Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Prefeito de Maricá participa da abertura de conferência na Bolívia

Texto: Marcelo Ambrosio | Fotos: Divulgação

Convidado pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, o prefeito de Maricá, Washington Quaquá, participou, na manhã desta quinta-feira (19/05), da mesa inaugural da X Conferência Hemisférica de Prefeitos em Sucre (capital constitucional do país, declarada Patrimônio Natural da Humanidade). Com o tema “Desenvolvendo capacidade e Inteligência nos governos locais para afrontar a agenda do século XXI”, o encontro é organizado pelo governo boliviano e realizado no Centro Internacional de Convenciones y Cultura, a 7 km do Centro.

Durante a abertura, o prefeito e o presidente boliviano conversaram sobre a situação do continente. “Mandei um abraço do Lula para ele e disse que o povo brasileiro vai vencer o golpe de estado e reconstruir a nação democrática e soberana que conquistamos a duras penas”, contou Washington Quaquá.

Com o auditório lotado, Quaquá fez uma palestra à tarde com o tema “Cidades Emergentes e Sustentáveis Revalorizando o Humano”, onde relatou aos prefeitos e representantes de várias cidades da Bolívia e da América do Sul a experiência bem sucedida de Maricá quanto a políticas públicas de inserção social, valorização ambiental e desenvolvimento econômico sustentável. “Vim à Bolívia mostrar a experiência de um governo local transformador que realizamos nos últimos sete anos em Maricá”, destacou o prefeito, que estava acompanhado do secretário municipal executivo de Infraestrutura, Fernando Rodovalho.

Prefeito de Maricá Washington Quaquá na mesa de abertura da X Congresso Latino-americano de Cidades e Governos Locais, com o presidente da Bolívia, Evo Morales

Anúncios

Maio 19, 2016 Posted by | jornalismo, Maricá, Política Nacional e Internacional | , | Deixe um comentário

Atos em defesa da democracia mobilizam milhares de pessoas em todo o país

Largo da Carioca, centro do Rio, tomado por pessoas de todas as tribos, partidos e classes sociais. Nosso mandato marcou presenca pra dizer (foto mídia Ninja) No Rio de Janeiro, aproximadamente 50 mil manifestantes ocuparam o Largo da Carioca, na capital fluminense. O cantor Chico Buarque foi um dos artistas que participou do ato pela democracia no Rio. Junto aos milhares de manifestantes, ele cantou a música "Admirável Gado Novo".

Chico Buarque no Largo da Carioca contra o golpe 

Chico Buarque no ato contra o golpe do Largo da Carioca O cantor e compositor Chico Buarque participou do Ato pela Democracia, no Largo da Carioca, no centro do Rio, e repetiu para a multidão que “não vai ter golpe”. Chico chegou ao palco por volta das 19h30 desta quinta-feira (31), sendo ovacionado por gritos de “Chico, guerreiro do povo brasileiro”.

“Eu vim aqui dar um abraço nas pessoas das mais variadas tribos, das mais variadas convicções políticas. Gente que votou no PT, gente que não gosta do PT, gente que foi do PT, que se desiludiu com o partido, gente que votou na Dilma, mas sobretudo, gente que não pode por em dúvida a integridade da presidente Dilma Rousseff.”

Chico continuou sua fala dizendo que estavam todos unidos na defesa intransigente da democracia. “Eu vejo gente aqui na praça, da minha geração, que viveu o 31 de março de 1964. Mas vejo sobretudo a imensa juventude que não era então nem nascida, mas que conhece a história do Brasil.”

Por fim, o cantor e compositor agradeceu a todos e repetiu que não haverá golpe: “Eu quero aqui agradecer a vocês que me animam a acreditar que não, de novo não, não vai ter golpe”. Em seguida, Chico deixou o palco e o ato, sendo muito festejado pelos presentes.

Quaquá fala no ato contra o golpe no Largo da Carioca 31.03.2016 Presidente do PT RJ, Washington Quaquá e a Deputada Estadual Rosangela Zeidan também participaram do Ato pela Democracia, no Largo da Carioca

Discurso de Quaquá no ato contra o golpe Largo da Carioca Presidente do PT do Rio de Janeiro Washington Quaquá,  “Hoje lavamos a nossa alma de democracia e resistência popular no Largo da Carioca, Rio de Janeiro. Com uma certeza de que NÃO VAI TER GOLPE!

Fora Cunha e Temer! Vocês não vão roubar a faixa presidencial.

Agora é o povo nas ruas construindo uma nova esquerda popular, mais criativa, militante, rebelde!”

Quaquá e Zeidan no palco do ato do Largo do Machado contra o golpe 31.03.2016 Deputada Estadual (PT) Rosangela Zeidan comentou em sua página pessoal: Largo da Carioca, Centro do Rio, tomado por pessoas de todas as tribos, partidos e classes sociais. Nosso mandato marcou presença pra dizer‪#‎NaoVaiTerGolpe‬ 

Quaquá no Largo da Carioca contra o golpeAto no Largo da Carioca 2Ato no Largo da Carioca 3Ato no Largo da Carioca foto Paulo PolonioLindberg, Zeidan, Wadih no ato contra o golpe Largo da CariocaLurian no ato do Largo da Carioca

A mobilização foi convocada pelas Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo; em São Paulo, ato na Praça da Sé reuniu 60 mil manifestantes

Milhares de pessoas participaram da Jornada Nacional em Defesa da Democracia nesta quinta-feira (31) em diversas cidades brasileiras. Os atos foram organizados pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo, com o objetivo de defender a democracia contra o golpe e de lutar por uma outra política econômica.

