Noticiário RJ on line

As melhores notícias com Rosely Pellegrino

Brasil vai sediar reunião internacional para discutir governança na internet

Carolina Sarres – Repórter da Agência Brasil

Brasília Uma reunião interssetorial no Brasil, em 2014, será o próximo passo na discussão internacional sobre governança na internet, após a aprovação da resolução Direito à Privacidade na Era Digital, por unanimidade, pela Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU). "Será a contribuição [de todos] para o crescimento de um novo formato. Atualmente, não há uma governança nesse sentido. Vários setores serão chamados para um debate, para uma visão holística sobre a defesa de interesses concretos dos cidadãos", disse hoje (19) o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo.

A Reunião Multissetorial Global sobre Governança na Internet será nos dias 23 e 24 de abril, em São Paulo, e o encontro será promovido no âmbito do Comitê Gestor da Internet (CGI) do Brasil, com participação de governos, empresas, acadêmicos e sociedade civil.

Para o ministro, a aprovação da resolução proposta pelo Brasil e pela Alemanha é um sinal de que todos os países abraçaram um novo caminho que, para ele, "não tem volta". O documento endossado nas Nações Unidas trata de coleta de dados, monitoramento e interceptação de comunicações. Segundo a resolução adotada pela ONU, as pessoas devem ter garantidos, no ambiente digital, os mesmos direitos que têm fora dele. Foi decidido coletivamente que é necessário fazer uma revisão dos procedimentos para que as atividades na internet sejam compatíveis com o direito internacional e os direitos humanos", explicou.

Figueiredo também falou sobre a expectativa dos resultados que a medida espera alcançar:"A inibição [da espionagem] é o efeito prático que esperamos. Não me refiro a nenhum país em específico, mas em geral. Por isso a adoção de uma resolução no âmbito da ONU".

Sobre as recentes acontecimentos nos Estados Unidos relativos à questão da espionagem – como a determinação de um juiz federal de que o monitoramento conduzido pela Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês) pode ser considerado inconstitucional e pedidos de regulação das atividades da agência por parlamentares, Luiz Alberto Figueiredo disse que o Brasil está acompanhando o assunto e aguardando que o país se manifeste.

"Aguardamos o momento em que [os Estados Unidos] entrarão em contato conosco sobre o tema. Na conversa entre a presidenta Dilma Rousseff e o presidente Barack Obama, foi dito que seria feita uma revisão dos procedimentos. Agora, aparentemente, está sendo conduzida uma revisão. A próxima fase será um contato sobre a revisão", disse Figueiredo.

Edição: Denise Griesinger

Anúncios

Dezembro 20, 2013 Posted by | jornalismo, Política Nacional e Internacional, Telefonia e Internet | | Deixe um comentário

Brasil pede explicações aos Estados Unidos sobre espionagem eletrônica

O governo do Brasil pediu explicações aos Estados Unidos (EUA) sobre a espionagem das comunicações de cidadãos brasileiros pela Agência Nacional de Segurança daquele país (NSA, na sigla em inglês). De acordo com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, os esclarecimentos foram solicitados por meio da Embaixada do Brasil em Washington e, ainda, ao embaixador dos EUA no Brasil.

O ministro disse que o Itamaraty recebeu com grave preocupação a notícia de que contatos eletrônicos e telefônicos de seus cidadãos estariam sendo monitorados. Patriota deu as declarações em Paraty, no Rio de Janeiro, onde está sendo realizada a 11ª Festa Literária Internacional (Flip).

Segundo Antônio Patriota, o governo brasileiro lançará iniciativas na Organização das Nações Unidas (ONU) pelo estabelecimento de normas claras de comportamento para os países quanto à privacidade das comunicações dos cidadãos e a preservação da soberania dos demais Estados. O Itamaraty pretende ainda pedir à União Internacional de Telecomunicações (UIT), em Genebra, na Suíça, o aperfeiçoamento de regras multilaterais sobre segurança das telecomunicações.

