Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Jornalistas conquistam a primeira vitória na preservação da casa de Maysa Monjardim em Maricá

A belíssima e exótica construção em Cordeirinho foi o refúgio de Maysa Monjardim

DSCN0891 Após encontro dos mais renomados jornalistas de Maricá (Rosely Pellegrino, Pery Salgado, Paulo Celestino e Gilson Barcellos), juntamente com a coordenadora Cultural da Secretaria Municipal de Cultura de Maricá Claudia Schulz, na quinta feira 17 de novembro na residência de Maysa Monjardim, foi constatada a agressão imobiliária que o patrimônio da Cultura de Maricá e do Brasil está sofrendo com construções irregulares em uma de suas laterais, tirando a privacidade da casa onde era o refúgio do ícone da nossa MPB – Maysa Monjardim, estes resolveram se unir e "compraram" a briga do filho de Maysa, o diretor de tv, Jayme Monjardim, que declarou ao jornalista Paulo Celestino (seu amigo pessoal), que estava triste e desmotivado e por este motivo não vinha mais à Maricá para curtir a casa onde passou sua adolescência, devido ao descaso da atual prefeitura em tentar preservar este patrimônio da cultura nacional.

A casa está preservada, está linda, é de uma beleza de construção exótica, diferente do que vemos pela orla das cidades brasileiras, além de ter um jardim belíssimo e móveis que foram usados por Maysa no seu refúgio de vida. A parte da família Monjardim está muito bem feita e preservada por dedicados funcionários que trabalham e mantém o local.

O problema, é que numa das laterais, onde o prefeito Washington Siqueira, o Quaquá, garantiu que seria construída uma praça, até hoje, isso não aconteceu e em parte deste terreno de esquina das ruas Santa Sofia (antiga 89), com avenida Maysa Monjardim (antiga RJ 102) no bairro de Cordeirinho, algumas construções começaram a ser feitas.

Nossa reportagem esteve no local e verificou que o prédio que hoje tira a privacidade da casa de Maysa Monjardim e que degrada visualmente o local, é de propriedade da irmã do vereador Bidi.

DSCN0796DSCN0794

DSCN0861

Jornalistas estiveram no local e abraçaram a causa de preservação do patrimônio cultural do município

Na tarde da segunda feira 21 de novembro, após a sessão da Câmara, os jornalistas Paulo Celestino (Gazeta) e Pery Salgado (Barão de Inohan), estiveram com o vereador Bidi, explicaram a situação e após relatos do vereador também explicando o que aconteceu no local, conseguiram do vereador a promessa de que em muito breve, serão levantadas três paredes na parte traseira do prédio (que dá visão direta para casa de Maysa) com tijolos vazados de máxima inclinação, sem tirar a ventilação necessária aos atuais habitantes do prédio, mas devolvendo de imediato a privacidade à casa de Maysa Monjardim.

Sobre a praça, o jornalista Paulo Celestino ficou responsável de falar diretamente com o prefeito de Maricá, para ver quais os procedimentos que poderão ser adotados para que a parte não construída do terreno, vire efetivamente uma praça, compondo com o conjunto arquitetônico da casa de Maysa Monjardim.

O vereador Bidi se comprometeu em construir o mais breve possível paredes com tijolos vazados de máximo inclinação para dar privacidade a casa de Maysa Monjardim.

Anúncios

Novembro 22, 2016 Posted by | cultura, denuncia, jornalismo, Maricá, projeto cultural, Urbanização | , | Deixe um comentário

Cidade de Maricá vai participar do Projeto Orla do governo federal

Texto: Leandra Costa (edição: Gisele Paiva) | Fotos: Fernando Silva

Cidade de Maricá vai participar do Projeto Orla do governo federal

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá, ratificou na quarta-feira (01/04) o interesse em participar do Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima (Projeto Orla), que busca o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União, aproximando as políticas ambiental e patrimonial, com ampla articulação entre as três esferas de governo e a sociedade.

O assunto foi tema do encontro, no Paço Municipal, entre o chefe do executivo, o vice-prefeito, Marcos Ribeiro; o superintendente da Secretaria do Patrimônio da União, Eduardo Moraes; o chefe de Gerenciamento Costeiro do Instituto Estadual de Ambiente (INEA), Ricardo Augusto Voivodic; e diversos secretários municipais.

