Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Zeidan participa do Encontro de Parlamentares do PT Contra o Desmonte da Previdência

Encontro está sendo transmitido ao Vivo agora pelo facebook do PT Câmara Federal e do PT Senado Federal

Zeidan Contra o Desmonte da Previdência Deputada Estadual Zeidan anunciou o início do encontro. Na mesa, presidente Nacional do PT Rui Falcão,  Líder do PT Deputado Federal Carlos Zaratini, Senadora Gleise Hoffman e Senador Humberto Costa, Deputados Federais José Guimarães e Décio Lima

Deputada Estadual Zeidan Contra o Desmonte da Previdência Na rede social Zeidan postou: “Dando início aqui em Brasília ao nosso Encontro de Parlamentares do PT Contra o Desmonte da Previdência. Esse governo golpista quer impor as regras que faça com que o povo tenha que recorrer a uma das grifes de banqueiros e da previdência privada! As mulheres trabalhadoras e mães ontem ganharam as ruas nessa luta contra essa reforma em nossa CLT e na Previdência! Estou aqui como Líder da Bancada Estadual do PT/RJ e quero junto com a CUT e a OAB convocar um seminário como esse em nosso Estado. Na mesa nosso presidente Rui Falcão, nosso Líder do PT Federal Carlos Zaratini, senadora Gleise Hoffman e senador Humberto Costa, deputados federais José Guimarães e Decio Lima. Nossas mobilizações de ontem no dia 8 de marcos foi um pontapé importante nessa luta! Dissemos NÃO a essa reforma da Previdência!! Deputada Zeidan                       
Nosso Encontro está sendo transmitido ao Vivo agora pelo facebook do PT Câmara Federal e do PT Senado Federal. Abcs  Deputada Zeidan

Março 9, 2017 Posted by | jornalismo, política | , , | Deixe um comentário

Art Popular, Revelação, Leandro Sapucahy, Swing e Simpatia comandam Carnaval de Maricá 2017

Está tudo pronto para o Carnaval de Maricá. A Prefeitura, através da Secretaria de Turismo, organiza uma festa com shows gratuitos de Art Popular, Revelação, Leandro Sapucahy, Swing e Simpatia, Claudinho Guimarães, da Escola de Samba União de Maricá, além de artistas da região, como Fulia do Pimenta, Rafael Caçula, Agura’s Bands, Forró Brasil, Bruno Berner, Tô Kerendo, Samba dos Manos, Jô Borges, Me Puxa, Samba.com, Tá Tudo Em Casa, Moniquinha Ângelo e Amakina, que se apresentarão de 25 a 28/02 em 16 palcos espalhados pela cidade.

Bruno Berner CLAUDINHO GUIMARÃES

GRUPO TO KERENDO JÔ BORGES

LEANDRO SAPUCAHY - FOTO FERNANDO SILVA MONIQUINHA

RAFAEL CAÇULA SAMBA DOS MANOS

SAMBAPONTOCOM Swing e Simpatia

A novidade deste ano é a criação da Passarela do Samba, por onde desfilarão os 18 blocos que saem pelas ruas do Centro – ao todo, serão 75 blocos carnavalescos nos quatro distritos. O ponto principal é a Rua Abreu Rangel.

De 25 a 28/02, acontecem os shows em 16 palcos espalhados pela cidade. No Centro, se apresentam Rafael Caçula, Jô Borges e Samba dos Manos (dia 25), Art Popular (26), Rickson Maioli (27) e Revelação (28). Em Ponta Negra, a programação conta, respectivamente, com Claudinho Guimarães, Swing e Simpatia, Me Puxa e Leandro Sapucahy. Na Passarela do Samba, além dos desfiles dos blocos, acontece o Baile Infantil no domingo, dia 26, às 17h. Já a Escola de Samba União de Maricá se apresenta na terça-feira (28), às 23h.

A programação contará ainda com a Banda Sinfônica Ambulante (Centro); Bruno Berner, Samba.com, Moniquinha Ângelo e Me Puxa (São José do Imbassaí); Tô Kerendo e Rafael Caçula (Inoã); Bruno Fortes e Fulia do Pimenta (Santa Paula); Agura’s Bands (Minha Casa Minha Vida de Itaipuaçu); AMAKINA e Samba dos Manos (Praia do Francês); entre outros.

