Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

CODEMAR SA assina joint venture com a gigante italiana Leonardo líder global no setor aeroespacial e de segurança

A empresa italiana Leonardo que é uma das maiores empresas do mundo atuando nos setores aeroespacial, de defesa e segurança, lançou nesta quarta-feira,12 de fevereiro de 2020, uma joint venture com a Companhia de Desenvolvimento de Maricá (CODEMAR), cidade situada na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Leonardo & CODEMAR SA uma joint venture focada em segurança e resiliência, gerenciamento de infraestruturas críticas e serviços de helicóptero

Joint Venturi CODEMAR e Leonardo Aeroespacial Foto Evelen-Gouvêa PMM Representantes de Maricá, do Rio e italianos da Leonardo se reuniram para assinar acordo que visa novos investimentos no município. Na foto: Secretário de Trabalho e Renda do Estado do Rio de Janeiro Jorge Gonçalves, Prefeito de Maricá Fabiano Horta, Presidente da CODEMAR José Orlando Dias, representando o Governo do Estado o Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro Leonardo Rodrigues, Cônsul-Geral da Itália no Rio de Janeiro Paolo Miraglia del Giudice e o CEO da Leonardo International Lorenzo Mariani

A Leonardo & Codemar SA atuará como principal parceiro do município de Maricá e constituirá uma importante alavanca para seu desenvolvimento econômico e sustentável

Atualmente, estão em andamento trabalhos para finalizar propostas sobre segurança urbana, resiliência, gerenciamento de infraestruturas críticas e serviços de helicópteros

Os serviços oferecidos pela Leonardo & Codemar atenderão às exigências do governo e fornecerão produtos e serviços para o setor de Óleo e Gás, em toda a região da América Latina

A Leonardo líder global no setor aeroespacial e de segurança, por meio de sua subsidiária Leonardo International, e a Codemar, Companhia de Desenvolvimento de Maricá, anunciaram estabelecimento de uma joint venture denominada Leonardo & Codemar SA (49% Codemar, 51% Leonardo), estabelecido de acordo com a lei brasileira. O objetivo da nova empresa é promover as melhores práticas no desenvolvimento e implementação de projetos de segurança e resiliência urbana, bem como novas infraestruturas e serviços de helicópteros que estimularão o crescimento da economia e das indústrias locais. Com a implementação de uma série de projetos inovadores e estimulantes, Maricá será o "laboratório vivo" para todas as aplicações tecnológicas mais avançadas.

A partir de hoje, a Leonardo & Codemar trabalhará em projetos baseados no portfólio de produtos e soluções da Leonardo e no conhecimento da Codemar sobre as necessidades relacionadas ao território e às partes interessadas locais. Isso gradualmente fará com que a empresa se torne parceira de referência do município de Maricá e responda com seus projetos aos requisitos relacionados às tecnologias e serviços dentro de seu perímetro de atividade. O status de parceiro de referência do município de Maricá permitirá à Leonardo & Codemar participar, no futuro, também de projetos em outras regiões da América Latina.

Presidente da CODEMAR José Orlando Dias OPresidente da Codemar, José Orlando Dias ressaltou que a joint venture é fruto de mais de seis anos de esforços. “Quero destacar o quanto é importante a vinda de uma empresa do porte da Leonardo para Maricá. Nós ganhamos de municípios como São Paulo, a empresa confia em nós. Para o município, a importância dessa parceria terá efeitos em pouco tempo, com o aumento no número de empregos e na geração de receitas. E também o potencial de atração de empresas que integram a cadeia produtiva, como a própria Telespazio”, afirmou.

CEO da Leonardo, Lorenzo Mariani Foto de Evelen Gouvêa CEO da Leonardo, Lorenzo Mariani afirmou que Maricá recebeu a benção do petróleo, que decidiu explorar de forma sábia e inovadora, olhando para o futuro. “Usar os recursos tirados da mãe natureza para melhorar a vida das pessoas. A Leonardo está presente no Brasil desde os anos 1970, mas hoje penso que começamos uma nova era, usando nossa capacidade, nossos produtos e sistemas para desenvolver tecnologias aqui, num laboratório vivo: novas soluções e treinamento para o mercado”.

A joint venture é resultado de um acordo firmado em julho de 2019, em Roma, no qual a empresa e a Codemar estabeleceram os princípios para a nova companhia.