A manifestação fez parte de um conjunto de ações unitárias convocadas pela Frente Brasil Popular epela Frente Povo Sem Medo em todo o país. Foto: José Eduardo Bernardes / Brasil de Fato.

Além dos atos nacionais, brasileiros que moram em outras partes do mundo também se manifestam contra a tentativa de golpe em curso no Brasil. Foram registrados atos em Bogotá (Colômbia), Paris (França), Munique (Alemanha), Copenhagen (Dinamarca), Coimbra (Portugal) e Barcelona (Espanha).

São Paulo

O ato desta quinta-feira (31) reuniu cerca de 60 mil pessoas na Praça da Sé, no Centro da cidade. Bandeiras foram hasteadas na praça, local simbólico por ter sido palco das lutas do movimento Diretas Já, que exigiu eleições presidenciais no Brasil entre 1983 e 1984. Entre as baterias que entoavam palavras de ordem contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o juiz Sergio Moro, os manifestantes denunciaram a tentativa de golpe em curso no país, com o pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Com os últimos desdobramentos da política, como a saída do PMDB da base do Governo, a confiança de muitos ali reunidos era de uma guinada do Governo à esquerda. Esse era o sentimento do casal Arlete, 65, dona de casa; e Paulo Brota, 71, bancário aposentado. "Ela [Dilma] não conseguia mais governar, acho que agora vai melhorar", disse Brota.

Eles lembraram do regime militar que há exatos 52 anos – no dia 31 de março de 1964 – se iniciava. "Em 1964, eu era bancário em Minas Gerais e posso dizer que o clima era bem parecido, este sentimento anticomunista, por exemplo", disse. No entanto, ele diferencia os dois momentos por causa das grandes mobilizações de rua que acontecem atualmente contra o impeachment. "Isso eu já não vi na época. Com certeza, 2016 não é igual", argumentou. "Se realmente haver um golpe, também haverá muita resistência", completa Arlete.

A atriz do Grupo 59 de Teatro, Nilceia Maria Vicente, 37, afirma que saiu de casa contra uma articulação que, na sua visão, privará muitos direitos sociais futuramente. Ela, que declarou voto em Dilma no segundo turno das últimas eleições, afirmou que não está satisfeita com a presidente, mas que a questão "extrapolou os limites de ser partidária". "A gente entende que, ela permanecendo, os nossos direitos vão estar garantidos”, declarou.

Passada essa turbulência, diz Nilceia, a presidenta deveria liderar um processo de reforma política no país. “A gente está aqui brigando por ela e ela precisa estar lá brigando por nós também”, disse.

Confira como foi a cobertura em tempo real em diversas cidades do país e do mundo.

Cerca de 200 mil pessoas participaram do ato em Brasília (DF).

Foto: Rafael Tatemoto / Brasil de Fato.

Juventude

Assim como na última manifestação, a participação de jovens foi visível. Os amigos Pedro, 14; Lucas, 15 e André, 15, compareceram sozinhos de bairros nobres da Zona Oeste. "Minha mãe acha muito errado. Ela xinga o [ex-presidente Luiz Inácio] Lula pela TV (…), mas [diz que] ele ajudou muita gente", contou Pedro. "Somos contra a Rede Globo, que manipula e é totalmente partidária", pontuou André. "A gente é a favor da diminuição das desigualdades, mas muita gente é contra", afirmou Lucas.

Já a estudante de pedagogia Barbara, 22, disse que a vontade de sair às ruas em defesa da democracia vem de família. "Meus avós lutaram contra a ditadura e minha mãe soube que estava grávida de mim logo após uma manifestação contra a privatização do Banespa, onde ela levou borrachada da polícia", contou.

Ela afirmou que, por mais que ainda não concorde com muitas medidas tomadas pelo Governo, estava ali por defesa de um projeto político que, segundo ela, retrocederia muito em caso de destituição da presidente. Além disso, Barbara disse ter ficado assustada com o avanço de discursos de ódio contra o Partido dos Trabalhadores (PT), inclusive propagado por seus alunos de apenas sete anos. "Tenho amigo que apanhou por estar vestindo vermelho, alguns professores que deixaram de falar comigo por eu não ter vestido vermelho, a situação tá muito complicada", disse.

Já quase no final do ato, o Grupo Angola Sim Senhô fez uma roda de capoeira contra o golpe. "O mestre apresentou suas convicções políticas e quem concordava veio se expressar contra o golpe", explica Livia, integrante do grupo. Cerca de 20 capoeiristas compareceram e cantaram em tom de ironia: "não, não, não, não vai ter golpe…. Só de capoeira!".

Pelo país

Mais de 700 mil pessoas em mais de de 100 municípios, em 26 estados e no Distrito Federal, também participaram da Jornada Nacional em Defesa da Democracia nesta quinta-feira (31).

 Manifestantes também saíram às ruas de Washington, D.C., para protestar contra o golpe e defender a democracia brasileira. Foto: Reprodução.

A maior manifestação aconteceu em Brasília (DF), com 200 mil participantes. O ato se concentrou em frente ao estádio Mané Garrincha e seguiu até o Congresso Nacional. Mais de 750 ônibus de todos os estados brasileiros foram à capital federal.Além dos atos nacionais, brasileiros que moram em outras partes do mundo também se manifestam contra a tentativa de golpe em curso no Brasil. Já foram registrados atos em Bogotá (Colômbia), Paris (França), Munique (Alemanha), Copenhagen (Dinamarca), Coimbra (Portugal) e Barcelona (Espanha).

Confira as ações por estado:

AL

Cinco mil pessoas estiveram no ato em Maceió, onde foi preparado um grande cortejo artístico e cultural para defender a democracia, contando com a diversidade popular da região. Movimentos populares do campo e da cidade, partidos, artistas e intelectuais cantam a uma só voz a defesa do estado democrático de direito.

