Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

“A Igualdade é Branca” na tela do Cineclube Henfil de Maricá

Texto: Jorge André (edição: Gisele Paiva) | Fotos: Divulgação

No filme, logo após o casamento, o cabeleireiro polonês começa a ser destratado pela esposa francesa

“A Igualdade é Branca”, do diretor polonês Krzysztof Kieslowski, será o próximo longa a ser exibido pelo Cineclube Henfil, projeto desenvolvido pela Prefeitura de Maricá, através da Secretaria Municipal Adjunta de Cultura, Ciência e Tecnologia. A sessão que acontece na próxima quarta-feira (15/07) é gratuita e começa às 19h, na Casa Digital, localizada na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

O filme, que é o segundo da Trilogia das Cores (série de filmes inspirada nas cores e significados da bandeira francesa, associando-os aos três pilares da Revolução Francesa), é o único tratado de forma humorística. O filme apresenta um olhar irônico sobre como o vazio da vida pode ser profundamente afetado pelo amor.

“A Igualdade é Branca” conta a história de um cabeleireiro polonês que se casa com uma francesa. Logo após o casamento, ela passa a tratá-lo com crueldade ao descobrir que ele é impotente e pede o divórcio, já que o casamento não foi consumado. O que acontece com ele não é só pelo extremo azar do personagem, mas também pela maldade gratuita da maioria das pessoas que passam por seu caminho.

Anúncios

Julho 14, 2015 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, projeto cultural | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil de Maricá apresenta “Madame Satã” nesta quarta

 

Texto: Rafael Zarôr

O Cineclube Henfil apresenta nesta quarta-feira (12/11) mais um sucesso do cinema nacional. Estrelado pelo ator Lázaro Ramos, o filme “Madame Satã” (2002 – Brasil) é uma biografia do transformista João Francisco dos Santos, referência na cultura marginal urbana do século XX. O projeto da Secretaria Municipal de Cultura exibe o longa-metragem às 19h, na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, Centro). A entrada é gratuita e trinta minutos antes haverá distribuição de senhas de acesso.

O longa-metragem mostra a vida de João Francisco, conhecido como Madame Satã (Lázaro Ramos), lendário personagem da boemia carioca. A vida do malandro, transformista, capoeirista, cozinheiro, presidiário e pai é recontada neste filme com 105 minutos de duração. João Francisco passou a maior parte da vida entre os bares e a prisão, especialmente nos arredores da Lapa. O filme se passa em 1932 e é nesse processo de transformação e mitificação de Madame Satã (nome tirado do filme de Cecil B. De Mille, Madam Satan, de 1930) que a produção é concentrada. Também integram o elenco Marcélia Cartaxo (interpreta a prostituta Laurita), Flávio Bauraqui (vive o homossexual Tabu), Renata Sorrah (Vitória), Emiliano Queiroz (Amador), Floriano Peixoto (Gregório), entrou outros.

Dirigido por Karim Ainouz, o filme foi premiado 21 vezes, com destaques para o Prêmio BR do Cinema Nacional – Melhor Ator (Lázaro Ramos), Melhor Atriz (Marcélia Cartaxo), Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Maquiagem; Festival Internacional de Chicago (EUA); Festival de Havana (Cuba); Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival Internacional de Buenos Aires (Argentina), entre outros.

Este mês, o projeto municipal ainda exibe “Solano Trindade – O Vento Forte do Levante” (19/11) e “Somos Todos Irmãos” (26/11), estrelado pelo ator Grande Otelo.​

Novembro 12, 2014 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, projeto cultural | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil exibe filme sobre história da revista "Elle"

Texto: Rafael Zarôr

Apresentação gratuita acontece nesta quarta-feira (30/07), às 19h, na Casa Digital, encerrando a homenagem ao cinema francês

O Cineclube Henfil de Maricá exibe nesta quarta-feira (30/07) o último filme em homenagem ao cinema francês. O projeto da Secretaria Municipal de Cultura apresenta gratuitamente o longa-metragem "Historie d’Elle" (2005 – França), história sobre a revista francesa "Elle". O evento acontece às 19h, na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, Centro).

Dirigido por David Teboul, a obra, com 84 minutos de duração, mostra o glamour da mais popular e famosa revista feminina, em um filme brincalhão, repleto de imagens de arquivo e de cenas fortes interpretadas por atrizes do cinema francês, como Emmanuelle Béart e Catherine Deneuvea.