"Estamos empolgados com esses novos desenvolvimentos da presença de Leonardo no Brasil, que confirmam que um diálogo aberto e transparente entre diferentes organizações pode se abrir para novas oportunidades, até agora inexploradas", disse o CEO da Leonardo, Alessandro Profumo, que acrescentou: " A nova joint venture se concentrará no fornecimento de sistemas e serviços para a segurança, resiliência e proteção dos cidadãos e territórios e demonstrará que as tecnologias baseadas em satélite, o mundo cibernético e digital, a aeronáutica com e sem piloto podem contribuir para o desenvolvimento no país ".

Prefeito de Maricá Fabiano Horta. Foto Evelen Gouvêa O prefeito de Maricá Fabiano Horta explicou que o acordo entre a Codemar e a Leonardo trará investimentos para o município também na área de tecnologia. "A Codemar estabelece hoje, junto com uma grande estatal italiana, o início de atividades que vão atrair para o município um conjunto de desenvolvimentos, inclusive o tecnológico. Esse desafio é só um começo promissor que carrega o simbolismo da celebração festiva. Com a instalação de estruturas para a manutenção de helicópteros da Leonardo, há toda uma outra estrutura que também se instalará aqui", explicou ele, acrescentando que foi com esse pensamento que foi criado o Instituto de Ciência e Tecnologia em Maricá.

Leonardo e Codemar, reunirão recursos financeiros e tecnológicos com o objetivo de aproveitar ao máximo as habilidades de cada um e fornecer produtos e serviços inovadores ao município de Maricá. Graças à sua posição estratégica, Maricá está de fato destinada a se tornar uma das principais bases logísticas das operações de Óleo e Gás em todo o Brasil, com enorme potencial de desenvolvimento para atividades relacionadas (financeiras, de alta tecnologia e serviços) que precisam do melhor infraestrutura. Da mesma forma, o desenvolvimento residencial e turístico, facilitado pela proximidade do Rio de Janeiro, será promovido em relação à beleza natural do país, protegendo seus territórios ainda não contaminados.

Parceria-Maricá-e-italiana-Leonardo-Foto-1-Evelen-Gouvêa ok A joint venture é resultado de um acordo firmado em julho de 2019, em Roma, no qual a empresa e a Codemar estabeleceram os princípios para a nova companhia.

A nova companhia terá sua base no Aeroporto de Maricá, onde serão desenvolvidos projetos de Segurança Urbana, Resgate e Inovação.

Quem é Leonardo:
Leonardo, entre as dez principais empresas do mundo em Aeroespacial, Defesa e Segurança, é a empresa industrial italiana líder em alta tecnologia. Organizado em cinco divisões (Helicópteros; Aeronaves; Aeroestruturas; Eletrônica, Segurança Cibernética), Leonardo possui uma presença de produção significativa na Itália, Reino Unido, Polônia e EUA, onde também opera através de subsidiárias como Leonardo DRS (eletrônica) e algumas joint ventures e participações : Telespazio, Thales Alenia Space e Avio (espaço), ATR (aeronave regional) e Elettronica e MBDA (sistemas eletrônicos e de defesa). Listado na Bolsa de Milão (LDO), em 2018, Leonardo registrou receitas consolidadas de 12,2 bilhões de euros e investiu 1,4 bilhão de euros em Pesquisa e Desenvolvimento. O Grupo faz parte dos Índices de Sustentabilidade Dow Jones (DJSI) desde 2010,

Quem é Codemar:
Em colaboração com o município, órgãos públicos e empresas, a Codemar (Companhia de Desenvolvimento de Maricá) administra bens e áreas públicas, incentiva a promoção e o desenvolvimento socioeconômico do município de Maricá e arredores, graças a um aumento progressivo de investimentos. Por fim, ele está envolvido em contribuir para a formulação de políticas públicas de desenvolvimento econômico na cidade de Maricá.