O escândalo sobre o monitoramento das comunicações privadas de cidadãos e empresas de dentro e de fora do país pelo governo dos EUA veio à tona após o ex-técnico em segurança digital da CIA (agência de inteligência norte-americana), Edward Snowden, revelar a prática. Os dados eram vigiados por meio do Prism, programa de vigilância eletrônica altamente secreto mantido pela NSA. Uma reportagem do jornal O Globo desse domingo revelou que as comunicações do Brasil estavam entre os focos prioritários de monitoramento.

Depois das revelações, Snowden teve o passaporte cancelado pelo governo norte-americano. Ele pediu asilo político a 21 países. Até o momento, Bolívia, Venezuela e Nicarágua se ofereceram para receber o ex-agente.

Na última semana, países europeus proibiram a entrada do avião do presidente boliviano, Evo Morales, em seu espaço aéreo, por suspeitaram que Edward Snowden estava a bordo. Países latino-americanos, entre eles o Brasil, manifestaram-se a favor do chefe de Estado. O incidente será discutido terça-feira (9) na Organização dos Estados Americanos (OEA).

Leia mais

Câmara e Senado se
mobilizam para discutir de…

Deputados vão apurar
denúncia de espionagem d…

Suplicy defende asilo para
Edward Snowden no Brasil

Julho 9, 2013 Posted by | jornalismo, Telefonia e Internet | | Deixe um comentário

Lei que tipifica crimes cibernéticos entra em vigor hoje

Começa a vigorar hoje a Lei 12.737/12 , que tipifica crimes cometidos por meio da internet. A lei foi aprovada pela Câmara no fim do ano passado e previa prazo de 120 dias entrar em vigor.

Conhecida como Lei Carolina Dieckmann, a nova legislação tipifica os seguintes crimes:

– invasão de computadores para obter vantagem ilícita;

– falsificação de cartões de crédito;

– interrupção de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública.

A lei foi apelidada com o nome da atriz porque, em 2012, Carolina teve o computador invadido e fotos pessoais divulgadas na internet. Até então, esse tipo de crime não tinha tipificação específica na legislação brasileira.

A partir de hoje, no entanto, quem invadir o computador de outra pessoa para obter vantagem ilícita poderá pegar detenção, de três meses a um ano. Se, além da invasão, houver divulgação das informações obtidas, a pena poderá ser aumentada em até 2/3.

E, se o crime for cometido contra os presidentes da República, do Supremo Tribunal Federal (STF), da Câmara ou do Senado; governadores ou prefeitos a pena poderá ser aumentada de 1/3 à metade.

Agência Câmara de Notícias

Autor: Da Redação/ND

Leia mais

Lei de crimes cibernéticos entra em vigor

Aplicação da Lei Carolina Dieckmann enfrentará dificuldades nos tribunais

Lei Carolina Dieckmann enfrentará dificuldades na prática

Abril 4, 2013 Posted by | jornalismo, Judiciário, justiça, Legislativo, Telefonia e Internet | , , | Deixe um comentário

Pane em antena da InterTV afeta internet pública em Maricá

Texto: Marcelo Ambrosio

Uma pane no fornecimento de energia para a torre da InterTV – a principal retransmissora de sinais de rádio a serviço da prefeitura – está deixando em torno de 90% da cidade sem o sinal de internet pública gratuita. De acordo com a subsecretaria municipal de Tecnologia de Informações, já foi aberto um protocolo junto à concessionária Ampla para que o fornecimento de energia à antena seja restabelecido no menor prazo possível. Das 14 antenas usadas pela prefeitura para a retransmissão do sinal de rádio, apenas três se encontravam em funcionamento na manhã desta segunda-feira (11/03).

