Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Libertação de livros marca pré-lançamento do Festival Internacional da Utopia

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Divulgação

Em comemoração ao Dia do Professor (15/10), crianças, jovens e adultos participaram nesta quinta-feira do projeto “Libertação de Livros”, iniciativa da Secretaria Adjunta de Políticas Especiais de Maricá em parceria com a Secretaria Executiva de Políticas Sociais. O evento integra o pré-lançamento do Festival Internacional da Utopia e foi realizado no Condomínio Carlos Marighella, do programa “Minha Casa, Minha Vida”, em Itaipuaçu. Ao todo, 1500 livros de todos os tipos de literatura foram libertados. Segundo a organização do evento, cerca de 800 pessoas participaram da atividade.

Os livros, recebidos por doação, foram colocados em estantes e qualquer pessoa pode ler e levar os livros, sem precisar de cadastro. A única exigência é não deixar o livro guardado. “A pessoa lê e passa o livro adiante para um irmão, amigo ou conhecido. O importante é espalhar o conhecimento. Afinal, livro na gaveta não tem utilidade”, destacou o secretário adjunto de Políticas Especiais, Amilcar Carvalho. “Esse é um processo de ocupação cultural dos condomínios do Minha Casa Minha Vida e iremos criar uma biblioteca permanente de libertação de livros”, acrescentou. O evento também teve contação de histórias e teatro para as crianças.

 

Outubro 16, 2015 Posted by | Educação, jornalismo, Maricá, moradia | , , , | Deixe um comentário

Comunicado para beneficiados do “Minha Casa, Minha Vida” em Maricá

Texto: Marcelo Ambrosio

Convocamos os beneficiários do Programa “Minha Casa, Minha Vida” abaixo relacionados para a assinatura do contrato. Para melhor atender a todos, a Caixa Econômica Federal colocou um funcionário à disposição para atender aos interessados na coordenadoria municipal do programa MCMV, localizado na Rua Homero de Queiroz da Silva, Lote 4, Quadra J, Casa 01, Parque Eldorado, até sexta-feira (14/08), das 10h às 15h.

O não comparecimento para a assinatura do contrato, no prazo estipulado, fará com que o contemplado perca o benefício da casa própria, a menos que compareça à Central de Atendimento do Programa no dia 17/08 e apresente um documento que justifique a não apresentação nas datas pré-determinadas. Quem estiver na listagem e porventura já tenha ido à coordenadoria, pode desconsiderar a mensagem.

Condomínio Carlos Marighella – Itaipuaçu

http://www.marica.rj.gov.br/pdfs/listagem_itaipuacu.pdf

Condomínio Carlos Alberto Soares de Freitas – Inoã

http://www.marica.rj.gov.br/pdfs/listagem_inoa.pdf

Agosto 12, 2015 Posted by | Maricá, moradia | , | Deixe um comentário

Presidente Dilma e prefeito Quaquá entregam 2,9 mil unidades habitacionais do Conjunto Minha Casa, Minha Vida em Maricá

Presidenta entregou apartamentos em dois residenciais em Maricá (RJ) nesta sexta-feira (31). Os residenciais Carlos Marighella e Carlos Alberto Soares, são os primeiros do programa para famílias de baixa renda em Maricá

A sexta-feira (31/07) ficará na história de Maricá. A presidente da República veio ao município, Dilma Rousseff participou, ao lado do prefeito Washington Quaquá, da primeira dama e Deputada Estadual Rosangela Zeidan, do governador Luiz Fernando Pezão, do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, da presidenta da CAIXA, Miriam Belchior, e demais autoridades, da entrega de 2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Itaipuaçu. A cerimônia, realizada no Condomínio Carlos Marighella, reuniu em torno de 18 mil pessoas, entre convidados, beneficiados – em torno de 11 mil pessoas – e moradores da região. Bem humorada, a presidente e sua comitiva desembarcaram de helicóptero em uma área no fundo do condomínio por volta de 11h da manhã e de lá seguiram para o local da festa.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (146)Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (136) O prefeito Washington Quaquá e a primeira-dama e deputada estadual Rosângela Zeidan a recepcionaram e a acompanharam em uma visita a um dos apartamentos do condomínio, formado de blocos de dois andares com oito apartamentos cada.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (161)A presidenta Dilma Rousseff teve uma dia feliz, ela foi recebida com carinho por milhares de pessoas e se sentiu em casa aos gritos de "olê, olê, olê, olá, Dilma, Dilma".