Além das autoridades citadas, também estiveram presentes no evento a deputada estadual, Rosangela Zeidan; o vice-presidente Nacional do PT e ex-prefeito de Maricá, Washington Siiqueira (Quaquá); o presidente da Câmara de Vereadores de Maricá, Aldair de Linda, vereadores Jorge Castor, Marcus Bambam, Felipe Paiva, Fabricio Bitencourt, Alberto da Maricaense e Adelso Pereira, Presidente do Instituto Municipal de Informação e Pesquisa Darcy Ribeiro (IDR) Alan Novais, o superintendente do Parque Tecnológico, Tiago de Paula, dentre os Secretários de Governo: Secretária de Cultura Andrea Cunha, Secretária de Saúde Drª Simone Costa, o Secretário de Agricultura e Pesca Julio Carolino, Secretário de Participação Popular e Direitos Humanos João Carlos (Birigu), Secretário de Turismo José Alexandre, Secretário de Comunicação Olavo Noleto, Secretario de Ordem Pública e Gabinete de Gestão Institucional, tenente coronel Júlio César Veras Vieira, Secretário de Urbanismo Celso Cabral Nunes, representantes do Corpo de Bombeiros e da Força Aérea, imprensa, representantes da sociedade civil e outros.

DSCN6552 DSCN6539

DSCN6540 DSCN6543DSCN6542 DSCN6545

DSCN6548 DSCN6549 DSCN6550 DSCN6554

DSCN6553 DSCN6617

DSCN6555 DSCN6556

DSCN6558 DSCN6559

DSCN6560 DSCN6561

DSCN6563 DSCN6564

DSCN6566 DSCN6567

DSCN6568 DSCN6571

DSCN6573  DSCN6575

DSCN6578 DSCN6579

DSCN6580 DSCN6581

DSCN6586 DSCN6587

DSCN6588 DSCN6589

DSCN6590 DSCN6592

DSCN6594 DSCN6598

DSCN6600 DSCN6609 

DSCN6610 DSCN6614

DSCN6615 DSCN6613

O que é Joint Venture: É uma associação econômica (um acordo comercial) entre duas ou mais empresas, de ramos iguais ou diferentes, que decidem reunir seus recursos para realizar uma tarefa específica, durante um período determinado e, portanto, limitado.

Nota: Não confundir com Consórcio de empresas.

Há várias empresas, de diversos setores da economia, que investem nesse tipo de sociedade. As maiores joint ventures no mundo acontecem nos ramos de tecnologia, automobilismo e alimentação.

Fevereiro 13, 2020 Posted by | Aeroespacial, aviação, jornalismo, Petroleo e Gás, Prefeitura Municipal de Maricá, segurança pública | , , , , | Deixe um comentário

Primeiro poço de Lula Alto está produzindo 36 mil barris por dia, diz Petrobras

A Petrobras anunciou oficialmente nesta terça-feira, 16, o início das operações do navio-plataforma (FPSO) Cidade de Maricá, na bacia de Santos, com três semanas de antecedência em relação ao cronograma previsto anteriormente. De acordo com a diretora de Exploração e Produção (E&P) da Petrobras, Solange Guedes, o primeiro poço de Lula Alto está produzindo 36 mil barris por dia, um ritmo de produção mais intenso do que a média verificada na bacia de Santos, de menos de 30 mil barris por dia.

  O lançamento do FPSO Cidade de Maricá foi tratado pela diretoria da Petrobras como um marco dos dez anos da exploração do pré-sal, e por isso a comparação entre o ritmo de produção do pré-sal foi feita, de forma favorável, em relação a antigos sistemas de produção da companhia. Hoje, a perfuração de um poço pode ser feita em menos de 30 dias, segundo ela.

Solange também destacou que a companhia idealizou projetos para um ambiente de negócios com o petróleo a menos de US$ 30 o barril, e por isso a companhia está preparada para enfrentar os desafios atuais. "Não estou negligenciando o desafio que é voltar a este patamar (petróleo abaixo de US$ 30 o barril), mas quem fez uma vez sabe o caminho", afirmou a executiva.

10 anos

A diretora de Exploração e Produção da Petrobras salientou ainda que em 2016 a estatal comemora 10 anos da descoberta de petróleo na camada do pré-sal. "Estamos diante de um momento muito significativo no pré-sal", disse. "Depois de longa expectativa, conseguimos atravessar o pré-sal, que se mostra efetivamente produtivo", afirmou.

No fim de 2015, a estatal chegou a produzir 26 mil barris por poço, tendo 25 poços em atividade. "É um ativo que todas as companhias almejam ter", informou Solange Guedes.

