Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Maricá licita o primeiro Plano de Saneamento de sua história

Texto: Marcelo Moreira | Fotos: Arquivo/Fernando Silva

Operários trabalham nas obras do Pacto pelo Saneamento, na Mumbuca.

Empresa vencedora está sendo contratada; estudos vão nortear novos investimentos

A Prefeitura de Maricá deu mais um importante passo para ampliar os investimentos em esgotamento sanitário na cidade. Pela primeira vez na história, o município terá um Plano Municipal de Saneamento, que reunirá todos os dados técnicos necessários para o planejamento de obras, a obtenção de recursos e a execução de projetos em coleta e tratamento de esgoto; abastecimento de água; drenagem de águas pluviais e destinação adequada de resíduos sólidos, entre outras soluções.

No início de dezembro, por meio de licitação, a atual administração definiu a empresa que vai elaborar o Plano Municipal de Saneamento – que será financiado integralmente com recursos próprios. A vencedora está sendo contratada e o trabalho, que vai durar 12 meses, incluirá todos os estudos técnicos, além de audiências públicas para a discussão de temas relevantes com os moradores, conforme antecipa a Coordenadora de Projetos e assessora especial de Saneamento Ambiental da Prefeitura, Luciana Andrade.

– A expectativa é que no início de janeiro a empresa já comece a trabalhar, avaliando as atuais condições estruturais e também as perspectivas de crescimento da cidade nos próximos 30 anos, para apontarem os caminhos que devemos seguir.

Ainda segundo Luciana, a elaboração do Plano de Saneamento não afetará os projetos em andamento e obras já contratadas. “É importante que se diga que a prefeitura está atenta ao futuro, mas agindo também no presente para melhorar a qualidade de vida dos maricaenses. O que o plano vai fazer é garantir condições para que a cidade obtenha ainda mais verbas”, disse.

Obras e projetos em saneamento somam R$ 206 milhões

Maricá vive a sua melhor fase quando o assunto é investimento em coleta e tratamento de esgoto. Somadas as obras em execução e as verbas previstas em projetos já licitados, a cidade concentra cerca de R$ 206 milhões. Deste montante, R$ 33 milhões do PAC 2 para o esgotamento sanitário do Centro (projeto licitado pelo Inea em novembro desse ano e previsão de início para fevereiro de 2014); R$ 60 milhões de contrapartida da Petrobras (obras em andamento com 16 Km de novas redes de coleta de esgoto, elevatória e emissário submarino com início na Barra de Maricá); e outros R$ 22,5 milhões, também do PAC 2, que estão em fase de entrega do projeto final da Prefeitura para a Caixa Econômica liberar os recursos. Além disso, R$ 113 milhões serão investidos em Inoã e Itaipuaçu.

– “As obras de contrapartida da Petrobras somam R$ 60 milhões e tiveram quase 100% da primeira etapa cumpridos, com o assentamento da rede de coleta de esgoto na região central. O próximo passo é a construção de uma elevatória em Araçatiba, que ligará a rede até Barra de Maricá, onde será instalado o emissário submarino,” detalha Luciana Andrade.

Ainda segundo Luciana, os projetos abrangem diversas regiões da cidade e uma preocupação em preservar os rios e o sistema lagunar da cidade. “Não são projetos isolados. Toda a cidade terá um salto de qualidade em coleta e tratamento de esgoto”, explica.

Anúncios

Dezembro 18, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, Obras em Maricá | | Deixe um comentário

Começam obras do Pacto pelo Saneamento em Maricá

Texto: Sérgio Renato (edição: Marcelo Moreira) | Fotos: Fernando Silva

 Operários já realizam primeiras instalações de redes de esgoto na Mumbuca, onde doze ruas serão beneficiadas

Um dos projetos mais aguardados pela população de Maricá teve início esta semana. Operários das empresas que compõem o consórcio ‘Saneando Maricá’ trabalham nas primeiras obras do "Pacto pelo Saneamento". As obras estão concentradas inicialmente na Rua Estanilal Caminha Sampaio, na Mumbuca. As equipes começaram a instalação de redes de esgotamento sanitário que chegarão a outras doze ruas do bairro e a mais seis em Araçatiba, num total de 16 quilômetros de rede.

De acordo com a Coordenadoria de Projetos da Prefeitura de Maricá, a primeira etapa dos investimentos inclui ainda a instalação de uma nova estação de tratamento de esgotos, entre a Mumbuca e o Parque Eldorado, além de quatro quilômetros de tubulação até a Barra e a ligação a um emissário submarino, que terá com a mesma extensão. O local onde a ETE será erguida ainda está sendo definido.

Os moradores do bairro estão sendo orientados pelos técnicos do consórcio a não realizarem ainda nenhuma ligação de esgoto com a nova rede. A Secretaria de Obras informou que, tão logo o trabalho de implantação das redes esteja concluído, cinco ruas da Mumbuca (Estanilal Caminha Sampaio, Antônio dos Santos Bittencourt, Maria Augusta Bittencourt, Elvira Silva e Dona Paulina) serão pavimentação.