Março 11, 2013 Posted by | jornalismo, Maricá, Telefonia e Internet | Deixe um comentário

Presidente Dilma sanciona Lei dos Crimes Cibernéticos

Na última sexta-feira (30), além das novas regras para partilha dos royalties da exploração do petróleo, a presidente da República, Dilma Rousseff, também sancionou duas leis que tratam dos crimes cometidos pela internet. Ambas as leis entrarão em vigor em 120 dias, a contar da data de suas publicações no Diário Oficial da União, ocorridas nesta segunda-feira (3).

Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei dos Crimes Cibernéticos ( 12.737/2012) tipifica como crimes infrações relacionadas ao meio eletrônico, como invadir computadores, violar dados de usuários ou "derrubar" sites. O projeto que deu origem à lei (PLC 35/2012) foi elaborado na época em que fotos íntimas da atriz Carolina Dieckmann foram copiadas de seu computador e espalhadas pela rede mundial de computadores. O texto era reividicado pelo sistema financeiro, dada a quantidade de golpes aplicados pela internet.

A nova lei altera o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/1940) para tipificar como crime uma série de delitos cibernéticos. A norma tipifica como crime a violação indevida de equipamentos e sistemas conectados ou não à rede de computadores, com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do titular, ou ainda para instalar vulnerabilidades.

Os crimes menos graves, como "invasão de dispositivo informático", podem ser punidos com prisão de três meses a um ano, além de multa. Condutas mais danosas, como obter pela invasão conteúdo de "comunicações eletrônicas privadas, segredos comerciais ou industriais, informações sigilosas" podem ter pena de seis meses a dois anos de prisão, além de multa. O mesmo ocorre se o delito envolver a divulgação, comercialização ou transmissão a terceiros, por meio de venda ou repasse gratuito, do material obtido com a invasão.

A lei prevê ainda o aumento das penas de um sexto a um terço se a invasão causar prejuízo econômico e de um a dois terços "se houver divulgação, comercialização ou transmissão a terceiro, a qualquer título, dos dados ou informações obtidos". As penas também poderão ser aumentadas de um terço à metade se o crime for praticado contra o presidente da República, presidentes do Supremo Tribunal Federal, da Câmara, do Senado, de assembleias e câmaras legislativas, de câmaras municipais ou dirigentes máximos "da administração direta e indireta federal, estadual, municipal ou do Distrito Federal".

A disseminação de vírus de computador ou códigos maliciosos para roubo de senhas também poderá ser punida com prisão de três meses a um ano e multa.

Dilma Rousseff sancionou ainda a Lei 12.735/2012, originada do PLC 89/2003. Entretanto, a presidente da República vetou a maior parte da proposta, que era bem detalhada ao também tratar dos crimes cibernéticos. Com o veto, restou à nova norma instituir que órgãos da polícia judiciária – as polícias civis dos estados e do DF – deverão estruturar "setores e equipes especializadas no combate à ação delituosa em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado".

Também é alterada a Lei 7.716/1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. Mudou-se inciso da lei de crimes raciais para permitir a determinação por parte do juiz de "cessação das respectivas transmissões radiofônicas, televisivas, eletrônicas, ou da publicação por qualquer meio" de símbolos ou similares com o objetivo de divulgação do nazismo, crime que prevê pena de dois a cinco anos e multa.

Dezembro 5, 2012 Posted by | jornalismo, Telefonia e Internet | | Deixe um comentário

Plenário poderá votar amanhã propostas que regulamentam uso da internet

O Plenário da Câmara poderá votar nesta quarta-feira três projetos de lei que regulamentam o uso da internet no Brasil. Dois deles tratam da punição de crimes cibernéticos (PL 84/99 e PL 2793/11) e o outro é a proposta de março civil da internet (PL 2126/11, apensado ao PL 5403/01). Apresentado pelo governo, o março civil é uma espécie de Constituição da internet, com princípios que devem nortear o uso da rede no Brasil, direitos dos usuários e obrigações dos provedores do serviço.