Fevereiro 17, 2016 Posted by | jornalismo, Maricá, Petroleo e Gás, pré-sal | | Deixe um comentário

Petrobras apresenta em Maricá, relatório de impacto da exploração do pré-sal na Bacia de Santos

Texto: Fernando Uchôa (edição: Marcelo Ambrosio) | Fotos: Fernando Silva

Encontro foi marcado para discutir o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (Rima)

Representantes da Petrobras, da empresa Mineral, e do Ibama apresentaram nesta terça-feira (13/05), na quadra do Esporte Clube Maricá, o Estudo de Impacto Ambiental  (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (Rima), produzidos para embasar a atividade de produção e escoamento de petróleo e gás natural do pré-sal da Bacia de Santos.  A audiência pública foi exigida pela Secretaria Municipal de Ambiente de Maricá e é uma etapa do processo de licenciamento necessário para que a exploração possa ser conduzida.

O objetivo do pedido foi o de fazer com que a estatal do petróleo fornecesse explicações às autoridades municipais e à própria população sobre os impactos ambientais, econômicos e sociais que as operações do pré-sal poderão trazer para o município.  Feita a apresentação, na fase seguinte a Prefeitura encaminhará à Petrobras as observações e correções já levantadas pela secretaria. Segundo o secretário municipal de Ambiente, Tiago de Paula, foram detectadas importantes omissões em aspectos relevantes do documento.  "Para um estudo para os próximos 30 anos, o levantamento não inclui projetos futuros, o que é imprescindível", avaliou.

A audiência pública foi conduzida pelo analista ambiental do Ibama João Carlos Nóbrega, pelo engenheiro da Petrobras André Pinto, e por técnicos da Mineral, empresa contratada para as pesquisas ambientais.  Em relação aos impactos, três novos programas preventivos foram divulgados: Monitoramento Ambiental (influência sobre ecossistemas marinhos); Controle de Poluição (controle e diminuição das fontes de poluição por gases, líquidos poluentes e lixo produzido por navios-plataforma) e Educação Ambiental (integração e articulação das ações educativas com participação dos grupos sociais afetados pela exploração, como pescadores e maricultores). 

Moradores e pescadores se mostraram apreensivos com os riscos de poluição, não só na costa, mas em ecossistemas como as Ilhas Maricás, situadas a quatro quilômetros da faixa litorânea  e um viveiro de crustáceos, moluscos e da chamada "fauna acompanhante" (peixes de passagem topo da cadeia alimentar local). Cobraram a realização de novas audiências e o monitoramento em conjunto das condições do ecossistema. Segundo os técnicos da Petrobras, no entanto, em 28.800 simulações com correntes oceânicas realizadas na área de influência de até 10 km de costa no entorno do campo, não se verificou a probabilidade de impacto – dada a distância até as bases de produção (situada a 200 km da orla). Imagens do trabalho de exploração e produção no Pré-Sal projetam o emprego de 13 navios-plataforma (FPSO). A Bacia de Santos abrange três bacias hidrográficas – Santos, Guanabara e Sepetiba – alcançando 20 municípios dos estados de São Paulo e Rio, incluindo Maricá (cuja confrontação, para efeito de royalties, é de 49%). O poço de Tupi/Lula é o mais produtivo, com a previsão de um milhão de barris em seu pico de produção.

Representantes da Petrobras, da empresa Mineral, e do Ibama conduziram a audiência pública

Objetivo da reunião foi fornecer detalhes às autoridades municipais e à própria população sobre os impactos que as operações do pré-sal poderão trazer

Maio 16, 2014 Posted by | jornalismo, meio ambiente, Petroleo e Gás, pré-sal | | Deixe um comentário

Mais portos no litoral do Rio de Janeiro

Institucional | Brasil Econômico | Capa | BR
10.02.2014

PRÉ-SAL
O aumento de produção de petróleo mobiliza duas cidades litorâneas na busca de investimento em infraestrutura. Em Maricá, o terminal de R$ 6 bilhões está em fase final de licenciamento. Macaé iniciou audiência pública para projeto de R$ 900 milhões .P11

Projetos de portos avançam em cidades do litoral do Rio

Institucional | Brasil Econômico | Brasil | BR
"O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno" Washington Quaquá Prefeito de Maricá

  "A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"  Dr. Aluízio  Prefeito de Macaé.

