Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Mais 300 pessoas conhecem unidades do “Minha Casa, Minha Vida” em Inoã

Texto: Tiago Campello (edição: Gisele Paiva) | Fotos: Fernando Silva

Cerca de 300 pessoas que vão habitar o bloco C do conjunto residencial Carlos Alberto Soares, em Inoã

Dando continuidade a série de reuniões com os futuros moradores, a coordenação do “Minha Casa, Minha Vida” em Maricá realizou mais uma etapa para a implementação do programa federal. Cerca de 300 pessoas que vão habitar o bloco C do conjunto residencial Carlos Alberto Soares, em Inoã, participaram de um sorteio e puderam  vistoriar os apartamentos e conhecer seu futuro lar. O condomínio conta com 1.460 apartamentos e possui áreas de convívio dos moradores, como praças, quadras, quiosques com churrasqueiras e salão de festas. As reuniões acontecerão diariamente até a próxima sexta-feira (19) e, em cada dia, serão direcionadas a um dos blocos.

A coordenadora do programa em Maricá, Lene de Oliveira, parabenizou todos os futuros moradores do bloco C e destacou a parceria com as secretarias municipais adjuntas de Obras e Saneamento para o andamento das obras da rua de acesso ao condomínio. “Todos nós envolvidos com política pública temos que trabalhar com amor e isso não falta aqui. Um conjunto de obras será realizado para urbanizar a rua que dá acesso ao condomínio” disse.

Mais uma novidade foi anunciada para atender aos moradores do condomínio em Inoã. A Empresa Pública de Transporte (EPT) estabelecerá uma linha para atender exclusivamente aos moradores do programa. A linha contará, em princípio, com uma frota de três ônibus, circulando 24 horas por dia no mesmo molde da linha principal.

Alessandro Carracena, diretor de operações da EPT, salientou a importância da participação da EPT no processo da melhoria de vida dos futuros proprietários do programa federal de habitação. “Essa linha gratuita para o ‘Minha Casa, Minha Vida’ significa a preocupação com o bem-estar dos moradores. A dignidade na mobilidade pública é fundamental para esse processo”, disse.

Os futuros moradores aprovaram a iniciativa da EPT e mostraram bastante ansiedade para o funcionamento da frota. Para o taxista Luiz Ricardo Santos, de 56 anos, morador de Araçatiba, a implantação da linha ao condomínio será importante e facilitará o acesso. “Essa iniciativa irá beneficiar bastante. Inoã é um pouco longe e ser transportado com segurança, conforto e gratuitamente é realmente algo satisfatório”, finaliza o taxista.

O taxista Luiz Ricardo Santos, de 56 anos, comemorou a linha especial que a EPT destinará para atender aos moradores do condomínio

Condomínio conta com 1.460 apartamentos e áreas de convívio dos moradores, como praças, quadras, quiosques com churrasqueiras e salão de festas

Anúncios

Junho 18, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia, projeto social | Deixe um comentário

Prefeitura realiza Festa do Índio na aldeia da restinga de Maricá

No mês de comemoração do Dia do Índio (19 de abril), a Prefeitura de Maricá realiza, pela primeira vez, uma festa para celebrar a cultura indígena. A previsão é que 300 índios de São Paulo, Angra dos Reis, Santa Catarina e Maricá participem do evento sábado e domingo, dias 25 e 26/04, na aldeia Tekoa Ka’aguy Hovy Porã (Mata Verde Bonita, em língua indígena), na restinga, em São José do Imbassaí. A visitação será aberta ao público no sábado, das 9h às 12h, e domingo, das 9h às 17h, com apresentações de danças e músicas com trajes típicos, além de vendas de comidas, bebidas e artesanato produzido pelos índios.

A “Festa na Aldeia” é organizada pela Secretaria Municipal Executiva de Gestão do Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Petróleo com a Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) e as secretaria municipais adjuntas de Turismo, Saúde, Educação, Assistência Social e Direitos Humanos e Participação Popular.

