Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Porto de Maricá pode assumir operações do Terminal de Macaé

Institucional | O Debate ON

Projeto cumprirá no próximo dia 28 fase importante de licenciamento prévio analisado pela Comissão Estadual de Controle Ambiental

A batalha pelo atendimento das demandas marítimas relativas as atividades do petróleo registradas nas Bacias de Campos, Espírito Santo e de Santos ganha um concorrente de peso: o Terminal Portuário de Maricá, que poderá assumir as operações estimadas para o Terminal Portuário de Macaé. Atualmente os dois projetos passam por processos semelhantes na fase de licenciamento prévio.

Nesta semana a Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca) publicou convocação de Audiência Pública para discussão do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) e do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referentes ao projeto do Terminal

Portuário de granéis líquidos e estaleiro para construção e reparos navais, previsto para ser implantado em Maricá. Inicialmente, a data da Audiência foi agendada para o dia 27 deste mês, mas acabou sendo alterada ontem (13) para o dia 28 de janeiro, às 19h, no Saquarema Futebol Clube, conforme edital publicado no jornal O GLOBO.

A CECA, órgão ligado ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) também é responsável pelo licenciamento prévio do Terminal Portuário de Macaé (Tepor). O projeto cumpriu no ano passado as duas fases de Audiências Públicas previstas pela Comissão. No entanto, até hoje, a autorização para a sua construção em área no São José do Barreto, ainda não foi liberada.

O impasse do porto de Macaé está relacionado a manifestação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) em relação a instalação do empreendimento, devido a sua proximidade ao Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

A concepção dos projetos de Maricá e de Macaé está diretamente ligada a atual demanda do segmento offshore por logística portuária. Um novo porto na região Norte Fluminense, que concentra o maior percentual de produção de barris de petróleo, garantiria o suporte das atividades já realizadas na Bacia de Campos, além de atender também as movimentações relativas à operação offshore na camada do pré-sal, cujas reservas estão situadas no trecho norte da Bacia de Campos.

Para consolidação, os dois empreendimentos precisam de suporte político. Em Maricá, o projeto é defendido pelo prefeito Quaquá (PT), eleito presidente da executiva estadual do Partido dos Trabalhadores e que possui ligação direta com lideranças do partido a nível federal.

Anúncios

Janeiro 15, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, setor naval | | Deixe um comentário

Projeto do porto de Jaconé caminha para execução

Texto: Marcelo Ambrosio

O porto de Jaconé caminha para se tornar uma realidade e mudar o perfil de Maricá. Esta semana, mais um passo concreto foi anunciado com a publicação, no Diário Oficial da União, de um Aviso de Convocação.  O documento número 14/2014, emitido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), informa que a agência, "em vista dos requerimentos protocolados, torna público que receberá, até 11 de agosto de 2014, pedidos de autorização para construção e exploração de instalação portuária na região geográfica do município de Maricá, Estado do Rio de Janeiro".  O aviso é uma etapa necessária para a implantação do projeto e é publicado no Diário Oficial cumprindo a exigência legal de transparência no processo de licenciamento e construção do empreendimento. O futuro Terminal Ponta Negra (TPN) é um investimento de R$ 5,5 bilhões da DTA Engenharia. Segundo a empresa, durante o período de construção, previsto para durar cinco anos, a obra deverá gerar em torno de 13 mil empregos diretos e indiretos. 

Julho 17, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, setor naval | | Deixe um comentário

Mais portos no litoral do Rio de Janeiro

Institucional | Brasil Econômico | Capa | BR
10.02.2014

PRÉ-SAL
O aumento de produção de petróleo mobiliza duas cidades litorâneas na busca de investimento em infraestrutura. Em Maricá, o terminal de R$ 6 bilhões está em fase final de licenciamento. Macaé iniciou audiência pública para projeto de R$ 900 milhões .P11

Projetos de portos avançam em cidades do litoral do Rio

Institucional | Brasil Econômico | Brasil | BR
"O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno" Washington Quaquá Prefeito de Maricá

  "A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"  Dr. Aluízio  Prefeito de Macaé.

