Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

I Festival do Peixe de Maricá atraiu grande público

Texto e fotos: Rosely Pellegrino

A Prefeitura Municipal de Maricá através da Secretaria de Pesca, Aquicultura, Agricultura e Pecuária, realizou neste sábado 29 de novembro, em sua sede em Ubatiba, o I Festival do Peixe com a participação de pescadores, produtores rurais e artesãos locais, que expuseram seus produtos para venda com grande sucesso.

Equipe da Secretaria de Pesca, Aquicultura, Agricultura e Pecuária de Maricá Equipe da Secretaria que realizou neste sábado, o I Festival do Peixe de Maricá, um evento elogiado por todos que participaram

I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(190)Panorâmica do ambiente

De acordo com o secretário Rubem Pereira, o festival teve como objetivo apresentar à população as espécies das lagoas do município, como a tainha, parati, tilápia, bagre e siri, e superou a expectativa atraindo um público de mais de 600 pessoas.

 I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(189)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(188) Pratos saborosos, cerveja gelada, alegria e descontração marcaram a festa

Durante todo o dia o publico provou e aprovou as delícias, como o risoto de camarão oferecido para degustação, caldo de siri e de camarão, camarão frito, arroz com polvo e camarão, nhoque e talharim ao molho de camarão, dentre outras delícias, vale mencionar que um dos pratos que recebeu mais elogios foi o peixe assado na brasa.

I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(138)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(144)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(221)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(241)

Músicos do Projeto Sob o Céu Sob o Sol de Maricá, animaram o festival

I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(162)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(170)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(195)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(211)

Na oportunidade a empresa proprietária da Fazenda São Bento da Lagoa ofereceu à criançada um espaço infantil chamado Fazendinha São Bento da Lagoa. Entre as atividades realizadas pela IDB estavam: oficinas de ilustração da flora da Restinga de Maricá e dos peixes nativos da lagoa da cidade, tobogã inflável e pula-pula. Ministrado pela bióloga e professora Cristina Siqueira, as aulas de desenho deram a oportunidade de as crianças conhecerem as espécies de peixes e plantas da região de uma forma lúdica e educativa. Cerca de 80 crianças participaram da oficina, e 92 desenhos foram produzidos pela criançada.

I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(131)I Festival do Peixe de Maricá 29.11.2014. Fotos Rosely Pellegrino(133)

No álbum de fotos, você  confere momentos do I Festival do Peixe de Maricá

Anúncios

Novembro 30, 2014 Posted by | agricultura e pesca, arte, culinária, Festivais, Gastronomia, jornalismo, Lazer, Maricá, Pesca, social | | Deixe um comentário

Maricá abre inscricões para 1ª Exposição dos Produtos da Terra

Texto: Raquel Andrade | Fotos: Divulgação

Primeira edição da exposição acontecerá em agosto

A Prefeitura Municipa; de Maricá – através da Secretaria Municipal de Pesca, Aquicultura, Agricultura e Pecuária – abriu inscrições para a 1ª Exposição dos Produtos da Terra, que será realizada em agosto. Os interessados devem comparecer à secretaria, de segunda a sexta-feira, das 09h às 17h, até 01/07 para fazer a inscrição.

Para participar, é necessário ser produtor rural e apresentar documentos de identificação, como cópia do CPF, RG e comprovante de residência. O intuito do evento é apresentar à população os produtos cultivados em Maricá, além de estimular a agricultura familiar. "A ideia de montar a exposição surgiu no final do ano passado, após identificarmos o volume da produção no município. Ficamos animados em compartilhar com todos os munícipes aquilo que presenciávamos durante as visitas às propriedades", conta a subsecretária Raquel Lima, que ressalta ainda a variedade de produtos agrícolas cultivados na cidade. "É uma cidade de solo fértil e detentora de produtores conscientes".

A feira será realizada no dia 02/08, das 08h às 16h, na Secretaria Municipal de Pesca, Aquicultura, Agricultura e Pecuária (Estrada de Ubatiba, KM 1, s/nº – Ubatiba). Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 3731-4014.​

Junho 15, 2014 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo, Maricá | | Deixe um comentário

Prefeitura recupera Horto Municipal de Maricá

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Rodrigo Gonçalves

Horto Municipal já recebeu cerca de 1000 mudas de diversas espécieis doadas por pequenos produtores locais

A prefeitura está recuperando o Horto Municipal de Maricá. Localizado em Ubatiba, a área, que abriga a sede da secretaria municipal de Pesca, Aquicultura, Agricultura e Pecuária, já recebeu cerca de 1000 novas mudas cedidas por produtores locais e ganhou novos moradores, como preás, coelhos, galinhas, patos e porcos. A previsão da secretaria é reabrir o horto a partir de junho.