Os palcos serão instalados no Centro (Praça Orlando de Barros Pimentel) e Passarela do Samba (Rua Abreu Rangel), São José do Imbassaí (quadra do Dínamo), Inoã (Travessa Flamengo), Santa Paula (Estrada de Cassorotiba), Residencial Carlos Alberto Soares de Freitas – Minha Casa Minha Vida de Inoã (Rua Leonardo José Antunes), Barra de Maricá (Praça da Divinéia), Praia de Cordeirinho (Rua 91), Bambuí (Praça Lucas Peão), Ponta Negra (Avenida Litorânea), na Praia de Jaconé, além de Itaipuaçu com palcos no Residencial Carlos Marighella (Minha Casa Minha Vida – Rua Antônio Neiva), na Praia do Francês (Rua 83), Rua Professor Cardoso de Menezes (antiga Rua 1) com Avenida da Praia, Praça dos Gaviões (Avenida Zumbi dos Palmares) e Praia do Recanto.

Fevereiro 22, 2017 Posted by | Carnaval 2017, Carnaval de Maricá 2017, jornalismo, Lazer, Maricá, turismo | , | Deixe um comentário

20 anos sem as ideias do professor Darcy

Institucional | Correio Braziliense | Brasil | BR

Para quem conviveu com o antropólogo, ele, se estivesse vivo, estaria decepcionado com o tratamento dado ao seu principal projeto de país: garantir a escola pública de qualidade

» Natália Lambert

Se hoje estivesse vivo, provavelmente, Darcy Ribeiro estaria falando uns bons palavrões. Na opinião de estudiosos, amigos e parentes, o político e antropólogo ficaria decepcionado em ver que um de seus principais projetos praticamente não caminhou após sua morte, e, na opinião de alguns, até regrediu. O educador defendia que o primeiro passo para o desenvolvimento de uma sociedade é garantir uma escola pública de qualidade para que todos possam ter oportunidades iguais de desenvolver as próprias qualidades. Amanhã faz 20 anos que Darcy Ribeiro morreu e, para aqueles que conviveram com o professor, o legado precisa ser relembrado.

"É um projeto que não aconteceu e não acontece por falta de vontade política. Ele sempre falava que era impressionante como o Brasil conseguia tirar petróleo a sete mil metros de profundidade no mar e não conseguia copiar um simples modelo de educação feito em diversos países. A verdade é que não querem. É melhor para alguns deixar o Brasil tal qual como está", comenta Paulo Ribeiro, sobrinho de Darcy. "Com certeza, ele estaria em um sofrimento terrível. Uma pilha de nervos. Sem dormir diante deste país que tanto retrocedeu nesses vinte anos", acrescenta.

Presidente da Fundação Darcy Ribeiro (Fundar), Paulo conta que o tio fez parte de uma geração pós-guerra que se preocupou em olhar para o Brasil e enxergar as potencialidades da sociedade. Darcy via um país imenso, cheio de diversidades que, somadas, tinham potencial para ser exemplo de tolerância para o mundo. "Ele via que da soma ia surgir um povo novo. O Brasil ia ser a experiência de país que deu certo respeitando os direitos e as diferenças. E a chave para tudo isso era a educação. Mas a semente que ele plantou ninguém regou. O individualismo prevaleceu e a utopia morreu", lamenta Paulo.

Especialistas avaliam que iniciativas como a Medida Provisória 746/16, que reforma o Ensino Médio e será sancionada hoje pelo presidente Michel Temer, e projetos que pretendem uma "Escola sem Partido" — movimento que defende uma educação sem "doutrinação ideológica" — contrariam o que Darcy Ribeiro ensinava e, certamente, ele estaria na linha de frente lutando, argumentando e convencendo, já que tinha reconhecida habilidade de negociação. Para o coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, o professor seria favorável à reforma do ensino médio, mas não da forma como está. "Seria a favor da preocupação, até porque lançou a pauta do ensino integral no país, mas o integral não pode ser mais do mesmo. Ele defendia uma educação em que os alunos tivessem acesso à arte e à cultura geral", comenta. "A principal preocupação sempre foi garantir uma educação capaz de preparar plenamente crianças e adolescentes para a vida. E esse é um legado que não vai se acabar."

O professor emérito da Universidade de Brasília (UnB) Isaac Roitman, que conviveu com Darcy nos últimos anos de vida, acredita que o educador também não aprovaria as mudanças no Ensino Médio porque não vai adiantar reformar só um pedaço. "Seria favorável a reconstrução do sistema educacional, até porque quem vai cursar o ensino médio são os egressos do fundamental, que só estudam para fazer prova e muitos são semianalfabetos. Dobrar o tempo da criança na escola como ela é hoje é fazer terrorismo." Roitman destaca que Darcy e Anísio Teixeira são os pilares da UnB e conta que a dupla lutou junto ao governo federal à época para que a instituição fosse autônoma, negociando terrenos em quadras da Asa Norte para que se construísse um patrimônio. "A educação era o vício dele", relembra.