Existe um entendimento entre governo e a oposição no sentido de votar em conjunto, para ir à sanção da presidente da República, as três propostas, explica o presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara, deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG). O presidente Março Maia deve colocar em votação amanhã os três projetos sobre internet, confirmou o relator da proposta de março civil, deputado Alessandro Molon (PT-RJ). É desejo de o presidente Março Maia deixar como legado a aprovação da primeira lei geral brasileira sobre internet, o março civil, que dará segurança jurídica para essa área no Brasil, completou.

Segundo Eduardo Azeredo, o acordo não previa inicialmente a votação do março civil da internet diretamente no Plenário, e sim primeiramente na comissão especial que analisa a proposta. Mas vamos buscar um entendimento, porque finalmente se chegou à compreensão de que é necessária uma legislação específica sobre crimes cibernéticos, disse Azeredo, que relatou o PL 84/99 no Senado e na Comissão de Ciência e Tecnologia. Segundo o deputado, os dois projetos (PL 84/99 e PL 2126/11) que tratam de crimes na internet são complementares.

Crimes cibernéticos

Em tramitação há treze anos no Congresso, o PL 84/99 inclui novos crimes no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40 ), como o de usar dados de cartões de crédito ou débito obtidos de forma indevida ou sem autorização. O texto equipara essa prática ao crime de falsificação de documento particular, sujeito à reclusão de um a cinco anos e multa. Outra novidade é a previsão de que mensagens com conteúdo racista sejam retiradas do ar imediatamente, como já ocorre atualmente em outros meios de comunicação, seja radiofônico, televisivo ou impresso.

O PL 2793/11, do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), também inclui novos tipos penais, como ter acesso a e-mails e informações sigilosas, com pena prevista três meses a dois anos de prisão, além de multa. A pena será a mesma para quem vender ou divulgar gratuitamente esse material. Já aprovado pela Câmara e modificado no Senado, o projeto pode ajudar a resolver situações como a violação do computador da atriz Carolina Dieckman que resultou na divulgação de suas fotos pessoais na internet. Da parte da oposição, assim como votamos o projeto no Senado na semana passada, devemos colaborar com a votação na Câmara, disse Azeredo.

Março civil

O relator do março civil, deputado Alessandro Molon, afirmou que manterá basicamente o mesmo substitutivo apresentado na comissão especial, com alguns ajustes de redação, para atender as demandas dos mais diversos segmentos da sociedade, inclusive do governo.

Um dos pontos a ser ajustado deverá ser o artigo que trata da neutralidade de rede. Esse princípio, contido no março civil, estabelece que todo pacote de dados que trafega na internet deverá ser tratado de maneira isonômica, sem discriminação quanto ao conteúdo, origem, destino, terminal ou aplicativo. O texto exato desse dispositivo ainda está sendo estudado, mas não haverá nenhum retrocesso na proteção da neutralidade de rede, que considero o coração do projeto, disse Molon. Conforme explicou o relator, se não houver neutralidade da rede, o conteúdo que vai chegar mais rapidamente ao usuário será aquele da empresa que eventualmente tenha celebrado acordo comercial com o provedor de conexão.

O deputado Eduardo Azeredo afirmou que, para a proposta ter apoio da oposição, a redação do artigo que trata da neutralidade de rede terá que ser modificada. Todos defendem a neutralidade da rede, mas a redação não pode inviabilizar a Lei de Concorrência, destacou Azeredo.

De acordo com o substitutivo de Molon, o princípio deverá ser regulamentado por decreto, ouvido o Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI.br) órgão que inclui representantes do governo, do setor empresarial, do terceiro setor e da comunidade científica e tecnológica. No texto original, do governo, não há menção ao CGI.