Desenvolvida pela Secretaria do Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro, vinculada ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a iniciativa tem como objetivo principal preservar a função socioambiental da orla e o livre acesso à praia. Para o prefeito, o projeto vai ao encontro da segunda fase de seu governo pautada em ações de estímulo ao turismo.

“A orla é o cordão de pérola da nossa cidade que, por muitos anos, ficou esquecida. Nessa nova etapa do governo, estamos investindo em estratégias que alavancam o potencial turístico do município, como o teleférico e os recifes artificias. Esse projeto vai permitir planejar as ações futuras de forma integrada e sustentável”, afirmou. O prefeito ainda destacou a proposta municipal de urbanizar 15 km da orla até 2016, cujos principais pontos são Itaipuaçu, Barra de Maricá, Ponta Negra, Jaconé. 

O superintendente da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Eduardo Moraes, explicou o funcionamento do Projeto Orla. “A iniciativa surge como uma ação inovadora no âmbito do governo federal, conduzida pelo Ministério do Meio Ambiente e pela Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, buscando implementar uma política nacional que harmonize e articule as práticas patrimoniais e ambientais com o planejamento de uso e ocupação desse espaço que constitui a sustentação natural e econômica da Zona Costeira. Funciona de forma semelhante a um plano diretor que estabelece diretrizes que devem ser seguidas em conjunto pela União, Estado e município”.

Ainda de acordo com o superintendente, o projeto permite planejar ações para captação de recursos junto a órgãos governamentais e instituições financeiras. “O projeto abre as portas para viabilizar propostas de financiamento para urbanização, pavimentação e embelezamento da orla da cidade com foco no desenvolvimento sustentável do espaço marítimo e a possibilidade de receber a cessão da orla, por parte da SPU”, declarou o superintendente. 

Segundo ele, em maio, Campos dos Goitacazes será a primeira cidade no Estado do Rio de Janeiro a ter o projeto implantado completamente. A previsão para conclusão do projeto em Maricá é de seis a nove meses.

O chefe de Gerenciamento Costeiro do INEA, Ricardo Augusto Voivodic, ressaltou a importância do projeto que está em conformidade com as normas legais do artigo 32, do decreto 5.300/2004, que estabelece que é de competência do poder municipal elaborar e executar o Plano de Intervenção da Orla Marítima.

“A adesão do município ao projeto é estratégica porque ele se faz, impreterivelmente, de modo participativo com representantes da sociedade, instituições e órgãos interessados, estabelecendo os preceitos da sustentabilidade do espaço marinho”, destacou Ricardo que trabalha com o projeto desde 2002.

A coordenadora do Projeto Orla no Estado do Rio de Janeiro, Maria Rosa Esteves, apresentou a fundamentação legal da iniciativa, como a  Lei nº 7.661/88 (que institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro), Lei nº 9.636/98 (que dispõe sobre a regularização, administração, aforamento e alienação de bens imóveis de domínio da União), Decreto-Lei nº 2.398/87 (que institui foros, laudêmios e taxas), Lei nº 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais), Lei nº 10.257/20501 (Estatuto das Cidades) e o Decreto nº 5.300/04 (que regulamenta a Lei nº 7.661/88 e dispõe sobre regras de uso e ocupação da zona costeira e estabelece critérios de gestão da orla marítima).

Segundo a coordenadora, o projeto fortalece a capacidade de atuação e articulação de diferentes atores do setor público e privado na gestão integrada da orla e estimula a prática de atividades socioeconômicas compatíveis com o desenvolvimento sustentável.​

Projeto busca busca o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União

A iniciativa tem como objetivo principal preservar a função socioambiental da orla e o livre acesso à praia

Abril 9, 2015 Posted by | Arquitetura e Urbanismo, Maricá, Urbanização | , , | Deixe um comentário

Em visita a Maricá, prefeito e governador conversam sobre municipalização da Avenida Maysa

Texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Prefeito Washington Quaquá, primeira-dama e deputada estadual Rosangela Zeidan, e o governador Luiz Fernando Pezão em inauguração do retorno

A gestão do trecho da rodovia estadual RJ-102, que corta a região litorânea de Maricá e também é conhecida como Avenida Maysa, pode ser entregue à administração municipal nos próximos meses. A informação foi dada nesta quarta-feira (18/3) pelo prefeito Washington Quaquá, durante uma visita do governador Luiz Fernando Pezão ao novo retorno construído no quilômetro 40,5 da rodovia RJ-106, entre os bairros de Bananal e Espraiado, principal acesso a Ponta Negra.