Maricá e Macaé se mobilizam para licenciar terminais para suportar o crescimento da produção do pré-sal

Redação

O crescimento da produção do pré-sal cria expectativa em duas cidades do litoral fluminense, que esperam deslanchar projetos portuários para atender à demanda da indústria do petróleo. Em Maricá, na região metropolitana do Rio, a prefeitura prevê para abril a concessão da licença ambiental do porto da DTA, projeto de R$ 6 bilhões, desenvolvido para receber parte da produção da maior província petrolífera brasileira. Em Macaé, a 180 quilômetros da capital, está em fase de consulta pública projeto da Queiroz Galvão, orçado em R$ 900 milhões, para a construção de um porto para apoio à atividade de exploração e produção em alto mar.

"É um projeto muito importante e pode mudar o perfil de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno", diz o prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT). Localizada em frente aos maiores campos de petróleo do país, a cidade já foi escolhida como porta de entrada do gás natural produzido no pré-sal, por um gasoduto que conectará as plataformas ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) na vizinha Itaboraí. O porto, diz o prefeito, será um passo adiante para transformar a proximidade com o pré-sal em oportunidades de negócios no município.

O projeto terá a capacidade para receber 850 mil barris de petróleo por dia e prevê a construção de tanques para armazenar a produção e de um estaleiro de reparos para embarcações de apoio à indústria petrolífera. Além disso, está projetado um terminal de contêineres. A prefeitura negocia ainda a ampliação do aeroporto local, para o transporte de trabalhadores às plataformas. Atualmente, os embarques são feitos no aeroporto de Jacarepaguá, no Rio, e de Macaé, base de operações da Petrobras para a Bacia de Campos, hoje a maior produtora brasileira de petróleo.

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada e faz mais sentido construir uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar", comenta o prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PV).

As operações da Petrobras são hoje concentradas no Porto de Imbetiba, na área central da cidade, que tem seis berços de atracação e uma enorme fila de espera de navios que levam mantimentos e equipamentos para plataformas em alto mar. O novo terminal foi projetado para ocupar uma área de 400 mil m 2 no bairro de São José do Barreto, na Zona Norte da cidade, com uma plataforma marítima de 90 mil metros quadrados a dois quilômetros da costa.

O projeto prevê capacidade para a atracação simultânea de até 14 embarcações e mira, além da produção na Bacia de Campos, a prestação de serviços para a porção norte da Bacia de Santos, que hoje é atendida pelo Porto do Rio e precisa ser ampliada no futuro. Com uma produção de 346 mil barris de petróleo por dia, a província do pré-sal, que se estende de São Paulo ao Espírito Santo, deve atingir a marca de 2,1 milhões de barris por dia em 2020, segundo projeções da Petrobras. Além da base da Petrobras, Macaé se dia a maior unidade de tratamento de gás natural da companhia, que também deve receber produção do pré-sal.

Os dois projetos enfrentam resistência de entidades ambientalistas. Em Maricá, explica Quaquá, foi feita uma modificação no projeto para reduzir o impacto na costa da Ponta Negra. "A área do porto é uma área que já foi um campo de golfe, não tem mata nativa", diz o prefeito, acrescentando que a prefeitura quer fomentar a criação de um polo industrial na região. Em Macaé, a prefeitura propõe, como medida compensatória, a transformação em unidade de conservação ambiental de uma área de 3,5 quilômetros de costa, na mesma região.

Um terceiro porto, já em obras, disputa com os dois empreendimentos a atenção das companhias petrolíferas. O porto do Açu, projeto iniciado por Eike Batista em São João da Barra, litoral Norte do estado, também tem previsão de áreas para recebimento de petróleo e base de apoio a plataformas.

"O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno"

Washington Quaquá

Prefeito de Maricá

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"

Dr. Aluízio

Prefeito de Macaé

Fevereiro 10, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, Petroleo e Gás, pré-sal, setor naval | , | 1 Comentário

Informações sobre ocorrência na plataforma P-20

Petrobras informa que a produção da plataforma P-20, localizada na concessão de Marlim, na Bacia de Campos, permanece interrompida após incêndio ocorrido no final da tarde desta quinta-feira (26/12). No mês de novembro esta unidade operacional produziu 22 mil barris de petróleo por dia.