No local, foram plantadas mudas de algodão da praia, ipê amarelo, sibipiruna, castanheira, pau-brasil, pau-ferro, areca, coqueiro, palmeira triangular, bananeira de jardim, angico da praça, palmeirinha tricolor, limoeiro, mangueira e roseiras. O secretário Rubem Pereira quer fazer do local uma opção de lazer.

“A ideia é abrir este espaço para visitação, trazer os alunos das escolas municipais para estudar as espécies, além de proporcionar aos moradores uma opção de lazer em contato com a natureza”, declarou Rubem.

O Horto Municipal fica na Estrada de Ubatiba, km 1, s/nº.

Horto também recebeu roseiras

Ideia é transformar o local em mais uma opção de lazer da cidade

Horto também servirá de base de estudos para os alunos das escolas municipais

Abril 15, 2013 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo, Maricá | | Deixe um comentário

Casa Digital de Maricá recebe seminário sobre cooperativismo nesta segunda-feira

Texto: Fernando Uchôa

Será nesta segunda-feira (24/9), das 13h às 16h30, na Casa Digital, o I Seminário de Cooperativismo de Maricá, promovido pela secretaria municipal de Assistência Social e Participação Popular, em parceria com as secretarias municipal e estadual de Trabalho.

Com o suporte técnico da União de Cooperativas de Agricultura Familiar (UNICAFES), o evento vai discutir formas de viabilizar projetos para a formação de cooperativas em Maricá, além da possibilidade de se obter financiamento com o governo estadual em programas de fomento administrados pela secretaria estadual de Trabalho.

A Casa Digital fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, s/n, Centro. A entrada é franca.

Setembro 21, 2012 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo, Maricá, trabalho e renda | Deixe um comentário

Falta de chuva ameaça início do plantio de grãos

Adiamento pode ter impacto na produtividade de soja e milho mato-grossenses

Fonte: Globo Rural On-line, com informações da Agência Brasil

 Shutterstock

A expectativa para a safra 2012/2013 era de que a produtividade de grãos chegasse a 51 sacas por hectare, mas a confirmação dessa previsão também dependerá de fatores climáticos

A ameaça sobre um possível atraso no plantio de grãos nos Estados Unidos, apontada como oportunidade para que a produção agrícola do Brasil conquistasse parcela maior do mercado mundial, agora assusta os produtores brasileiros. O temor sobre a falta de chuva tem se confirmado nas regiões produtoras do país e, com ele, a definição de um novo calendário para plantação e colheita das principais commodities.
No último boletim divulgado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), os pesquisadores destacaram a grande preocupação dos produtores com a previsão de chuva para os próximos dias. As informações meteorológicas não sinalizam um cenário otimista. Pelas projeções trimestrais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a frequência de chuva só deve ocorrer na segunda quinzena de outubro. Ainda assim, os mapas de clima e tempo mostram que a chuva estará concentrada na Região Sul, com ocorrência acima da média e, no caso da Região Norte, abaixo do esperado. As duas situações podem significar problemas para os produtores.
“Os produtores precisam manter a atenção nos próximo meses por conta do possível estabelecimento do [fenômeno climático] El Niño. É fundamental para a agricultura, sobretudo para o Sul do país. O que pode ocorrer é o fenômeno El Niño se estabelecer no [Oceano] Pacífico em setembro e outubro e o impacto desse fenômeno demora um tempo para aparecer. Isso vai fazer com que, mais para o fim do ano, chova mais no Sul e menos no Norte do país. No Brasil Central, não há como dizer se vai causar impacto”, explicou Ester Regina Ito, meteorologista do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), vinculado ao Inpe.
A incerteza não predomina nas projeções do Imea. De acordo com o instituto, em Mato Grosso, estado que tem se configurado como celeiro do país, até o próximo dia 20 de setembro não existe possibilidade de chuva. Os pesquisadores destacam estimativas mais otimistas no caso dos municípios de Campo Novo do Parecis, Rondonópolis e Sinop, mas admitem que “nenhum volume significativo para que ocorra a colheita foi visto até o fim de setembro. Caso se confirme, transfere o início do plantio de Mato Grosso para outubro”.
O adiamento pode ter impacto na produtividade de soja e milho mato-grossenses. Os cálculos da Associação de Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) mostram que a média de produtividade no estado tem se mantido em torno de 50 sacas por hectare, como ocorreu na última safra (2011/2012), quando a produção do estado chegou a 21,3 milhões de toneladas de grãos. A expectativa era que, para a safra 2012/2013, a produtividade chegasse a 51 sacas por hectare, principalmente em função do aumento da área plantada. Mas a confirmação dessa previsão dependerá de fatores que vão além da disponibilidade do solo e da disposição dos produtores. Aspectos climáticos e tecnológicos serão fundamentais nessa conta.