A abertura oficial acontece no sábado, às 9h, com presenças de autoridades municipais e representantes da tribo Tupi-Guarani M’Bya, de São José do Imbassaí. A aldeia ficará aberta à visitação até as 12h. A programação de domingo inclui apresentação de Canto do Coral e de Xondar (A Dança do Guerreiro) e vendas de comidas típicas, como pamonha, peixe assado, aipim e xipá (massa frita ou assada feita de farinha de trigo, sal e água); artesanato – brinco de penas, arco com penas para decoração, arco e flecha, pulseiras e zarabatana (arma de sopro para lançamento de dardos feita de bambu e utilizada para caça); e Aroca, bebida feita com água e mel.

A aldeia Mata Verde Bonita fica na restinga (Avenida Prefeito Alcebíades Mendes – antiga Estrada dos Macacos, em São José do Imbassaí). O acesso é pelo km 19 da Rodovia Amaral Peixoto (RJ-106), sentido Maricá.

Tribos de Maricá

Apresentação dos índios da Aldeia da Mata Verda Bonita

Com origem no Sul do Brasil, os índios da tribo Tupi-Guarani M’Bya estão na restinga desde abril de 2013 e contam com apoio da Prefeitura. A área de 93 hectares pertence ao grupo espanhol IDB que irá construir um Complexo Turístico de São Bento da Lagoa e foi incorporada ao projeto por exigência do prefeito Washington Quaquá. O prefeito também pretende criar uma aldeia turística, com ocas hotéis e um teatro arena para apresentações da cultura indígena. Pelo projeto inicial, os visitantes conhecerão a cultura indígena, por meio das danças, artesanato e comidas típicas, e poderão se hospedar na própria aldeia. Em Itaipuaçu, no loteamento Morada das Águias, vivem os índios Araowy, da aldeia Sítio do Céu. Ao todo, 62 pessoas vivem nas duas aldeias indígenas da cidade.

Eles foram incluídos no Programa Social Moeda Mumbuca – primeira moeda social eletrônica do país –, da Secretaria Municipal Adjunta de Economia Solidária, e recebem R$ 85 mensais para compra de produtos em estabelecimentos cadastrados na cidade. Desde fevereiro, 26 crianças são alfabetizadas nas aldeias por professores índios, formados em Língua Portuguesa e Guarani, com apoio pedagógico da Secretaria Municipal Adjunta de Educação, que disponibiliza merendas aos alunos. Equipes da Saúde e Assistência Social também fazem o acompanhamento das famílias.

Abril 17, 2015 Posted by | culinária, cultura, Dança, Exposições, jornalismo, Maricá, projeto social, shows e eventos, turismo | , | Deixe um comentário

Fiscalização e controle foram discutidos em reunião sobre o Moeda Mumbuca

Texto: ​Sérgio Renato (edição: Gisele Paiva) | Fotos: Clarildo Menezes

Representantes tiraram dúvidas sobre valor mínimo de compras e necessidade de apresentação de documento de identificação, entre outros temas

Comerciantes que aderiram ao programa social Moeda Mumbuca participaram, nesta segunda-feira (23/3), de uma reunião com representantes da Secretaria Municipal Adjunta de Economia Solidária, do Banco Palmas (instituto gestor do programa) e da empresa Valeshop, que fornece as máquinas do cartão. O encontro, que ocorreu no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), teve o intuito de prestar esclarecimentos aos donos de estabelecimentos.

Entre os pontos abordados na reunião, estava a informação de que há comerciantes aumentando os preços dos produtos na época da recarga dos cartões, que ocorre geralmente no dia 5 de cada mês. O secretário municipal adjunto de Economia Solidária, Miguel Moraes, afirmou que se trata de uma prática ilegal e que pode acarretar no descredenciamento do comércio onde for constatado o problema.

“Este comerciante precisa entender que se trata de um benefício também para ele e não somente do usuário. Qualquer procedimento fora do que está previsto pode ser prejudicial a todos. Já recebemos algumas denúncias, e os estabelecimentos onde isso se comprovar serão advertidos e descredenciados em caso de reincidência”, alertou o secretário, reiterando que fiscais da secretaria também estão visitando residências para verificar casos de uso indevido do benefício.