Este mês, o Cineclube Henfil presenteou o público com os sucessos "Catherine Deneuve, belle et bien là", história sobre a atriz francesa que dá nome ao filme e é considerada uma das mais importantes artistas cinematográficas do mundo; "Les Parapluies de Cherbourg", "Les Dames du bois de Boulogne" e "Pauline et François".

Julho 30, 2014 Posted by | cinema / produção, jornalismo, Lazer, Maricá | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil de Maricá exibe filme francês nesta quarta

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

 "Pauline et François" será apresentado gratuitamente às 19h, na Casa Digital, ao lado da Casa de Cultura, no Centro

O Cineclube Henfil de Maricá exibe nesta quarta-feira (23/07) o último filme de julho em homenagem ao cinema francês. Às 19h, o projeto da Secretaria Municipal de Cultura apresenta "Pauline et François" (2010 – França), em sessão gratuita na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, Centro). Senhas de acesso serão distribuídas 30 minutos antes do evento.

Esse é o primeiro longa-metragem do escritor e diretor Renaud Fely. Com 95 minutos de duração, a obra conta a história de Pauline (Laura Smet), uma jovem viúva que saiu de Paris e resolveu começar uma vida nova no campo. Lá, ela simpatiza com o vizinho François (Yannick Renier), um jovem carpinteiro que trabalha com seu pai. Aos poucos, os dois se aproximam e acabam se entregando a paixão.

Este mês, o Cineclube Henfil presenteou o público com os sucessos "Catherine Deneuve, belle et bien là", história sobre a atriz francesa que dá nome ao filme e é considerada uma das mais importantes artistas cinematográficas do mundo; "Les Parapluies de Cherbourg" e "Les Dames du bois de Boulogne".​

Julho 22, 2014 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, projeto cultural | | Deixe um comentário

Maricá dica cultural: Cineclube Henfil apresenta a história sobre Luís Carlos Prestes

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Fernando Silva

Encerrando o mês da programação "Ditadura Nunca Mais", a Prefeitura exibe o filme sobre Prestes na Casa de Cultura

Documentário será exibido hoje, quarta-feira (26/03), na Casa de Cultura, e encerra a programação de março "Ditadura Nunca Mais"

O Cineclube Henfil de Maricá apresenta nesta quarta-feira (26/03) o último filme da programação de março "Ditadura Nunca Mais". A partir das 19h, o projeto da Secretaria Municipal de Cultura exibe o filme "O velho – a história de Luís Carlos Prestes" (1997 – Brasil), documentário com 105 minutos sobre o líder do Partido Comunista Brasileiro (PCB). A sessão é gratuita e acontece na Casa de Cultura (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, Centro). Os interessados precisam chegar 30 minutos antes para garantir uma senha de acesso.

A obra reúne 70 anos de imagens da História do Brasil: a épica marcha de 25 mil km da Coluna Prestes nos anos 20 e suas relações políticas com o ex-presidente Getúlio Vargas; passando pelo dramático romance com Olga Benário, entregue a Adolf Hitler por Vargas e que morreu num campo de concentração na Alemanha; até a repressão política da ditadura militar, período de 1964 a 1985 em que o país viveu sob os anos de chumbo. Dirigido por Toni Venturi, o documentário reúne imagens raras do comunista, além de depoimentos de jornalistas, familiares e ex-integrantes do PCB e um raro material de arquivo formam essa completa cinebiografia.

Após a morte de Olga, Luiz Carlos Prestes (1898-1990) se aliou a Aliança Nacional Libertadora (ANL), em 1935, sendo proclamado presidente de honra e exigindo a derrubada de Vargas. Com essa posição, o movimento é colocado na ilegalidade e Prestes comanda uma frustrada tentativa de tomada de poder que desencadeou um violento processo de repressão e prisão contra os comunistas. Em 1936, é preso e condenado à prisão. Nove anos depois é anistiado pelo Estado Novo e elege-se senador. Mas devido à cassação do registro do PCB, novamente é colocado na clandestinidade.

Com o Golpe Militar de 1964, Prestes foi novamente perseguido e, ao final dos anos 60, exilou-se na União Soviética só regressando ao Brasil em 1979 devido à anistia. A partir de 1982, por conta de divergências no PCB, junto a diversos militantes, uniu-se ao PDT, lutando pelo não pagamento da dívida externa e pela eleição de Leonel Brizola. Luís Carlos Prestes morreu aos 92 anos de idade no Rio de Janeiro.