Com a expectativa de um aumento de um milhão de hectares de área plantada de grãos no Mato Grosso, os produtores estão ansiosos pela chegada das chuvas. É o que garantiu o agrometeorologista Marco Antônio dos Santos, da Somar Meteorologia, à GLOBO RURAL. “Como as chuvas não vão antecipar do jeito que estava previsto e só devem chegar no início de outubro, estão todos ansiosos. A partir do dia 15 de setembro, acaba o vazio sanitário da soja e, como não vai ocorrer chuvas agora, a dica é tomar muito cuidado”, alerta Santos, que está em visita ao estado juntamente com a Fundação Mato Grosso.
O risco que o produtor corre é plantar agora e perder a colheita caso as chuvas não cheguem logo. “O produtor tem que ficar muito atento com a previsões meteorológicas, para não plantarem agora. Até porque pode não ter sementes se o produtor errar e perder a produção”, destaca.
“Até agora, as perspectivas não são boas. Chove apenas no Rio Grande do Sul”, disse Alysson Paulinelli, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho). O produtor mineiro acrescentou que a expectativa do setor era por chuva mais intensa no início deste mês. Ele reconheceu a preocupação com o atraso do plantio de grãos, que ainda se reflete nos resultados do chamado milho safrinha ou segunda safra (grão plantado em meados de março, após a colheita das culturas do início da safra), que tem somado importantes resultados à produção nacional.
“Estamos preocupados, mas o produtor modernizou equipamentos e, hoje, planta e colhe mais rápido. Isso pode ajudar. A safrinha virou safrona”, explicou. Paulinelli acredita que, mesmo diante do possível atraso no primeiro plantio, a tecnologia absorvida pelo setor produtivo e o aumento previsto de área para o milho safrinha ainda pode impulsionar os resultados da próxima safra.
Segundo ele, a segunda safra de milho deve ganhar mais espaço para cultivo em parte do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, em uma pequena parcela de São Paulo, Goiás e Minas Gerais e principalmente em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. “Como surpresa ainda teremos mais área no Piauí e Maranhão porque há localidades nesses estados em que chove mais, como é o caso de Balsas (MA) e de cidades do sul do Piauí”, acrescentou.
Na última safra, a produção nacional de milho, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), totalizou 72,3 milhões de toneladas, 26% superior ao resultado da safra anterior, mesmo diante da forte estiagem que afetou regiões produtoras do país. Desse total, mais da metade, 38 milhões de toneladas, foram resultantes da segunda safra de milho (safrinha).
Técnicos da Conab evitam fazer projeções de produção diante da incerteza sobre o atraso do plantio de grãos. Na próxima semana, as equipes do órgão começam a visitar os estados produtores para colher informações e devem apresentar a primeira estimativa sobre a produção nacional no fim da primeira quinzena de outubro.