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT) preparou uma surpresa para a presidenta, batizando os conjuntos habitacionais com nomes de dois de seus ex-companheiros na luta contra a ditadura militar: Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, (1.460 unidades) e Carlos Marighella (1.472 unidades).

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (178)O prefeito lembrou que a luta pela inclusão dos menos favorecidos e por direitos iguais foi iniciada na década de 1960 por Carlos Marighella e Carlos Alberto Soares de Freitas, líderes e militantes que enfrentaram a ditadura militar. “Hoje é um dia histórico com a realização do sonho de três mil pessoas, mas é certo honrar o passado e por aqueles que lutaram por nós e pela inclusão do povo”, destacou Quaquá, que completou: “Dilma lutou pela erradicação da fome e é uma grande parceria do desenvolvimento de Maricá. Nossos governos incluíram povo na festa da democracia e hoje a presidenta entregas as chaves a esta famílias”, afirmou o prefeito e anfitrião da festa.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (179) “Quem é contra a presidenta são as mesmas pessoas que gostavam do povo vivendo na senzala. Hoje o povo tem casa, tem acesso à universidade pública, anda de avião. Na época deles, era preciso fazer campanha Natal Sem Fome porque o povo passava fome. Em treze anos nós erradicamos a fome neste país”, completou Quaquá.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (184) De acordo com o Ministério das Cidades, desde a criação do programa, em 2009, 2,3 milhões de moradias foram entregues, e 1,5 milhão de residências estão em construção. Na terceira etapa do programa, a meta é contratar mais 3 milhões de unidades habitacionais até 2018. “Nosso país fica melhor e a democracia fica mais forte quando se garante oportunidade para as pessoas; por isso, o governo está comprometido com este programa.”

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (226) O governador Luiz Fernando Pezão elogiou o programa federal e citou os equipamentos públicos que serão instalados pela Prefeitura ao lado dos condomínios, entre os quais creche, escola, posto da Guarda Municipal e um CRAS. “O apoio do município com essas atividades sociais é tudo que essas pessoas precisam, é uma bela parceria”, afirmou o governador. “Este é o melhor programa que existe. Antes muitas famílias nem tinham acesso ao crédito e agora pagarão R$ 50 por sua casa", completou Pezão.

Dilma Rousseffe Quaquá, entregam  2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Maricá (108)Dilma Rousseffe Quaquá, entregam  2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Maricá (111) 

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (263)Dilma elogiou a escolha dos nomes dos condomínios, batizados em homenagem a dois brasileiros que brigaram pelo fim da ditadura instalada no Brasil depois de 1964 e que vigorou até 1985. Emocionada, a presidenta agradeceu a surpresa feita por Quaquá, ao moradores de Maricá pela recepção calorosa e lembrou que Marighella “não era só lutador, mas uma grande pessoa humana”. Sobre Beto, seu amigo particular, Dilma, emocionada, disse que o ex-guerrilheiro foi “um irmão na juventude”.

“Lutamos juntos, queríamos um país em que as pessoas tivessem voz, vez, e sobretudo tivessem sua casa própria. Por isso me sinto mais que honrada, me sinto emocionada. Estar aqui toca lá no fundo do meu coração, porque me faz lembrar de toda a minha juventude”, disse a presidenta.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (252) Acompanhada do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, e da presidenta da CAIXA, Miriam Belchior, a presidenta Dilma Rousseff garantiu, também, a continuidade do programa habitacional que é uma das marcas de seu governo e afirmou que o “Minha Casa, Minha Vida” é fundamental não apenas para as famílias beneficiadas, mas para o país voltar a crescer.