O pedido para que a estrada litorânea passasse a ser de responsabilidade da Prefeitura tinha sido feito em janeiro de 2014, através de um ofício enviado ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ). Na ocasião, o documento propunha ainda que, caso a gestão apenas pelo município não fosse possível, os dois governos compartilhassem a administração da via. Sem dar maiores detalhes, Quaquá disse que as conversas sobre a municipalização do trecho, entre a Barra de Maricá e Ponta Negra, tiveram um bom avanço.

“Tive a oportunidade de conversar com o governador sobre o assunto e explicar qual é o meu projeto para aquela via, de asfaltar e remodelar. Ele respondeu informando que, da parte dele, não haveria qualquer problema. Agora vamos nos reunir novamente para ver a forma de conduzir esse processo. Vamos conversar mais ainda”, afirmou o prefeito.

Mais segurança na saída de Ponta Negra

O novo retorno construído na RJ-106 está aberto ao trânsito de veículos desde fevereiro e melhorou de forma significativa o trânsito no trecho, que era conhecido pelos constantes congestionamentos e acidentes. Agora, o motorista que sai da região de Ponta Negra pela RJ-118 (que liga o local a Jaconé e Sampaio Correia, em Saquarema) tem de acessar a estrada no sentido da Serra do Mato Grosso para, mais à frente, fazer a conversão de sentido em direção a Niterói, com a opção de acessar o bairro do Espraiado. Antes da obra, era preciso a intervenção muitas vezes do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) da Polícia Militar para organizar o cruzamento.

A visita do governador Luiz Fernando Pezão foi acompanhada pelo prefeito Washington Quaquá e pela deputada estadual e primeira-dama e deputada estadual, Rosângela Zeidan, além de membros da equipe de governo municipal e outras autoridades, como a prefeita de Rio Bonito, Solange Almeida. O DER-RJ executou ainda pavimentação de 1,7 km e a recuperação da sinalização horizontal e vertical do trecho. Foram instaladas 12 novas placas para orientar os motoristas sobre as saídas dos novos acesos. Além disso, foi colocada uma sinalização horizontal, com pinturas no pavimento e instalação de tachas refletivas, para delimitar e delinear as faixas de rolamento na via. A obra contou com um investimento total de aproximadamente R$ 3 milhões.

"Vamos seguir formando novas parcerias aqui em Maricá e em outros municípios. O estado do Rio perdeu muito nos últimos anos em razão de inúmeras divergências e o único caminho neste momento difícil é trabalhar juntos", ressaltou Pezão, adiantando que a cidade deverá receber em breve o projeto Gabinete Itinerante, em que o governador leva 29 secretarias e órgãos públicos estaduais ao município durante um dia inteiro, das 9h às 17h. Nesta quarta, o projeto esteve em São Gonçalo.

Novo retorno está aberto desde fevereiro e melhorou de forma significativa o trânsito no trecho, que era conhecido pelos constantes engarrafamentos

Quem sair da região de Ponta Negra tem de acessar a estrada no sentido da Serra do Mato Grosso para fazer a conversão de sentido em direção a Niterói

Março 20, 2015 Posted by | jornalismo, Obras em Maricá, Urbanização | | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá firmará convênio com Exército para refazer plantas urbanísticas

Fonte PMM Foto: Fernando Silva

Convênio prevê a reconstrução de plantas urbanísticas e as demarcações físicas dos limites de Maricá

A Prefeitura definiu nesta quarta-feira (10/12) as primeiras etapas da carta de intenção assinada em setembro com o Exército para refazer as plantas urbanísticas e as demarcações físicas dos limites de Maricá. Pelo convênio, o órgão militar fará um levantamento do arquivo cartográfico (desenhos geográficos) pré-existente datado desde a década de 1950 para confrontar com os registros no cartório, além de instalar pontos fixos nos limites do município, baseados em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na reunião, as secretarias municipais de Fazenda, Desenvolvimento Urbano e Obras apresentaram o acervo digitalizado, feito a partir do georeferenciamento de 2011 – iniciativa da atual administração com o BNDES que mapeou por satélite (aerofotogrametria) toda a área da cidade, corrigindo metragens e identificando novas construções –, e os registros em papel, que foram deteriorados com o tempo, perderam o carimbo da Prefeitura e precisarão ser refeitos.

