Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Os Fantasmas não Dormem é lançado no Espaço Arena em Viseu

por Myrian Fagundes

Mariana emocionada agradeceu a presença e o incentivo de todos

O Espaço Arena, na Feira de São Matheus, em Viseu, Portugal, recebeu na noite, desta quarta-feira, dia 30 de agosto de 2017, o lançamento do livro intitulado Os Fantasmas não Dormem, obra da jovem e promissora escritora de 17 anos, Mariana Marques.

Dentre os presentes destacamos o Presidente de JUNTA Diamantino Santos, o presidente da Feira de São Matheus Jorge Sobrado e o pai da escritora Francisco Marquês.

O escritor e empresário Arlindo de Souza e Myrian Fagundes, prestigiando Espaço Arena na Feira de São Matheus em Viseu, Portugal Na plateia, abrilhantando o evento, o Comendador, empresário e escritor Arlindo de Souza, sentado ao lado da empresária paulista e correspondente deste blog de notícias Myrian Fagundes.

Jovem e promissora escritora Mariana Marques e a empresária paulista Myrian FagundesMariana Marques e Myrian Fagundes

Anúncios

Setembro 1, 2017 Posted by | cultura, jornalismo, literatura, social | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Escritor Arlindo de Souza marca presença na 15ª edição da Festa Literária de Paraty

A Festa Literária Internacional de Paraty, teve início nesta quarta-feira, dia 26, com a sessão “Lima Barreto: triste visionário”.

A historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz  apresentou uma aula-espetáculo sobre Lima Barreto, autor homenageado, com participação de Lázaro Ramos, com direção de cena de Felipe Hirsch.

O pianista André Mehmari realizou a primeira audição de sua “Suíte Policarpo”.

Contando com a curadoria de Josélia Aguiar, o evento pretende “valorizar a experiência corporal de estar em Paraty, fortalecer sua dimensão literária e reforçar o diálogo com outras artes, uma marca sua desde a primeira edição”, o evento encerra no dia 30 de julho de 2017.

A maior novidade deste ano é a utilização do espaço da Igreja da Matriz que está recebendo as mesas dos autores. A Igreja tem capacidade para 420 pessoas, a estrutura técnica e cenográfica mantém a experiência da Tenda dos Autores dos anos anteriores.

 

Com o livro “O Caminho das Pedras”, lançado pela Futurama Editora, o amigo escritor e Comendador Arlindo de Souza participa da feira literária convidando todos para a sessão de autógrafos, hoje, quinta-feira, dia 27, das 19h às 20h, e amanhã dia 28 de Julho de 2017, das 13h às 14H.

Escritor Arlindo Souza na FLIP 2017

Comendador Arlindo de Souza em tarde de autógrafos de sua obra, O Caminho das Pedras na FLIP 2017 Comendador Arlindo de Souza em tarde de autógrafos de sua obra, O Caminho das Pedras, na Feira Literária de Paraty – FLIP 2017

Comendador Arlindo de Souza na Feira Literária de Paraty 2017, com sua obra O Caminho das Pedras Comendador Arlindo de Souza na 2017, participando da FLIP 2017, com sua obra O Caminho das Pedras

 Escritores Dr. Flavio Ulhoa Coelho e o Comendador Arlindo de Souza, participando da Feira Literária de Paraty 2017 Escritores: Mestre Flavio Ulhoa Coelho e o Comendador Arlindo de Souza, participando da Feira Literária de Paraty 2017

Galera da Futurama Editora Representantes da Futurama Editora, Comendador Arlindo de Souza e a empresária Myrian Fagundes

Comendador Arlindo de Souza e Myrian Fagundes, em noite de autógrafos na FLIP 2017 O escritor de O Caminho das Pedras, Comendador Arlindo de Souza e a empresária paulista, Correspondente deste Blog de Notícias, Myrian Fagundes, em noite de autógrafos realizada nesta quinta-feira, 27 de Julho, na Feira Literária de Paraty 2017

Alcyone da Futurama Editora e nossa correspondente Myrian Fagundes na FLIP 2017Alcyone da Futurama Editora e nossa correspondente Myrian Fagundes na FLIP 2017, tendo nas mãos o livro de Thiago de Menezes.