BA

A marcha pelo centro de Salvador começou na Piedade e seguiu até o Campo da Pólvora com a participação de mais de 30 mil pessoas.

Cidades do interior também se organizaram. Araci, de 50 mil habitantes, reuniu cerca de 500 pessoas e, em Feira de Santana, no recôncavo baiano, mais de 3 mil trabalhadores se concentraram na Praça do Nordestino saíram em marcha pelo centro da cidade na parte da tarde.

CE

Em Fortaleza, cerca de 50 mil pessoas participaram do ato, que começou na Praça da Bandeira e seguiu até o Dragão do Mar.

GO

Em Goiânia, cerca de 2 mil pessoas participaram do ato, que se concentrou na Praça Cívica.

MA

Na capital, São Luís, a organização divulgou que mil pessoas participaram do ato. Já no município de Imperatriz, a estimativa é de que 500 pessoas manifestaram seu apoio à democracia na Praça de Fátima.

MG

Em Belo Horizonte, o ato reuniu cerca de 40 mil na Praça da Estação. A população de outras cidades, como Juiz de Fora, Montes Claros, Poços de Caldas, São Lourenço e Varginha também participaram da manifestação.

MT

Em Cuiabá, o palco das manifestações contra o golpe foi a a Praça Alencastro, ocupada por cerca de 400 pessoas contra o processo de impeachment.

PA

A concentração do ato em Belém começou às 16h na Praça da Leitura e, até o final da noite, reuniu aproximadamente 30 mil pessoas.

PE

O Ato pela Democracia reuniu 40 mil em Recife durante a tarde desta quinta. No agreste pernambucano, movimentos populares, sindicatos e militantes sociais também realizaram uma mobilização contra o golpe.

Na cidade de Garanhuns, por exemplo, trabalhadores do MST e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape) e integrantes da Frente Brasil Popular marcharam nesta manhã pelas ruas da cidade, no agreste pernambucano. As cidade de Floresta e Ouricuri também foram palco de mobilizações na manhã desta quinta.

PB

Pela tarde, um ato aconteceu em João Pessoa e reuniu cerca de 10 mil. Em Campina Grande, cerca 15 mil pessoas participaram no centro da cidade.

Na cidade paraibana de Cajazeiras, o ato convocado pela Frente Brasil Popular levou cerca de 1,2 mil pessoas às ruas contra o golpe na manhã de hoje. Participam da mobilização representantes de 12 municípios do alto sertão paraibano.

PI

Em Teresina, o ato começou com um "bandeiraço" no cruzamento da avenida Frei Serafim com a avenida Coelho de Rezende.  Em seguida, houve uma vigília na escadaria da igreja São Benedito, com a participação de 1000 pessoas.

PR

No Paraná, os maiores atos foram em Curitiba e Cascavel, com cinco mil manifestantes cada. Outras cidades também registraram manifestações contra o golpe: Londrina, com mais de mil pessoas nas ruas, e  Quedas do Iguaçu, pelo menos 2 mil pessoas se posicionando contra o impeachment da presidenta da República.

Pela manhã na capital paranaense, a fachada do Instituto GRPCOM, pertencente à RPC (afiliada da Rede Globo no Paraná), amanheceu pichada com referências aos 52 anos do golpe militar, que se completa nesta quarta.

RN

Na capital, a organização estima que pelo 20 mil pessoas participaram do ato, que se concentrou na frente do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). Em Mossoró, 3,5 mil trabalhadores participam de manifestação pela democracia.

RO

Pelo menos mil pessoas se reuniram em frente à praça Matriz em Ji-Paraná para se manifestar pela democracia no final da tarde desta quinta. Na capital Porto Velho, a estimativa da organização foi de 100 pessoas.

RR

Os atos se concentraram na Praça do Centro Cívico, na capital Boa Vista. A organização contabilizou 700 participantes.

RS

Somente em Porto Alegre, cerca de 70 mil pessoas protestaram desde a "esquina democrática" até o  Largo Zumbi dos Palmares, no bairro da Cidade Baixa. No interior, cerca de 30 mil pessoas se mobilizaram em 20 municípios, totalizando mais de 100 mil participantes em todo o estado.

SC

A maior marcha do Estado foi na capital Florianópolis, com cerca de 3000 participantes. Eles saíram do Terminal de ônibus do centro e circularam pela cidade.

SP

Além da capital paulista, o ato também aconteceu no interior do Estado, como Campinas, Pindamonhagaba, Ribeirão Pires e São Carlos.

SE

Em Aracaju, a manifestação teve dois momentos. Às 15h, a atividade começou na Praça General Valadão, com um ato político para a concentração da marcha até a Orla do bairro industrial. No destino da caminhada, por volta das 19h, começaram intervenções artísticas sob o nome "Artistas pela Democracia".

TO

Em Palmas, 600 pessoas participaram das manifestações pela democracia.

Fonte Brasil De Fato *Colaborou Gisele Brito

Abril 1, 2016 Posted by | jornalismo, política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Chico Buarque: Ninguém pode questionar a integridade de Dilma

O cantor Chico Buarque participou, nesta quinta (31), do ato em favor da democracia, que ocorre no Rio de Janeiro; em sua fala, o artista disse que "ninguém pode por em dúvida a integridade da presidente Dilma Rousseff"; "Estamos todos aqui unidos em defesa da democracia. Pelo apreço da democracia, em defesa intransigente da democracia", disse; Chico destacou que estão presentes no ato pessoas que votaram e não votaram no PT, mas que como ele defendem a democracia; ele também lembrou ter vivido o 31 de março de 1964 e agradeceu o apoio de quem não quer reviver aquele momento e puxou o grito: "Não vai ter golpe"

Chico Buarque no Largo da Carioca contra o golpeChico Buarque no ato contra o golpe do Largo da Carioca

O cantor e compositor Chico Buarque participou do Ato pela Democracia, no Largo da Carioca, no centro do Rio, e repetiu para a multidão que “não vai ter golpe”. Chico chegou ao palco por volta das 19h30 desta quinta-feira (31), sendo ovacionado por gritos de “Chico, guerreiro do povo brasileiro”.