"Ficam falando assim: ‘estamos passando algumas dificuldades econômicas, o programa vai acabar’. Vou explicar para vocês por que não vai: primeiro porque é importante para o povo brasileiro, para aquela parte que não tinha oportunidades, para quem ninguém olhou. Mas não vai acabar também por outro motivo: porque, além de a gente construir casa, a gente cria emprego. Quando você vai fazer uma casa, precisa de tijolo, areia, cimento, alumínio. Cada uma dessas partes também contratou pessoas, criou empregos, pagou salários, gerou renda e fez a roda girar, a roda da economia girar", observou Dilma.

A presidenta pediu que os moradores cuidassem dos condomínios e de suas unidades habitacionais. "Não estamos falando de concreto ou alumínio, estamos falando de vida melhor. Quem constrói as condições de moradia são as pessoas que vivem nela. Cuidem bem."

Apartamentos

As 2.932 unidades habitacionais devem beneficiar cerca de 12 mil pessoas, de acordo com o Ministério das Cidades. Cada apartamento tem área privativa de cerca de 45 metros quadrados, com dois quartos, sala, banheiro, cozinha e área de serviço, com piso cerâmico em todos os ambientes.

Os empreendimentos receberam R$ 195 milhões do governo federal e têm área de lazer, centro comunitário, quiosque, parque infantil e quadra poliesportiva. Noventa apartamentos, 45 em cada residencial, estão adaptados para pessoas com deficiência.

A trabalhadora doméstica Maria Aurineide de Souza, de 53 anos, morava de favor há 13 anos em Maricá, desde que chegou do Recife. Ela tomava conta da casa de veraneio de uma família e agora comemora o fato de ter uma residência própria. "Vou poder receber amigos, receber minha família do Recife. Antes não dava", conta ela, que será vizinha da filha, contemplada com outro apartamento para morar com o marido e o filho. "Vou ajudar a cuidar do meu netinho", disse Maria Aurineide.

Já Sônia Costa, de 33 anos, morava na casa do irmão. Com o apartamento próprio, ela destaca a importância de deixar um patrimônio para o filho. "Estou muito feliz em saber que vou deixar uma casa. Tudo é para ele."

Nas fotos, você acompanha momentos que entram para a história de Maricá

Agosto 7, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Último dia de evento do “Minha Casa, Minha Vida” em Itaipuaçu reuniu cerca de 300 famílias para escolha das unidades

Texto: Leandra Costa (edição: Raquel Andrade) | Fotos: Clarildo Menezes

Último dia de evento do “Minha Casa, Minha Vida” reuniu cerca de 300 famílias para escolha das unidades

Cerca de 300 famílias participaram nesta segunda-feira (02/02) do último dia do evento do programa federal “Minha Casa, Minha Vida” realizado pela Prefeitura em parceria com a Caixa Econômica Federal (CEF), no novo condomínio Carlos Marighella, em Itaipuaçu, previsto para ser entregue em abril. Na ocasião, os beneficiários escolheram a localização do imóvel e receberam orientações sobre o contrato de financiamento com a CEF por 10 anos, com parcelas mensais de R$ 25 a R$ 80 de acordo com a renda. Seguindo um modelo padrão, o condomínio é dividido em 184 blocos, com 1.472 apartamentos de 46m2 cada, composto por dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço, além de áreas comuns como parque infantil, quadras de esportes, salão de festas e churrasqueiras.