Arlindo FLIP Comendador Arlindo de Souza autografando sua obra para o Dr. Flavio Ulhoa Coelho FLIP 2017

O encontro dos escritores Beny Schmidt e Arlindo de Souza na FLIP 2017 O encontro dos escritores Beny Schmidt e Arlindo de Souza na FLIP 2017

 

Mais sobre a FLIP 2017: Na quadra foi montada a livraria e a Mesa dos Autógrafos.

No estacionamento, espaço para o Telão, com 700 lugares, com palco para mesas e eventos públicos, gratuitos.

No centro da Praça, permanece a Biblioteca da Flipinha. As árvores da Praça da Matriz continuam recebendo os Pés de Livros que fazem a alegria da garotada.

Ainda, do outro lado do rio, está montada a tenda dos autores, com espaço intitulado Ocupa FLIP, para manifestações locais.

Julho 27, 2017 Posted by | Feiras e Eventos, jornalismo, literatura, projeto cultural | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Educar pode ser um ato de transformação pessoal e do mundo

Sandra Gurgel 

Sandra Gurgel, educadora, com um percurso profissional na educação publica e em movimentos sociais, busca sintetizar esta frase na prática. Seu olhar fala desta história, mas faz também fazendo ponte com o afeto.

Há alguns anos tem enfatizado seu trabalho através de ações voltadas para uma abordagem que leve em conta a desigualdades social e racial brasileira. A aplicação da Lei n º 10.639/03, que determina a obrigatoriedade do ensino da história do negro e da África nos estabelecimentos de ensino, que têm tido imensas dificuldades de aplicação. É seu campo de trabalho, mas que tem conseguido propor ações efetivas com leveza e poesia. E é com esta marca que tem realizado palestras, aulas em pós-graduação, encontros de mulheres, oficinas e mesmo reuniões de equipe pelas quais passou.

Recentemente desenvolveu um projeto intitulado Afroencantamento. A proposta foi levar livros às escolas e através de histórias de nosso povo negro e de Áfricas, realizar uma tarefa ao mesmo tempo simples e extremamente difícil: reencantar o mundo. Através deste trabalho surgiram iniciativas, desenvolvidas pelas escolas, de uma imensa diversidade. Desde um grupo de crianças vestidos como Jackson Five, a uma escola que propôs uma viagem à África, usando a imaginação é claro, mas fazendo “passaportes” para as crianças além de uma simulação de uma viagem de avião ao mais antigo continente. A África, a partir de então, era na escola.

A simplicidade e com que provoca este encontro com nosso passado africano, no entanto passa também pela complexidade. São estes caminhos que a levaram a realizar seu Mestrado em um campo ainda pouco conhecido, mas emergente: a Ciência da Religião, cursado na PUC São Paulo. Neste espaço pode falar também de sua história pessoal, onde social, religioso e politico se fizeram presentes. Sem esquecer a afetividade, mas com uma proposta de pensar a cosmovisão africana como contribuição epistêmica para o enfrentamento do racismo.

Este percurso permitiu a esta moradora de nossa cidade e alçar voos que ainda a surpreendem. Em fins de maio estará em Lisboa, Portugal, para apresentar suas pesquisas no 2º Congresso Lusófono de Ciências da Religião, que este ano tem o tema: História, Memórias, Narrativas – Ruturas, Violências, Fundamentalismos e Revoluções. Neste evento coordenará um Simpósio Temático: Narrativas Transgressoras: Religião, Literatura e Educação na Perspectiva da Mulher Negra. Porém, dada a importância do tema, a organização acadêmica a convidou para coordenar e também compor uma Mesa Temática intitulada Narrativas do Cotidiano: a religiosidade negra, história, educação, racismo e violência.

Ainda este ano também estará lançando em junho seu primeiro livro.

Enfim, ao que parece Sandra Gurgel ainda tem muito a colaborar, com um folego de quem começa, após o percurso de uma vida profissional produtiva e promissora. Sandra, atua em nossa rede de ensino realizando aulas, palestras e contação de histórias, dialogando com crianças e colegas para superar as dores e efeitos do racismo no ensino, ao mesmo tempo em que busca reencantar a vida.