“Eu vim aqui dar um abraço nas pessoas das mais variadas tribos, das mais variadas convicções políticas. Gente que votou no PT, gente que não gosta do PT, gente que foi do PT, que se desiludiu com o partido, gente que votou na Dilma, mas sobretudo, gente que não pode por em dúvida a integridade da presidente Dilma Rousseff.”

Chico continuou sua fala dizendo que estavam todos unidos na defesa intransigente da democracia. “Eu vejo gente aqui na praça, da minha geração, que viveu o 31 de março de 1964. Mas vejo sobretudo a imensa juventude que não era então nem nascida, mas que conhece a história do Brasil.”

Por fim, o cantor e compositor agradeceu a todos e repetiu que não haverá golpe: “Eu quero aqui agradecer a vocês que me animam a acreditar que não, de novo não, não vai ter golpe”. Em seguida, Chico deixou o palco e o ato, sendo muito festejado pelos presentes.

Presidente do PT RJ, Washington Quaquá e a Deputada Estadual Rosangela Zeidan também participaram do Ato pela Democracia, no Largo da Carioca

Quaquá fala no ato contra o golpe no Largo da Carioca 31.03.2016 Discurso de Quaquá no ato contra o golpe Largo da Carioca Presidente do PT do Rio de Janeiro Washington Quaquá,  “Hoje lavamos a nossa alma de democracia e resistência popular no Largo da Carioca, Rio de Janeiro. Com uma certeza de que NÃO VAI TER GOLPE!

Fora Cunha e Temer! Vocês não vão roubar a faixa presidencial.

Agora é o povo nas ruas construindo uma nova esquerda popular, demais criativa, militante, rebelde!”

Quaquá e Zeidan no palco do ato do Largo do Machado contra o golpe 31.03.2016Deputada Estadual (PT) Rosangela Zeidan comentou em sua página pessoal: Largo da Carioca, Centro do Rio, tomado por pessoas de todas as tribos, partidos e classes sociais. Nosso mandato marcou presença pra dizer ‪#‎NaoVaiTerGolpe‬

Abril 1, 2016 Posted by | jornalismo, política, PT | , , , , , | Deixe um comentário

Quaquá leva seu apoio a Lula

O presidente Regional do PT RJ, Washington Quaquá, acompanhado da Deputada Estadual Zeidan (PT), do Deputado Federal licenciado Fabiano Horta, e de Lurian Silva, foram recebidos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante um café, eles tiveram a oportunidade de reafirmar o apoio político e externar a indignação com os últimos acontecimentos.

Em sua página pessoal no Facebook, Quaquá escreveu:  

“Estivemos ontem em um café com nosso líder maior, o presidente Lula.

O maior líder popular da história do país, o homem que mudou para melhor a vida de milhões de Brasileiros, acabando com a fome no Brasil.

O que estão fazendo contra o Lula aos 70 anos de idade e uma covardia e uma maldade! Tanta manipulação, tanta mentira, tanto complô contra este homem do povo que mudou a vida dos brasileiros!

Seguimos com Lula pro que der e vier, no sol e na tempestade, como deve ser entre companheiros e gente de caráter!

Viva Lula! Guerreiro do povo brasileiro!

Foto de Washington Siqueira. Ex – Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Regional do PT RJ, Washington Quaquá

  Ex – presidente Lula, com sua filha Lurian Silva (dir da foto) acompanhados do Deputado Federal Fabiano Horta, da Deputada Estadual Rosangela Zeidan, (esq.), e do Presidente Regional do PT RJ, Washington Quaquá

Março 11, 2016 Posted by | jornalismo, política, PT, PT RJ | , , , , , , | Deixe um comentário

Todos os limites foram ultrapassados! afirma o presidente do PT RJ

Com a palavra Washington Quaquá
Presidente do PT RJ.

“Hoje foi escrita uma triste página na história do Brasil. Não foi apenas Lula que sofreu um sequestro policial e exposto à execração pública. A democracia brasileira foi quebrada! É algo quando se quebra, mesmo se houver tentativa de colar, não voltará nunca ao estado normal.

Já há algum tempo que as forças reacionárias comandadas pelos poucos milionários da sociedade brasileira, em conluio com forças e interesses estrangeiros, de olho no nosso petróleo, nas nossas riquezas e na manutenção das carências de nosso povo, deixaram de apostar na violência das armas, como fizeram em 1964 e passaram a usar as suas redes de concessão pública de TV, transformadas em impérios de comunicação, associadas aos extratos serviçais da pequena burguesia encastelados no judiciário, no Ministério Público e na polícia federal para fazer o serviço outrora realizar pelos tanques e baionetas.

O sequestro policial realizado hoje por este novo partido político reacionário, contra o Presidente Lula, e o ápice de um trabalho político que eles planejaram e vem executando com sucesso. O objetivo é quebrar a economia nacional, reverter os ganhos populares da era Lula, entregar o Pré Sal e as riquezas brasileiras aos americanos.