A coordenadora do programa em Maricá, Lene de Oliveira, falou sobre a importância histórica desse momento. “Queremos oferecer o melhor para vocês. Estamos ajudando a realizar o sonho da casa própria. Mas, não é apenas isso. Continuaremos aqui para prestar ajuda técnica e social como encaminhamento para mercado de emprego e oficinas profissionalizantes de geração de renda, como por exemplo, confeitaria, doceria, dentre outras. A presença do poder público municipal será constante, buscando melhorar a qualidade de vida dos moradores”, declarou.

Para atender de forma adequada os beneficiários, cerca de 70 profissionais, dentre equipe de apoio administrativo, segurança e limpeza, foram mobilizados nos cinco dias de evento, iniciado na segunda-feira passada (26/01). Tendas, cadeiras, comidas, lanches foram contratados para servir com dignidade os futuros moradores do empreendimento. Durante todo o tempo, havia no local, ambulância com motorista e técnico de enfermagem capacitado para prestar qualquer tipo de socorro. “Atendemos uma média de cinco pessoas por dia. A maioria era para aferição de pressão arterial e glicose. Tudo correu na maior tranquilidade apesar do calor da semana passada”, declarou a técnica de enfermagem Jéssica Conceição Pedro.

A gerente regional da Caixa, Mônica Coutinho Campos, esclareceu aos novos proprietários a importância de se comparecer aos próximos encontros marcados pelo banco. “É necessário deixar claro que vocês têm que comparecer para a assinatura do contrato e também para pegar a chave”. Além disso, a gerente fez questão de destacar algumas das diretrizes do programa. “Durante 10 anos, não é permitido alugar, ceder, emprestar, nem vender. É bom esclarecer que isso aqui não é um presente, mas sim um direito aprovado pela CEF que exige o cumprimento de alguns deveres”, destacou.

A coordenadora de projetos especiais do município, Luciana Andrade, explicou aos beneficiários questões sobre saneamento básico. “É importante ressaltar que a problemática da falta de água não é apenas em Maricá, mas que diversas cidades no mundo estão enfrentando. Por isso, gostaria de pedir a colaboração de vocês para um consumo consciente. Nesse condomínio, o hidrômetro é individualizado e vocês pagarão somente pelo que utilizarem. Há um reservatório de água de 24 mil litros para atender a cada um dos blocos (oito unidades), além de estação de tratamento exclusivo para o condomínio”.

Beneficiários

Respeitando critérios como portador de necessidade especial e idade, a primeira contemplada nesse último dia foi Jandira Soares Pinheiro, de 75 anos. Ela mora com sua filha Juliana Pinheiro, de 34 anos, numa pequena casa no bairro Pedreiras e pagam R$ 500 de aluguel, além dos custos de luz e água. “Recebo um salário mínimo e tenho enormes gastos com médicos e remédios. Estou muito feliz com essa conquista. Me inscrevi em 2009 no programa e agora estou vendo meu sonho se concretizar. A primeira coisa que vou fazer é um almoço para a minha família para inaugurar a casa nova”, declarou.

Outra beneficiária é Stephani Cristina Blas, de 22 anos e mãe de um filho de um ano. Ela é manicure e trabalha por conta própria, com gasto de R$ 350 de aluguel numa casa em Santa Paula. “Não chego a receber nem um salário mínimo. Varia muito, mas fica em torno de R$500, que mal dá pra me alimentar. Esse imóvel vai trazer mais dignidade para minha família e mais qualidade de vida para meu filho que terá espaço para brincar e se divertir”.