Maricá e Macaé se mobilizam para licenciar terminais para suportar o crescimento da produção do pré-sal

Redação

O crescimento da produção do pré-sal cria expectativa em duas cidades do litoral fluminense, que esperam deslanchar projetos portuários para atender à demanda da indústria do petróleo. Em Maricá, na região metropolitana do Rio, a prefeitura prevê para abril a concessão da licença ambiental do porto da DTA, projeto de R$ 6 bilhões, desenvolvido para receber parte da produção da maior província petrolífera brasileira. Em Macaé, a 180 quilômetros da capital, está em fase de consulta pública projeto da Queiroz Galvão, orçado em R$ 900 milhões, para a construção de um porto para apoio à atividade de exploração e produção em alto mar.

"É um projeto muito importante e pode mudar o perfil de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno", diz o prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT). Localizada em frente aos maiores campos de petróleo do país, a cidade já foi escolhida como porta de entrada do gás natural produzido no pré-sal, por um gasoduto que conectará as plataformas ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) na vizinha Itaboraí. O porto, diz o prefeito, será um passo adiante para transformar a proximidade com o pré-sal em oportunidades de negócios no município.

O projeto terá a capacidade para receber 850 mil barris de petróleo por dia e prevê a construção de tanques para armazenar a produção e de um estaleiro de reparos para embarcações de apoio à indústria petrolífera. Além disso, está projetado um terminal de contêineres. A prefeitura negocia ainda a ampliação do aeroporto local, para o transporte de trabalhadores às plataformas. Atualmente, os embarques são feitos no aeroporto de Jacarepaguá, no Rio, e de Macaé, base de operações da Petrobras para a Bacia de Campos, hoje a maior produtora brasileira de petróleo.

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada e faz mais sentido construir uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar", comenta o prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PV).

As operações da Petrobras são hoje concentradas no Porto de Imbetiba, na área central da cidade, que tem seis berços de atracação e uma enorme fila de espera de navios que levam mantimentos e equipamentos para plataformas em alto mar. O novo terminal foi projetado para ocupar uma área de 400 mil m 2 no bairro de São José do Barreto, na Zona Norte da cidade, com uma plataforma marítima de 90 mil metros quadrados a dois quilômetros da costa.

O projeto prevê capacidade para a atracação simultânea de até 14 embarcações e mira, além da produção na Bacia de Campos, a prestação de serviços para a porção norte da Bacia de Santos, que hoje é atendida pelo Porto do Rio e precisa ser ampliada no futuro. Com uma produção de 346 mil barris de petróleo por dia, a província do pré-sal, que se estende de São Paulo ao Espírito Santo, deve atingir a marca de 2,1 milhões de barris por dia em 2020, segundo projeções da Petrobras. Além da base da Petrobras, Macaé se dia a maior unidade de tratamento de gás natural da companhia, que também deve receber produção do pré-sal.

Os dois projetos enfrentam resistência de entidades ambientalistas. Em Maricá, explica Quaquá, foi feita uma modificação no projeto para reduzir o impacto na costa da Ponta Negra. "A área do porto é uma área que já foi um campo de golfe, não tem mata nativa", diz o prefeito, acrescentando que a prefeitura quer fomentar a criação de um polo industrial na região. Em Macaé, a prefeitura propõe, como medida compensatória, a transformação em unidade de conservação ambiental de uma área de 3,5 quilômetros de costa, na mesma região.

Um terceiro porto, já em obras, disputa com os dois empreendimentos a atenção das companhias petrolíferas. O porto do Açu, projeto iniciado por Eike Batista em São João da Barra, litoral Norte do estado, também tem previsão de áreas para recebimento de petróleo e base de apoio a plataformas.