Não toleram o PRESIDENTE LULA, porque não se conformam que 36 milhões de brasileiros tenham ascendido socialmente; que mais de 25 milhões de pessoas tenham
Saído da fome e da miséria; que os filhos de pedreiros e empregadas domésticas sentem nós mesmos bancos das universidades públicas que antes era reservado a seus filhos ricos exclusivamente; não se sentem confortáveis com aeroportos cheios de gente do povo, negros, nordestinos, trabalhadores…

Hoje eles rasgaram uma página da democracia e impuseram a esquerda, aos movimentos sociais e as forças populares organizadas uma nova dinâmica para a luta de classes. Tiram um pé nosso da institucionalidade. Estão nos empurrando para fora do pacto democrático formal. Vamos ter cada vez mais que denunciar o caráter autoritário do regime pseudo democrático que se está estabelecendo. E construir nas ruas, favelas, fábricas, ocupações urbanas e rurais, escolas, universidades e em todos os espaços de luta popular, nossa ação direta por novas reformas verdadeiramente populares e democráticas. Vamos organizar as maiorias populares para essa nova etapa dura, longa é essencial da luta política do povo Brasileiro!

Estamos com Lula! Se querem prendê-lo, terão então motivo para prender muitos milhares de brasileiros que não vão deixar isso barato! Terão a resposta à altura da feitiçaria que estão criando!

Vamos todos a luta e a ação direta em defesa do Lula e de um Brasil cada vez mais para os Brasileiros, como ele sempre lutou!

Injustiça com Lula, NÃO!

Mexeu com ele, Mexeu com Milhões de Brasileiros!”

Março 4, 2016 Posted by | jornalismo, política, PT, PT RJ | , , , | Deixe um comentário

Prefeitura de Maricá abre frentes de trabalho para escoar água de bairros que continuam alagados no município

O Município de Maricá, com Estado de Calamidade Pública decretado, hoje quinta-feira, 03.02.2016, no terceiro dia, após a tragédia provocada pelas chuvas, permanece com muitos bairros ainda alagados.

O Prefeito de Maricá, Washington Quaquá, informou que a prefeitura continua incansável realizando um trabalho solitário, apenas utilizando máquinas e equipes do município, relatou ele que foram abertas três diferentes frentes de trabalho para escoar as águas, são elas:

1- Abertura do Canal da Costa no Recanto de Itaipuaçu;

2- Abertura do canal que margeia o Condomínio do Minha Casa Minha Vida de Itaipuaçu;

3- Abertura da Barra de Maricá;

O Prefeito de Maricá, desabafou em sua página no Facebook:

“ É esse trabalho solitário da PREFEITURA que está fazendo as águas baixarem! O Governo do Estado não enviou nenhuma máquina pra ajudar! Ficam tentando usar politicamente a tragédia e o sofrimento de nossa cidade!

Se eles tivessem permitido que a prefeitura fizesse esse trabalho há 3 meses atrás, essa tragédia seria evitada. Poderia ter alguma enchente mas muito menor e sem tantos prejuízos! Vou mais uma vez publicar a proibição que esses cidadãos impuseram a prefeitura! Não fizeram o trabalho deles e nos proibiram de fazer!

Agora vem pra TV mentir é fazer politicagem! Estou indignado!”

Mas continuamos trabalhando!

documento do Inea_thumb[1]

Foto de Washington Siqueira.

Foto de Washington Siqueira.

Foto de Washington Siqueira.

Foto de Washington Siqueira.

Março 3, 2016 Posted by | jornalismo, Maricá | , , , , , | Deixe um comentário

“Estamos aqui na guerra para abrir a Barra” diz Prefeito de Maricá no terceiro dia de enchente

Prefeito Washington Quaquá, está muito preocupado com a situação de Maricá, no terceiro dia com parte do município ainda alagada e mais previsão de chuvas, deu início logo cedo nos trabalhos de abertura da Barra de Maricá

Em sua página no facebook, logo no amanhecer, desta quinta-feira, 03.02, ele escreveu:

Prefeito de Maricá Washington Quaquá acompanhando abertura do Canal da Barra de Maricá 03,03 “Estamos aqui na guerra para abrir a Barra”.Ontem abrimos o canal no Recanto de Itaipuacu, ajudando a drenar as águas do MCMV e da região do Recanto 3 e toda Itaipuacu. Água também saindo por Ponta Negra. Mas estamos aqui fazendo o que iniciamos há 1 mês atrás e fomos impedidos pelo INEA e Governo do Estado. Também assegurando o canal aberto para escoar o que temos na lagoa e a possibilidade de novas chuvas.

Reabertura da Barra de Maricá 03.03.2016


Março 3, 2016 Posted by | jornalismo, Maricá | , , , , , | Deixe um comentário

Presidente Dilma e prefeito Quaquá entregam 2,9 mil unidades habitacionais do Conjunto Minha Casa, Minha Vida em Maricá

Presidenta entregou apartamentos em dois residenciais em Maricá (RJ) nesta sexta-feira (31). Os residenciais Carlos Marighella e Carlos Alberto Soares, são os primeiros do programa para famílias de baixa renda em Maricá

A sexta-feira (31/07) ficará na história de Maricá. A presidente da República veio ao município, Dilma Rousseff participou, ao lado do prefeito Washington Quaquá, da primeira dama e Deputada Estadual Rosangela Zeidan, do governador Luiz Fernando Pezão, do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, da presidenta da CAIXA, Miriam Belchior, e demais autoridades, da entrega de 2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Itaipuaçu. A cerimônia, realizada no Condomínio Carlos Marighella, reuniu em torno de 18 mil pessoas, entre convidados, beneficiados – em torno de 11 mil pessoas – e moradores da região. Bem humorada, a presidente e sua comitiva desembarcaram de helicóptero em uma área no fundo do condomínio por volta de 11h da manhã e de lá seguiram para o local da festa.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (146)Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (136) O prefeito Washington Quaquá e a primeira-dama e deputada estadual Rosângela Zeidan a recepcionaram e a acompanharam em uma visita a um dos apartamentos do condomínio, formado de blocos de dois andares com oito apartamentos cada.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (161)A presidenta Dilma Rousseff teve uma dia feliz, ela foi recebida com carinho por milhares de pessoas e se sentiu em casa aos gritos de "olê, olê, olê, olá, Dilma, Dilma".