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Alan Novais, o órgão militar mapeará áreas públicas do município. “O objetivo é definir as áreas oficias da cidade com a patente do Exército. Em casos de desocupação, por exemplo, precisamos comprovar na justiça a planta de determinada localidade e isso será possível com este convênio”, declarou o secretário. “Nesta primeira etapa, levantaremos as áreas existentes e confrontaremos as plantas urbanísticas com os registros no cartório. As plantas contraditórias e sem carimbo serão refeitas”, acrescentou o engenheiro militar chefe da 5ª Divisão de Levantamento do Exército, tenente-coronel Carlos Cesar Gomes São Braz. O vereador Aldair de Linda, representando a Câmara Municipal, também participou da reunião.

Dezembro 12, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, Urbanização | Deixe um comentário

Representantes do IDB Brasil e do Cofeci se reuniram com a Prefeitura

Fonte PMM  – Foto: Fernando Silva

Reunião dos empresários com autoridades municipais ocorreu na sede da Prefeitura

Os secretários municipais de Desenvolvimento Econômico, Lourival Casula; e Desenvolvimento Urbano, Alan Alves, receberam, na no início deste mês (02/12), no Paço Municipal, representantes do IDB Brasil e do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci). O objetivo da visita dos empresários foi apresentar consultores americanos que trabalharão através do Cofeci no desenvolvimento do projeto imobiliário da fazenda São Bento da Lagoa, na Região da Restinga de Maricá. Os consultores são especializados em bairros e cidades planejadas e se mostraram interessados em conhecer as características estruturais do município de Maricá.

O secretário Lourival Casula apresentou um painel completo a respeito do potencial econômico da cidade e destacou as principais ações em andamento pelo município, sobretudo nas áreas de educação e qualificação para o trabalho – entre elas a construção do campus da escola técnica federal  do Instituto Federal Fluminense – e infraestrutura urbana – com destaque para os projetos de implantação de captação e geração de energia alternativa , como o parque eólico e a central com painéis fotovoltaicos, também entre outras ações. Os consultores ficaram impressionados com a participação de Maricá no cenário econômico de petróleo & gás da região Sudeste. Tanto o secretário de Desenvolvimento quanto o de Urbanismo se puseram à disposição para ajudar naquilo que for possível o trabalho dos consultores.

Dezembro 11, 2014 Posted by | Desenvolvimento, jornalismo, Maricá, Mercado Imobiliário, Urbanização | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá interdita via do Centro para obras de pavimentação

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Fernando Silva

Após as obras de drenagem, Rua Álvares de Castro será asfaltada, entre a Rua Silvino Alves e o Canal da Cidade

Serão fechadas as ruas Álvares de Castro, Silvino Alves Siqueira e Fagundes de Almeida. Estacionamento nesta quinta-feira não será permitido nessas vias

A Prefeitura de Maricá pavimentará nesta quinta-feira (13/11) mais uma parte da Rua Álvares de Castro, via onde é localizado o Paço Municipal, no Centro. Equipes da Secretaria Municipal de Obras asfaltarão o trecho entre o Canal da Cidade e a Rua Silvino Alves Siqueira – via lateral da Igreja Nossa Senhora do Amparo. Por conta desta intervenção, a Guarda Municipal interditará o trânsito, incluindo a Rua Fagundes de Almeida (Triângulo Seguros), às 8h, e vias ficarão fechadas até o término do serviço, previsto para o final da tarde. Também não será permitido o estacionamento nessas vias.

A opção para os motoristas é utilizar o acesso do Parque Eldorado – ruas Prefeito Hilário da Costa e Silva, Amilar Vicente da Silva e Fernando Henrique Assumpção – para chegar ao Centro e seguir para Araçatiba e Barra de Maricá. A Secretaria Municipal de Segurança colocará dois guardas municipais para orientar os motoristas no fechamento das vias – um ficará na rotatória, em frente à Igreja Nossa Senhora do Amparo, e outro no Canal da Cidade.