Os futuros moradores: Stephani Cristina Blas e seu filho

A primeira contemplada nesse último dia foi Jandira Pinheiro e sua filhaa

A técnica de enfermagem verificando a pressão de uma das beneficiárias

Lanche e almoço servido gratuitamente para todos os presentes nos cinco dias de evento

Fevereiro 4, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia | , | Deixe um comentário

Rua do ‘Minha Casa, Minha Vida’ de Itaipuaçu começa a receber urbanização

Texto: Sérgio Renato | Fotos: Fernando Silva

Operários instalam peças de meio-fio na rua

Além de ganhar escola, creche e posto de saúde na porta de casa, os futuros moradores do condomínio Carlos Marighela, na Reserva Verde de Itaipuaçu (que integra o programa federal ‘Minha Casa, Minha Vida’), vão se mudar para um bairro inteiramente urbanizado. Ao lado do terreno onde serão erguidos os equipamentos públicos, equipes da Secretaria Municipal Adjunta de Obras preparam a via que dá acesso às residências, conhecida como Rua X, para receber pavimentação, que deverá estar concluída até a próxima semana.

Os operários instalam peças de meio-fio e as "bocas de lobo” (tampa ou proteção para bueiros), que vão escoar a água das chuvas para o córrego que passa em paralelo à rua. A  obra está sendo feita em um trecho de aproximadamente 300 metros da via, a partir de uma pedra que divide os dois sentidos – o mineral e uma árvore que também ocupa a parte central da rua não serão removidos.

Nesta quinta-feira (22/1), o prefeito Washington Quaquá visitou as três obras em andamento na Reserva Verde, ao lado do secretário executivo de Infraestrutura, Fernando Rodovalho, que afirmou que a via terá também nova iluminação pública. As obras de urbanização são uma iniciativa do governo municipal para complementar a instalação dos equipamentos públicos, sendo estes a contrapartida da Prefeitura à construção dos apartamentos pela União. 

O local já recebe água encanada e terá a rede elétrica funcionando nos próximos dias. Na parte interna, além das residências, as quadras de esportes e áreas de lazer estão em fase de acabamento.

Obra está sendo feita em um trecho de aproximadamente 300 metros

Janeiro 23, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia, Obras em Maricá | , , | Deixe um comentário

Defesa Civil notifica e "Minha Casa Minha Vida de Maricá" cadastra moradores em área de risco nas Pedreiras

Texto: Fernando Uchôa (edição: Marcelo Moreira) | Fotos: Clarildo Menezes

Com o apoio logístico da Defesa Civil Municipal, o programa “Minha Casa, Minha Vida de Maricá” iniciou na última sexta-feira (12/04) o cadastro de moradores em áreas de risco dos bairros centrais de Maricá, que estão entre os grupos que terão prioridade para receber as moradias populares em construção na cidade.

O cadastramento começou pelo bairro Pedreiras, mais exatamente na Rua Beira-Rio, local de concentração de moradias com risco de desabamento e inundação. A Defesa Civil mapeou as áreas e entregou notificações aos moradores das casas situadas em locais considerados de risco. O programa Minha Casa, Minha Vida entrou com trabalho conjunto, fazendo o cadastramento volante em uma van, para agilizar o processo de cadastro dos candidatos a novas moradias.

Em Maricá, cerca de três mil unidades habitacionais estão sendo erguidas e cerca de 600 delas devem ser entregues em dezembro deste ano.

Prioridade

As pessoas que vivem em áreas de risco estão entre os grupos prioritários de atendimento do programa “Minha Casa Minha Vida” em Maricá. Outro aspecto que será levado em conta no cadastro dos candidatos é a presença de pessoas com deficiência nas famílias. Quem já é cadastrado no CADÚNICO (que dá acesso ao Bolsa Família, Renda Melhor e outros benefícios), se cadastra no “Minha Casa, Minha Vida” com os documentos de praxe: Carteira de Identidade (RG), CPF, Certidão de Casamento ou Nascimento, Comprovante de Residência e de Renda. É preciso comprovar renda familiar de, no máximo, R$ 1.600,00.

O prefeito Washington Quaquá reforça que a cidade passa por um momento histórico no setor habitacional, já que a construção das 3 mil unidades habitacionais será responsável por zerar o déficit de moradias na cidade. “Somos o primeiro município do Estado a zerar esse déficit e isso é motivo de orgulho para a nossa administração”, declarou o prefeito, que ressalta ainda a parceria da prefeitura com o Governo Federal.