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT) preparou uma surpresa para a presidenta, batizando os conjuntos habitacionais com nomes de dois de seus ex-companheiros na luta contra a ditadura militar: Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, (1.460 unidades) e Carlos Marighella (1.472 unidades).

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (178)O prefeito lembrou que a luta pela inclusão dos menos favorecidos e por direitos iguais foi iniciada na década de 1960 por Carlos Marighella e Carlos Alberto Soares de Freitas, líderes e militantes que enfrentaram a ditadura militar. “Hoje é um dia histórico com a realização do sonho de três mil pessoas, mas é certo honrar o passado e por aqueles que lutaram por nós e pela inclusão do povo”, destacou Quaquá, que completou: “Dilma lutou pela erradicação da fome e é uma grande parceria do desenvolvimento de Maricá. Nossos governos incluíram povo na festa da democracia e hoje a presidenta entregas as chaves a esta famílias”, afirmou o prefeito e anfitrião da festa.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (179) “Quem é contra a presidenta são as mesmas pessoas que gostavam do povo vivendo na senzala. Hoje o povo tem casa, tem acesso à universidade pública, anda de avião. Na época deles, era preciso fazer campanha Natal Sem Fome porque o povo passava fome. Em treze anos nós erradicamos a fome neste país”, completou Quaquá.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (184) De acordo com o Ministério das Cidades, desde a criação do programa, em 2009, 2,3 milhões de moradias foram entregues, e 1,5 milhão de residências estão em construção. Na terceira etapa do programa, a meta é contratar mais 3 milhões de unidades habitacionais até 2018. “Nosso país fica melhor e a democracia fica mais forte quando se garante oportunidade para as pessoas; por isso, o governo está comprometido com este programa.”

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (226) O governador Luiz Fernando Pezão elogiou o programa federal e citou os equipamentos públicos que serão instalados pela Prefeitura ao lado dos condomínios, entre os quais creche, escola, posto da Guarda Municipal e um CRAS. “O apoio do município com essas atividades sociais é tudo que essas pessoas precisam, é uma bela parceria”, afirmou o governador. “Este é o melhor programa que existe. Antes muitas famílias nem tinham acesso ao crédito e agora pagarão R$ 50 por sua casa", completou Pezão.

Dilma Rousseffe Quaquá, entregam  2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Maricá (108)Dilma Rousseffe Quaquá, entregam  2.932 unidades do programa “Minha Casa Minha Vida” em Maricá (111) 

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (263)Dilma elogiou a escolha dos nomes dos condomínios, batizados em homenagem a dois brasileiros que brigaram pelo fim da ditadura instalada no Brasil depois de 1964 e que vigorou até 1985. Emocionada, a presidenta agradeceu a surpresa feita por Quaquá, ao moradores de Maricá pela recepção calorosa e lembrou que Marighella “não era só lutador, mas uma grande pessoa humana”. Sobre Beto, seu amigo particular, Dilma, emocionada, disse que o ex-guerrilheiro foi “um irmão na juventude”.

“Lutamos juntos, queríamos um país em que as pessoas tivessem voz, vez, e sobretudo tivessem sua casa própria. Por isso me sinto mais que honrada, me sinto emocionada. Estar aqui toca lá no fundo do meu coração, porque me faz lembrar de toda a minha juventude”, disse a presidenta.

Presidente Dilma Rousseff ao lado do prefeito Washington Quaquá, entrega chaves de 2,9 mil unidades habitacionais do ´Programa Minha Casa, Minha Vida em Maricá (252) Acompanhada do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, e da presidenta da CAIXA, Miriam Belchior, a presidenta Dilma Rousseff garantiu, também, a continuidade do programa habitacional que é uma das marcas de seu governo e afirmou que o “Minha Casa, Minha Vida” é fundamental não apenas para as famílias beneficiadas, mas para o país voltar a crescer.

"Ficam falando assim: ‘estamos passando algumas dificuldades econômicas, o programa vai acabar’. Vou explicar para vocês por que não vai: primeiro porque é importante para o povo brasileiro, para aquela parte que não tinha oportunidades, para quem ninguém olhou. Mas não vai acabar também por outro motivo: porque, além de a gente construir casa, a gente cria emprego. Quando você vai fazer uma casa, precisa de tijolo, areia, cimento, alumínio. Cada uma dessas partes também contratou pessoas, criou empregos, pagou salários, gerou renda e fez a roda girar, a roda da economia girar", observou Dilma.

A presidenta pediu que os moradores cuidassem dos condomínios e de suas unidades habitacionais. "Não estamos falando de concreto ou alumínio, estamos falando de vida melhor. Quem constrói as condições de moradia são as pessoas que vivem nela. Cuidem bem."

Apartamentos

As 2.932 unidades habitacionais devem beneficiar cerca de 12 mil pessoas, de acordo com o Ministério das Cidades. Cada apartamento tem área privativa de cerca de 45 metros quadrados, com dois quartos, sala, banheiro, cozinha e área de serviço, com piso cerâmico em todos os ambientes.

Os empreendimentos receberam R$ 195 milhões do governo federal e têm área de lazer, centro comunitário, quiosque, parque infantil e quadra poliesportiva. Noventa apartamentos, 45 em cada residencial, estão adaptados para pessoas com deficiência.

