurício de Andrade apresentaram nesta quinta-feira (24/07), no auditório do Centro de Artes e Esportes Unificados (Ceu), no Centro, o projeto  do Recife Artificial de Maricá.  Luiz Guilherme, que é doutorando em Engenharia Oceânica pela Universidade de Lisboa, e Maurício, que dirige a empresa Arrecifes Artificiais Multifuncionais (Aram), são surfistas e já haviam mostrado, ano passado, o estudo que desenvolvem há quase dez anos dentro da Coordenação de Projetos de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ). A pesquisa é voltada para a criação de estruturas móveis baseados em modelos matemáticos precisos, capazes de proporcionar a prática do surf em ondas perfeitas tanto quanto melhorar as condições de balneabilidade.

Por encomenda do prefeito Washington Quaquá, os engenheiros fizeram o detalhamento do litoral maricaense para a instalação de pelo menos duas plataformas metálicas. Estas terão como padrão Pipeline, em Oahu (Havaí), considerado o melhor tubo do mundo.  O estudo também definiu um modelo para a estrutura adaptado às condições especiais da orla e a localização geográfica ideal para maximizar as ondas, que em Maricá predominantemente são de Sudoeste, Sul e Sudeste. O projeto é pioneiro no país e no mundo, já que as iniciativas existentes se baseiam no uso de sacos de areia e outros materiais deformáveis – o que, segundo os pesquisadores, reduz sua eficácia.

De acordo com Luiz Guilherme, a primeira plataforma de Maricá será um casco metálico de aço, com tanques internos para lastro e/ou flutuação, medindo 84 metros de comprimento (distância transversal à praia), 64 metros de largura (paralela à praia) e 2,5 metros de altura. A inclinação da rampa – o fator-chave para modelar a onda – deverá ser de 4,6°. Os surfistas terão uma extensão máxima aproximada de 100 metros, para cada lado da estrutura, para realizar as manobras e uma lâmina d´água média de 50 cm, podendo chegar até a 1,5 metros. "A plataforma Arena ficará submersa e ancorada pelo próprio peso no fundo a 60 metros da praia e poderá gerar ondas perfeitas praticamente o ano todo", descreveu Luiz.

De acordo com o estudo, o local mais indicado para que a peça (semelhante a um casco emborcado) fique é em frente à Rua 5, em Barra de Maricá. "Os levantamentos mostraram que nesse ponto a energia das ondas é a maior", acrescentou o engenheiro. Além desse ponto, outros quatro locais apareceram nas pesquisas e poderão ser igualmente aproveitados: Rua 93, Restinga,  Rua Zero e Itaipuaçu.  A realização de torneios de alto nível é um dos grandes atrativos turísticos e esportivos do projeto. Segundo Maurício Andrade, o turismo do surf é uma indústria muito forte. "Movimenta em torno de US$ 7 bilhões por ano em todo o mundo", afirmou. "Trata-se de um litoral bonito de ver, mas difícil de usar. O projeto é também uma oportunidade fantástica para que as praias possam ser melhor aproveitadas por todos", acrescentou o professor da Coppe e especialista em Engenharia Costeira, Paulo Rosman, presente à apresentação.

As estruturas são inertes e podem ser rebocadas até o local onde serão afundadas. Caso se queira mudar de posição, basta injetar o ar novamente nos tanques de lastro e a plataforma volta a flutuar. A durabilidade é alta, pelo fato de o aço ficar sempre sob a água, e é calculada em pelo menos 35 anos. Por não ter qualquer estrutura móvel, elétrica ou de combustível, a iniciativa já recebeu o licenciamento ambiental e conta com o apoio total do prefeito. "Temos essa relação com a Coppe de aposta na ciência e tecnologia desenvolvidas no Brasil. Com a construção dessas duas estruturas e outras iniciativas voltadas para o turismo", prosseguiu Quaquá, "queremos chegar a 2016 disputando com Búzios o posto de sexto destino turístico mais procurado do país".  Os estudos entregues pela Aram à Prefeitura serão agora detalhados, em termos de custo, com fins de execução do projeto. A previsão é de que a construção comece ainda esse ano.

A primeira plataforma de Maricá será um casco metálico de aço, com tanques internos para lastro e/ou flutuação

A apresentação do projeto, que contou com a presença do prefeito, foi realizada no Cineteatro do CEU

Prefeito Washington Quaquá recebeu o estudo do projeto do engenheiro Maurício de Andrade

Julho 25, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá | | Deixe um comentário