Já a secretária-executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, tem certeza de que Darcy aprovaria a MP 746, porque ela trata de temas que ele tocou quando aprovou no Senado a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). "Ele defendia uma reforma, uma flexibilização e diversificação do ensino e é isso que a MP traz. A possibilidade de aprofundamento dos temas. Darcy era um homem com ideias muito avançadas para o seu tempo", comenta. Para a socióloga e professora, que trabalhou junto a Darcy na elaboração da LDB, seria uma decepção para ele ver que o Brasil ainda tem dificuldades em alfabetizar crianças. Segundo a Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), em 2014, somente 11% dos alunos do terceiro ano do ensino fundamental tinham nível considerado ideal de alfabetização. "Seria muito frustrante pra ele ver que ainda não conseguimos vencer essa batalha." Em relação à escola sem partido, a opinião é unânime: Darcy Ribeiro estaria furioso.

Ensinamentos

E não só políticos e educadores sentem a ausência do professor que tinha orgulho em dizer que era brasileiro. Defensor dos povos indígenas, o antropólogo é referência nacional. "Darcy Ribeiro faz muita falta na cena brasileira atual, na qual os direitos dos povos indígenas, sobretudo os territoriais, estão ameaçados de retrocesso, pelo desmonte da Funai e por iniciativas do Legislativo", afirma o antropólogo do Instituto Socioambiental (ISA) Beto Ricardo. O especialista lamenta que as novas gerações estejam se distanciando do homem que amava o povo brasileiro e ensinava o povo a se amar.

Uma vida para ser contada

» Nascimento e infância

A 400km de Belo Horizonte, em Montes Claros (MG), em 26 de outubro de 1922, nasceu Darcy Ribeiro. O pai, Reginaldo Ribeiro dos Santos era farmacêutico; a mãe, Josefina Augusta da Silveira, professora. Darcy e o único irmão, mais novo, Mário Ribeiro, foram criados pela mãe, já que o pai morreu quando ele tinha 3 anos. Por volta dos 13, passou a conviver com a família do pai, especialmente, o tio Plínio Ribeiro, que foi deputado federal. Na casa de Plínio, tinha uma grande biblioteca e nela Darcy começou a ler.

"Tenho duas vantagens que os meninos não têm. Meu pai morreu eu tinha 3 anos. Então, não tive nenhum pai chato me domesticando. E eu não tive nenhum filho para domesticar. Então, eu não fui domesticado e nunca domestiquei ninguém", disse durante uma entrevista"

» Juventude

Aos 17 anos mudou-se para Belo Horizonte para estudar medicina, curso em que permaneceu entre 1939 e 1943. Simultaneamente, assistia a aulas no departamento de ciências sociais e descobriu que estava no curso errado. Em 1944, mudou-se para São Paulo e matriculou-se na Escola de Sociologia e Política, onde formou-se em 1946, com especialização em Etnologia. Ainda em Belo Horizonte, começou a militância no Partido Comunista Brasileiro, movimento que abandonou anos depois. Em São Paulo, conheceu a antropóloga romena Berta Gleiser, com quem ficou casado entre 1948 e 1975.

"Sempre fui, em toda a minha vida adulta, um cidadão ciente de mim mesmo como um ser dotado de direitos e investido de deveres. Sobretudo, o dever de intervir neste mundo para melhorá-lo"

» Índios

Em 1947, entrou no Serviço de Proteção aos Índios (SPI), onde conheceu Cândido Mariano da Silva Rondon (Marechal Rondon), então presidente do Conselho Nacional de Proteção ao Índio. Ali, conviveu com comunidades indígenas do Mato Grosso e da floresta amazônica. Em 1953, inaugurou o Museu do Índio e organizou, em 1955, o primeiro curso de pós-graduação em antropologia cultural realizado no Brasil. Em parceira com os irmãos Orlando e Claudio Villas-Boas, criou o Parque Indígena do Xingu (MT).

"Dediquei a vida aos índios, à minha paixão por eles e também à escola pública. Minha vida é feita de projetos impessoais para passar o Brasil a limpo, porque o Brasil é máquina de gastar gente. Gastou seis milhões de índios e o equivalente de negros. Para eles? Não! Para adoçar a boca do europeu com açúcar, para enriquecer uns poucos.

O povo foi gasto como carvão neste país bruto"

» Doença

Em maio de 1975, é internado em uma clínica de Paris e recebe o diagnóstico de um tumor no pulmão. Teve autorização de voltar ao Brasil e retirou um dos pulmões. Em 1994, recebe novamente um diagnóstico da doença, dessa vez, câncer de próstata. Em 1995, depois de ficar meses internado no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, fugiu da Unidade de Terapia Intensiva para o sítio que tinha em Maricá, onde terminou de escrever uma de suas principais obras O povo brasileiro. Ainda viveu por mais dois anos.