A trabalhadora doméstica Maria Aurineide de Souza, de 53 anos, morava de favor há 13 anos em Maricá, desde que chegou do Recife. Ela tomava conta da casa de veraneio de uma família e agora comemora o fato de ter uma residência própria. "Vou poder receber amigos, receber minha família do Recife. Antes não dava", conta ela, que será vizinha da filha, contemplada com outro apartamento para morar com o marido e o filho. "Vou ajudar a cuidar do meu netinho", disse Maria Aurineide.

Já Sônia Costa, de 33 anos, morava na casa do irmão. Com o apartamento próprio, ela destaca a importância de deixar um patrimônio para o filho. "Estou muito feliz em saber que vou deixar uma casa. Tudo é para ele."

Nas fotos, você acompanha momentos que entram para a história de Maricá

Agosto 7, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, moradia | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Cidade de Maricá vai participar do Projeto Orla do governo federal

Texto: Leandra Costa (edição: Gisele Paiva) | Fotos: Fernando Silva

Cidade de Maricá vai participar do Projeto Orla do governo federal

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá, ratificou na quarta-feira (01/04) o interesse em participar do Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima (Projeto Orla), que busca o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União, aproximando as políticas ambiental e patrimonial, com ampla articulação entre as três esferas de governo e a sociedade.

O assunto foi tema do encontro, no Paço Municipal, entre o chefe do executivo, o vice-prefeito, Marcos Ribeiro; o superintendente da Secretaria do Patrimônio da União, Eduardo Moraes; o chefe de Gerenciamento Costeiro do Instituto Estadual de Ambiente (INEA), Ricardo Augusto Voivodic; e diversos secretários municipais.

Desenvolvida pela Secretaria do Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro, vinculada ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a iniciativa tem como objetivo principal preservar a função socioambiental da orla e o livre acesso à praia. Para o prefeito, o projeto vai ao encontro da segunda fase de seu governo pautada em ações de estímulo ao turismo.

“A orla é o cordão de pérola da nossa cidade que, por muitos anos, ficou esquecida. Nessa nova etapa do governo, estamos investindo em estratégias que alavancam o potencial turístico do município, como o teleférico e os recifes artificias. Esse projeto vai permitir planejar as ações futuras de forma integrada e sustentável”, afirmou. O prefeito ainda destacou a proposta municipal de urbanizar 15 km da orla até 2016, cujos principais pontos são Itaipuaçu, Barra de Maricá, Ponta Negra, Jaconé. 

O superintendente da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Eduardo Moraes, explicou o funcionamento do Projeto Orla. “A iniciativa surge como uma ação inovadora no âmbito do governo federal, conduzida pelo Ministério do Meio Ambiente e pela Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, buscando implementar uma política nacional que harmonize e articule as práticas patrimoniais e ambientais com o planejamento de uso e ocupação desse espaço que constitui a sustentação natural e econômica da Zona Costeira. Funciona de forma semelhante a um plano diretor que estabelece diretrizes que devem ser seguidas em conjunto pela União, Estado e município”.

Ainda de acordo com o superintendente, o projeto permite planejar ações para captação de recursos junto a órgãos governamentais e instituições financeiras. “O projeto abre as portas para viabilizar propostas de financiamento para urbanização, pavimentação e embelezamento da orla da cidade com foco no desenvolvimento sustentável do espaço marítimo e a possibilidade de receber a cessão da orla, por parte da SPU”, declarou o superintendente. 

Segundo ele, em maio, Campos dos Goitacazes será a primeira cidade no Estado do Rio de Janeiro a ter o projeto implantado completamente. A previsão para conclusão do projeto em Maricá é de seis a nove meses.

O chefe de Gerenciamento Costeiro do INEA, Ricardo Augusto Voivodic, ressaltou a importância do projeto que está em conformidade com as normas legais do artigo 32, do decreto 5.300/2004, que estabelece que é de competência do poder municipal elaborar e executar o Plano de Intervenção da Orla Marítima.

“A adesão do município ao projeto é estratégica porque ele se faz, impreterivelmente, de modo participativo com representantes da sociedade, instituições e órgãos interessados, estabelecendo os preceitos da sustentabilidade do espaço marinho”, destacou Ricardo que trabalha com o projeto desde 2002.

A coordenadora do Projeto Orla no Estado do Rio de Janeiro, Maria Rosa Esteves, apresentou a fundamentação legal da iniciativa, como a  Lei nº 7.661/88 (que institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro), Lei nº 9.636/98 (que dispõe sobre a regularização, administração, aforamento e alienação de bens imóveis de domínio da União), Decreto-Lei nº 2.398/87 (que institui foros, laudêmios e taxas), Lei nº 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais), Lei nº 10.257/20501 (Estatuto das Cidades) e o Decreto nº 5.300/04 (que regulamenta a Lei nº 7.661/88 e dispõe sobre regras de uso e ocupação da zona costeira e estabelece critérios de gestão da orla marítima).