“Os beneficiários que fizerem uso indevido poderão ser indiciados pelos crimes de apropriação indébita e falsidade ideológica com denúncia ao Ministério Público Federal, além de ter que devolver o valor recebido ao erário sob pena de ter o nome inscrito na dívida ativa do município”, lembrou ele, que ainda respondeu a perguntas e dúvidas dos comerciantes.

Uma das principais dúvidas abordadas pelos comerciantes que participaram da reunião era sobre o valor mínimo para compras nos estabelecimentos. O secretário Miguel Moraes esclareceu que não há limite mínimo para uso dos créditos. Outra dúvida era sobre a necessidade de o usuário apresentar um documento de identidade no momento da compra para evitar fraudes e uso indevido. O secretário respondeu informando que a medida será avaliada.

O programa Moeda Mumbuca beneficia atualmente cerca de 15 mil famílias e injeta na economia do município mais de R$ 1,2 milhão por mês. A meta da Secretaria Municipal Adjunta de Economia Solidária é chegar a um valor de R$ 300 mensais como benefício até 2016.

Março 24, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, Moeda Social Mumbuca, projeto social | Deixe um comentário

Casa do Idoso Mais Feliz de Maricá oferece dezenas de atividades

O Grupo Musical com novos professores de canto da mais alta qualidade !! Roberta Tílio e Ricardo Agura para abrilhantar a casa da terceira idade.

10923591_1057370150946718_5714610981730556145_n10923827_1057370114280055_598861750215040602_n

Referência em todo o Estado, a Casa do Idoso Mais Feliz de Maricá oferece gratuitamente dezenas de atividades esportivas (natação, hidroginástica, tai-chi-chuan, alongamento), culturais (artesanato, teatro, música, canto, dança criativa, dança de salão, dança cigana, dança sênior) e sociais (cursos, palestras, estética, passeios, apresentações, confraternizações). Ao todo, 5.100 idosos estão cadastrados no programa. No município, há quatro unidades (Centro, Santa Paula, Itaipuaçu e São José do Imbassaí), além de seis núcleos nos bairros Bambuí, Marquês, Guaratiba, Spar e Inoã (Fernando Mendes e Bananal).

Os interessados em participar das oficinas da Casa do Idoso Mais Feliz podem se inscrever na sede principal do projeto, que funciona na Rua Clímaco Pereira, 269, no Centro, de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. Para a inscrição, é necessário apresentar cópias do CPF e RG, comprovante de residência, atestado médico (original e duas cópias) e duas fotos 3X4. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 3731-0589.

Janeiro 21, 2015 Posted by | direitos humanos, jornalismo, Maricá, projeto social | , | Deixe um comentário

Maricá – Bolsa Mumbuca atinge 14 mil beneficiados

Texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Nesta terça-feira (11/11), mais 1.126 cartões do programa Moeda Social Mumbuca foram entregues

A primeira moeda social eletrônica da América Latina, a Moeda Social Mumbuca, atingiu nesta terça-feira (11/11) a marca de 14 mil benefícios concedidos em menos de um ano de atividade (o programa foi implantado em dezembro do ano passado). Na cerimônia de entrega de 1.126 novos cartões do programa Moeda Social Mumbuca, que ocorreu na Praça Conselheiro Macedo Soares, no Centro, o secretário municipal de Direitos Humanos de Maricá, Miguel Moraes, anunciou o recadastramento de seus beneficiários, sejam moradores ou comerciantes da cidade.