"O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno"

Washington Quaquá

Prefeito de Maricá

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"

Dr. Aluízio

Prefeito de Macaé

Fevereiro 10, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, Petroleo e Gás, pré-sal, setor naval | , | 1 Comentário

Câmara Municipal realiza 2ª audiência pública sobre alteração da Lei de Uso do Solo de Maricá

Fotos: Fernando Silva e Rosely Pellegrino

DSCN6977DSCN6955 Com o plenário lotado, a Câmara Municipal de Maricá realizou nesta quinta-feira (05/09) a segunda audiência pública sobre a Lei de Uso e Ocupação do Solo. A alteração da legislação municipal (nº 2.272/2008), que cria a Área de Especial Interesse Urbanístico e Econômico, permitirá a instalação do Polo Naval de Jaconé – o maior investimento da história do município. A área de interesse prevista na nova lei compreende os bairros de Bambuí, Manoel Ribeiro, Bananal, Jaconé e Condado. Na primeira audiência pública, promovida em maio pela prefeitura no Esporte Clube Maricá, a população votou a favor da alteração da Lei de Uso do Solo.

Prefeito de Maricá, Washington Quaquá.Foto Fernando Silva Em seu discurso, o prefeito Washington Quaquá defendeu a implantação do porto e os motivos de instalar esse megaempreendimento na região do 2º distrito, que receberá também um estaleiro com previsão de gerar 13 mil empregos diretos e indiretos. "O Recanto de Itaipuaçu e Jaconé são as duas áreas que poderiam abrigar o porto. Indicamos Jaconé porque o Recanto é uma área habitada por muitas famílias. Já a região de Jaconé sempre foi uma área privada e a população quase nunca teve acesso”, declarou Quaquá.

O prefeito acrescentou que o costão de Ponta Negra será preservado e que o projeto cumprirá todas as exigências ambientais necessárias para um empreendimento deste porte. “O Instituto Estadual do Ambiente é extremamente rigoroso com as licenças e só aprovam com a certeza da proteção ambiental”,afirmou o chefe do Executivo, que citou uma pesquisa recente da prefeitura com os moradores da cidade. “Oitenta por cento da população é a favor do porto. Somente uma minoria que não quer o desenvolvimento de Maricá é contra a instalação de grandes empresas na cidade. É fundamental que a Câmara aprove essa lei para acabar com o coronelismo que sempre dominou o município e que impediu o crescimento de Maricá”, completou.

Sobre a criação da Área de Especial Interesse Urbanístico e Econômico, que será impulsionada com o Complexo Petroquímico da Petrobras (Comperj) e pela logística do petróleo, o prefeito destacou que a demarcação permitirá a instalação de indústrias capazes de gerar emprego e renda com sustentabilidade e responsabilidade social. “Temos uma fábrica de barcos esportivos, vinda da Itália, em Bambuí, já com uma carta de intenção assinada”, reforçou Quaquá.

DSCN6962 Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Celso Cabral, o crescimento do município é percebido com o aumento da demanda de processos de licenciamento urbano que são analisados na secretaria. “Em 2010, avaliávamos de 20 a 25 processos por semana. Hoje são mais de 800. Precisamos readequar essa lei para garantir a instalação de novas empresas”, destacou Cabral.

Após a apresentação do prefeito sobre a alteração da lei, o presidente da Câmara, Fabiano Horta, abriu o debate para a população. A audiência também contou com as presenças dos vereadores Felipe Bittencourt, Robson Dutra, Helter Ferreira, Bubute, Marcelo Vianna e Alcebíades Machado Filho.

Setembro 6, 2013 Posted by | jornalismo, Legislativo, Maricá, setor naval | | Deixe um comentário

Prefeito de Maricá confraterniza com metalúrgicos e anuncia subsecretaria de Indústria Naval

Texto: Fernando Uchôa | Fotos: Paulo Polônio / Fernando Uchôa

Prefeito discursa durante encontro.

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá, participou neste domingo (06/01) do encontro de fim de ano dos funcionários da Cooperativa dos Trabalhadores Metalúrgicos do Estado do Rio de Janeiro (COOTRAMERJ). Quaquá esteve acompanhado da primeira dama, Rosangela Zeidan, do senador Lindberg Farias e da filha do ex-presidente Lula, Lurian Silva, além do deputado federal Luiz Sérgio (PT).

O evento, realizado no bairro dos Cajueiros, contou com a participação de centenas de metalúrgicos e suas famílias. O presidente da COOTRAMERJ, Miguel Moraes, que assumiu recentemente a secretaria municipal de Direitos Humanos de Maricá, apresentou os convidados, ressaltando “a honra de termos em nosso encontro pessoas que fortalecem a causa metalúrgica”. A criação do Polo Naval de Maricá, que aumentará a oferta de emprego para a indústria naval, também foi destacada pelo novo secretário. “Serão construídos mais navios e plataformas, gerando milhares de postos de trabalho para o setor”, adiantou Miguel Moraes.

