Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Decisão do Tribunal de Justiça reforça importância do empreendimento Fazenda São Bento da Lagoa

Desembargadores mantêm licenciamento do projeto. Sentença ressalta ocupação predial "respeitosa", centro de pesquisas, saneamento e RPPN, entre outros atributos

Na segunda-feira (19), o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), por 19 votos a 3, deu decisão favorável ao prosseguimento do licenciamento do empreendimento Fazenda São Bento da Lagoa, da IDB Brasil, na Área de Proteção Ambiental (APA) de Maricá. Com isso, a Justiça reforça a legalidade do projeto sustentável, que vai preservar 81% da área total do empreendimento, com uma taxa de ocupação predial de apenas 6,4% – o percentual restante é de intervenções, como praças, vias e jardins – e dar título de propriedade a todos os moradores da comunidade pesqueira de Zacarias, instalada dentro da área da fazenda.

Segundo a sentença do TJRJ, a não execução do projeto “poderá colocar em risco os interesses da população local, causando danos aos interesses coletivos”. O relatório informa ainda que o projeto respeita princípios constitucionais para a proteção do meio ambiente e da população que vive em Maricá.

A decisão do Desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, presidente do TJ-RJ, reforça que o empreendimento previsto para Maricá “contempla respeitosa proposta de ocupação predial, com taxa de aproximadamente 6%, que inclui a construção de um centro de pesquisas científicas para apoiar universidades brasileiras, a construção de centros desportivos abertos à população e que atenderão gratuitamente alunos da rede pública de ensino, a regularização fundiária de aproximadamente 180 residências atualmente irregulares na APA de Maricá, saneamento de aproximadamente 15km de orla em uma das principais lagoas da cidade e a criação de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), que representa 52% da área total do projeto com 450 hectares”.

Também foi considerada na decisão o cenário econômico do país, onde taxas de desemprego e endividamento da população crescem “assustadoramente”. O acórdão destacou as consequências positivas do projeto para a região: criação de 16.878 empregos diretos e 7.200 empregos indiretos. "É indispensável e salutar industrialização do interior do Estado e, por conseguinte, compromete a qualidade de vida da população”, informa a sentença.

Com a decisão, a Licença Prévia (LP), que foi concedida pelo Instituto Estadual de Ambiente (INEA) em abril de 2015, segue com validade plena. A LP aprova a concepção e a localização do projeto, atestando a viabilidade ambiental e estabelecendo requisitos básicos e condicionantes. O próximo passo é que sejam concedidas as licenças de instalação (LI), para que as obras sejam iniciadas, e de operação (LO), quando o empreendimento entrar em funcionamento.

A IDB informou que o projeto respeita os limites e parâmetros estabelecidos na legislação ambiental, incluindo a Faixa Marginal de Proteção (FMP) da Lagoa de Maricá. “O empreendimento cumprirá as condicionantes da Licença Prévia, entre as quais podem ser citadas: programa de manejo da fauna terrestre, manutenção de equipe especializada em manejo de fauna, programa de resgate e monitoramento de espécies ameaçadas de extinção e realocação de edificações situadas em áreas identificadas como mais sensíveis”, explicou David Galipienzo, diretor-executivo da IDB Brasil, mestre em ciências ambientais.

Entenda o caso

A briga judicial, que teve como último movimento a decisão assinada pelo presidente do TJ-RJ na última segunda-feira, já registrou muitas idas e vindas. O pedido inicial dos opositores ao empreendimento era que qualquer licenciamento realizado na área fosse suspenso até que o plano de manejo, decreto que estabelece as zonas de ocupação, conservação e preservação da área, fosse revisto. Resultado de diversos estudos, o plano foi discutido com a população em audiência pública e sancionado pelo governador do Estado. Houve uma guerra de liminares, que culminou com a suspensão do licenciamento do empreendimento, na primeira quinzena de julho. Cinco dias mais tarde, a Prefeitura de Maricá recorreu da decisão com um pedido de suspensão de liminar, sob a alegação de risco à ordem econômica do município. A presidência do TJ-RJ deferiu o pedido. Em seguida, integrantes da Associação Comunitária, de Cultura e de Lazer de Pescadores de Zacarias, com o apoio do Ministério Público,entraram com um agravo para questionar a decisão, mas os desembargadores negaram definitivamente provimento, por ampla maioria.    

Anúncios

Outubro 26, 2015 Posted by | empreendimento imobiliario, jornalismo, Judiciário, Maricá | , , , | Deixe um comentário

Comunidades pesqueiras de Maricá dão apoio ao projeto Fazenda São Bento da Lagoa

Texto:Tassia Assunção FSB Comunicações, fotos: Rosely Pellegrino

DSCN7205 Pescadores da AMORPEZ (Associação de Moradores e Pescadores de Zacarias) e da Colônia Z-7 declararam publicamente seu apoio ao projeto Fazenda São Bento da Lagoa durante evento realizado no fim de semana em Guaratiba. Na cerimônia de reeleição e inauguração da nova sede, o atual presidente da Colônia Z-7, Yllke Almeida, afirmou que confia no empreendimento: “Eu vejo com bons olhos o projeto para o município de Maricá como um todo. Vejo oportunidades de emprego para a população, atração de turismo e incentivos à prática de projetos de pesca local”. Yllke hoje representa 837 pescadores associados.

DSCN7219Washington da Costa, presidente da AMORPEZ e o diretor-executivo da IDB Brasil, David Galipienzo

Já para Washington da Costa, presidente da AMORPEZ, nascido e criado em Zacarias, o empreendimento trará melhorias para os pescadores de Zacarias: “O projeto irá contribuir para o desenvolvimento de toda região pela inclusão e geração de oportunidades para a nossa comunidade e também para a questão da revitalização da área degradada”.

O evento contou com a presença do diretor-executivo da IDB Brasil, David Galipienzo, que irá desenvolver o  em uma área de 840 hectares, entre o mar e a Lagoa de Maricá. O projeto estabelece que a infraestrutura urbana seja completamente integrada à natureza, com apenas 17% de intervenção do espaço. Ele vai abrigar a segunda maior Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de restinga do Estado, com 450 hectares, ocupando mais de 50% do empreendimento, com acesso público para todos os visitantes.

O plano contempla também ações de apoio e sustentação para que as atividades pesqueiras da comunidade permaneçam ativas e produtivas. Além disso, prevê o fornecimento equipamentos de apoio para pesca, cursos de qualificação e desenvolvimento de aptidão para o novo mercado de trabalho gerado pelo empreendimento.

De acordo com o projeto, o empreendimento trará melhorias de infraestrutura e lazer para a região, com a construção de hospital, escola, shoppings, centro empresarial, área esportiva e ordenação de vias. Só no período de construção, a expectativa é que as obras gerem até 4 mil empregos diretos e indiretos. Já em plena fase operacional, a Fazenda São Bento da Lagoa prevê a criação de aproximadamente 17 mil empregos diretos.

A IDB Brasil fará a inclusão dos moradores de Zacarias, por meio da cessão definitiva da titularidade de terra aos moradores, com urbanização no mesmo padrão do empreendimento. Além disso, a comunidade também terá áreas de lazer e esportes próprias. A proposta possibilita ainda melhorias para os setores do comércio e do turismo, dois segmentos essenciais para o desenvolvimento socioeconômico de Maricá.

Agosto 13, 2014 Posted by | empreendimento imobiliario, jornalismo | , , | Deixe um comentário