Segundo Miguel, o trabalho de recadastramento já começou internamente com o levantamento de informações e a suspensão temporária de novas inscrições para o programa. Numa segunda etapa, que deverá ocorrer até dezembro, serão realizadas pesquisas de campo por região, que vão começar por Jaconé. “Sabemos que alguns beneficiários já faleceram e que outros ainda melhoraram a renda e não dependem mais do Bolsa Mumbuca. Isso servirá para fazermos um enquadramento de cada caso e a adequação que for necessária”, lembrou Miguel Moraes, ressaltando que a secretaria procura fazer um controle rigoroso para impedir possíveis fraudes contra o programa. Ele pediu ajuda da população para relatar qualquer suspeita de uso ou recebimento indevido do benefício. Os relatos devem ser remetidos à sede da pasta na Rua Levi Ribeiro ou pelos telefones 2637-1639 e 3731-1021 (Instituto Palmas, gestora do programa).

Ao lado de Miguel Moraes, estavam na mesa diretora do evento os secretários Margareth Figueira (Trabalho) e Rubem Pereira (Agricultura e Pesca), além dos subsecretários Luciana Piredda (Políticas para as Mulheres), Joel Rocha (Igualdade Racial) e do coordenador do Instituto Palmas, Rodrigo Cruz.

Drama e satisfação na hora da entrega

Entre os beneficiados que receberam o cartão já com a primeira carga de 85 Mumbucas (equivalente a R$ 85) havia a mesma sensação de alento já vista em eventos anteriores. “Sou asmática e preciso comprar remédios sempre. Vai ser uma grande ajuda para mim”, celebrou a aposentada Edith Martins Sales, de 71 anos, moradora de São José de Imbassaí.

Dentre tantas histórias chamou atenção a de Alessandra Ferreira dos Santos, que levava no colo a pequena Daniele, de apenas seis meses de idade. Com 22 anos, ela conta que não tem condições de trabalhar para cuidar da filha, que tem problemas cardíacos e sofre de epilepsia, não tendo idade ainda para tomar os medicamentos mais comuns para essa doença. “Tenho que ficar perto na hora que ela possa ter alguma crise. Já perdi dois filhos com menos de um ano de idade por causa do mesmo problema e não quero passar por isso de novo”, contou ela, ressaltando que a Bolsa Mumbuca vai ajudá-la na compra de remédios e fraldas para a filha.

De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos, a meta é fazer com o que  valor do benefício chegue a R$ 150 até o fim do ano que vem e a R$ 300 em 2016.

Alessandra Ferreira dos Santos, de 22 anos, utilizará o benefício para comprar remédios e fraldas para a filha

Edith Martins Sales, de 71 anos, também utilizará o Bolsa Mumbuca para comprar remédios

Novembro 12, 2014 Posted by | direitos humanos, jornalismo, Maricá, Moeda Social Mumbuca, projeto social | | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá apresenta plano municipal para menores infratores

Texto: Leandra Costa (edição: Marcelo Ambrosio) | Fotos: Fernando Silva

Prefeitura apresenta plano municipal para menores infratores

A Prefeitura de Maricá apresentou, nesta segunda-feira (03/11), o Plano Municipal Decenal de Atendimento Socioeducativo, destinado para jovens de 12 a 17 anos e 11 meses, autores de ato infracional, residentes no município de Maricá, e para suas respectivas famílias. A apresentação, realizada no auditório do CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados), contou com a participação de representantes de diversas secretarias e órgãos atuantes no processo, como o Ministério Público e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

O plano, com vigência até 2023, tem o objetivo de disponibilizar proteção integral aos adolescentes, por meio de execução de metas e ações articuladas dos sistemas, órgãos e organizações estaduais e municipais responsáveis pela garantia de direitos dos adolescentes no município de Maricá. De forma detalhada, o plano traz como ações públicas oferecimento de vagas de prestação de serviços em órgãos públicos, cursos profissionalizantes, vagas em projetos esportivos, culturais e educacionais direcionadas a esses jovens como forma de cumprimento de medida socioeducativa.

De acordo com o secretário municipal de Assistência Social, Jorge Castor, a equipe do CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) fez o diagnóstico dos casos existentes na cidade e os representantes de cada secretaria propuseram ações preventivas e socioeducativas a serem realizadas. “Esse é um trabalho elaborado a várias mãos que demostra o comprometimento do poder público em construir um plano que atenda, de forma responsável, esses jovens que estão em vulnerabilidade”, declarou Castor, destacando o empenho das secretarias municipais de Direitos Humanos, Saúde, Educação, Cultura, Trabalho, Esporte e Segurança Pública.

