Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Prefeito de Maricá ratifica em audiência pública importância do Porto de Jaconé para desenvolvimento da cidade

Fonte PMM

Texto: Leandra Costa e Rafael Zarôr (edição: Marcelo Ambrosio e Raquel Andrade) | Fotos: Fernando Silva

  Quaquá defendeu o empreendimento para o desenvolvimento e independência econômica de Maricá

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá, que apoia a construção do Porto do Pré-Sal, participou na noite desta terça-feira (24/02) da audiência pública para discussão do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) de implantação do Terminal Ponta Negra (TPN), considerado pelo atual governo como o principal projeto econômico da história da cidade. Representantes do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Ministério Público, da empresa responsável pelo empreendimento (DTA Engenharia) e da consultoria que fez o estudo de viabilidade ambiental (Arcadis Logos) esclareceram duvidas da população sobre o TPN, que será construído na Praia de Jaconé e prevê geração de 12 mil empregos diretos e indiretos. O evento aconteceu no ginásio do Esporte Clube Maricá e contou ainda com a participação de vários secretários municipais, vereadores e sociedade civil.

O prefeito, mais uma vez, defendeu o empreendimento para o desenvolvimento e a independência econômica do município. “Estamos decidindo o futuro que queremos para a nossa cidade. Antes aqui só havia emprego em supermercado, na prefeitura e na empresa de ônibus. Agora, estamos falando em jovens que terão grandes chances no mercado de trabalho. É a nossa redenção contra o subemprego. O porto é de fundamental importância para a libertação do povo de Maricá”. O prefeito mencionou que, segundo pesquisas, mais de 90% dos habitantes da cidade são favoráveis à iniciativa. “Nossa meta é combinar turismo e desenvolvimento. As duas atividades não são conflitantes, basta ter planejamento e é nisso que a Prefeitura de Marica está trabalhando”, declarou o prefeito.

Washington Quaquá também rebateu as criticas do Ministério Público, que em uma análise genérica considerou "negativa" a influência do projeto no potencial turístico. “O turismo requer uma base econômica forte para sustentá-lo e o Porto é necessário para isso”, reforçou Quaquá, lembrando que esta é uma premissa internacional. "Em todas as cidades onde há portos estes são integrados e ajudam o desenvolvimento da cidade", acrescentou. O prefeito também adiantou que investimentos estão sendo pensados para a região junto ao TPN. “Iniciaremos ainda nesse semestre a pavimentação da orla de Jaconé. Estamos negociando com o DER a duplicação da Estrada de Jaconé e a futura ligação com o Arco Metropolitano”, completou, citando ainda a implantação de dois teleféricos (um deles em Ponta Negra e o outro ligando o Centro à Barra de Maricá) como opções que o município estuda para implementar a indústria do turismo.

Com investimento previsto de R$ 5,4 bilhões, o TPN terá Terminal de Granéis Líquidos para petróleo, Terminal de Contêineres e um Estaleiro para construção e reparo naval, que é algo inédito no país. Está prevista também área marítima de dragagem e aterro hidráulico. Nessa primeira etapa, a DTA Engenharia investirá R$ 1,1 bilhão para delimitar a área – o prazo de conclusão deste projeto é de 36 meses – e posteriormente outras empresas construirão o terminal e estaleiro. O porto onshore de uso múltiplo será instalado em uma área de 5,6 milhões de metros quadrados na praia de Jaconé e terá capacidade para receber 850 mil barris de petróleo por dia, além de um milhão de contêineres por ano. O projeto pode contemplar ainda a construção de uma usina de dessalinização de água do mar, para abastecimento próprio e da região.

Outro ponto destacado no projeto diz respeito à preservação de 80% dos chamados beachrocks, formação geológica única existente na praia. Além de o empreendimento ter sido alterado para afastar a área do porto dos afloramentos de rocha, os 20% da formação que serão impactados serão, segundo o representante da DTA e coordenador do projeto do TPN, Mauro Scafuzca, resgatados e entregues às universidades para a realização de estudos científicos e acadêmicos.