Maio 8, 2017 Posted by | Educação, literatura, projeto educacional | , , | Deixe um comentário

“A Cura da Terra” de Eliane Potiguara está na Feira Internacional do Livro de Guadalajara

(La Curación de la Tierra)

O editor Gil Vieira Sales da Editora do Brasil está em Guadalajara, na maior Feira Literária da América Latina.

A escritora Eliane Potiguara em sua página do Facebook, publicou fotos no evento e falou de sua alegria por estar participando deste grande evento literário: “Publiquei com a Editora do Brasil o meu livro atualíssimo "A Cura da Terra . Que alegria e honra vê-lo nesta Feira. Meu livro está na primeira prateleira.”

“Nós, da equipe do Noticiário RJ desejamos Sucesso, para esta grande guerreira da literatura brasileira.

Parabéns Eliane por mais esta realização.” Jornalista Rosely Pellegrino, editora deste blog de notícias.

Dezembro 1, 2016 Posted by | Feiras e Eventos, jornalismo, literatura | , , | Deixe um comentário

Surgimento da Rádio Rebelde – Resposta à Manipulação da Mídia de Massa.

Artigo de Maria Goreth Nagime

Maria Goretti Nagine 90 anos de Fidel“Neste ano tive a grande honra de ser convidada a escrever para um livro histórico pelos 90 anos de Fidel, com artigos de autores de todo o mundo. Honra ainda maior por ter sido um projeto de Marília Guimarães e por assinar junto ao maior jurista brasileiro, Juarez Tavares. Esta honra não cabe no meu coração. Hoje reli meu primeiro rascunho do artigo do livro e resolvi postar. Espero que gostem.” Maria Goreth Nagine

90 Surgimento da Rádio Rebelde

Cada ser humano vítima de abuso ou exploração reflete em sua força e sensibilidade os incidentes que sofreu. A cicatriz e a resistência são beleza e motivo de orgulho. Da mesma forma, um país vítima de abuso e exploração tem sua beleza maior em sua história de resistência.

No “Território de Cuba Livre da Sierra Maestra”, em 1958, surgiu a Rádio Rebelde. Era um sistema próprio de rádio-difusão dos guerrilheiros.

A mídia convencional chamava as tropas de Fidel Castro de “bandidos insignificantes” e alardeava falsas vitórias do exército oficial sobre as forças rebeldes. Os cubanos não se identificavam ideologicamente e não acreditavam nas falsas notícias. Então simplesmente viravam o dial de seus rádios para sintonizar a Rádio Rebelde e terem informações sem censura.

Quase sessenta anos se passaram e a estrutura da mídia convencional é semelhante. A serviço do capital, a mídia de massa divide os países e líderes mundiais entre amigos e inimigos. Os amigos da mídia são os amigos das elites, das desigualdades, dos setores historicamente privilegiados. Setores que só pensam em sua rentabilidade e não no futuro da sociedade.

Os inimigos da mídia são os grandes líderes com a mensagem de não-submissão. Líderes que se justificam ao emancipar e dar poder a seus seguidores. Os governantes que se identificam com os governados.

“Como um seguidor de Martí, penso que chegou a hora de assumir os próprios direitos, não de pedi-los; conquista-los, não implorar por eles. De tais viagens, ou não se tem retorno, ou se retorna com a tirania decapitada aos pés.” Assim disse Fidel pouco antes da revolução vitoriosa. Um novo tempo chegava depois dos tantos anos de submissão em que os Estados Unidos frequentemente enviavam tropas para reprimir revoltas e assegurar lealdade cubana aos interesses norte-americanos. Também controlavam Cuba diretamente, através de seus representantes, o que incluiu reconhecer Batista – que atendia aos interesses norte-americanos – como presidente legítimo após um Golpe.