A subsecretária de Assistência Social, Laura Maria da Costa, explicou a importância da participação desses órgãos. “A proposta deste plano é desenvolver ações integradas com a rede de atendimento à criança e ao adolescente no município, com o objetivo de proporcionar a efetivação dos direitos fundamentais", afirmou. "As ações visam promover a melhoria, a otimização dos recursos disponíveis, a consolidação de uma rede articulada de atendimento ao adolescente e a implementação de medidas sociais eficazes de prevenção da violência”, completou Laura.

O promotor da Vara da Infância e da Juventude de Maricá, Sérgio Luis Lopes Pereira, explicou o sistema de direitos da criança e do adolescente estabelecidos pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). “Há dois anos e meio estou na promotoria de Maricá e, nesse último ano, houve um aumento considerável dos delitos considerados graves. Para se ter uma ideia, Maricá prende mais do que Belford Roxo", revelou. "Constata-se, ainda, que 90% dos jovens envolvidos estão fora da escola. É um diagnóstico triste. Somente nesse fim de semana, recebemos 12 que não estudam. Por isso, considero essencial a elaboração do plano e o envolvimento de toda a sociedade”, acrescentou. Ainda de acordo com o Ministério Público e a Polícia Militar, no período de Janeiro a Dezembro de 2013 foram registradas 255 ocorrências envolvendo adolescentes em práticas de atos infracionais. De 2013 a Junho de 2014, foram realizados no CREAS, 42 acompanhamentos a adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas encaminhados por meio da Comarca de Maricá.

A presidente do Conselho Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro, Monica Alkimin, salientou a importância de mobilizar a sociedade na proteção e defesa das crianças. “Há um consenso de que os adolescentes são os maiores causadores da violência no país, por isso, defende-se a redução da maioridade penal. Mas, na verdade, os jovens morrem muito mais do que matam", avaliou. "Considero que um momento infracional não pode isolar e determinar a vida do adolescente. Tem de haver uma mudança na sociedade no sentido de educar em liberdade. Não podemos pensar em sociedade que encarcera e que tem medo de suas crianças, de seu futuro. Mais do que serviços temos que pensar no atendimento ao menor que cometeu um ato criminal, mas que não se define apenas por isso”, atestou.

A secretária municipal de Educação, Adriana Luíza da Costa, falou sobre a necessidade de se pensar no futuro. “Temos que cuidar não só dos nossos filhos, mas também dos dos vizinhos, que convivem conosco. Nossa missão é convocar a sociedade para que possamos discutir, traçar e planejar uma escola mais participativa e de tempo integral, contribuindo, para a construção de uma sociedade mais igualitária e justa”, finalizou. O plano integra a lei federal 12.594, de 18 de janeiro de 2012, que criou o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) e regulamenta que os municípios criem medidas aos adolescentes autores de atos infracionais. Após essa apresentação, será encaminhado para aprovação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), em sessão prevista para o dia 13 de novembro.

Apresentação do plano no CEU

Jorge Castor destacou o comprometimento do poder público

Segundo o promotor, houve um aumento dos delitos considerados graves

Monica Alkimin salientou a importância de mobilizar a sociedade na proteção e defesa das crianças

A secretária de Educação falou sobre a necessidade de se pensar no futuro

Novembro 6, 2014 Posted by | assistencia social, jornalismo, Maricá, projeto social | Deixe um comentário

Ivonne e o Uerê

Por Ricardo Cravo Abin ( Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin)

O título aí de cima liga uma mulher extraordinária a um projeto educacional para crianças de favelas chamado UERÊ.