"Eu não tenho medo da morte. A morte é apagar-se, como apagar a luz. Presente, passado e futuro? Tolice. Não existem.

A vida vai se construindo e destruindo. O que vai ficando para trás com o passado é a morte. O que está vivo vai adiante"

Fevereiro 16, 2017 Posted by | jornalismo | , | Deixe um comentário

Maricá: laboratório brasileiro da ‘renda básica universal’

fonte: Revista Isto é

A primeira moeda social virtual do Brasil foi lançada há três anos - AFP A primeira moeda social virtual do Brasil foi lançada há três anos – AFP

Cliente usa o cartão Mumbuca em uma farmácia de Maricá - AFP Cliente usa o cartão Mumbuca em uma farmácia de Maricá – AFP

O vermelho está em praticamente todos os prédios públicos de Maricá, cidade de 150 mil habitantes na Região dos Lagos que se tornou laboratório da implantação progressiva de um programa de renda básica universal.

“Falta criatividade no mundo, e Maricá tem a singela pretensão de dar o exemplo de uma cidade que sabe redistribuir suas riquezas”, declarou, orgulhoso, o ex-prefeito petista Washington Quaquá (2008-2016).

Abalado pela recessão e pelos escândalos de corrupção, o PT sofreu uma derrota histórica nas eleições municipais de outubro passado. Em Maricá, porém, depois de dois mandatos consecutivos, Quaquá conseguiu eleger seu herdeiro político, Fabiano Horta.

“Somos um laboratório para a esquerda brasileira”, insiste esse ardoroso admirador de Che Guevara, em seu escritório repleto de imagens do líder revolucionário.

Em breve, um hospital local que está em construção receberá o nome do célebre argentino.

Há três anos, Quaquá lançou o Mumbuca, a primeira moeda social virtual do país. Graças a um cartão magnético – vermelho -, os beneficiários do programa recebem um “complemento de renda” para comprar artigos de primeira necessidade em algumas lojas.

Dinheiro do petróleo para todos

No final de 2015, no âmbito dessa iniciativa, Quaquá lançou um projeto de “Renda Básica de Cidadania” (RBC), dedicado a beneficiar os moradores de Maricá, incluindo os bebês.

A experiência chamou tanta atenção que a revista britânica The Economist dedicou uma matéria a esse projeto ainda embrionário.

De qualquer modo, ainda se está longe, por exemplo, da promessa de renda universal de 750 euros por mês que o candidato socialista à eleição presidencial na França Benoît Hamon pretende implantar gradualmente em dois mandatos.

Hoje, apenas as 14 mil famílias mais carentes de Maricá têm acesso a uma “RBC” modesta de 10 Mumbucas, o equivalente a R$ 10. Essa quantia se soma aos R$ 85 em benefícios sociais mensais concedidos a essas famílias.

No caso dos jovens de 14 a 29 anos e das grávidas de baixa renda, é possível acumular outros benefícios, cujo valor é sempre depositado no cartão Mumbuca.

A prefeitura quer aumentar a RBC para R$ 100 até o fim deste ano, mas ainda não se pronuncia sobre um cronograma para sua universalização.

Apesar da recessão no país desde o início de 2015, o atual prefeito espera financiar integralmente o projeto, já contando com a receita proveniente do pré-sal. Horta tem a expectativa de vê-la “aumentar de maneira exponencial nos próximos dez anos”, graças, entre outros, ao “Campo Lula”, um campo em águas profundas descoberto perto de Maricá.

“A equação fundamental consiste em fazer esse dinheiro circular nas camadas populares, estimulando a economia local”, explica o prefeito.

‘Cultura do assistencialismo’

Por enquanto, apenas 131 lojas locais aceitam o Mumbuca, menos de 10% do total, admite a prefeitura. Os comerciantes alegam que são reembolsados pelo governo apenas entre 30 e 40 dias após as compras feitas pelos titulares do “cartão vermelho”.

“Graças ao Mumbuca, eu consigo comprar alguns remédios e produtos de primeira necessidade, mas a carne continua muito cara”, lamenta Paula Pereira, de 34 anos, que deixa a padaria com garrafas de leite compradas com o benefício.

O vereador da oposição Filippe Poubel (DEM) denuncia a instauração de uma “cultura de assistencialismo”.

“As pessoas querem trabalhar, ganhar seu próprio dinheiro com dignidade. Elas seriam bem mais felizes, se a prefeitura criasse esses empregos e lhes oferecesse atendimento decente no hospital”, criticou.