Setembro 13, 2012 Posted by | agricultura e pesca, água, Ecologia, jornalismo, meio ambiente, Planeta, Planeta Terra, Vida | Deixe um comentário

Sobre a Audiência Pública sobre Emissário Submarino e Terrestre do Comperj em Maricá

Relato de uma leiga  retirado do site http://www.agenda21comperj.com.br/grupos/posts/relato-de-uma-leiga

Relato de uma leiga

Adorei a Audiência Pública sobre o   Emissário Submarino e Terrestre do COMPERJ ontem dia 24.01.2012 em Inoã,   Marica.
Tudo muito bem organizado, ônibus vindos de todos os lados de  Maricá, através de gratuidade da própria Petrobrás, segui a pé a partir de  Inoã, porque era minha preferência, me guiando pelo trajeto todo marcado pra  ninguém se perder. Dessa forma, vi que vieram vans da zona sul do Rio de  Janeiro e até da Tijuca e Jacarepaguá!
Apesar de tudo, iniciadas as   apresentações, todo o aparato moderníssimo falhou na hora de tocar o Hino Nacional, mas a população presente não se intimidou e começamos a cantar em  viva voz mesmo.

Já me surpreendi aí. Organizados à frente de todos, uma banca  de responsáveis pela EIA/RIMA perfilaram-se e apresentou tudo o que se propunham. Nesse momento, os 15 minutos garantidos a cada um se estendiam.  

Cheguei a pensar que seria esse o esquema: Falar muito, indefinidamente e   quando nós da Agenda 21 e/ou outros fossemos falar, todos já teriam ido embora.
Finalmente finalizado, iniciaram as apresentações dos 70 inscritos, fosse antecipadamente pelo site, tivesse sido ali na hora.
A primeira questão levantada foi com relação à ausência do Ministério Público, que para muitos impediria a audiência. Mas não, foi verificado que poderia ser realizada apesar de. Sua ausência não inviabiliza a audiência, mas não dá legitimidade. Eles deveriam estar ali para defender a população…
Depois  de toda apresentação da Petrobrás, os inscritos puderam tirar suas dúvidas e   reclamar o quanto quisessem. Fiquei até o final da audiência. Vi e ouvi todos  os inscritos que, foram mais de 70.

NINGUÉM ESTAVA A FAVOR DO EMISSÁRIO! Fosse   dona de casa, médicos, advogado, ambientalistas ou não, autodidatas,   associações de moradores, estudantes, professores, ninguém a favor! Ouvi a Ana Paula Carvalho dizer que o EIA estava ruim porque constava que Marica tinha uma prefeita e não prefeito, que era do PDT e não PT, que tínhamos uma   população de 29 mil habitantes e que os desempregados eram desocupados. Ouvi  que eles não devem nem ao menos ter tido o trabalho de ler esse EIA porque  tudo o que consta ali deve ter sido usado control C, control v, (control X)   porque a informação básica já iniciava com erros crassos. Ouvi a Ana Paula Carvalho dizer que o progresso era bem vindo, mas ‘NOSSA CASA, NOSSAS REGRAS’   e não esse EIA que deve ter sido colado do município de São Gonçalo.
Ouvi,   sem a ordem ocorrida lá, o Roberto Ferraz argumentar que jogando essa água do  COMPERJ, tratada, imunda de produtos químicos, mataria os peixes, mas que se  esse emissário fosse jogado a pelo menos 8 km além, seria possível. Ouvi outra   pessoa dizer que na Barra da Tijuca, o emissário de lá fica a 10 km da praia,   pra não matar os botos e perguntar: Por que em Marica, pode matar os nossos peixes?

Ouvi falar de biota e que biota é o meio onde existe a vida. E que a  biota estaria comprometida. Ouvi que diversas plantas endêmicas estariam correndo risco assim como o ratinho de espinho, único, que não constava no  EIA.

Ouvi Flávia Lanari questionar sobre a qualificação desse EIA, pois consta   a falta de classificação de 63 espécimes de plantas o que é um número muito elevado, para um total de 203.

Ouvi Arthou questionar as profundidades de 143m que uma firma de São Paulo disse que seriam necessárias para preservar a  biota. Ouvi-o explicar que talvez os paulistas não soubessem que as marés de   Marica são atípicas de qualquer parte do mundo, onde a água gelada fica por  cima, vindas das Malvinas e a quente fica por baixo, vindas do nordeste e que  assim, qualquer coisa de ruim que vier a acontecer por aqui, certamente contaminariam todo o litoral brasileiro.