Indústria Naval

O prefeito Washington Quaquá declarou que a participação dos metalúrgicos é essencial para o crescimento do país. “Em Maricá, criaremos em breve a subsecretaria municipal de Indústria Naval, que companhará de perto todos os assuntos relacionados ao Polo Naval, que terá área construída de 450 mil m2 e que contará com um dos maiores estaleiros do país”, declarou. O prefeito também antecipou que um profissional técnico será designado para ser uma espécie de ponte entre o sindicato dos trabalhadores e o Sinaval (sindicato patronal), como suporte para as políticas públicas de governo.

O senador Lindberg reiterou seu apoio aos investimentos na área. “Em Brasília, faremos o possível para aprovar projetos navais para Maricá, pois sabemos o quanto o setor é importante para o desenvolvimento do país. Basta considerar que nos anos 70 o Brasil foi o segundo maior produtor de navios no mundo, e o Estado do Rio voltou a ocupar lugar de destaque nesta área, depois de uma recessão de mais de 20 anos”, declarou. O deputado federal Luiz Sérgio também fez questão de parabenizar os presentes e ressaltar a importância do fomento à indústria naval de Maricá.

O pintor naval Carlos Fernando, 49 anos, 17 deles dedicados ao COOTRAMERJ, disse que frequenta as festas de fim de ano da cooperativa há cerca de 10 anos. “Venho sempre à colônia de férias com a família. O ambiente é de confraternização e também uma oportunidade de fortalecer nossas causas”, concluiu.

Encontro também teve a presença do senador Lindberg Farias.

Novo secretário de Direitos Humanos (e presidente da cooperativa dos metalúrgicos), Miguel Moraes (à direita) participou do evento.

Janeiro 8, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, setor naval | , , , , , | Deixe um comentário

Catamarãs chegam ao Rio para reforçar frota de barcas

DSC_1338_creditos_henrique_freire As duas embarcações foram alugadas pela concessionária CCR Barcas, cumprindo exigências contratuais da Secretaria Estadual de Transportes

DSC_1614_creditos_henrique_freire As embarcações que vão reforçar o transporte aquaviário de passageiros na Baía de Guanabara já chegaram ao Rio de Janeiro. Os dois catamarãs foram trazidos de navio cargueiro da China, e aguardam no mar, próximo às Ilhas Cagarras, para atracar no Porto do Rio.

DSC_1428_creditos_henrique_freire Com a chegada das embarcações, a concessionária CCR Barcas vai passar a ofertar mais 1.600 lugares por hora na linha Praça XV-Praça Arariboia, durante os horários de rush. O reforço dos dois catamarãs também vai proporcionar redução no tempo de viagem e mais conforto para quem utiliza as linhas que atendem a Ilha de Paquetá e o bairro Cocotá, na Ilha do Governador.

– Este é parte de um grande investimento em curso para modernização da frota das barcas. A licitação para compra de nove novas embarcações pelo Governo do Estado já foi finalizada. Recebemos propostas de estaleiros do Brasil e de três países estrangeiros, que estão sendo analisadas pelo Estado – conta o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes.

Dezembro 5, 2012 Posted by | jornalismo, Lazer, setor naval, transporte | , | Deixe um comentário

Porto de Jaconé é prioridade de investimento do Fundo da Marinha Mercante

Texto: Sérgio Renato (edição: Marcelo Moreira) | Fotos: Imagem de divulgação

As obras que vão erguer o Porto de Jaconé, em Maricá, receberam prioridade de investimento do Fundo da Marinha Mercante, do Ministério dos Transportes. A decisão foi tomada na última reunião do Conselho Diretor do Fundo, realizada no mês passado, e divulgada na edição de novembro da revista Portos e Navios – uma das mais importantes publicações do setor naval do país.