Leia mais

Senado aprova projeto que define crimes cibernéticos

Senado aprova projeto que torna crime invasão de co…

Senado aprova Lei Carolina Dieckmann

Fonte JusBrasil e Agência Câmara de Notícias

Autor: Reportagem -Lara Haje , Marcelo -Westphalem

Novembro 7, 2012 Posted by | ciência, jornalismo, Legislativo, Tecnologia, Telefonia e Internet | , , , | Deixe um comentário

Casa Digital de Maricá oferece curso de informática para idosos

Texto: Rafael Zarôr | Fotos: Clarildo Menezes

Alunos da turma da Terceira Idade aprendem a utilizar as ferramentas de informática

Um projeto desenvolvido na Casa Digital está ampliando o horizonte tecnológico da Terceira Idade de Maricá. A cada dois meses, o espaço, que funciona na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro, abre vagas para o curso de noções básicas de informática e acesso à internet, destinado a alunos com mais de 60 anos.

No local, administrado pela Secretaria Municipal de Educação, por meio da Subsecretaria de Ciência e Tecnologia, são oferecidas aulas às terças e quintas-feiras à tarde, com quatro horas de treinamento por semana. Durante o curso, os alunos aprendem a utilizar ferramentas de formatação de textos, digitação, desenhos, planilhas, email, além de navegar em sites e redes sociais.

“Muitos chegam sem saber nada”, afirma a professora Andrea Regina da Costa, antecipando que as inscrições para a próxima turma começam em novembro. "É só apresentar identidade, CPF e comprovante de residência aqui na Casa Digital ou na Secretaria de Educação", informa.

O aposentado José Marcelino Cruz, de 73 anos, fazia parte da turma dos "excluídos digitais". Ele participa das atividades da Casa da 1ª a 3ª Idade da prefeitura e procurou o curso na Casa Digital para aprender a navegar na internet e poder conversar com amigos e parentes que moram em Portugal.

“Criei uma conta no facebook e estou ampliando meus conhecimentos. Hoje em dia tudo é feito pela internet e com o computador temos o mundo em nossas mãos”, frisa José, que mora no Boqueirão e que está na segunda semana de aula.

Na mesma turma, o aposentado tem a companhia da mulher, Irene Nunes da Silva, de 67 anos. Ela afirma que já tinha alguma noção de computador, na época em que trabalhou na farmácia do irmão, há 10 anos. Mas é no curso que ela está se familiarizando de vez com a informática, além de ter conhecido o universo das ferramentas virtuais de comunicação.

“Utilizava o computador só pra fazer planilhas de contabilidade. Agora estou aprendendo a usar o facebook para conversar com meu filho, que mora no Rio, e também criei um email. O meu projeto de vida mudou. Antes só ficava em casa", destacou Irene, que também participa de atividades de lazer para a Terceira Idade, como alongamento, dança, música e outras aulas oferecidas pela prefeitura.

Casa Digital aberta à população

Administrada pela Subsecretaria de Ciência e Tecnologia, a Casa Digital possui 18 computadores com acesso à internet. De acordo com o subsecretário Cláudio Luz, qualquer pessoa pode utilizar o espaço gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. O local também possui uma sala para palestras, cursos e reuniões.

Aulas acontecem na Casa Digital e é voltado aos maiores de 60 anos

Professora Andrea da Costa orienta aluna no curso de informática

O casal Irene e José usam o facebook para conversar com amigos e parentes

Setembro 12, 2012 Posted by | Educação, jornalismo, Maricá, Telefonia e Internet | Deixe um comentário

Governo anuncia as 80 cidades selecionadas para o projeto

Brasília

O Ministério das Comunicações divulgou a lista das 80 cidades que serão beneficiadas com o projeto piloto do Programa Cidades Digitais. Por meio dessa iniciativa, o governo federal pretende melhorar a gestão e os serviços dos municípios, além de oferecer pelo menos um ponto de acesso público à banda larga. No Estado do Rio, foram beneficiadas as cidades de Paulo de Frontin e Maricá.