A modernização da Rua Álvares de Castro foi iniciada em outubro, com a pavimentação do trecho no entorno da Igreja de Nossa Senhora do Amparo. Também foi asfaltada a Rua Silvino Alves Siqueira.

Rua Silvino Alves Siqueira foi modernizada em outubro

Ruas da rotatória ao Canal da Cidade serão fechadas às 8h

Novembro 13, 2014 Posted by | jornalismo, Obras em Maricá, Urbanização, vias públicas | Deixe um comentário

Áreas de Ponta Negra e Barra de Maricá recebem urbanização

Texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Obra de urbanização ocorre ao lado da ponte da Barra de Maricá, que liga os bairros da região ao Centro

Os dois pontos mais procurados da região litorânea de Maricá nos dias de calor passam por urbanizações, que vão oferecer mais conforto aos banhistas que buscam lazer nas praias da cidade. A maior delas ocorre na Barra, ao lado da ponte que liga os bairros da região ao Centro. Em Ponta Negra, um trecho da orla também recebe obras. Nesta sexta-feira (7/11), o prefeito Washington Quaquá vistoriou ambas as intervenções, que deverão estar concluídas nos próximos quinze dias.

No momento, as equipes da Secretaria de Obras finalizam a instalação de peças de meio-fio entre a Rua 153 e o trecho já asfaltado da Avenida Maysa, próximo ao calçadão onde ficam os quiosques. A obra vai beneficiar também uma pequena vila onde funcionam bares e restaurantes frequentados por banhistas, em frente à Rua Santa Clara, que já recebeu o chamado “pó de pedra”, assim como as outras vias. A área também está recebendo uma barreira com grandes pedras, que vão proteger as ruas contra um possível avanço das ondas do mar.

Na Barra de Maricá, a grande área no entorno da antiga quadra poliesportiva e do Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) do bairro está sendo preparada para abrigar um amplo estacionamento. De acordo com a Secretaria de Obras, serão criadas vagas para mais de 140 veículos, entre carros de passeio e motos, além de vagas marcadas para pessoas com deficiência, um espaço destinado para carga e descarga e também duas áreas verdes.

Área em Barra de Maricá está sendo preparada para virar estacionamento, com mais de 140 vagas

Equipes da Secretaria de Obras finalizam a instalação de peças de meio-fio

Em Ponta Negra, um trecho da orla também passa por obras

Novembro 8, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, Obras em Maricá, Urbanização, vias públicas | Deixe um comentário

Prefeitura anuncia macrodrenagem para acabar com alagamentos em Itaipuaçu

Obras contemplam construção de rede de 4 km para escoamento de água na Avenida Jardel Filho e pavimentação de mais de 40 ruas no distrito

A Prefeitura de Maricá assinou a ordem de início das obras de macrodrenagem e urbanização do loteamento Jardim Atlântico, em Itaipuaçu, para reduzir e eliminar os alagamentos da região. Será construída uma rede de drenagem com mais de 4 km de extensão, que se estendem ao longo da Avenida Jardel Filho (antiga Avenida Dois), no trecho entre a Rua Professor Cardoso de Menezes (antiga Rua Um) e seu desague após a Rua 86. A previsão é que as intervenções sejam concluídas em 12 meses. As primeiras providências para instalação dos canteiros de obras já estão sendo tomadas.

Projeto de macrodrenagem para Itaipuaçu

O projeto da Secretaria Municipal de Obras ainda prevê a construção de redes auxiliares, que servirão para as futuras ligações das demais intervenções em andamento, e a pavimentação de mais 40 ruas, num total de 45 km de extensão, perpendiculares a Avenida Jardel Filho. O investimento da obra é de R$29,9 milhões, com contrapartida de R$20 milhões da Petrobras em compensação à obra de construção do emissário de efluentes do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) em Itaipuaçu.

Segundo o secretário Fernando Rodovalho, a altura da galeria será projetada em função das características geográficas da via, aumentando sua largura de 1,5 a 4,5 metros até o desague após a Rua 86. "Esta é uma importante etapa para elaboração dos serviços de urbanização de Itaipuaçu. Será uma alternativa para a vazão das águas de precipitação na bacia hidrográfica, que em períodos de chuva intensa provocam inundações e problemas de mobilidade para a população", declarou o secretário.