Depois da vitória, a importância de continuar a tradição anticolonialista de Jose Martí atravessou fronteiras. Cuba foi transformada em uma oferta de esperança aos revolucionários e Fidel foi reconhecido como porta-voz. Em um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, Che Guevara ofereceu o apoio de Cuba para as lutas de libertação do Terceiro Mundo.

Surgiu uma nova onda de representantes de esquerda na América do Sul, impulsionados pelos movimentos sociais. A política predatória dos Estados Unidos desencadeou ali também a resistência: era necessário recuperar a autonomia e os recursos naturais. E essas representações latinas se tornaram uma ameaça tão grande ao sistema quanto Fidel Castro.

Mas as antigas oligarquias defendem seus privilégios. Sua principal arma novamente é a manipulação produzida pela mídia de massa.

Milhões são gastos todos os dias em programas em que a mídia criminaliza a luta contra o neoliberalismo, colonialismo e imperialismo. Ficam claros os duplos padrões políticos quanto a conceitos de Democracia e Direitos Humanos dependendo dos interesses em explorar petróleo, terras e recursos naturais do país de que se fala. Quanto mais resistente em entregar os recursos, pior se fala da administração do país. O objetivo da imprensa é a alienação do cidadão. E muitas vezes as mentiras prevalecem até serem desmentidas pela História.

Na Venezuela, após um Golpe de Estado, os golpistas agradeceram publicamente à imprensa pela ajuda no Golpe. No Equador, quando o presidente foi perguntado sobre o que acha de a imprensa dos Estados Unidos tratá-lo como inimigo, respondeu: “Conhecendo a imprensa Norte-Americana, eu estaria mais preocupado se falassem bem de mim”.

A manipulação interessa aos setores que não tem como prioridade o bem estar de todos os humanos. Querem a permanência das diferenças sociais porque lhes favorecem. Mas de forma curiosa e paralela, contrariando todos os altíssimos investimentos em manipulação, uma nova forma de pensamento, pautada na igualdade social, surgiu e disseminou-se na América Latina.

Na Bolívia, Equador, Venezuela, Paraguai e Brasil toda a mídia de massa foi completamente hostil aos candidatos simpáticos ao ideal de libertação de Simon Bolívar. Mesmo assim os candidatos à esquerda venceram as eleições presidenciais. Tudo indica que não há como parar o ideal revolucionário. “Tentaram nos enterrar, mas não sabiam que éramos sementes”.

Fidel Castro é reconhecido como precursor. Em um encontro de líderes do hemisfério em Trinidad, por exemplo, a maioria dos sul-americanos recusou-se a assinar qualquer documento na ausência de Cuba. A mídia de massa, é claro, não viu com bons olhos. De nada adianta. A cultura de não-submissão cresce cada vez mais a cada dia, como se cada cidadão estivesse em Cuba em 1958, incrédulo com a manipulação da imprensa, trocando o dial de seu rádio para ouvir a Rádio Rebelde.

Novembro 30, 2016 Posted by | cultura, jornalismo, literatura | , , | Deixe um comentário

Poesia de Eliane Potiguara chega a New York através do lançamento de Um Novo Brasil

A escritora, poeta e mulher guerreira Eliane Potiguara chega em New York, ela gravou seus poemas e textos em vídeo para a equipe Americana responsável por Brazil Night with Americas Quarterly que acontecerá em New York, breve.

Fotos:Luisa Leme/AMERICAS QUARTERLY

Outubro 19, 2016 Posted by | cultura, jornalismo, literatura, projeto cultural, social | , | Deixe um comentário

5 de setembro, DIA INTERNACIONAL DA MULHER INDÍGENA

Em homenagem ao dia da mulher indígena, o texto de Eliane Potiguara “O ATO DE CRIAÇÃO: o começo da cura!”