Neste mês, o Cineclube Henfil relembrou fatos, prisões, histórias e vítimas do regime ditatorial, que durante 21 anos e restringiu o direito do voto, a participação popular e reprimiu com violência todos os movimentos de oposição. A ditadura teve fim somente em 1985, quando o governo pressionado pelo movimento "Diretas Já", que mobilizou a população em defesa do voto direto, escolheu indiretamente o deputado Tancredo Neves para presidência, por meio do Colégio Eleitoral formado por deputados federais e senadores. A partir daí, os sucessores à Presidência da República foram eleitos por votos diretos.

Março 26, 2014 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, política | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil de Maricá exibe “Cantando na Chuva” nesta quarta, na Casa de Cultura

 

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

Na famosa cena em que Gene Kelly canta e dança na chuva, a produção misturou leite com água para ampliar o efeito nas telas de cinema e televisão

O Cineclube Henfil de Maricá exibe nesta quarta-feira (18/09) um dos mais emblemáticos musicais já produzidos em Hollywood: o clássico “Cantando na Chuva” (1952 – EUA). O filme será exibido às 19h, na Casa de Cultura, no Centro. Este mês o projeto da secretaria municipal de Cultura homenageia as obras de gêneros musicais e de danças do cinema mundial. O evento é gratuito e haverá distribuição de senhas 30 minutos antes do início do filme

.

Estrelado pelo ator e diretor Gene Kelly, “Cantando na Chuva” traz a famosa cena que ganhou o mundo há mais de 60 anos com um homem agarrado a um poste de luz e feliz por cantar e dançar na chuva. Um detalhe é que a chuva mostrada no filme não é só de água. Para garantir um efeito melhor nas telas, a produção misturou água com leite. Mas não contava que a mistura fosse fazer o terno de Gene encolher.

A história é sobre dois astros do cinema mudo de Hollywood, Don Lockwood (Gene Kelly) e Lina Lamont (Jean Hagen). Seus filmes são um verdadeiro sucesso de público, mas uma novidade da época é o cinema falado, que logo se torna a nova moda entre os espectadores. Decidido a produzir um filme falado com o casal mais famoso do momento, Don e Lina precisam, entretanto, superar as dificuldades do novo método de se fazer cinema para conseguir manter a fama conquistada. O filme tem 1h42 minutos de duração e foi dirigido por Stanley Donen e Gene Kelly.

Um dado interessante é que o roteiro somente foi escrito após a escolha das músicas e toda história foi baseada nas letras da trilha sonora. Outra curiosidade é que a estreia do longa na televisão seria realizada em 23 de novembro de 1963, mas foi adiada por duas semanas devido ao assassinato do presidente americano John Kennedy.

O filme ganhou um Globo de Ouro na categoria melhor ator de musical (Donald O’Connor), além da indicação para o prêmio de melhor musical. “Cantando na Chuva” também recebeu duas indicações para o Oscar – melhor atriz coadjuvante (Jean Hagen) e melhor trilha sonora. Em 2007, o filme foi eleito como o 5º melhor de todos os tempos pelo American Film Institute (Instituto Americano do Cinema).

Documentário sobre escravos

O Cineclube Henfil ainda exibe este mês o documentário “Cais do Valongo, sangra da terra” (25/09) – história sobre a escravidão no Brasil. Durante as obras do Porto Maravilha, na Zona Portuária do Rio, foram encontradas as ruínas do Cais do Valongo, considerado o maior ponto de entrada de escravos das Américas no século XVIII. A Casa de Cultura fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

Setembro 17, 2013 Posted by | cinema / produção, jornalismo, Lazer, Maricá, social | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil de Maricá exibe o musical “Chicago”

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

O público poderá assistir gratuitamente ao musical "Chicago" às 19h, na Casa de Cultura

O Cineclube Henfil de Maricá apresenta nesta quarta-feira (11/09) o filme “Chicago” (2003 – EUA), às 19h, na Casa de Cultura, no Centro. Este mês o projeto da secretaria municipal de Cultura homenageia as obras de gêneros musicais e de danças do cinema mundial. O evento é gratuito e haverá distribuição de senhas 30 minutos antes do início do filme.

Baseado no musical da Broadway de 1975, “Chicago” foi um dos filmes mais premiados de Hollywood. Com direção do Rob Marshall, o longa teve 13 indicações para o Oscar e ganhou em seis categorias: melhor filme, melhor atriz coadjuvante (Catherine Zeta-Jones), melhor direção de arte, melhor figurino, melhor edição e melhor mixagem de som. O filme também recebeu oito indicações para o Globo de Ouro e faturou em três categorias – melhor filme (Comédia/Musical), melhor ator (Richard Gere) e melhor atriz (Renée Zellweger).