Obras em Itaipuaçu

Desde o início deste governo, em 2009, a Prefeitura investiu maciçamente em todo município para reduzir um passivo histórico de décadas sem urbanização. Somente no distrito de Itaipuaçu, foram pavimentados 46,8 km de ruas, incluindo vias com grande fluxo de veículos e que dão acesso a Rodovia Amaral Peixoto (RJ-106) e à orla.

As intervenções aconteceram na Avenida Carlos Marighella (antiga Estrada de Itaipuaçu); Rua Professor Cardoso de Menezes (antiga Rua Um); Rua Governador Leonel Brizola (antiga Rua 35), paralela à praia e uma das principais vias que cruzam o distrito; ruas 70, 83, parte da 36 (paralela à praia e que também cruza o distrito) e 66 (via de acesso à Estrada dos Cajueiros, que também foi pavimentada), entre outras.

FSB COMUNICAÇÕES

Setembro 23, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, Obras em Maricá, Urbanização | Deixe um comentário

Fazenda São Bento da Lagoa, em Zacarias, desenvolve projeto para se tornar referência em preservação ambiental e inclusão social

Empreendimento prevê a regularização fundiária da comunidade local e uma infraestrutura urbana completamente integrada à natureza

O IDB Brasil, empresa de desenvolvimento imobiliário, apresentou o novo projeto do complexo turístico e residencial Fazenda São Bento da Lagoa. Desenvolvido dentro dos parâmetros definidos pelo Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) de Maricá, o empreendimento prevê uma infraestrutura urbana completamente integrada à natureza, numa área de 840 hectares, com 81% de preservação da vegetação nativa e apenas 6,4% de ocupação predial – o percentual restante corresponde à área de comunidades e a intervenções, como jardins e vias.

Com a mudança da estrutura societária da IDB, em 2008, a concepção do projeto anterior foi descartada. A Fazenda São Bento da Lagoa agora  respeita, com boa margem, todas as restrições de uso do solo e parâmetros urbanísticos definidos em lei. A área prevista para ser ocupada por prédios, por exemplo, será cerca de 50% menor do que estabelece o limite legal. “A exigência do plano de manejo era manter 22% da área ocupada. Decidimos reduzir bastante esse percentual de preservação porque a questão ambiental é uma de nossas prioridades”, afirma David Galipienzo, diretor-executivo da IDB. A empresa se preocupou em colocar à frente do projeto um especialista em Ciências Ambientais, que liderou um desenho inteiramente novo, respeitando os critérios de construção para APA (Área de Proteção Ambiental) de Maricá, a comunidade e o meio ambiente.

Outro ponto importante é a criação da segunda maior Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de restinga do estado do Rio de Janeiro, garantindo a preservação perpétua da vegetação local em uma área equivalente ao bairro de Copacabana, de 450 hectares. Hoje a região possui mais de 20% de área degradada. Com as iniciativas do empreendimento Fazenda São Bento da Lagoa de recuperar essas áreas, haverá um acréscimo de mais de 100 hectares de vegetação nativa de restinga. Em termos de comparação, essa área a ser recuperada corresponde ao Parque do Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Além disso, a RPPN será totalmente aberta a moradores e visitantes de Maricá, que poderão visitar e pesquisar a fauna e a flora de restinga, num trecho onde existem cerca de 50 espécies nativas.

Já em relação aos aspectos sociais, o projeto seguirá um caráter totalmente inclusivo com a comunidade pesqueira de Zacarias. Diferente dos projetos anteriores, o novo desenho estabelece a integração de toda a comunidade. “Ouvimos os moradores e passamos a entender todo o histórico de ocupação da região pela comunidade. Fizemos adequações que favorecem os pescadores e seus familiares. A IDB Brasil valoriza a cultura local e entende a importância em investir e incentivar a tradição pesqueira de Maricá”, afirma Galipienzo. Prova disso é que o processo de regularização fundiária entregará aos pescadores de Zacarias escrituras definitivas de suas moradias.

A comunidade receberá ainda melhorias urbanísticas e infraestruturas de água, esgoto e drenagem no mesmo padrão do empreendimento, assim como áreas de lazer e esportes. Os pescadores e suas famílias terão ainda cursos de qualificação de mão de obra e participarão de projetos que visam ao resgate da cultura da pesca artesanal. Serão beneficiados também pela revitalização da Lagoa de Maricá, prevista no projeto.