Ouvi Isidro Arthou dizer que nossa  praia contém um fenômeno que os pescadores chamam de olho de água, verdadeiros   rodamoinhos e que quando ocorrem em oceanos, carreiam todos os plásticos e  sujeiras que jogamos nas praias. Pois nas praias de Marica, possuímos esses  olhos de água, o que quer dizer que qualquer porcaria que ocorra aqui, será  distribuída adiante. Ouvi também que nossas marés, em determinados meses do  ano, jogam ondas para a praia atingindo até casas, o que quer dizer que dessa   forma, esse resíduo certamente contaminaria nossa areia e casas.

Ouvi donas de  casa questionando afinal quando é que a Petrobrás falaria com os moradores da região a respeito desse emissário e eles responderem que já tinham feito o contato. Ouvi-as reagirem, em grupo, dizendo que não tinham falado e que se   falaram foram somente com algumas pessoas que seriam indenizadas, como se o   efeito do prejuízo do emissário não fosse importante para todos da localidade.  

Ouvi um senhor, acho que é médico, entristecido porque já possui 67 (sessenta e sete) anos e levou a vida toda pra construir um patrimônio que assegurasse a tranqüilidade dos filhos e netos e que agora, recebe um relatório que diz que   a cerca-viva que possui na frente da casa dele possui 20 anos e 4 meses! A do   vizinho, 18 anos e 2 meses! Quanta precisão! Só faltava conter os dias e as   horas! E que em sendo dessa forma, certamente sua casa, seu patrimônio, será   demolida por um pedaço de papel inconsistente, inconsciente.

Ouvi petroleiro perguntar pelo montante e diferenças de tipos de petróleo que o COMPERJ   trabalharia, porque ele entende disso e sabia que certamente isso traria   malefícios para a população e lugar. Ouvi advogado perguntar sobre a   contaminação dos peixes e conseqüente contaminação humana ao ingeri-los.

Ouvi a Petrobrás, através de seus representantes responder que esse perigo não  ocorreria e explicava o porquê. O advogado pedia que constasse em ata. Depois  ele perguntava sobre os perigos na pele dos moradores. E a Petrobrás através   de seus representantes responder que não teriam esse tipo de problema. E o  advogado pedir que constasse em ata. Se entendi bem, o mesmo advogado quis que   constasse em ata também um seguro para os pescadores que não tivessem mais  condição de trabalhar com o pescado após implantação do emissário. Acho que foi isso. E muito, muito mais.
No meu entender, houve tentativa de frear os  questionamentos, propondo uma parada de uns 10 minutos para servirem o lanche,  devido ao avançado horário após início da audiência. Mas não conseguiram.  Todos os questionamentos prosseguiam apesar do lanche.
Todas as perguntas  eram devidamente respondidas tecnicamente e a altura, o que não consigo explicitar aqui, posto que seja leiga. Mas também eram rebatidas, posto que em   Marica tem muitos “feras” em ambiente e muitos apaixonados, sensíveis, por   essa cidade de beleza ímpar que queremos preservar.
A audiência foi   concluída pelo próprio professor (não sei se era diretor) do CIEP, militante ambiental desde os quinze anos de idade. Este observou que o INEA, órgão  estadual, responderia até onde pudesse alcançar, mas lembrou que o mar   pertence à área federal e questionou a ausência do IBAMA. Observou também que  diante de tantas evidências, de Itaipuaçú, Serra da Tiririca, Niterói,   Saquarema etc, certamente o INEA não liberaria esse EIA que aí está. Eram   00h30min.
Fátima Cristina

Fevereiro 1, 2012 Posted by | agricultura e pesca, Associações, água, jornalismo, manifestação popular, Maricá, meio ambiente, moradia, Petroleo e Gás, Planeta Terra, pré-sal, Qualidade de Vida, Urbanização | | Deixe um comentário

Polícia Federal abre inquérito para investigar vazamento na Bacia de Campos

Equipe de peritos foi enviada à plataforma para apurar danos ambientais provocados pelo derramamento de óleo. Vazamento está na rota das baleias e dos golfinhos

Fonte: iG São Paulo | 17/11/2011 12:44 – Atualizada às 17:03

Foto: Divulgação Ampliar

Navios de apoio usam barreiras para recolhimento do óleo na Bacia de Campos

O vazamento de óleo na Bacia de Campos virou caso de polícia. A Polícia Federal abriu inquérito nesta quinta-feira (17) para investigar os danos ambientais provocados pelo derramamento de óleo em plataforma do campo Frade. De acordo com a assessoria de imprensa da PF, uma equipe de peritos foi enviada à plataforma para iniciar as investigações. Em nota, a PF informou que os responsáveis pelo incidente poderão ser indiciados por crime de poluição e, se condenados, estão sujeitos a penas que variam de um a cinco anos de prisão (artigo 54, Lei 9.605/98).
A Agência Nacional do Petróleo (ANP) também apura o caso. De acordo com a ANP, uma equipe de técnicos é mantida no Centro de Monitoramento da Chevron desde que foi informada sobre o surgimento da mancha, no dia 8.