 
Imediatamente após o ocorrido, a Petrobras instaurou uma comissão de investigação formada por gerentes, representantes da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e dos empregados. Esta equipe encontra-se a bordo da unidade com o objetivo de apurar as causas do incidente.
Ao mesmo tempo, outra equipe de engenharia foi deslocada para a P-20 para preparar, no menor tempo possível, um cronograma com todas as ações necessárias para o pleno retorno à operação.
A Petrobras reitera que os dois trabalhadores, atendidos ontem na enfermaria, passam bem. O trabalhador que sofreu torção no pé encontra-se em Macaé para melhor avaliação médica.
Informa também que todos os sistemas e procedimentos de segurança funcionaram conforme previsto durante a emergência e a habitabilidade da unidade de produção está plenamente preservada.
A companhia mantém informadas as autoridades competentes quanto à evolução dos trabalhos.

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Dezembro 28, 2013 Posted by | jornalismo, Petroleo e Gás | , | Deixe um comentário

P-55 deixa o estaleiro em Rio Grande e segue rumo à Bacia de Campos

A plataforma P-55 saiu ontem, 6 de outubro, do Estaleiro Rio Grande 1 (ERG-1), localizado na cidade de Rio Grande (RS), após serem concluídos os serviços de integração dos módulos e comissionamento da plataforma, conclusão dos testes e inspeções para obtenção das certificações necessárias.

6/10/2013-Plataforma P-55 deixa o Estaleiro Rio Grande rumo ao campo de Roncador, na Bacia de Campos. Foto: Agência Petrobras.

A semissubmersível P-55 está entre as 9 novas unidades que serão instaladas nos campos de petróleo em 2013, contribuindo para o aumento da produção de petróleo e o alcance da meta de produção de 2,75 milhões de barris por dia, prevista para 2017.
Com capacidade para produzir 180 mil barris de petróleo e tratar 4 milhões de metros cúbicos de gás por dia, a plataforma P-55 entrará em operação ainda em 2013 e é uma das maiores semissubmersíveis do mundo e a maior construída no Brasil.
Projeto integrante do Módulo 3 do Campo de Roncador, localizado na Bacia de Campos, a P-55 ficará ancorada a uma profundidade de cerca de 1.800 metros e será ligada a 17 poços, sendo 11 produtores e seis injetores de água. A exportação de petróleo e gás natural da plataforma será realizada por dutos submarinos acoplados à unidade.
A obra gerou cerca de 5 mil empregos diretos e 15 mil indiretos e alcançou o índice de 79% de conteúdo nacional, proporcionado principalmente pelo fato de a construção e a integração terem sido feitas totalmente no Brasil. A edificação da plataforma foi realizada em duas partes construídas de forma simultânea, casco e topside, e posteriormente unidas.
O casco da unidade teve as atividades executadas no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), em Pernambuco, de onde seguiu para o ERG-1, em Rio Grande (RS), para continuidade dos serviços. No ERG-1, foram feitas as instalações do convés e dos módulos, bem como a integração dos sistemas da plataforma. A construção dos módulos de Remoção de Sulfato e Compressão de Gás também foi feita no local; já os módulos de Remoção de CO2, Compressão Booster e TEG foram construídos em Niterói (RJ) e, quando concluídos, transportados até Rio Grande.
A operação que acoplou as duas grandes partes da plataforma (convés e casco), chamada de DeckMating, é considerada o marco mais desafiador da construção da unidade e uma das maiores já executadas no mundo, em função do peso da estrutura (17 mil toneladas) e a altura a que foi levantada (47,2 metros). A manobra foi realizada dentro do dique-seco do ERG-1, em junho de 2012.

O tempo de reboque da P-55 até a Bacia de Campos será de aproximadamente 12 dias, quando iniciarão os procedimentos para ancoragem da unidade e interligação aos 17 poços.
Dados da P-55:
Processamento de petróleo: 180 mil barris/dia
Tratamento de gás: 4 milhões m3/dia
Conteúdo Local: 79%
Tratamento de água de injeção: 48 mil m/dia
Geração elétrica: 100 MW
Profundidade de água: 1.800 m
Número de linhas de ancoragem: 16
Número de risers: 42
Tripulação: 100 pessoas
Peso total da plataforma: 52 mil toneladas
Aérea total: aproximadamente 10 mil metros quadrados.
Altura total: 130 metros
Geração de empregos: 5 mil diretos e 15 mil indiretos

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Outubro 7, 2013 Posted by | jornalismo, Petroleo e Gás | , , | Deixe um comentário

Queiroz Galvão firma contrato de US$ 3,5 bilhões para afretar FPSOs em Maricá e Saquarema

FPSOs vão operar no Campo de Lula, pré-sal da Bacia de Santos. Contrato foi fechado com consórcio operado pela Petrobras.