As intervenções vão beneficiar a região do centro de Maricá e estão orçadas em R$ 60 milhões, com verbas da Petrobras e do Governo do Estado. O lançamento oficial está previsto para a próxima terça-feira (25/6) com a presença do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc.

Termo de Compromisso

A assinatura do termo de compromisso do Pacto pelo Saneamento ocorreu em março de 2012 na sede do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), no Rio, com as presenças do prefeito Washington Quaquá, do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, da presidente do Inea, Marilene Ramos, e do diretor de abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa.

Na ocasião, a Petrobras assinou um convênio de R$ 60 milhões como contrapartida à construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), que inclui o emissário de efluentes químicos do complexo, cuja rota passa pela cidade. Segundo declarou na época o secretário Carlos Minc, as exigências ambientais para o material que será transportado pelo emissário serão as mais rigorosas possíveis.

Emissário vai renovar vida marinha, garante coordenadora

O projeto prevê a implantação das redes em nove bairros do 1º distrito (Centro, São José do Imbassaí, Retiro, Itapeba, Ubatiba, Araçatiba, Barra, Jacaroá e parte de Pedra de Inoã). O esgoto receberá tratamento e será transportado até Barra de Maricá e, depois, seguirá pelo emissário submarino, num total de 238 quilômetros de redes de coleta de esgoto e ligações domiciliares. As obras devem estar prontas num prazo de aproximadamente três anos.

Segundo a coordenadora de Projetos da Prefeitura de Maricá, a bióloga Luciana Andrade, o novo emissário não irá oferecer riscos à vida marinha na região. “Ao contrário do que se pensa, onde existem emissários submarinos a vida marinha também se renova. É também onde há mais peixes, que se alimentam de parte do que sai das tubulações após o tratamento ser feito. O mar ainda é a melhor saída para sanear”, destacou Luciana.

Junho 20, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, meio ambiente | | Deixe um comentário

Maricá terá emissário submarino e nova Estação de Tratamento de Esgoto

Prefeito de Maricá Washington Quaquá, com o subsecretário estadual Antonio da Hora e os secretários municipais Jorge Castor e Celso Cabral Quaquá

Investimento de R$ 93 mi inclui também 238 km de redes de coleta

Um sonho antigo dos moradores de Maricá começa a se tornar realidade. A cidade vai receber, já a partir deste semestre, R$ 93 milhões em obras de tratamento de esgoto. A principal delas é a construção de um emissário submarino para lançar o esgoto a quatro quilômetros da costa, em Barra de Maricá.

Os investimentos foram anunciados nesta terça-feira (13/03) pelo subsecretário de Estado do Ambiente, Antônio da Hora, e pelo Prefeito Washington Quaquá, durante audiência pública realizada no Colégio Cenecista, no Centro da cidade.

Além do emissário, o município ganhará uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) em Araçatiba, 17 elevatórias e 238 km de redes de coleta em nove bairros do 1º distrito (Centro, São José do Imbassaí, Retiro, Itapeba, Ubatiba, Araçatiba, Barra, Jacaroá e parte de Pedra de Inoã).

Os recursos virão do PAC 2 (R$ 33 milhões) e da Petrobras (R$ 60 milhões), como contrapartida à construção do emissário submarino do Comperj, que passará por Maricá. Segundo Quaquá, as obras serão fundamentais para frear o despejo de esgoto nas lagoas da cidade. “Estes investimentos vão resolver os problemas de lançamento ilegal de esgoto nas lagoas. É uma questão de saúde pública”, destacou.

A ETE em Araçatiba terá capacidade para atender 70% da população. O esgoto receberá tratamento primário (com separação de dejetos sólidos e líquidos, como é feito na Barra da Tijuca) e será transportado até a Barra de Maricá, em 3,9 km de tubulação. Depois, seguirá pelo emissário submarino e será lançado no mar, a 4 km da costa. A expectativa é que as obras comecem este semestre e durem cerca de dois anos.

A construção da ETE em conjunto com o emissário fará com que Maricá tenha um esgoto melhor tratado do que, por exemplo, o de Ipanema, segundo o subsecretário estadual do Ambiente. “Em Ipanema, o esgoto é lançado a 2,5 km da costa, sem tratamento primário. Aqui o despejo será a 4 km, após passagem pela estação de tratamento”, ressaltou Antônio da Hora.

Durante o evento, o prefeito Washington Quaquá anunciou também que vai enviar à Câmara Municipal, nos próximos dois meses, uma mensagem do Executivo que autoriza o governo a conceder à inciativa privada os serviços de coleta e tratamento de esgoto nas demais regiões da cidade.

Texto: Rafael Zarôr (edição: Marcelo Moreira)
Foto: Fernando Silva

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação:

Antonio da Hora indica a região que receberá redes de coleta e tratamento de esgoto

Público lotou a quadra do Colegio Cenecista para acompanhar a audiência pública

Prefeito destacou os benefícios que a cidade terá com os investimentos em saneamento

Março 16, 2012 Posted by | COMPERJ, jornalismo, meio ambiente, Obras do PAC | | Deixe um comentário