Ontem, a ONG SkyTruth, especializada em interpretação de fotos de satélites com fins ambientais, informou que o vazamento pode ser muito pior que o divulgado pela Chevron, companhia petrolífera americana que opera o poço no Campo Frade.

Leia mais: Vazamento está na rota de baleias e golfinhos, alerta secretário

O cálculo feito pela SkyTruth, a partir de imagens de satélite, concluiu que o poço no Campo Frade já derramou cerca de 15 mil barris de óleo (2.384.809 litros) no mar, estimando que a taxa seja de 3.738 barris por dia (594.294 litros).
Saiba mais:
O tamanho do estrago:
Chevron estima vazamento de 404 a 650 barris no Brasil
Mudança de postura:
Antes, empresa dizia que vazamento na Bacia de Campos era normal
Solução à vista?
Chevron avalia que mancha de óleo não cresceu e se afasta da costa
Investigação:
Dilma pede investigação rigorosa de vazamento de óleo em Campos
A Chevron afirmou ao iG que estimativa para o volume total do vazamento é de 400 a 650 barris. A Chevron Brasil anunciou nesta terça-feira (15) a redução do vazamento de óleo no Campo Frade garantiu que o poço de petróleo danificado será selado e abandonado com a aprovação da Agência Nacional de Petróleo (ANP). A empresa ressaltou, em nota, que 17 navios participam da contenção e recolhimento do petróleo derramado.
Leia mais: Ibama afirma que técnicos cumprem plano da Chevron

A Polícia Federal explica que como o vazamento é um dano ambiental, é considerado um crime federal, e cabe à instituição averiguar o caso. De acordo com a PF, a Agência Nacional de Petróleo é um órgão regulador, que deve permitir ou proibir medidas como fechamento do poço, por exemplo.

Novembro 18, 2011 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo, meio ambiente, Planeta Terra, Policia Federal | , | Deixe um comentário

Pescadores de Maricá recebem curso de capacitação

Os cursos serão ministrados numa Unidade Móvel, que ficará estacionada na Rua 13, em frente à entrada da Divinéa, na Barra de Maricá, a partir do dia 26 de setembro

A prefeitura de Maricá, através da secretaria de Agricultura e  Pesca, firmou uma parceria com a empresa REPSOL para a implantação do programa de Responsabilidade Social Plataforma Educativa REPSOL SINOPEC 2011 no município. A iniciativa é destinada a atender as comunidades de pescadores e seus familiares, através da capacitação e conscientização em cursos e palestras a serem ministrados numa Unidade Móvel da empresa, preparada especialmente para este fim, que ficará estacionada na Rua 13 (em frente a entrada da Divinéa e o hotel),  na Barra de Maricá. Os cursos, que acontecem de 26 de setembro a 21 de outubro, serão de Moço Auxiliar de Convés, Habilitação para Pescador Artesanal e Manipulação e Beneficiamento de Pescado, exclusivo para as mulheres.

Segundo o secretário de Agricultura e Pesca, Claudio Jorge Soares, o objetivo desse convênio é promover a capacitação dos pescadores através de cursos e orientação para gestão de auto-sustentabilidade, além da conscientização da população litorânea com a geração de multiplicadores dessas ações, tendo como foco a capacitação da comunidade para atuar de forma autônoma. 

“A idéia é promover a difusão de cursos e capacitação de assuntos de interesse da comunidade local. Os cursos serão ministrados por profissionais de áreas especificas e as ações de legislação e legalização através da Marinha do Brasil e Polícia Ambiental, entre outros profissionais”, afirma o secretário.