Do G1, no Rio

A Queiroz Galvão Óleo e Gás (QGOG) e parceiros firmaram contratos com o consórcio BM-S-11, operado pela Petrobras, para afretamento e operação de dois FPSOs: Cidade de Maricá e Cidade de Saquarema, informou a companhia nesta segunda-feira (15). Segundo a QGOG, o valor total dos contratos, que terão duração de 20 anos, é de cerca de US$ 3,5 bilhões.

Segundo a companhia, as unidades pertencerão e serão operadas pela joint venture formada entre as empresas QGOG, SBM Offshore, Mitsubishi Corporation e Nippon Yusen Kabushiki Kaisha (NYK Line).

Os FPSOs vão trabalhar no Campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, e são similares ao FPSO Cidade de Ilhabela, com capacidade diária de produção de óleo de 150 mil barris e de 6 milhões de metros cúbicos por dia de gás.

O Cidade de Maricá tem entrega prevista para o final de 2015, enquanto o Cidade de Saquarema deve ser entregue no início de 2016.

Campo de Atlanta

Em janeiro, a Queiroz Galvão Exploração e Produção anunciou para o segundo semestre de 2013 o início da perfuração de três poços no campo de Atlanta, na Bacia de Santos, um deles apenas para coleta de informações sobre o campo, com previsão de obter o primeiro óleo no segundo semestre de 2014.

Segundo o diretor de Produção da Queiroz Galvão, Danilo Oliveira, a expectativa de produção é de 12 mil barris de óleo por dia, seis em cada poço "na pior das hipóteses" , mas a companhia trabalha com uma produção de 24 mil barris por dia, de acordo com simulações e estudos feitos pelos antigos operadores, Shell e Chevron.

Julho 16, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, Petroleo e Gás, pré-sal | | Deixe um comentário

Reajuste de Preço do Diesel

A Petrobras informa o reajuste de 5% no preço de venda do diesel nas refinarias, a vigorar a partir da 0:00h de amanhã (06/03/13).

O preço do diesel, sobre o qual incide o reajuste anunciado, não inclui os tributos federais CIDE e PIS/Cofins e o tributo estadual ICMS.

Esse reajuste foi definido, levando em consideração a política de preços da Companhia, que busca alinhar o preço dos derivados aos valores praticados no mercado internacional em uma perspectiva de médio e longo prazo.

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Março 5, 2013 Posted by | Petroleo e Gás | , | Deixe um comentário

Petrobras envia nota a imprensa sobre vazamento no Campo de Marlim na Bacia de Campos

Nota à imprensa
3 de março de 2013

Comunicado à imprensa

A Petrobras informa que, durante a madrugada deste domingo (03/03), estancou o vazamento na árvore de natal molhada do poço MRL-131, localizado no Campo de Marlim na Bacia de Campos. Para a resolução do problema, foram realizadas intervenções planejadas utilizando embarcações especiais, com o auxílio de equipamentos submarinos do tipo ROV (Veículo de Operação Remota). Seguindo o planejamento traçado pelas equipes técnicas multidisciplinares, a sonda SS-47 está iniciando os trabalhos no poço para complementar a operação.

A Marinha, IBAMA e ANP já foram informados sobre tal situação.

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Março 4, 2013 Posted by | jornalismo, meio ambiente, Petroleo e Gás | | Deixe um comentário

Petrobras informa – Reajuste de Preços de Gasolina e Diesel

A Petrobras informa o reajuste nos preços de venda nas refinarias dos derivados abaixo, a vigorar a partir da 0:00h do dia 30 de janeiro de 2013:

Produtos
Reajuste (*)

Gasolina A
6,6%

Diesel
5,4%

(*) média Brasil
Os preços da gasolina e do diesel, sobre os quais incide o reajuste anunciado, não incluem os tributos federais CIDE e PIS/Cofins e o tributo estadual ICMS.

Esse reajuste foi definido levando em consideração a política de preços da Companhia, que busca alinhar o preço dos derivados aos valores praticados no mercado internacional em uma perspectiva de médio e longo prazo.

Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional

Janeiro 30, 2013 Posted by | jornalismo, Petroleo e Gás | | Deixe um comentário