“Os ricos adoram ganhar milhões em benefícios fiscais, mas ficam furiosos quando a gente quer dar R$ 100 para os pobres”, rebate Washington Quaquá.

Em abril deste ano, ele irá à França para falar de seu programa de renda universal, a apenas alguns dias do primeiro turno das eleições presidenciais.


assista a matéria completa aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=7FnkI9WtC84&feature=youtu.be 

Fevereiro 15, 2017 Posted by | Maricá | , , , | Deixe um comentário

Anna Azevedo emplaca pérola entre os curtas de Berlim: Em busca da Terra Sem Males

"Em Busca da Terra Sem Males": observação à moda Ozu dos rituais cotidianos de uma tribo nos arredores do Rio

“Em Busca da Terra Sem Males”: processo de observação, à moda Ozu, dos rituais cotidianos de uma tribo nos arredores do Rio de Janeiro, no Município de Maricá, encanta a Berlinale

RODRIGO FONSECA
Pautado pela política do entendimento, entre povos, raças e formas de fé, o Festival de Berlim é local de encontro entre culturas, cujo congraçamento por vezes rende filmes de alta voltagem poética como se viu aqui num curta-metragem carioca cujo resultado estético une rigor narrativo e encantamento: Em Busca da Terra Sem Males. É da natureza cinematográfica de sua realizadora, Anna Azevedo, conhecida pelos belos Outono (2014) e Dreznica (2008), fazer da contemplação um instrumento para detectar o que existe nas relações para além do conflito: a repetição, o ritual do dia a dia, o verbo “viver” em sua desinência mais simples. É algo de Yasujiro Ozu que se faz transbordante neste novo curta, sobre uma tribo de índios nos arredores do Rio. Ela não se faz notar pela câmera de Anna por seus exotismos, por seu específico tribal, e sim pela universalidade de suas crianças, que exercitam as aeróbicas brincantes da infância em meio a um oceano de tradições de seus ancestrais. A Berlinale viu o filme no domingo, na mostra Geração, e se comoveu com ele, tendo mais uma projeção nesta terça, quando a capital alemã vai se deliciar à brasileira também com o curta animado Vênus: Filó, A Fadinha Lésbica, de Sávio Leite.

"Em Busca da Terra Sem Males"

Curta foge do cientificismo etnográfico

Na mitologia dos Guaranis, a expressão do título do curta, Terra Sem Males, é o lugar onde os índios, enfim, encontram a paz. Mas Anna diz que o mundo que encontrou ali, entre os índios, é triste, de perda.

“É um mundo triste de tantas perdas históricas, perdas iminentes e deslocamento. Mas são seres humanos belos na alma”, diz a cineasta. “Aquilo tudo esta por um triz Basta que um carro passe para eles ficarem sobressaltados na aldeia”.

Sem incorrer numa lógica etnográfica científica, Anna produziu um tratado sobre modos de sobreviver, na lógica colorida da infância.

Fevereiro 14, 2017 Posted by | cinema / produção, cultura, Festivais, jornalismo | , , | Deixe um comentário

Lula informa o falecimento da ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva

É com grande pesar, que informo o falecimento da nossa ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva.

Nossos sentimentos aos familiares e amigos e ensejo de força ao nosso eterno presidente Lula.

A informação foi dada por sua filha Lurian Silva, que neste momento segue para São Paulo de encontro ao seu pai.

nota de falecimento de Dona Marisa Lula da Silva

 

Na rede social Lurian manifestou seu pesar

Lurian Silva com Sandro Luis da Silva e Fabio Silva.

 Rio de Janeiro ·

Dona Marisa com Lula

"Agora, o braço não é mais o braço erguido
num grito de gol
Agora, o braço é uma linha, um traço,
um rastro espelhado e brilhante
E todas as figuras são assim:
desenhos de luz, agrupamentos de pontos,
de partículas, um quadro de impulsos,
um processamento de sinais
E assim dizem, recontam a vida…
Agora retiram de mim a cobertura de carne
Escorrem todo o sangue
Afinam os ossos em fios luminosos; e aí estou:
Pelo salão, pelas casas, pelas cidades
Parecida comigo
Um rascunho
Uma forma nebulosa, feita de luz e sombra
Como uma estrela
Agora, eu sou uma estrela…"
#sigaocaminhodaluz
#diatristeparafamilia

Lula e D, MarisaEx-primeira-dama e mulher do eterno presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dona Marisa Letícia Lula da Silva, 66, teve morte cerebral nesta quinta-feira (2).