 

O ato de criação é um ato de amor. Amor a si mesmo, amor ao próximo, amor à natureza. Seja criar um texto, uma música, uma pintura ou qualquer outra arte. Mas para se chegar até aí, muitos caminhos foram bloqueados, muitas águas envenenadas tivemos que tomar; muitos fantasmas tivemos que enfrentar. Permanecemos como um rio que morre, que não corre e não ecoa ao encontrar-se com as pedras. Nos tornamos uma fome desesperada pelo novo, se enfraquecendo a nossa fecundidade. Enfim um caminho árido e infértil. Estivemos enclausurados dentro de nós mesmos. Mas não aguentamos mais e damos um basta! É hora de criar pacientemente o novo! Aí soltamos as amarras que sufocam a nossa alma, o nosso "ânima", a nossa essência para que os pássaros possam cantar de novo dentro de nosso espírito. Parece tudo muito simples. Mas não é. Reencontrar-nos com nosso ser selvagem, com nossa intuição, com nosso ser sutil, com nossos ancestrais, com nossa força interior é um desafio diário, principalmente quando a força externa impõe condicionantes sociais, psicológicos, político-econômicos maléficos, que lançam as sementes da enfermidade da alma e que lá na frente se transformam em enfermidades da mente e do corpo. Nosso corpo pode estar doente, porque nossa alma o está. E temos que buscar a cura do espírito, a cura do "ânima". Somente nós mesmos podemos fazer isso, assim como somente nós mesmos, podemos sentir o ato do nascimento, quando nascemos, e ato da morte, quando morremos. São atos só nossos. Ninguém pode senti-los. Por isso quando morre um parente indígena, seus pertences são todos depositados em sua tumba. Somos seres coletivos, mas antes temos nossa individualidade, inclusive nossa solidão, como no ato do pensar e da escrita. Nos tempos atuais, é hora do desafio. Extirpar o monstro que nos mata no dia-a-dia é dura tarefa. Primeiro se sofre calado. Há os que se acostumam com a dor, a opressão e a repressão social e política, desembocando no desequilíbrio ou na loucura. Mas há os que clamam, depois de invernos. Há os que berram ! Neste momento, abre-se uma porta. A mudança dentro de nós só se dá, quando identificamos o inimigo interno (às vezes o inimigo somos nós mesmos ) e o rejeitamos, seja da maneira que for. Então podemos parecer loucos, mas no ato de "vomitar" é que está a transformação do espírito para o novo homem, para a nova mulher! Sofremos e não estamos aqui para sofrer. O Criador oferece grandes dádivas de vida para seu filho, senão ele não criaria tantas belezas, tantos mares, planícies, céus, montanhas, pássaros, seres humanos, ad infinitum… E quando o homem selvagem e a mulher selvagem gritam dentro de nós querendo voltar para a casa primitiva é chegada a hora da mudança. Atente para significado de selvagem e primitiva que nada tem a haver com historiografia, mas sim com interior humano, âmago, essência espiritual, ser sutil, a casa da alma, ancestralidade. Quando perdemos os tesouros de Deus e ficamos desnudos e damos um basta, é chegada a hora da criação. Ficamos quietos, sentimos solidão, solidão que parece que mata, que maltrata, mas necessária. E entramos em outras esferas superiores e sagradas. Esse selvagem sagrado que foi resgatado e que já estava dentro de nós e não sabíamos, está também nos "recriando" e nos enchendo de amor e nos fortalecendo. Nasce a criatividade. E renascemos. E florescemos para o futuro. O processo de criação emana de algo que surge e que vai crescendo em nosso âmago, é como um novo amor em nossos corações. Vai crescendo e não temos rédeas para segurá-lo. É um vulcão. É a (r) evolução do espírito. É o êxtase. É o insight para o novo ser humano"(a)". E esse único ato de criação é o suficiente para alimentar um oceano, assim como o leite doce e materno de uma jovem mãe é o suficiente para trazer de volta um ser nascido prematuramente. No ato da criação se dá a purificação do espírito, do "ânima", da alma e consequentemente a purificação do corpo e a extirpação de velhos tumores, velhos fantasmas… O termo purificação não está ligado a facções religiosas ou conotações cristãs. O termo refere-se ao ser primeiro, ao ser sutil, à compreensão simples de que a vida precisa ser vivida com amor, dignidade e que o amor, a compreensão, o diálogo e cooperação são os alicerces para o novo homem , a nova mulher. O processo anterior à criação – o sofrimento, o coração endurecido, o " ânima" esfacelado – é agora neutralizado e transformado em pó, diante da grandiosidade da BUSCA pela transformação e purificação do espírito. Tudo isso é simplesmente política, a política da existência. CRIEMOS, então… porque a criação é um ato divino que tende a mudar consciências, formar opiniões, suavizar o individualismo que ronda às mentes. E a mulher indígena que passou por toda a sorte de massacres ao longo da história, condicionadas ao medo e ao racismo, sobrevivem porque são criativas, xamãs, visionárias, curandeiras, guerreiras e guardiãs do planeta. Seu inconsciente coletivo ancestral refloresce a cada ato de criação delas, porque elas são capazes de beijar as cicatrizes do mundo, num ato de caridade. E a palavra delas é sagrada como a terra que dá o alimento ao próximo, alimento da CURA em todos os sentidos. . IDENTIDADE PERDIDA Amanhã é o último dia que venho aqui Vou prestar as contas Vou tirar essas roupas sujas E vou lavar minha alma Acho que vou ser feliz Ou então vou viver na inércia da própria existência.