A professora e socióloga Ivonne Bezerra de Mello fez história no Rio quando veio a socorrer alguns dos poucos sobreviventes da tragédia que vitimou os meninos mendigos da Candelária, ato monstruoso que ecoou nos corações do Rio, do Brasil e do mundo. Ecoaria com vigor de seta certeira, contudo, sobre Ivonne, que já cuidava piedosamente das crianças de rua e que, por acaso do destino, foi a primeira a chegar ao local do massacre. Isso marcou o caráter destemido desta mulher que, jovem, bela e rica, além de culta (com doutorado pela Sorbonne), poderia apenas trafegar pelos convescotes de socialites.

Logo depois ela criaria o projeto Uerê, nele injetando sua fibra e dentro dele aplicando seus conhecimentos acadêmicos.

O Uerê, hoje de fama internacional, é uma escola que aplica uma pedagogia desenhada com originalidade única para atender a crianças de favela, as traumatizadas pela violência que vivenciam diariamente. Ou seja, Ivonne refletiu sobre uma realidade cruel: os bloqueios cognitivos e emocionais das crianças. Pesquisando, tal qual cientista com lupa, ela descobriu o antídoto para tentar curar e reabitar aquelas alminhas doentias. E colocou de pé a escola mais original de que tive conhecimento. Ivonne instalou-se no Complexo da Maré, logo ele, o mais feroz em violência, em tráfico de drogas, em miséria. Ali, ela abriga 430 crianças, (entre seis e dezoito anos) reconhecidamente fustigadas pelo dia a dia do desajuste, dos tiroteios, das mortes inesperadas. A par do tratamento psicológico, elas recebem três refeições ao dia, além de aulas curriculares e de ensino técnico.

Poucas instituições amparam o UERÊ, algumas delas internacionais, a começar pela UNESCO. Há dias, a brava Ivonne me disse na ACRJ que precisa de apoio, inclusive alimentos para os quase 500 alunos. Vamos abrir portas?

Outubro 24, 2014 Posted by | Ação Social, assistencia social, Associações, Educação, jornalismo, projeto educacional, projeto social | , , , | Deixe um comentário

Maricá lança Programa de Qualificação Profissional

Texto: Fernando Uchôa (edição: Raquel Andrade) | Fotos: Clarildo Menezes

Cerimônia de abertura do Programa de Qualificação Profissional aconteceu na sede do Flamengo e contou com a presença de autoridades municipais

A Prefeitura de Maricá, através da Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), lançou na noite de segunda-feira (21/10) o Programa de Qualificação Profissional, que tem o objetivo de capacitar os munícipes jovens e adultos, de forma gratuita, para o mercado de trabalho. As turmas dos cursos de Gestão de Resíduos Sólidos e Assistente Operacional em Logística Portuária, com 120 alunos, divididos nos turnos da tarde e noite, tiveram aula inaugural após a cerimônia de abertura do projeto, no núcleo do Flamengo (Avenida Roberto Silveira, 2.115), o primeiro a ser inaugurado. Na sede, serão ministrados, ainda neste semestre, os cursos de Auxiliar de Instalação Elétrica, Montador de Tubulações Industriais e Solda Industrial.

 

A cerimônia foi iniciada com o Hino Nacional. Em seguida, a secretária de Trabalho e Emprego, Margareth Vianna, falou da importância do programa para o município. “Este não é um projeto comum. É a abertura de uma nova era para Maricá. Estamos começando uma parceria abrangente com o Senai, uma instituição prestigiada em todo o país. Alunos, sugiro que vocês agarrem esta oportunidade. O futuro espera vocês”, aconselhou.

De acordo com a coordenadora de Ações do Trabalho, Maria de Fátima Pacheco, o município está passando por uma revolução e a Prefeitura tem investido na população, com a realização de cursos profissionalizantes gratuitos. “Cada curso desse custa em média de R$ 2 mil a R$ 3 mil por aluno, totalmente pagos pelo município. O Programa de Qualificação Profissional vai capacitar o maricaense para a era de  empreendimentos, como o Comperj, o aeroporto e o Porto de Jaconé, capacitando-o profissionalmente para as novas etapas de desenvolvimento e para o mercado de trabalho, com a qualidade do Sistema S”, enfatizou.