A moradora Giane Batista do Valle, de 47 anos, mora há 11 na localidade de Pedreiras e reside com o filho, que tem distúrbio mental. Aposentada por invalidez, Giane espera com ansiedade uma casa num local adequado. “Tomara que saia mesmo até o fim do ano. Quando tem enchente, a gente fica com medo. Já vi até cobra se arrastar por aqui”, declara.

Priscilla Mendes da Rosa, de 27 anos, mora há 13 na localidade. Com cinco filhos, em idades variando de um a dez anos, tem Bolsa Família, mas diz que a vida está cada vez mais difícil. “Será bom uma casa melhor e com mais espaço para meus filhos brincarem”, adianta.

Elza Nascimento Silva, de 73 anos, é a mais antiga moradora da Rua Beira-Rio. Mora há 32 anos no local. Lá, teve a única filha, Maria das Dores Pacheco, de 48 anos, que tem três filhos e uma neta. Todos vivem em quatro casas no mesmo terreno. “Esperamos uma oportunidade”, declara Maria das Dores.

Cleber Conceição Santos, de 36 anos, tem três filhos em idade escolar e não esquece a enchente de abril de 2010, quando o rio subiu e alcançou um metro dentro de sua casa, assustando toda a família. "Quero um lugar mais seguro para meus filhos", disse.

O trabalho de equipe foi chefiado pelo coordenador de campo do Minha Casa, Minha Vida, Leonardo Spalla e pelo superintendente da Defesa Civil Fábio Sérgio.

 

Abril 17, 2013 Posted by | Defesa Civil, jornalismo, Maricá, moradia, projeto social | , | Deixe um comentário

Minha Casa, Minha Vida inaugura Central de Atendimento em Maricá

Texto: Fernando Uchôa

O programa federal Minha Casa, Minha Vida, inaugura, amanhã sexta-feira (26/10), às 9h, uma Central de Atendimento que dará continuidade às inscrições e servirá para tirar dúvidas quanto às condições de cadastro dos novos candidatos. A central estará aberta ao público a partir de segunda-feira, (28/10), de 9h às 17h.

Implantado há dois anos em Maricá, o programa já conta com 15 mil inscritos. Na parte de construção dos imóveis, o primeiro conjunto de unidades, que deverá se chamar Residencial Carlos Marighella, está em fase de pré-construção (a etapa de terraplanagem já foi realizada) em Itaipuaçu. No terreno, com 126 mil metros quadrados, estão sendo construídas 1.072 unidades residenciais com 90 metros quadrados, que serão comercializadas a preços populares. A Central de Atendimento do Minha Casa, Minha Vida fica à Rua Dr. Milton de Souza Pacheco, nº 24, Parque Eldorado, Maricá.

A mesma empresa também fará mais 800 moradias em Inoã, mas os imóveis ali serão doados pelo município a famílias cadastradas com renda entre zero e três salários mínimos e moradores em áreas de risco, como margens de lagoas e valões. Os critérios de distribuição foram estipulados pela secretaria municipal de Assistência Social (SMAS) de Maricá. Após esta etapa, mais 600 unidades serão construídas no mesmo local.

Para a subsecretária municipal de Assuntos Federativos e coordenadora do Minha Casa, Minha Vida em Maricá, Lene Oliveira, o programa está sendo cumprido dentro do previsto e é acompanhado passo a passo. “Dentro de dois anos entregaremos mais de três mil moradias à população”, afirma ela. “O programa tem de ser ajustado às necessidades locais e a nossa secretaria, responsável pela execução do projeto, trabalha em parceria com a Assistência Social”, completa Lene. Ainda de acordo com a coordenadora, o levantamento social é feito de acordo com o cadastro Cadúnico, uma das prioridades para inscrição no programa

Outubro 25, 2012 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia, projeto social | , | Deixe um comentário