Imagem de divulgação da DTA

Segundo a revista, na reunião foram aprovados financiamentos para 56 projetos de embarcações e estaleiros em empreendimentos de 19 empresas, que totalizam R$ 7,345 bilhões em investimentos. A chancela de prioridade concedida pelo Conselho do Fundo da Marinha Mercante é importante para a viabilidade das obras do Porto de Jaconé, já que, entre as funções do órgão, estão a liberação de recursos e o acompanhamento de sua aplicação pelos agentes públicos financeiros, como o BNDES, nas obras do setor hidroviário brasileiro. A DTA Engenharia, responsável pelo projeto do Porto de Jaconé, prevê um investimento da ordem de R$ 1 bilhão.

Ainda segundo a publicação Portos e Navios, entre as iniciativas que receberam prioridade os maiores recursos serão aplicados em estaleiros – um montante de R$ 3,693 bilhões, dos quais R$ 1,681 bilhão foi concedido à OSX Construção Naval como parte da implantação do estaleiro OSX, localizado no município de São João da Barra, no Rio de Janeiro. Também no estado do Rio, serão construídos ou modernizados outros cinco estaleiros.

População marcha em apoio ao Porto

No último dia 26 de maio, quando Maricá completou 198 anos, uma grande passeata levou uma multidão às ruas do centro da cidade em apoio à construção do polo naval. A implantação do complexo portuário dos Terminais Ponta Negra (TPN) vai mudar o papel de Maricá no cenário nacional, com a integração da cidade às atividades do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O empreendimento, também conhecido como Porto do Pré-Sal, conta com o apoio da prefeitura, que está tomando as medidas necessárias para a viabilização do projeto e acompanhando as exigências para a segurança ambiental da iniciativa.

Ciente da importância do porto para a região (a estimativa é que sejam gerados nove mil empregos diretos e indiretos durante a construção, passando a 12 mil após a conclusão das obras, em 2015), a prefeitura também planeja ações para reforçar a qualificação de mão de obra local para trabalhar no setor. Por sua posição geográfica, a cidade de Maricá é estratégica para o Comperj e, com a instalação do TPN, passará a contar também com uma atividade econômica independente, capaz de transformar o município tanto quanto o complexo petroquímico fará com a vizinha Itaboraí.

O apoio da prefeitura e o endosso da população de Maricá ao porto começaram com a aprovação, pela Câmara Municipal em dezembro último, de uma alteração no zoneamento urbano do município, inserindo uma área industrial no plano destinado á região da praia de Jaconé. A partir dessa mudança, a DTA Engenharia– responsável pelo empreendimento – pode começar a trabalhar efetivamente no desenvolvimento do complexo, a ser instalado em uma área de 5,6 milhões de metros quadrados onde funcionaria um clube de golfe e sem restrições ambientais.

Para o prefeito Washington Quaquá (PT), o empreendimento também vai viabilizar outra vocação de Maricá, a atividade turística. Além da compensação ambiental já incluída no próprio TPN – a destinação de uma área de 3,6 milhões de metros quadrados para a criação de uma reserva de preservação – a cidade receberá a bela região de Ponta Negra transformada em área turística, incluindo a construção de uma marina, de hotéis e de um resort.

Leia abaixo a matéria da revista Portos e Navios:

http://portosenavios.com.br/site/2012/revista-622-novembro-de-2012/416-industria-naval/19644-r-734-bi-em-projetos-

Novembro 7, 2012 Posted by | Maricá, pré-sal, setor naval, transporte | | Deixe um comentário

Petrobras consegue licença para porto de acesso ao Comperj

Institucional | Extra Online | RJ

RIO DE JANEIRO, 18 Set (Reuters) – A Petrobras conseguiu do governo fluminense aval para levar adiante um plano que poderá ser sua única alternativa para o acesso de equipamentos pesados ao Complexo Petroquímico do Sudeste (Comperj), um dos maiores projetos da estatal.

A estatal recebeu licença de instalação para o Porto de São Gonçalo, que permitirá levar os equipamentos pesados até uma estrada de acesso ao local onde está sendo erguido o Comperj, afirmou nesta terça-feira o secretário de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, durante evento no Rio.

A estatal não tem conseguido transportar equipamentos que já ficaram prontos para compor o complexo de refino porque as rodovias locais não suportam seu peso.