Com 1h53 de duração, a história é sobre Velma Kelly (Catherine Zeta-Jones), uma famosa dançarina e a principal atração da boate onde trabalha. Ela mata seu marido e entra em uma seleta lista de assassinas de Chicago, que é controlada pelo advogado Billy Flynn (Richard Gere). Com o assassinato, a fama aumenta e Velma se torna uma celebridade do showbizz. Enquanto isso, a aspirante à cantora Roxie Hart (Renée Zellweger) sonha com um mundo de glamour até matar seu namorado após uma briga. Billy fica sabendo do crime e decide adiar ao máximo o julgamento de Velma, de forma a poder explorar os dois assassinatos nos jornais. Roxie também se torna conhecida por causa do crime que cometeu.

Uma curiosidade sobre o filme é que quatro atores, entre eles as estrelas John Travolta e Kevin Spacey, estiveram cotados para interpretar o protagonista, que acabou nas mãos de Richard Gere (Billy Flynn). As cantoras Madonna e Britney Spears também foram cotadas para participar do filme. Outra curiosidade é que os atores Richard Gere, Catherine Zeta-Jones e Renée Zellweger cantam todas as músicas de seus personagens.

“Cantando na chuva” e documentário sobre escravos

Neste mês, o Cineclube Henfil exibe também o clássico “Cantando na Chuva” (18/09) e “Cais do Valongo, sangra da terra” (25/09) – este último um documentário sobre a escravidão no Brasil. Durante as obras do Porto Maravilha, na Zona Portuária do Rio, foram encontradas as ruínas do Cais do Valongo, considerado o maior ponto de entrada de escravos das Américas no século XVIII. A Casa de Cultura fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

Setembro 10, 2013 Posted by | cinema / produção, jornalismo, Lazer, Maricá | | Deixe um comentário

Musicais do cinema serão exibidos no Cineclube Henfil, da Casa de Cultura de Maricá

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

"Billy Elliot" abre a série de filmes de setembro do Cineclube Henfil de Maricá

Cineclube Henfil apresenta este mês de setembro, grandes musicais do cinema mundial e um documentário especial sobre os escravos. Todas às quartas-feiras de setembro, o projeto da secretaria municipal de Cultura exibe gratuitamente os filmes a partir das 19h, na Casa de Cultura. O Cineclube Henfil homenageia todo mês autores consagrados do cinema mundial. Haverá distribuição de senhas 30 minutos antes de cada sessão.

Na abertura do festival, o público vai assistir nesta quarta-feira (04/09) o sucesso “Billy Elliot” (2000 – Inglaterra). Com 1h50, o filme é o primeiro longa-metragem do diretor Stephen Daldry, que já produziu mais de cem peças teatrais na Inglaterra.

A história é sobre Billy Elliot (Jamie Bell), um garoto de 11 anos, órfão de mãe e que vive numa pequena cidade inglesa, onde o principal meio de sustento são as minas do município. Obrigado pelo pai a treinar boxe, ele se encanta com o balé através de aulas de dança clássica realizadas na mesma academia onde pratica a luta. Ele resolve ser bailarino mesmo contrariando o pai e o irmão mais velho.

O filme recebeu ganhou três prêmios da British Academy of Film and Television Arts nas categorias melhor filme britânico, melhor ator (Jamie Bell) e melhor atriz coadjuvante (Julie Walters). A atriz ainda recebeu duas indicações na mesma categoria para o Oscar e Globo de Ouro. “Billy Elliot” ainda foi indicado outras duas vezes para o Oscar (melhor diretor, Stephen Daldryl, e melhor roteiro original) e como melhor filme dramático para o Globo de Ouro.

Musicais e documentário especial

Neste mês, o Cineclube Henfil exibe também “Chicago” (11/09), “Cantando na Chuva” (18/09) e “Cais do Valongo, sangra da terra” (25/09), um documentário sobre a escravidão no Brasil. Durante as obras do Porto Maravilha, na Zona Portuária do Rio, foram encontradas as ruínas do Cais do Valongo, considerado o maior ponto de escravos das Américas no século XVIII.

A Casa de Cultura fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

Setembro 4, 2013 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá | | Deixe um comentário

Cineclube Henfil exibe mais um filme da série Hitchcock em Maricá

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

"Janela Indiscreta" é o terceiro filme da série de Hitchcock que está sendo exibido no Cineclube Henfil de Maricá

Nesta quarta-feira (21/08), o Cineclube Henfil exibe mais um filme do cineasta britânico Sir Alfred Hitchcock em Maricá. A partir das 19h, o público poderá assistir, gratuitamente, ao suspense “Janela Indiscreta” (1954 – EUA), na Casa de Cultura, no Centro. Trinta minutos antes da sessão haverá distribuição de senhas. A secretaria municipal de Cultura apresenta este mês uma série de quatro obras do diretor (“Os Pássaros” e “A Dama Oculta” já foram exibidos).