Setembro 5, 2016 Posted by | jornalismo, literatura | , , | Deixe um comentário

Di Bonilho+ marca a volta do estilista e artista plástico na TV+Maricá

Foto Di Bonilho Programa Di Bonilho+, a revista eletrônica feita para você,  estreia nesta quinta-feira, as 22h, WebTV http://www.tvmaismarica.com.br/inicial

Cenário do Programa Di Bonilho+

Di Bonilho é mais para você

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O estilista e artista plástico Di Bonilho traz em sua bagagem muito glamour e experiência que promete bombar as noites de quinta-feira pela TV+Maricá, em seus anos de TV já passou pelo sofá da Hebe no SBT (na histórica campanha contra o HIV) produzindo um vestido de noiva de preservativos abalando o Brasil com sua criatividade e irreverência.

Na BAND comandou o programa com muita bom gosto e com a sua irreverência e humor debochado, marca registrada do apresentador, na InterTV (TV Globo região dos Lagos) repetiu o sucesso através do Programa "Sedas e Alfinetadas", agora marca sua volta a TV com o Programa Di Bonilho+, trazendo de volta o formato de sua revista eletrônica de artes, moda, cultura, dicas, atualidades, turismo, gastronomia, entrevistas com convidados e muito mais, com produção de Rosely Pellegrino (editora deste blog de notícias).

Todas as quintas-feiras a partir das 22:00 na TV+Maricá  http://www.tvmaismarica.com.br/inicial

Clicks de algumas entrevistas…

O Programa está Imperdível, vale a pena conferir!!!

Di Bonilho  Entrevista com Tom Lima e Cacique Tupã da Aldeia da Mata Verde Bonita Di Bonilho  Entrevista com Lezirée Rejane

Di Bonilho  Entrevista com o jornalista Paulo Celestino

Julho 26, 2016 Posted by | arte, beleza, Circulando em Maricá com Fabiano Medina, culinária, cultura, Entretenimento, jornalismo, Lazer, literatura, Maricá, Moda, musica, Programa Di Bonilho+, Revista Eletrônica de Maricá, social, turismo, TV+Maricá, TVmaisMaricá | , , , , , , , | Deixe um comentário

Thiago de Menezes homenageia Aloysito Maria Teixeira, ex-Deputado Federal por ativismo cultural

O escritor e jornalista Thiago de Menezes, presidente da Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo – FALASP homenageou o empresário e ex-deputado Federal Aloysito Maria Teixeira com Medalha e Honrarias entregues pela entidade pelos serviços prestados pelo hoteleiro ao turismo e à cultura. A homenagem aconteceu na noite da última quinta-feira, dia 14 de julho, em concorrido jantar assinado pelo Chef Gilberto Brambini no Copacabana Praia Hotel. Aloysito recebeu o Diploma TIRADENTES e o Mérito "Lúcia Lambertini" que foi acompanhado de autógrafos da segunda edição do livro ‘Desvendando o Sítio do Pica-Pau Amarelo’, de autoria de Thiago de Menezes, que havia feito, no mesmo dia, palestra comemorativa de sua trajetória na tradicional “Academia Brasileira de Belas Artes- ABBA”, entidade que é Órgão Consultivo do Governo Federal. Entre os presentes, a jornalista e colunista política do eixo Rio – BrasíliaYacy Nunes, o colunista social Renato Oliveira, mais casais de amigos do casal anfitriãoJoana Cabral Maria Teixeira e Aloysito, ela conhecida Patronesse de muitos almoços beneficentes e culturais. O jantar foi destaque em muitas colunas sociais, destacando-se a deGilberto Amaral, em Brasília, a de Yuri Antigo, em São Paulo mais o site Passaporte Carioca.