Através do programa, serão ministrados cursos gratuitos nos três núcleos de ensino na cidade, situados no Flamengo (já inaugurado), Itaipuaçu e Inoã. “É um projeto mobilizador, um novo elo se formando. O Senai é uma instituição com 73 anos e com um nome a zelar. Teremos núcleos do Senai aqui. Só em Itaipuaçu, está sendo construído um prédio com capacidade para atender mil alunos por dia. Nossa meta é atingir 2.500 alunos no primeiro ano. Poucos municípios têm essa proposta de gestão”, disse o coordenador geral do Senai-RJ, Washington Cruz.

O marceneiro Ricardo Barbosa Gregório, de 40 anos, morador de Inoã, e seu filho Felipe Barbosa, de 22 anos, inscreveram-se para o curso de Assistente Operacional em Logística Portuária. “É mais uma profissão e opção de trabalho”, adiantou Ricardo. “Uma oportunidade que não podemos desperdiçar”, disse Felipe.

Participaram do evento, autoridades municipais, professores do Senai, dezenas de alunos, pais de alunos e convidados. Além da secretária municipal de Trabalho e Emprego, Margareth Figueira; da coordenadora de Ações do Trabalho, Maria de Fátima Pacheco; e do coordenador geral do Senai-RJ, Washington Cruz; integraram a mesa diretora do evento o presidente da AME, pastor Daniel Miguel da Silva; o presidente da Câmara de Vereadores de Maricá, Fabiano Horta; e pelo vereador Marcelo Vianna.

Inscrições abertas

Há vagas para os cursos de Pedreiro de Alvenaria; Carpinteiro de Obras; Armador de Ferragem; Aplicador de Revestimentos Cerâmicos; Eletricista de Obras; Montador de Painéis Elétricos; Pintor de Obras e Encanador de Obras, além de Desenhista de Construção Civil; Almoxarife de Obras; Auxiliar Administrativo; Auxiliar de Fiscalização Ambiental; e Comprador, que serão executados em Itaipuaçu (Av. Carlos Marighella, 160, lote 1, Quadra 14). Também estão sendo feitas as inscrições para os cursos de Soldador; Auxiliar de Padaria e Confeitaria; Operador de Computador; e Costureiro de Vestuário, que serão realizados em Inoã, na Escola Móvel (Rodovia Amaral Peixoto, km 15). A previsão de início dos cursos é para início de 2015.

Os interessados nas vagas devem comparecer ao Serviço Nacional de Emprego (Sine), que fica na Rua Domício da Gama, 391, Centro, Maricá. Para a inscrição, é necessário apresentar a cópia e original da carteira de identidade ou carteira de trabalho; CPF; comprovante de residência; comprovante de escolaridade; PIS; e duas fotos 3 X 4. O processo de seleção para as vagas será feito atendendo os seguintes critérios: renda familiar, residência em Maricá há mais de dois anos; e prioridade para os beneficiários dos programas Moeda Social Mumbuca; Minha Casa, Minha Vida; e Bolsa Família. ​

Ricardo Barbosa Gregório, de 40 anos, e Felipe Barbosa, de 22 anos, se inscreveram para o curso de Assistente Operacional em Logística Portuária

Aula inaugural dos cursos ocorreu após a cerimônia de lançamento do programa, na própria sede do Flamengo

Outubro 21, 2014 Posted by | cursos, Educação, jornalismo, Maricá, projeto social | | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá faz novo cadastro do Bilhete Universitário para 2015

texto: Kelly Rodrigues

A Prefeitura de Maricá, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, abrirá cadastramento do Bilhete Único, de 3 a 7/11, para estudantes universitários e de cursos técnicos que moram na cidade e estudam em município da Região Metropolitana. As inscrições gratuitas serão feitas na sede da Secretaria de Assistência Social, que fica na Rua Domício da Gama – 386, no Centro, das 9h às 16h30, com a documentação exigida (confira listagem abaixo).