Em “Janela Indiscreta”, tudo gira em torno de Jeffries (James Stewart), um fotógrafo profissional que fica confinado em seu apartamento por ter quebrado a perna enquanto trabalhava. Com uma lente teleobjetiva, ele espia a vizinhança e suspeita que um vizinho tenha assassinado a esposa inválida. O filme, com uma hora e 50 minutos de duração, foi gravado em um apartamento e as cenas externas são visualizadas pela lente de Jeffries. O espaço apertado do imóvel amplia o efeito da trama e deixa o espectador extremamente tenso e intrigado.

O set de filmagens foi todo baseado em um quarteirão real da cidade de Nova York. O filme inclusive indica o endereço fictício do apartamento de Jeffries (125 7th Street). Famoso por participar, Hitchcock aparece aos 26 minutos ajustando o relógio do compositor, que mora no prédio em frente ao apartamento de Jeffries.

Em 1955, o filme recebeu quatro indicações para o Oscar – melhor fotografia colorida (Robert Burks), melhor diretor (Alfred Hitchcock), melhor trilha sonora e melhor roteiro (John Michael Hayes). No mesmo ano, “Janela Indiscreta” ganhou o prêmio americano Edgar Allan Poe Awards, na categoria melhor filme. Já Grace Kelly (Lisa Carol Fremont) faturou os prêmios americanos NBR e NYFCC como melhor atriz em 1954.

Por quase 40 anos, o filme “Janela Indiscreta” esteve inacessível ao público porque o diretor Hitchcock comprou de volta os direitos deste e de outros quatro filmes de sua autoria – “Festim Diabólico” (1954), “O homem que sabia demais” (1956), “Um corpo que cai” (1958) e “O terceiro tiro” (1955) – e deixou de legado para sua filha. Estas obras receberam o apelido de “Os cinco filmes perdidos de Hitchcock” e somente estiveram novamente ao alcance do público em 1984, quando foram relançados no cinema. “Janela Indiscreta”, por exemplo, foi regravada em 1998 e protagonizada por Christopher Reeve e Daryl Hannah.

“Psicose” encerra festival Hitchcock

A série de filmes do diretor Hitchcock será encerrada na próxima quarta-feira (28/08) com “Psicose” – o maior clássico de sua carreira. O britânico dirigiu mais de 50 filmes em uma carreira de seis décadas e se tornou um ícone cultural. Ele morreu em casa, aos 81 anos, na cidade de Los Angeles. A Casa de Cultura fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

Agosto 21, 2013 Posted by | cinema / produção, cultura, jornalismo, Lazer, Maricá, projeto cultural, social | | Deixe um comentário

Casa de Cultura de Maricá recebe alunos com arte e muita alegria

Texto: kelly Kristiny, fotos: Rosely Pellegrino e vídeos Jorge André e Rosely Pellegrino

Fechando a semana de atividades culturais programada pela Secretaria de Cultura junto a Escola Municipal Carlos Magno Legentil de Mattos, na manhã de sexta-feira, (07.08), cerca de 30 alunos do ensino fundamental, assistiram a apresentação teatral do artista Ronaldo Valentim, como palhaço Chapinha que retorna após 15 anos sem se apresentar, a professora Mônica Salles, como Severina, e o ator e dançarino Paulo Ernani, como o palhaço Teleco.
No esquete de teatro, foi relembrando o Dia do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 de junho. Músicas também animaram as crianças que vieram para visitação ao Museu Histórico de Maricá e para sessão de cinema no Cineclube Henfilcom o filme "Os Donos da Mata", filmado no Silvado.

DSCN3349DSCN3351DSCN3352DSCN3350DSCN3361DSCN3365

vídeos:

assista aqui a apresentação:https://www.youtube.com/watch?v=qG5RmlrKffY

aqui vc assiste a matéria completa em vídeo  http://www.facebook.com/?ref=tn_tnmn#!/photo.php?v=533093363417899&set=vb.100001517214125&type=2&theater

Junho 10, 2013 Posted by | cinema / produção, cultura, Educação, jornalismo, Maricá, projeto cultural, Teatro | , , , , | Deixe um comentário