O entrave ocorre há mais de um ano: em agosto do ano passado, o primeiro de quatro reatores fabricados na Itália que produzirão diesel no Comperj ficou preso no porto do Rio, pelo problema logístico. Os reatores pesam mil toneladas.

HIDROVIA POLÊMICA

Outra alternativa sugerida pela estatal seria levar os equipamentos por meio de uma hidrovia, por balsa, em dos rios que desembocam na Baía de Guanabara.

O problema é que a região escolhida para a hidrovia esbarra em uma Área de Preservação Ambiental (APA) e precisa, portanto, de autorização do governo federal.

"Como demora para fazer o porto, eles queriam passar pelo rio que é dentro de APA ambiental, tem que ter autorização do ICM-Bio… Enquanto o ICM-Bio não der essa licença, nós nem vamos olhar para isso", afirmou Minc, após participar de evento na sede da empresa, onde a Petrobras apresentou alguns de seus projetos ambientais.

DUTO APROVADO

Outro ponto polêmico para a construção do complexo petroquímico, a instalação de um emissário para despejar efluentes e resíduos da refinaria em alto mar, na praia de Maricá, também foi defendida pelo secretário.

O secretário destacou que a licença para o emissário, concedida há pouco mais de um mês, impôs algumas condicionantes fundamentais à Petrobras.

O duto terá de ser prolongado em dois quilômetros, o dobro do tamanho do que queria a estatal e terá de lançar resíduos com tratamento de efluentes dez vezes mais rigoroso que o padrão normal estabelecido pelas autoridades, afirmou.

"Por causa da licença original, de 2008, exigindo que a Petrobras não lançasse nenhum litro de óleo ou resíduo na Baía de Guanabara –e como todos os rios próximos desaguam na baía–, a Petrobras terá que gastar mais de 100 milhões (de reais) para preparar um duto para lançar em alto-mar", explicou.

O duto cortará alguns municípios no percurso da refinaria em Itaboraí até a praia em Maricá, para depois desaguar a quatro quilômetros da costa.

O diretor Corporativo e de Serviços da Petrobras, José Eduardo Dutra, demonstrou satisfação com a decisão do governo. "É bom para o meio ambiente, para o Estado, para todo mundo", disse, no mesmo evento.

(Por Sabrina Lorenzi)

Setembro 20, 2012 Posted by | COMPERJ, jornalismo, Maricá, Petroleo e Gás, setor naval, Urbanização | Deixe um comentário

Quaquá e Minc se encontram em Maricá

O Secretário Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc esteve na noite desta quinta-feira, 16 de agosto, em Maricá para prestar apoio ao prefeito e candidato a reeleição, Washington Quaquá, e debater sobre três principais temas que envolvem o município: desenvolvimento sustentável, implantação do Porto de Jaconé e construção do Complexo Turístico de Zacarias.

DSC00478DSC_6065DSC_6071DSC00481

O encontro, aberto a população, reuniu cerca de quatrocentas pessoas, entre as quais: a presidente do PT, Ione Siqueira, muitos moradores, militantes do Partido e vários candidatos a vereadores da coligação “A mudança não pode parar”.

Quaquá falou sobre os ganhos que tem conseguido para a cidade, e que têm contribuído para a mudança da imagem do município em âmbito nacional.

Lembrou as parcerias que foram firmadas para trazer água e tratamento de esgoto para a cidade, citou o Ministério das Cidades, Ponte da Barra, Bacia de Santos, um projeto de macrodrenagem, manejo hidráulico e a atuação de Minc como secretário do Ambiente.

“Com o Minc, o conceito de preservação mudou. Agora, se pode desenvolver preservando. Isso vai ajudar muito a nós aqui em Maricá. Mas é preciso controlar o nível da água; ter um ponto de extravasamento em caso de enchentes, trazendo vida para as lagoas; evitar a degradação da Restinga; valorizar o pescador de Zacarias e realizar um tratamento de esgoto adequado. Tudo isso é  fundamental para que a gente tenha essa cidade desenvolvida e respeitando o meio ambiente”, declarou Quaquá.