ALOYSITO homenagem de THIAGO MENEZES copa praia hotel ALOYSITO JOANA THIAGO MENEZES homenagem e livro

ALOYSITO JOANA THIAGO MENEZES homenagemAloysito Maria Teixeira, conhecido e festejado constituinte e empresário da Rede Hoteleira é filho homônimo do Desembargador Aloysio Maria Teixeira (antigo Dono do Copacabana Praia Hotel), que era um carioca honorário e sempre lembrado pela comunidade cultural, que fez do direito sua grande paixão. Desde os 40, quando já era juiz, e depois, como desembargador, publicou vários livros sobre o tema, entre eles, "A criança e a questão social", "A influência da igreja no direito", "Justiça e misericórdia" e "A missão do Poder Judiciário". Fundador da PUC de Petrópolis, Aloysio Maria Teixeira foi presidente do Tribunal de Justiça do Rio nos governos Negrão de Lima e Chagas Freitas, onde foi responsável pelas obras que deram ao fórum o formato que tem hoje. Também foi presidente do Tribunal Regional Eleitoral. Ao se aposentar, foi diretor do BNH e da Caixa Econômica Federal. Foi amigo de políticos como Juscelino Kubitschek, Carlos Lacerda, Ulysses Guimarães, Leonel Brizola, José Sarney e Tancredo Neves. Este último foi homenageado por ele com um almoço em seu hotel em 1984, depois do histórico comício que o então candidato no Colégio Eleitoral fez em Ipanema.

Fonte: Assessoria de Imprensa da ALMAN


(Fotos: Mikaela Cabral)

Julho 22, 2016 Posted by | jornalismo, literatura, social | , , , , | Deixe um comentário

ABBA comemora os 20 anos do Acadêmico Thiago de Menezes na academia

Convite: ACADEMIA BRASILEIRA DE BELAS ARTES

ABBA Fundada a 20 de abril de 1948, Órgão Consultivo do Governo Federal por força da Lei 1.101 de 12 de maio de 1950, e de entidade de utilidade pública, pela Lei 837 do Município do Estado do Rio de Janeiro.

A Presidente da ACADEMIA BRASILEIRA DE BELAS ARTES – ABBA convida V.Exa. e Exma. Família para comemoração dos 20 anos de ingresso do escritor, jornalista e artista plástico Thiago de Menezes como Acadêmico da ABBA. Na ocasião, o mesmo pronunciará alocução sobre temas e vultos paulistas, reverenciando algumas personalidades que serão homenageadas, entre outras, com os Diplomas “Honraria Ulysses Guimarães” e “Governador Carvalho Pinto” da FALASP, mais “Tiradentes”, do ICFU. Em seguida, o Acadêmico irá autografar a segunda edição de seu livro“Desvendando o Sítio do Pica-Pau Amarelo”, que fala sobre o pioneirismo da TV nas décadas de 50 e 60.

14 de julho de 2016 (quinta-feira), às 16 horas.

Rua Teixeira de Freitas nº 5 – 3º andar (Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro), esquina de Augusto Severo, Glória, Rio de Janeiro – RJ.

Traje: Social completo (convidados e homenageados) – Solicitamos o uso do Medalhão, ‘joia da Academia’ – não se faz necessário o uso da capa acadêmica.

Julho 14, 2016 Posted by | Academia Brasileira de Belas Artes, Associações, cultura, jornalismo, literatura, social | , , , , , , | Deixe um comentário