Segundo a coordenadora, o projeto fortalece a capacidade de atuação e articulação de diferentes atores do setor público e privado na gestão integrada da orla e estimula a prática de atividades socioeconômicas compatíveis com o desenvolvimento sustentável.​

Projeto busca busca o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União

A iniciativa tem como objetivo principal preservar a função socioambiental da orla e o livre acesso à praia

Abril 9, 2015 Posted by | Arquitetura e Urbanismo, Maricá, Urbanização | , , | Deixe um comentário

Sucesso de políticas sociais de Maricá é tema de encontro entre Quaquá e Pedro Paulo

Fotos e textos divulgação

“Maricá, definitivamente virou exemplo de bom governo para o Brasil e todo o mundo. Recebemos no dia 06/04/2015, a visita do Pedro Paulo Deputado Federal e pré-candidato a prefeito da capital do Estado do Rio de Janeiro, em nossa amada cidade. Nesta oportunidade, o deputado Pedro Paulo conheceu a implantação do projeto de desenvolvimento econômico e social que esta transformando a vida de milhares maricaenses. E em especial, conheceu na prática o ônibus gratuito da EPT e uma experiência do Programa da Moeda Social Mumbuca, que melhoram a quantidade de vida, aquecem economia local e geram empregos na cidade.” (escreveu a Deputada Estadual Rosangela Zeidan em sua página do Face)

O prefeito Washington Quaquá ressaltou a importância desse encontro e ratificou que sua gestão busca o projeto de desenvolvimento econômico da cidade pautado em ações de inclusão social. “É essencial trocarmos experiências e apresentarmos nossos projetos que são referências nacionais, como o tarifa zero e a moeda social. Nossa proposta é acabar com a pobreza oferecendo casa, emprego e qualificação profissional. Estamos transformando a cidade combinando investimentos no turismo e no desenvolvimento econômico e social”, declarou o prefeito.

Tarifa Zero

Sobre a Empresa Pública de Transportes (EPT), implantada em dezembro de 2014, o prefeito explicou ao secretário municipal que a tarifa zero é uma ferramenta de resgate da cidadania por meio da mobilidade. “Maricá é a primeira cidade brasileira com o maior número de habitantes a adotar a tarifa zero. Assim como educação e saúde gratuitas, transporte público é um direito do cidadão, respaldado na Constituição Federal. Estamos provando que transporte público é uma conquista do povo, e isso me faz acreditar que podemos ter uma sociedade mais justa, já que a mobilidade é inclusão social e redução das desigualdades entre pobres e ricos”, frisou.

O presidente da EPT, Luiz Carlos dos Santos, apresentou um balanço dos três primeiros meses de funcionamento da autarquia municipal cuja frota de 13 ônibus gratuitos circulam, 24h por dia, sete dias por semana, com tarifa zero. “Até o dia 31 de março, foram transportados 743.260 passageiros em 5.616 viagens e 338.865 km percorridos, em duas linhas que percorrem toda extensão da cidade – de Ponta Negra ao Recanto de Itaipuaçu”. Para Luiz Carlos, o resultado comprova não apenas a aceitação do serviço, como o entendimento pela população de que a tarifa zero tornou-se realidade. O secretário Pedro Paulo se interessou por detalhes relacionados ao custo da operação, tamanho de frota, volume de pessoal transportado, entre outros detalhes informados pelo presidente da EPT. “São experiências desafiadoras, principalmente a do ônibus, considerando o sistema de transporte que temos hoje em nosso estado. O projeto da moeda social é algo que se pode implantar em regiões específicas da cidade do Rio. Estamos observando essas boas práticas de políticas públicas aplicadas em Maricá, uma cidade que fica tão perto de nós”, avaliou Pedro Paulo.

Como meta para 2016, a prefeitura avalia a ampliação da oferta, com a circulação de 16 ônibus somente na principal linha (Recanto de Itaipuaçu – Ponta Negra) e planeja a aquisição de 20 micro-ônibus elétricos, que não emitem CO2, para completar a frota como alimentadores dos troncos principais. “Com isso, atenderemos a todos os bairros e garantiremos ainda mais a mobilidade para 100% da população”, completou o presidente da EPT.

Moeda Social Mumbuca

O secretário municipal adjunto de Economia Solidária, Miguel Moraes, também apresentou um balanço sobre o Programa Social Moeda Mumbuca – primeira moeda social eletrônica do país criada em dezembro de 2013 para combater a pobreza extrema na cidade. "Mais de 70% das famílias maricaenses recebem menos que três salários mínimos e mais de 15 mil ganham até um salário mínimo. Queremos oferecer condições mais dignas às famílias carentes, melhorando a renda da população”.

Segundo o secretário, atualmente, 14.096 famílias estão sendo beneficiadas com uma ajuda mensal de R$ 85 para compra de produtos em estabelecimentos cadastrados no município. “Ao todo, existem 112 estabelecimentos cadastrados e mais de R$ 1.200 mil estão sendo injetados na economia local para a construção de uma política pública de transferência de renda”, acrescentou Miguel Moraes.

Para a segunda fase do programa, serão concedidas linhas de empréstimo, por meio do banco comunitário, de até R$ 15 mil para as famílias e para microempreendedores, agricultores familiares, pescadores, artesãos e pequenos comerciantes, além de produtos como seguros e cursos de capacitação.

Visita a comércio local

Após a reunião, o prefeito Washington Quaquá, o secretário Pedro Paulo Carvalho, o deputado federal Fabiano Horta, a deputada estadual Rosângela Zeidan, além de parte da equipe do governo maricaense, embarcaram em um coletivo da EPT e foram até o mercado Jolumar, no Centro, onde o secretário carioca conferiu o funcionamento do programa de economia solidária.

Dentro do estabelecimento, Pedro Paulo conversou com a gerência sobre as vantagens e o aumento no faturamento com o uso do cartão Mumbuca. Segundo Pedro Paulo, ambos os projetos devem ser estudados de maneira cuidadosa, mas os considerou viáveis para a capital fluminense.

Washington Quaquá considerou positiva a visita do secretário carioca. “O interesse dele em nossos projetos mostra a boa repercussão que as ações do governo estão tendo fora de Maricá”, afirmou o prefeito.

Abril 8, 2015 Posted by | jornalismo, Maricá, Moeda Social Mumbuca, política, transporte | , , , , , | Deixe um comentário