Complicações causadas por um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico, por isso internada em estado grave no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde 24 de janeiro. O quadro acabou se agravando na tarde desta quarta (1º), com a redução da atividade cerebral.

Marisa deixa os filhos Marcos, de seu primeiro casamento e adotado por Lula, mais Fábio, Sandro, Luís Cláudio, a enteada Lurian (filha do ex-presidente), e o marido, Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois foram casados por 43 anos.

Fevereiro 2, 2017 Posted by | jornalismo | , , , , | Deixe um comentário

Mais segurança para Maricá: Lei de Zeidan libera contratação de policiais pelas prefeituras

Lei de Zeidan libera contratação de policiais pelas prefeituras 31.01.2017Foto do dia em que o Comandante Geral da PM, Wolney Dias Ferreira tomou posse, a deputada Estadual Zeidan convidou o prefeito Quaquá em novembro para apresentarem a proposta de parceria para a construção de um batalhão que atenderá Maricá, que hoje divide com Niterói o mesmo espaço.

O interior, a Baixada Fluminense e a Região dos Lagos, ficaram abandonados depois que as UPPs começaram no governo Cabral. Com a crise do governo estadual afetando também o pagamento de policiais, a intenção de Zeidan é ajudar as cidades. Por isso, ela apresentou o projeto que já recebeu parecer favorável de todas as comissões em plenário para permitir que as prefeituras possam contratar policiais com recursos próprios. O projeto de lei complementar 05/2015 será votado em segunda discussão no início do ano que vem e as prefeituras interessadas podem, e devem, buscar uma aproximação com o mandato para fazer pressão política e aprovar o projeto. Ouvimos também as categorias envolvidas, policiais militares e bombeiros. Queremos nossas cidades mais seguras!
No dia em que o novo Comandante Geral da PM, Wolney Dias Ferreira tomou posse, a deputada Zeidan convidou o prefeito Quaquá em novembro para apresentarem a proposta de parceria para a construção de um batalhão que atenderá Maricá, que hoje divide com Niterói o mesmo espaço. A prefeitura de Maricá vai bancar as obras e pretende fazer uma parceria com a Secretaria de Segurança Pública do Estado para atender às necessidades do município.

O Prefeito Fabiano Horta assumiu essa parceria e já fez uma reunião ampliada em seu gabinete em Maricá com o comandante Wolney e a sua equipe da secretaria de segurança de Maricá.

O prefeito Fabiano Horta está com uma agenda marcada com a Deputada Zeidan para discutir não só essa parceria mas também a solicitação ao Detro feita pela deputada Zeidan para a construção de passarelas em vários pontos da Rodovia Amaral Peixoto. É o mandato popular ajudando o prefeito Fabiano Horta e a população de Maricá.

Janeiro 31, 2017 Posted by | jornalismo, Legislativo, PT, segurança pública | , | Deixe um comentário

Prefeito eleito e diplomado de Maricá, Fabiano Horta (PT) apresenta secretariado de governo a partir de 2017

Novo secretariado da Prefeitura de Maricá é apresentado

O prefeito eleito e diplomado de Maricá, Fabiano Horta (PT), anunciou nesta quinta-feira (29/12), na Casa Darcy Ribeiro, em Cordeirinho, a composição do governo que irá gerir a cidade a partir de 1º de janeiro de 2017. A nova estrutura da administração municipal traz uma redução das atuais 35 secretarias para 21. O corte representa uma economia de R$ 222,9 mil. A redução nos cargos comissionados é de 15% e segue regime de austeridade fiscal refletindo o momento econômico atual. A nova organização está definida na Lei Complementar nº 282/2016.

O novo secretariado reúne quadros técnicos e políticos com experiências em suas áreas e é composto em sua grande maioria de maricaenses. As mulheres também ganham destaque na nova administração com papel importante na Secretaria de Participação Popular, Direitos Humanos e Mulher. As políticas para a Terceira Idade também estão mantidas.

A posse de Horta acontece no dia 1º de janeiro, às 18h, em cerimônia da Câmara de Vereadores no Colégio Cenecista de Maricá. O prefeito afirmou que fará um governo próximo das pessoas e com justiça social. “Quero ser desafiado para que essa gestão tenha uma marca absoluta. As pessoas que precisam do público devem ter acesso ao serviço público. Não sou administrador de empresas. Sou agente público, gestor público. Vamos organizar as contas, planejar e tocar as políticas para os cidadãos”, disse.

Horta destacou o perfil dos novos secretários e pediu aos gestores que o espírito público predomine no exercício da função pública. “Aqui está uma composição de forças políticas, reconhecimento de natureza técnica e pessoas com capacidade para construir Maricá. Não tenho dúvidas que os próximos 20 anos da cidade serão projetados nestes próximos quatros anos”, afirmou.