Atualmente, 2.000 estudantes são beneficiados com os cartões do Bilhete Único, com os quais duas passagens no intervalo de até duas horas e trinta minutos custam apenas R$5,25 – desde que uma delas seja em transporte municipal. Os bilhetes são recarregados mensalmente pela Prefeitura, de acordo com as grades de cada estudante, com créditos de até R$ 231.

Os cartões serão entregues no 1º semestre de 2015, após apresentação da nova grade curricular do respectivo ano. A iniciativa criada, em 2012, pela atual administração, substituiu os antigos ônibus universitários e garantiu maior autonomia aos usuários. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail projetouniversitario@marica.gov.rj.br.

Documentação necessária para todos os estudantes:

– RG e CPF (original e xerox);

– Título de Eleitor (original e xerox);

– 2 fotos 3×4;

– Declaração de matrícula assinada e carimbada pela instituição (original);

– Grade do semestre assinada e carimbada ou com assinatura online (original);

– Comprovante de residência: luz, água ou telefone fixo (em nome próprio ou dos pais – original e xerox). Em caso de aluguel: contrato de locação (original e xerox). Ou caso more com terceiros: declaração registrada em cartório (original e xerox);

– Comprovante de Renda (original e xerox);

– CADÚNICO / NIS (Bolsa Família).

Outubro 14, 2014 Posted by | Ação Social, Educação, jornalismo, Maricá, projeto social, transporte | | Deixe um comentário

Índios das aldeias de Maricá recebem cartão Mumbuca

texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Índios da Aldeia da Mata Verde Bonita e do Sítio do Céu foram beneficiados com o programa

Equipes da Secretaria Municipal de Direitos Humanos entregaram o benefício aos índios

Moeda social beneficiará 89 membros de duas comunidades indígenas, em Itaipuaçu e São José de Imbassaí

O programa Moeda Social Mumbuca chegou nesta quarta-feira (8/10) às duas comunidades indígenas instaladas em Maricá. O secretário municipal de Direitos Humanos, Miguel Moraes, esteve com sua equipe na aldeia da Mata Verde Bonita, em São José de Imbassaí, e Sítio do Céu, em Itaipuaçu, e entregaram 89 cartões aos índios que nelas vivem, todos já com a primeira carga de 85 mumbucas (equivalentes a R$ 85).

De acordo com o secretário, a inclusão dos indígenas no programa já havia sido uma determinação do prefeito Washington Quaquá. “Foi preciso aguardar um pouco mais para virmos até eles porque havia alguns deles com problemas de documentação. Tão logo resolvemos isso, viemos entregar os cartões”, afirmou Miguel Moraes, que deu ainda orientações aos moradores sobre a utilização dos créditos do cartão.

Na aldeia Mata Verde Bonita, foram entregues 63 cartões com senhas para o índios. “Vai ajudar bastante a comprar comida”, celebrou Juliana da Silva, de 22 anos, mãe de dois meninos. Um dos líderes da comunidade, Darci Tupã, disse que a chegada do programa é um grande avanço para eles. “Para nós é um grande salto de qualidade. Estamos vendo aqui em um ano e meio o que não tivemos nos últimos 500 anos”, exaltou ele, que tem 34 anos.

De lá, o grupo partiu para a aldeia Sítio do Céu, que fica na encosta do loteamento Morada das Águias, próximo ao Barroco, e onde foram entregues 26 cartões. Os membros da comunidade também receberam kits com roupas e alimentos.  “Tem dias que a gente precisa comprar remédios e isso vai ajudar bastante”, disse Vanderlei Silva, um dos líderes da comunidade. “Será ótimo, uma grande ajuda”, garantiu Márcia da Silva, de 19 anos, mãe de um menino de 3 anos.

Márcia da Silva, de 19 anos, diz que o cartão ajudará a comprar comida

Secretário Miguel Moraes (blusa de manga branca) orientou os moradores sobre a utilização do cartão

Além do cartão Mumbuca, membros da aldeia Sítio do Céu receberam doações, como roupas e alimentos

Outubro 9, 2014 Posted by | assistencia social, direitos humanos, jornalismo, Maricá, projeto social | , | Deixe um comentário