Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Prefeitura embarga e paralisa obras da Petrobras em Maricá

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Fernando Silva

Secretário Guilherme Mota (centro) descobriu local onde vinham sendo perdidos, há pelo menos quatro meses, 30 mil litros de água por hora

A Prefeitura embargou nesta sexta-feira (27/02) as obras de construção do emissário de efluentes químicos do Complexo Petroquímico da Petrobras (Comperj) em Maricá. Após denúncias de moradores, equipes da Secretaria Municipal Adjunta de Ambiente descobriram  na Estrada de Cassorotiba, em Inoã, uma perfuração para colocação de dutos – chamada tecnicamente de “furo direcional do emissário” por onde vinham sendo perdidos, há pelo menos quatro meses, 30 mil litros de água por hora. A estimativa da Prefeitura é que 86,4 milhões de litros, um volume capaz de encher em torno de 1.500 caminhões pipa, tenham jorrado nos últimos quatro meses. Segundo a secretaria, a construtora Drilltec, encarregada da obra do emissário, está lançando o líquido, que apresenta uma coloração branca e sem a análise necessária e exigida por lei, dentro de uma propriedade particular, fora da faixa do Comperj.

A notificação nº 05/2015, baseada na Lei Municipal nº 2380/2011, foi entregue pelo secretário Guilherme Mota nesta manhã na base da estatal, em Itaboraí, e à tarde as atividades foram paralisadas por tempo indeterminado. “A empresa contratada pela Petrobras não soube informar a procedência da água. As máquinas usadas para perfuração podem ter atingindo um bolsão de água, mas somente uma análise técnica pode confirmar isso”, declarou Guilherme. O secretário disse ainda que moradores denunciaram o tráfego intenso de caminhões pipa nos últimos quatro meses pela área. “Na vistoria realizada pela manhã encontramos esse volume de água jorrando pelo terreno e os operários usam uma mangueira de cerca de 100 metros para bombear esse recurso hídrico numa propriedade vizinha, fora da faixa do Comperj”, completou.

No local também existem quatro enormes piscinas, que, segundo o secretário, são usadas para depositar lama de bentonita (argila) para sondagem geológica.

Água com coloração branca é despejada ilegalmente num terreno particular fora da faixa do Comperj

Volume desperdiçado é capaz de encher em torno de 1.500 caminhões pipa

Quatro enormes piscinas são usadas para depósito de bentonita

Anúncios

Março 1, 2015 - Posted by | COMPERJ, jornalismo, Maricá, meio ambiente |

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: