Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

No Senado Federal – Aprovados PLS 153/2007 e 03/2007

Fonte: Eduardo Suplicy

Image

 

 

 

 

 

 

Paul Singer e Eduardo Suplicy

 

A  Comissão de Assuntos Econômicos, do Senado Federal, aprovou, em caráter terminativo, PLS nº 153/2007, de minha autoria, e o PLS nº 3/2007, do Senador Osmar Dias que regula e incentiva a criação de sociedades cooperativas. Segundo a proposta, as cooperativas são livres para escolher qual a organização de representação que serão filiadas e registradas.

Essa votação encerrou longa jornada iniciada em 1999, com a apresentação de meu primeiro projeto sobre o tema. A relatora, Senadora Gleisi Hoffmann, contemplou as sugestões da Unicopas – União Nacional das Organizações Cooperativistas Solidárias, da OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras e do Secretário de Economia Solidária, Prof. Paul Singer. É uma conquista para todo o movimento cooperativista brasileiro e para o movimento de economia solidária!

Anúncios

Dezembro 22, 2014 Posted by | direitos humanos, jornalismo, Maricá, política | , , , , , | Deixe um comentário

Ícone da economia solidária, o professor Paul Singer acompanha entrega de cartões do Bolsa Mumbuca

Texto: Leandra Costa (edição: Marcelo Ambrosio) | Fotos: Fernando Silva

Mais de 900 famílias receberam seus cartões nesta quinta-feira

O Instituto Palmas, responsável pela implantação do Programa Social Moeda Mumbuca em Maricá, realizou, na manhã desta quinta-feira (dia 06/02), a distribuição de mais 900 cartões do total de dois mil da primeira moeda social eletrônica do país – criada para combater a pobreza extrema na cidade e aquecer o comércio local. Realizada na Praça Orlando de Barros Pimentel, o evento contou com a presença do atual secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego, o ícone da economia solidária Paul Singer.

Em declaração durante o evento, Paul Singer destacou que no Brasil existem 103 bancos comunitários, mas, somente em Maricá o programa utiliza a moeda social para distribuição de renda para as famílias carentes. "A cidade está uma lição de cidadania para outros municípios do país contribuindo para retirar pessoas sofridas da extrema pobreza", declarou o sociólogo. Para ele, o capitalismo selvagem que norteia a economia de diversas economias está em fase de degeneração. "Milhares de jovens estão desempregados na Europa e nos Estados Unidos por idealizarem um sistema competitivo e devassador. A economia solidária prevê exatamente o oposto. É governar para o povo e com o povo. Isso é democracia participativa", declarou Paul Singer.

Representando o prefeito Washington Quaquá, o vice-prefeito Marcos Ribeiro citou também a importância do programa para erradicar a pobreza na cidade e também estimular o comércio local. "Por meio desse programa, queremos garantir renda mínima para as famílias carentes, inicialmente com 70 mumbucas mensais, e também alavancar o desenvolvimento da economia local". Ainda de acordo com o vice-prefeito, o benefício mensal será aumentado gradativamente, para R$ 100 já durante o próximo ano, até alcançar R$ 300, em 2016, beneficiando 20 mil famílias.

Também presente à cerimônia, o presidente da Câmara de Vereadores, Fabiano Horta, destacou a importância do Bolsa Mumbuca para a população carente. "O programa permite modificar o futuro de diversas famílias maricaenses, melhorando a renda da população. Milhões de reais estão sendo investidos para a construção de uma política pública de transferência de renda", salientou o presidente, ressaltando que o projeto da Bolsa Mumbuca foi aprovado por unanimidade pelos atuais vereadores.

O secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Miguel Moraes, justificou a implantação do programa em Maricá. "Mais de 15 mil ganham até um salário mínimo e mais de 70% das famílias maricaenses recebem menos que três salários mínimos. Nosso objetivo é oferecer condições mais dignas às famílias carentes", declarou o secretário, acrescentando que em março serão entregues mais três mil cartões.

O Coordenador do Instituto e presidente da Rede Brasileira de Bancos Comunitários, João Joaquim de Melo, lembrou sobre a implantação do primeiro banco comunitário, o Palmas, no Ceará, e a importância dele para a população extremamente pobre do local. "Lá, não tínhamos apoio da prefeitura nem de outro setor. Éramos miseráveis economicamente, porque comprávamos nossos produtos em outras cidades. A moeda solidária permitiu que investíssemos e fortalecêssemos o comércio local que registrou um crescimento de 40% em cerca de cinco anos", declarou o presidente. Para Joaquim, a experiência de Maricá é ainda mais positiva porque além da transferência de renda para as comunidades carentes, o Banco Palmas permite também o empréstimo ao microprodutor e ao pequeno empreendedor. "Haverá linhas de empréstimo de até R$ 15 mil para as famílias e para microempreendedores, agricultores familiares, pescadores, artesãos e pequenos comerciantes, além de produtos como seguros e cursos de capacitação É importante que a população saiba que o banco será um legado para a cidade", frisou o presidente.Para a proprietária do mercado Líder (um dos estabelecimentos que aderiram ao programa), Rita do Amparo de Oliveira, está na expectativa de aumentar suas vendas. "Esse programa é uma contribuição imensa para a população de Maricá e também para os comerciantes. A moeda Mumbuca vai fortalecer os microempresários de Maricá porque esse  dinheiro vai circular somente nona cidade", declarou a proprietária.

Beneficiárias do cartões
Luciléia Machado, de 47 anos, é moradora do bairro Saco das Flores, e recebeu das mãos do secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego, Paul Singer, o primeiro cartão entregue no Centro. Beneficiária do Bolsa Família, Luciléia tem uma renda mensal que não chega a um salário mínimo. "O dinheiro sempre falta, vai ser uma ajuda e tanto", afirmou.

Quem também recebeu seu cartão na manhã desta quinta-feira (06/02) foi Nilzete Egydia Cruz dos Santos, de 58 anos, moradora do bairro Marques. Ela é aposentada, não recebe bolsa família e vive com marido e um filho de 36 anos. "Não tenho renda fixa porque meu marido não tem salário. Só de remédio gasto mais de R$ 400 por mês. Sou diabética e hipertensa e com certeza esse benefício vai ajudar e muito nos gastos com a farmácia", declarou Nilzete.

O vice-prefeito citou também a importância do programa para erradicar a pobreza na cidade e estimular o comércio local.

O presidente da Rede Brasileira de Bancos Comunitários, João Joaquim de Melo, lembrou sobre a implantação do primeiro banco comunitário, o Palmas, no

Miguel Moraes justificou a implantação do programa em Maricá

Segundo Miguel, mais de 15 mil ganham até um salário mínimo e mais de 70% das famílias maricaenses recebem menos que três salários mínimos.

Evento contou com a presença do ícone da economia solidária, Paul Singer

Luciléia Machado recebeu o primeiro cartão entregue no Centro

Nilzete Egydia Cruz dos Santos,tem um gasto mensal de mais de R$ 400 somente com compra de remédios

Proprietária do mercado Líder, Rita de Oliveira, está na expectativa de aumentar as vendas no seu comércio

Paul Singer fez questão de acompanhar a primeira compra da maricaense

Momento da primeira compra da beneficária do cartão mumbuca

Fevereiro 7, 2014 Posted by | Ação Social, jornalismo, Maricá | , , | Deixe um comentário