Ainda de acordo com Mauro, a posição estratégica do porto onshore torna a implantação muito viável. “Além de estar na região metropolitana, próxima ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), o TPN apresentou fatores determinantes como a boa profundidade natural junto à costa (30m a 500m) possibilitando a operação de navios de grande porte. Será um dos poucos portos do Brasil que oferecerá essa profundidade constante, ou seja, que menos exigirá dragagem, tanto para construir quanto para manter e com isso poderá oferecer um custo muito competitivo, atraindo carga de diversas regiões do mundo”, destacou. Outro ponto abordado na audiência foi a apresentação de um resumo do relatório de impacto ambiental produzido por uma equipe multidisciplinar de mais de 50 técnicos da empresa Arcadis Logos durante dois anos. O estudo, muito detalhado e que está à disposição na internet (na página do Inea), tem mais de quatro mil páginas e envolve todos os aspectos da obra, sejam de geologia, topografia, fauna, flora, correntes e até mesmo sócio econômicos.  “As possíveis emissões de poluentes serão controladas com as técnicas mais modernas de engenharia ambiental, como a cortina subaquática capaz de selar o porto ao menor sinal de alarme. As conclusões obtidas após esse estudo indicam que a construção do TPN não trará nenhuma alteração expressiva naquele ponto da costa e é de baixo risco ambiental”, salientou o diretor.

O engenheiro do INEA, Maurício Couto, apresentou um histórico do licenciamento do empreendimento. “É bom ressaltar que esse encontro é uma importante etapa para apresentação e discussão do empreendimento. Sugestões são sempre bem-vindas para aperfeiçoamento desse projeto”, informou o engenheiro, acrescentando que o INEA concedeu um prazo de dez dias para que sejam enviadas contribuições para a sede do órgão, localizada na Rua Sacadura Cabral nº 103 – Rio de Janeiro ou pelo email: ceam@inea.rj.gov.br. ​

Prefeito afirmou que mais de 90% dos habitantes são favoráveis ao Porto

Representantes do Inea e DTA Engenharia também esclareceram dúvidas

Sociedade civil participou da audiência pública no Esporte Clube Maricá

Anúncios

Fevereiro 26, 2015 Posted by | Maricá, Porto de Jaconé | , , , , | Deixe um comentário

DTA espera licenças para oferta pública de ações

Empresa de engenharia utilizará recursos da Bovespa nos Terminais de Ponta Negra, no Rio

A DTA Engenharia está aguardando a liberação de licenças do projeto de construção dos Terminais Ponta Negra (TPN), na praia de Jaconé, região dos Lagos fluminense, para então fazer uma oferta pública de ações. João Melo, socio da DTA explicou que o projeto é erguer no local um pólo naval para manutenção e reparos de embarcações e uma unidade de tancagem.

Das liberação de licenciamento a empresa também depende para que possa lançar uma oferta pública de ações.

Os investimentos chegam a R$ 1,5 bilhão em infraestrutura e mais R$ 3,5 bilhões em estaleiro e áreas industriais, com previsão de conclusão das obras em 2015. Ele explicou que o local tem um desenho único, que garante uma profundidade de 30 metros, o que permite a entrada de navios de grande porte.

Enquanto não chega à Bovespa, o projeto se viabilizará com a captação de recursos em bancos. O BNDES é uma das instituições que faz parte da lista. O sócio da DTA disse ainda que a empresa vai preparar mão de obra com a criação de um centro de treinamento na região. Um dos grandes entraves ao projeto tem relação com questões ambientais.

Há uma preocupação das comunidades da região com o impacto queum empreendimento deste porte poderá trazer à região.

Nota desta editora – Para falar sobre este assunto, será marcada em breve, uma reunião com os jornalistas e a apresentação do projeto a população do Município de Maricá , oportunidade onde será discutido o impacto e esclarecidas as medidas que serão tomadas em prol da população. Um mercado que irá gerar mais de 12 mil empregos, com bons salários, e que irá oferecer entre outras contrapartidas, cursos técnicos ao jovens do município, para que este mercado seja absorvido por nossos jovens, já é um bom motivo para que se páre e pense realmente a importância da vinda deste investimento. Se fosse ruim Angra dos Reis, que também é um paraíso terrestre, não iria lutar e se mobilizar para tirá-lo de Maricá. (Rosely Pellegrino)

A DTA Engenharia é uma empresa que se destaca e qualifica pela sua Criatividade e Excelência em Engenharia Portuária e Ambiental no Desenvolvimento de projetos de engenharia nas mais diversas áreas, buscando sempre a melhor solução de implantação sob os aspectos técnicos, econômicos e ambientais.

Abril 25, 2012 Posted by | jornalismo, mercado financeiro, Petroleo e Gás, pré-sal, setor naval, transporte | , , | Deixe um comentário