O Secretário Estadual do Ambiente, Carlos Minc, falou sobre a importância de se atacar as causas dos problemas e não as doenças. Anunciou que no próximo mês o Parque da Tiririca vai ser ampliado, beneficiando Maricá. Aproveitou para declarar seu apoio à reeleição de Quaquá. "Minha parceria com Quaquá não é de hoje. É de quando eu ainda era Ministro do Lula e estive aqui em Maricá pedindo o voto de confiança de vocês para esse jovem. Hoje, digo que não me arrependi. Quaquá é prefeito de uma Cidade que quer se desenvolver, mas preservando o meio ambiente. Por isso estou aqui pedindo o voto de vocês para reeleição de Quaquá", finalizou Minc.

Agosto 17, 2012 Posted by | jornalismo, Maricá, meio ambiente, setor naval, Urbanização | , , | Deixe um comentário

Expo Maricá 2012 recebe elogios dos visitantes

A 8ª edição da Expo Maricá, que está sendo realizada  no campo do Esporte Clube Maricá, reafirma o potencial de desenvolvimento da cidade para atrair grandes investimentos num momento em que o município recebe importantes investimentos, como o Porto de Jaconé, e sente os reflexos das obras de instalação do Comperj, que atrai grandes empreendimentos imobiliários e projetos na área turística.

DSC09736Projeto do Porto de Jaconé

DSCF1704Projeto da Fazenda São Bento da Lagoa – IDB 2012

Como o Novo projeto da Fazenda São Bento da Lagoa em Maricá será referência de sustentabilidade no Estado do Rio. Um Empreendimento da IDB Brasil que prevê a criação da 2ª maior Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) do Estado e regularização fundiária de comunidade de pescadores de Zacarias. Um projeto que trará investimentos em infraestrutura, qualificação e geração de renda para a região, considerada estratégica no cenário de desenvolvimento econômico do Estado.

Na Expo Maricá 2012, estão sendo apresentados estes e outros projetos de grande porte que estão sendo realizados no Município, é uma excelente oportunidade de conhecer em um só local o que a Prefeitura de Maricá em parceria com a iniciativa privada está trazendo e realizando.

Grandes investimentos estão vindo para cidade o que demonstra a confiabilidade em nosso potencial de crescimento. É uma nova realidade que permite melhorar a auto estima do morador de Maricá.

DSC09820DSC09824

“Esse momento é de extrema relevância para discutir o futuro que queremos e o destino dessa cidade que não será mais a aldeia de pescadores”, comentou Fabiano Filho, secretário Municipal de Projetos Especiais de Maricá , acrescentando que o Município de Maricá teve aumento de 117% de investimentos na área da construção civil em três anos.

DSCF1657DSCF1660DSCF1747DSCF1751DSCF1693DSCF1694DSC09845DSC09739

Além de visitar os estandes, o publico que já visitou a feira assistiu a apresentações musicais de vários artistas do Município, inclusive com peças de Teatro Dançante, realizadas pelos alunos do Ponto de Cultura, Cia Vida de Teatro e Dança, com coreografia do professor Paulo Ernani (Bailarino do Teatro Municipal e faixa laranja na turma de Kung Fu da Cia Vida).

DSCF1647DSC09817DSCF1749DSCF1760DSCF1673DSC09835

Com apoio da prefeitura, o evento, encerra neste domingo (08/07), contando com a realização do Bingo de Nossa Senhora do Amparo, e encerramento com Samba de Buteco com Claudinho Guimarães.

A feira abre as 14 horas e conta com praça de alimentação, mais de 70 estandes para visitação, palco e banheiros quimicos.

Nas fotos da Jornalista Rosely Pellegrino, Editora deste Blog, você acompanha momentos de mais dois dias da Expo Maricá 2012.

Uma feira realizada pela Delfim Moreira Comunicações Integradas, que apresenta uma estrutura e organização elogiada por todos os visitantes

Julho 8, 2012 Posted by | arte, construção civil, cultura, Dança, Exposições, Feiras e Eventos, Habitação, jornalismo, Lazer, Maricá, móveis e decoração, moradia, musica, Reciclagem, setor naval, shows e eventos, social, Teatro | , , , , | Deixe um comentário