"Queremos contribuir para que o país tenha gestões públicas cada vez mais transparentes. Essa é uma forma de evitarmos inclusive a [prática de] corrupção. Ao mesmo tempo, ajudará na prestação de serviços públicos como marcação de consultas nas unidades públicas de saúde, acompanhamento escolar das crianças que estudam nas escolas públicas e pagamento do IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano] via internet. Além disso, dará maior publicidade às licitações feitas pelas prefeituras", justificou a secretária de Inclusão Digital do ministério, Lygia Pupatto.

Para chegar às 80 cidades escolhidas, a partir de uma lista de 192 municípios, os critérios foram: municípios de até 50 mil habitantes, localizados preferencialmente nas regiões Norte e Nordeste e distantes até 50 quilômetros das redes centrais de internet (backbones), disposição das prefeituras em oferecer equipes para treinamento nas operações da rede, e cidades com menor índice de desenvolvimento.

– Esses critérios visam a diminuir as diferenças de inclusão digital no país, disse a secretária. Neste primeiro momento a cidade terá instalado um anel de fibra ótica ligando pelo menos quatro pontos destinados aos serviços públicos oferecidos pelo município e o ponto de acesso ao público – acrescentou.

Até julho os editais para contratação das empresas integradoras regionais estará concluído. As empresas vencedoras terão a responsabilidade de entregar pronto o anel de fibra ótica já instalado nas cidades. Terão também de treinar funcionários e dar garantia de três anos para os equipamentos adquiridos. Após três anos, a manutenção ficará a cargo das prefeituras.

A região com mais municípios beneficiados é a Nordeste (36). Na região Norte serão 13 cidades e nas regiões Sudeste e Sul serão 15 em cada. A Região Centro-Oeste foi contemplada com apenas uma localidade beneficiada: a Estrutural, uma das regiões administrativas mais pobres de Brasília.

Número de conexões 3G cresce 270% em 2 anos

Em dois anos de implementação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), a quantidade de usuários da tecnologia 3G cresceu 270%, passando de 15,2 milhões, em maio de 2010, para 56,3 milhões, em maio deste ano. Os dados foram apresentados pelo secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, na semana passada. Ele explicou que o PNBL, ao contrário do que muitos imaginam, não se restringe à oferta de internet a preços populares. O programa engloba também a redução das desigualdades regionais e sociais, geração de emprego e renda e competitividade do Brasil no cenário internacional.

De acordo com os dados, a quantidade de cidades brasileiras que contam com o serviço 3G aumentou 232%, passando de 681 municípios para 2.261, entre 2010 e 2012. A base de assinantes da banda larga fixa atingiu o total de 18,7 milhões, salto de 42% em relação a 2010. Apenas em 2011, 6 milhões de domicílios em todo o Brasil passaram a contar com serviço de internet rápida e a meta do governo é cobrir 70% das casas brasileiras até 2015.

Telebras

De acordo com Alvarez, a reativação da Telebras e a venda de capacidade a pequenos provedores locais de internet como uma das principais medidas dinamizaram o mercado. Até o fim deste ano, a rede de fibras ópticas administradas pela Telebras deverá ter 21 mil quilômetros de extensão, cobrindo mais de 2 mil cidades. Para 2014, a expectativa é que essa rede atinja quase 31 mil quilômetros, propiciando cobertura de internet a 4.283 municípios.

A licitação das faixas de 2,5 GHz, para a tecnologia 4G, e da faixa de 450 MHz, para levar telefonia e internet às áreas isoladas do País, também são medidas previstas no PNBL para promover a massificação do acesso à rede mundial de computadores.

Telecentros

A meta de ampliação do número de telecentros e de pontos de acesso livre à rede é instalar quase 3,5 mil novos espaços ainda neste ano, sendo 810 na zona rural. Hoje, há cerca de 6,6 mil telecentros em todo o País.

O MiniCom também está trabalhando para capacitar jovens moradores do campo para o uso das tecnologias da informação e comunicação. Em parceria com 28 instituições federais de Ensino Superior, presentes em 18 unidades da Federação, o ministério quer capacitar 7,5 mil jovens até o próximo ano. O projeto é realizado com apoio da Secretaria Nacional da Juventude da Presidência da República.