Secretariado de Governo para 2017 em Maricá Foto FERNANDO SILVA 01

A nova estrutura terá as seguintes secretarias:

I – SECRETARIAS:

a) Secretaria de Administração – Márcio Mauro Leite de Souza, 40 anos, morador de Maricá, administrador, já ocupou os cargos de Secretário Executivo de Governo e Secretário Municipal de Controle Interno e Fiscalização de Maricá, Secretário Adjunto de Controle Interno do Município de Nova Iguaçu, Subsecretário de Gestão Pública – da Secretaria de Controle Interno, Chefe do Setor de Compras e Licitação e Presidente da CPL do Comando Militar Leste.

b) Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca – Júlio César Silva Santos, 40 anos, advogado, pecuarista, morador de Maricá há 22 anos, pós-graduado em Direito Civil pela Faculdade Estácio de Sá e Fomento Mercantil pela Anfac.

c) Secretaria de Assistência Social – Jorge Luiz Cordeiro da Costa (Castor), 64 anos, natural de Maricá, formado em Administração de Empresas, vereador, ocupou os cargos de Secretário de Comunicação, Ouvidor Geral, Secretário de Governo, Chefe de Gabinete, Secretário Geral de Fiscalização e Secretário de Assistência Social de Maricá.

d) Secretaria de Comunicação, Ciência e Tecnologia – Sérgio Luiz de Oliveira Mesquita, 59 anos, morador de Maricá há 25 anos, servidor público federal, cursos em Gestão de Projetos Culturais pela UERJ, em Gestão Pública pela Fundação Perseu Abramo e em Gestão de Projetos Habitação, ocupou os cargos de Secretário de Cultura (2013/2014) e Assessor de Projetos Especiais da Secretaria de Habitação (2015/2016) na Prefeitura de Maricá.

e) Secretaria de Cultura – Andrea Cunha, 46 anos, natural de Maricá, formada em Ciências Sociais com habilitação em Produção em Políticas Culturais; Artista plástica; formada em Arte e Educação e Mídia e Educação, desenvolveu projetos culturais em escolas públicas e participou da direção executiva de Cultura e Juventude do Partido dos Trabalhadores (PT) de Maricá.

f) Secretaria de Conservação – Adelso Pereira, 52 anos, natural de Maricá, professor primário. Foi vereador por quatro mandatos, subsecretário de Iluminação Pública de 2009 a 2012 e Secretário Municipal de Iluminação Pública de 2013 a 2016.

g) Secretaria de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Petróleo – Alan Aparecido Novaes de Alves, 40 anos, advogado, oriundo do movimento estudantil, ocupou os cargos de Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano de Maricá, Chefe de Gabinete da Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Rio de Janeiro e Ouvidor do INEA.

h) Secretaria de Economia SolidáriaAndré Braga 55 anos, metalúrgico e sindicalista, presidente do Partido dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (capital), Secretário de Economia Solidária de Maricá desde maio de 2015.

i) Secretaria de Educação – Professora Adriana Luíza da Costa, 52 anos, natural de Maricá, professora da rede pública estadual, ocupou os cargos de Diretora de Escolas do Estado, como Colégio Elisiário Matta, e Município e Secretária Municipal de Educação.

j) Secretaria de Esporte e Lazer – Filipe Dias Bittencourt, 34 anos, natural de Maricá, contador, é vereador e já ocupou o cargo de Secretário de Transporte.

k) Secretaria de Obras – Marcos Câmara Rebelo, 38 anos, morador de Maricá há 4 anos, engenheiro civil, ocupou diversos cargos na administração pública entre eles Secretaria de Urbanismo, Meio Ambiente e Obras. Por último, esteve à frente da Secretaria Executiva de Infraestrutura de Maricá.

l) Secretaria de Participação Popular, Direitos Humanos e Mulher – João Carlos de Lima (Birigu), 52 anos, ocupou os cargos de Subsecretário de Cultura em Maricá, Subsecretário de Economia Solidaria do Rio de Janeiro, e coordenador do projeto de implantação das lonas culturais no Estado do Rio de Janeiro.

m) Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão – Leonardo de Oliveira Alves, 40 anos, administrador público, pós-graduado em Gestão Pública pelo IBMEC, já ocupou os cargos de Diretor da Telebras e Chefia de Gabinete Parlamentar em Brasília.

n) Secretaria de Políticas para a Terceira Idade – Lezirée Rejane Figueiredo, 57 anos, moradora de Maricá, doutora em Administração Pública pela FGV e Universidade Ohio (EUA); ocupou diversos cargos na Prefeitura de Maricá, entre eles, o de Secretária do Idoso.