Veja as diferenças entre o atual projeto e o anterior:

· No projeto atual todas as famílias da Comunidade de Zacarias vão ganhar a titularidade das terras. No anterior, a comunidade seria retirada para local fora do empreendimento. A ideia é integrar a rotina dos moradores de toda a região que terão total acesso às áreas públicas do empreendimento.

· O projeto atual contempla 81% de vegetação nativa, quando o projeto de 2007 previa apenas 38,4%.

· A infraestrutura urbana é completamente integrada à natureza, com apenas 6,4% de ocupação predial efetiva e 17% de intervenção/ocupação do espaço total, bem menor do que o Plano de Manejo exige (22%). Já em 2007, o projeto previa uma intervenção de 61,5%.

· No projeto atual foi excluído o corte do canal de ligação do mar para a Lagoa de Maricá, que estava previsto no plano de 2007.

· Diferentemente do projeto de 2007, que era fechado ao público, o atual prevê a inclusão da população de Zacarias e de outras áreas que não fazem parte do complexo turístico e residencial.

· O projeto, diferente do anterior, aproveita as bordas do terreno, que já estão urbanizadas. O centro ficará intacto e a área degrada será recuperada.

· O projeto anterior previa um desenho imobiliário básico. Já o atual é completamente sustentável.

· A IDB Brasil reformulou o projeto com base na integração de toda comunidade da Zacarias. O projeto antigo não contemplava nenhuma relação com essas pessoas.

IDB a evolução do projeto

FSB Comunicações

Setembro 13, 2014 Posted by | Arquitetura e Urbanismo, construção civil, empreendimento imobiliario, jornalismo, Maricá, meio ambiente, Urbanização | , , | Deixe um comentário

Barra de Maricá recebe urbanização

Obras de urbanização avançam em ruas de Barra de Maricá

Texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Equipes da Secretaria de Obras pavimentaram a Rua Orlando Marques de Marins (antiga Rua 2)nesta semana

A primeira etapa da urbanização que beneficia as vias da Barra de Maricá está bem perto da conclusão. As equipes da Secretaria Municipal de Obras finalizaram nesta semana a pavimentação da Rua Orlando Marques de Marins (antiga Rua 2) e iniciam o trabalho de drenagem da Rua 1 e nas ruas projetadas ao redor da quadra poliesportiva, que serão as últimas a passar pela intervenção. Todas as outras vias do bairro já foram contempladas no trecho entre as avenidas Maysa e João Saldanha.

De acordo com a secretaria, a próxima fase vai beneficiar o lado oposto das treze ruas urbanizadas, na parte que fica entre a praia da Barra e a Avenida Maysa. Segundo o secretário Fernando Rodovalho, terá de ser realizada uma drenagem em maior escala nestes trechos das vias para evitar os recorrentes acúmulos de água da chuva. Rodovalho disse ainda que apenas a Rua Zero, que fica ao lado das dunas de areia da região, não passará pela intervenção agora em razão das futuras obras do emissário submarino, que é parte do projeto de saneamento de Maricá.

Na antiga Rua 2, os moradores não escondem a satisfação com a melhoria que chega. "Foram muitos anos de promessas de melhorar nossa rua e o bairro em geral, mas só agora estamos vendo acontecer. Até a poeira vai diminuir dentro de casa. Eu estou amando minha rua nova", empolgou-se a dona de casa Cátia de Morais, de 48 anos, nascida e criada na Barra de Maricá. A também dona de casa Flora Regina Sarquis Macieira, de 65 anos, contou que vive há dez anos no bairro. "Nunca me arrependi de ter me mudado para cá, mas agora estou mais feliz ainda por ver a rua ficando boa assim. Não vamos mais precisar andar com sacola de plástico no pé", afirmou ela, lembrando as dificuldades que ficaram no passado.

A urbanização das ruas da Barra de Maricá teve início em março deste ano, pouco mais de dois meses depois da inauguração da ponte que liga o bairro e o Centro de Maricá às áreas da região litorânea da cidade, como Guaratiba, Cordeirinho e Ponta Negra.

Urbanização das vias foram iniciadas em março após a inauguração da ponte

Trabalho será estendido para outras vias do bairro

Agosto 10, 2014 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia, Obras em Maricá, transito, Urbanização, vias públicas | , | Deixe um comentário