Texto: Denilson Santos

Setembro 15, 2011 Posted by | agricultura e pesca, cursos, jornalismo | Deixe um comentário

Ministro da Pesca lança 8ª Semana do Peixe em Niterói

O Ministro da Pesca e Aquicultura, Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira, esteve ontem (11/09) no Mercado São Pedro, em Niterói, em cerimônia de lançamento da 8ª Semana do Peixe, que acontece simultaneamente em todo território nacional.
Presentes o secretário estadual de Aquicultura, Pesca e Desenvolvimento Regional, Felipe Peixoto, e o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, representando o governador Sérgio Cabral, a deputada federal Jandira Feghali (PC do B), o deputado estadual Paulo Ramos (PDT), secretários municipais de Niterói, Maricá e região, além da atriz Tânia Alves, e outros convidados.
A 8ª Semana do Peixe faz parte do Plano de Desenvolvimento Sustentável – Mais Pesca e Aquicultura, que contempla ações como a inclusão do pescado na alimentação escolar, os módulos de venda do peixe (feira, caminhão do peixe), os Centros Integrados da Pesca artesanal e os parques aquícolas, entre outros.
Consumir é preciso
A atriz Tânia Alves, declarou ser atualmente o peixe a única carne que consome, devido ao grande número de benefícios que traz ao ser humano. “Pratico  alimentação saudável há muito tempo, e a proteína animal de mais fácil absorção pelo nosso organismo é o peixe”, afirmou.
Segundo o ministro Luiz Sérgio, a produção no país de carne bovina é sete vezes menor que a do pescado, a produção de frango 18 vezes menor (o Brasil é o segundo maior produtor desse produto), e das outras carnes, dezenas de vezes menos, porém o consumo regular fica em torno de 40% em relação ao total produzido. “O peixe é uma excelente fonte de proteínas e sais minerais, porém o seu consumo no Brasil ainda é baixo. O ômega 3, por exemplo, auxilia no combate aos radicais livres e é encontrado em diversas espécies de peixes. O combate à miséria e a fome incluem também uma alimentação saudável e o pescado, sem dúvida alguma, é uma das melhores contribuições para isso. O ideal para o organismo humano é consumir peixe, pelo menos duas vezes por semana”, declarou.
Maricá na pauta
O secretário municipal de Pesca, Aquicultura, Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cláudio Jorge Soares, informou que Maricá participa da 8ª Semana do Peixe, com medidas de expansão, desenvolvimento e comercialização da pesca. “O Caminhão do Peixe, por exemplo, parceria com o M.P.A., é um projeto que vem dando certo no município. O primeiro Censo Agropecuário, Aquícola e Pesqueiro está cadastrando pescadores artesanais, hoje incluídos na categoria de produtores rurais pelo Pronaf. Junto com o projeto de Reordenamento Pesqueiro, projetos de associativismo, como a inclusão do pescado local na merenda escolar, ajudam a fomentar a produção, comercialização, e o consumo do pescado no município”, concluiu.
Texto : Fernando Uchôa

Setembro 12, 2011 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo | Deixe um comentário

Câmara Setorial faz visita técnica a comunidades pesqueiras de Maricá

A Câmara Técnica Provisória de Aquicultura e Pesca do Subcomitê de Bacia do Sistema Lagunar Maricá-Guarapina, visitou nesta quinta-feira (25/08), as comunidades pesqueiras de Itapeba, São José de Imbassaí e Itaipuaçu, na Rua 70 e no Recanto. A visita técnica tem por objetivo verificar in loco as necessidades dos pescadores para a prática de maneira sustentável e sua atividade profissional.Integram a Câmara Técnica as associações de pescadores do município, juntamente à Colônia Z7, o IBAMA, a FIPERJ, o MPA, a FAPESCA, a Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca e a Secretaria Municipal de Ambiente e Urbanismo.

<SAMSUNG DIGITAL CAMERA><SAMSUNG DIGITAL CAMERA>

O calendário se estenderá até o dia 10 de setemrbo, nas localidades de Araçatiba, Bairro da Amizade, Jacaroá, Zacarias, Barra de Maricá e Guaratiba/Ponte Preta, e encerra-se no dia 24 de setembro, com a visita a Cordeirinho, Bambuí e Ponta Negra.
Texto: Fernando Uchôa fotos:

Agosto 26, 2011 Posted by | agricultura e pesca, jornalismo | | Deixe um comentário