o) Secretaria de Saúde – Dra. Simone Costa Silva, 46 anos, natural de Maricá, médica, especialista em Geriatria e Pneumologia, mestre em Gerontologia, é Diretora Geral do Hospital Conde Modesto Leal e Diretora Geral do SAMU Maricá.

p) Secretaria de Segurança Pública e TrânsitoCelso Almeida Netto, 55 anos, natural do Rio de Janeiro, já ocupou os cargos de Secretário de Transportes de Mesquita/RJ e Procurador Geral do Município de Mesquista/RJ.

q) Secretaria de Trabalho Paulo Alberto Fatigati de Carvalho, 61 anos, morador de Maricá há 14, já ocupou os cargos de Secretário de Articulação Política de Maricá; Assessor da Presidência da Casa da Moeda; Subsecretário de Criança e Adolescente do Governo do Estado do Rio de Janeiro e Superintendente de Prevenção à Dependência Química do Estado do Rio de Janeiro.

r) Secretaria de Transporte – será anunciado na próxima semana

s) Secretaria de Turismo – Robson Dutra da Silva, vereador por quatro mandatos

t) Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente – Adyr Ferreira da Motta Filho, 71 anos, já ocupou os cargos de vereador de Niterói, Secretário Regional e Secretário de Urbanismo em Niterói em duas oportunidades e também Assessor da Prefeitura de Maricá para Assunto do Plano Diretor.

u) Secretaria Geral e de Governo – Renato Machado, 37 anos, natural de Maricá, empresário da construção civil e foi Secretário Municipal de Assuntos Religiosos.

Autarquias, Fundações e Empresas Públicas

CODEMAR: José Orlando, 53 anos, morador de Maricá há 20 anos, contador e Mestre em Engenharia de Produção.

Controladoria Geral do MunicípioJoab Santana de Carvalho, 43 anos, morador de Maricá há 6 anos, ocupou os cargos de Controladoria Geral de Maricá; Analista de Economia e Finanças do Ministério da Cultura; Assessor de Auditoria do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro; Sub-Controlador da Prefeitura de São Gonçalo (2004) e Diretor de Auditoria da Prefeitura de Magé.

Procuradoria Geral – Fabrício Porto, 40 anos, advogado, ocupou o cargo de Sub-procurador Geral por seis anos e nos últimos dois anos ocupou o cargo de Procurador Geral do Município de Maricá.






Coordenação de Comunicação

Prefeitura de Maricá

Dezembro 29, 2016 Posted by | jornalismo, Maricá, política | , , , | Deixe um comentário

Mariana Mello vai nadar do Leme ao Pontal

Mariana Mello atleta da natação de longas distâncias Atleta da natação de maratonas de longa distância Mariana Mello

 

A atleta da natação de maratons de longa distância Mariana Mello aceitou o desafio.
Vai nadar a Travessia do Leme ao Pontal, 35 km de muita adrenalina, num percurso perigoso, reservado aos grandes nadadores de águas abertas.

Mariana em sua página do Face deu a notícia : – Acabamos de receber e-mail da LPSA, assinado pelo recordista da travessia do canal da mancha, Adherbal Treidler de Oliveira
:Re: Inscrição Travessia do Leme ao Pontal

secretary@swimlpsa.com.b

Estamos realizando a pré reserva para o período de 10 a 16 de maio de
2017, semana de lua cheia, como solicitado, para a nadadora Mariana
Mello.
At.,
Adherbal de Oliveira
Secretário da LPSA

Dezembro 3, 2016 Posted by | esportes, eventos esportivos, jornalismo, natação, social | , , , | Deixe um comentário

“A Cura da Terra” de Eliane Potiguara está na Feira Internacional do Livro de Guadalajara

(La Curación de la Tierra)

O editor Gil Vieira Sales da Editora do Brasil está em Guadalajara, na maior Feira Literária da América Latina.

A escritora Eliane Potiguara em sua página do Facebook, publicou fotos no evento e falou de sua alegria por estar participando deste grande evento literário: “Publiquei com a Editora do Brasil o meu livro atualíssimo "A Cura da Terra . Que alegria e honra vê-lo nesta Feira. Meu livro está na primeira prateleira.”

“Nós, da equipe do Noticiário RJ desejamos Sucesso, para esta grande guerreira da literatura brasileira.

Parabéns Eliane por mais esta realização.” Jornalista Rosely Pellegrino, editora deste blog de notícias.

Dezembro 1, 2016 Posted by | Feiras e Eventos, jornalismo, literatura | , , | Deixe um comentário