Julho 9, 2012 Posted by | jornalismo, projeto social, Telefonia e Internet | Deixe um comentário

Empresa de Maricá desenvolve novo modelo de turbina eólica

Rio de Janeiro – Uma turbina eólica medindo pouco mais de um metro pode prover energia suficiente para atender pequenas demandas – abaixo de 370 watts – e para replicar o sinal da internet. O modelo, desenvolvido pela Enersud, empresa de Maricá (RJ), está no Showroom Tecnológico e Exposições, montado pelo Sebrae no Rio de Janeiro. A iniciativa, voltada para o público empresarial, faz parte da Semana Sebrae de Tecnologia e Informação, que começou nesta segunda-feira (17) e segue até sexta-feira (21), na capital.

O sócio da empresa, engenheiro Luiz Cezar Sampaio Pereira, explica que as turbinas eólicas alimentam retransmissores que captam e ampliam a propagação do sinal da internet. Ele ressalta que as turbinas, que custam apenas R$ 2 mil, podem integrar locais distantes à rede mundial de computadores sem necessidade de grandes investimentos “O produto é ideal para atender demandas menores, caso das empresas de pequeno porte que trabalham como repetidoras do sinal da internet. Esse serviço é importante para comunidades remotas ou em áreas de maior altitude, longe das redes elétricas”.

Para empreendimentos que trabalham com máquinas e equipamentos, a empresa também desenvolveu um modelo maior, com sete metros e meio de diâmetro e capacidade de gerar até 10 mil watts – suficiente para acionar motores na empresa e suprir parte da energia elétrica ou, até mesmo, ser autosuficiente.

“As turbinas eólicas podem significar uma grande redução nos gastos da empresa. O custo do equipamento instalado fica por volta de R$ 60 mil, mas o investimento pode ser absorvido entre seis e dez anos, dependendo do tipo de atividade. Outro ponto positivo é a possibilidade de vender o excesso de energia, mas o processo ainda depende de regulamentação”, enfatiza o engenheiro.

A Semana Sebrae faz parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, que acontece em todo país até domingo (23). No Rio de Janeiro, estão previstos mais de 1.200 eventos em 26 cidades.

Serviço

Enersud – (21) 3710-0896 begin_of_the_skype_highlighting (21) 3710-0896 end_of_the_skype_highlighting

Sebrae no Rio de Janeiro: (21) 2212-7971 begin_of_the_skype_highlighting (21) 2212-7971 end_of_the_skype_highlighting

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Fonte: Tô sabendo .com

Outubro 18, 2011 Posted by | Energia, Exposições, jornalismo, Tecnologia, Telefonia e Internet | , | Deixe um comentário

Carro do Google Street View é flagrado nas ruas de Maricá

Veículo do Google Maps, mapeia por fotos em 360° e está na cidade para atualizar seu banco de dados e registrar novos caminhos e rotas.

O carro do serviço Google Street View que está registrando vários ponto de Maricá foi flagrado pela nossa equipe nas ruas do centro da cidade. As imagens registradas irão mapear toda a malha viária pavimentada – ruas, estradas, avenidas – que está no Google Maps. O veículo poderá ser visto pelas vias locais até a próxima semana.

Novas imagens
Em relação à disponibilidade na ferramenta do Google Street View ainda não há uma data para publicação das imagens.

– Em geral colhemos imagens de toda uma região para fazer uma nova atualização do produto.

O assessor explicou que após a fase de coleta é realizado o tratamento de todas as imagens para depois ser divulgadas.

– As imagens são estáticas, ou seja, não são em tempo real.

Privacidade

Sobre a questão de privacidade, o Street View não mostra os rostos das pessoas nem placas de veículos, mas caso o usuário se sinta prejudicado pela imagem, basta escrever no canal de contato do Street View reportando a inadequação. A reclamação é verificada pela equipe do Google Maps e, caso proceda, a imagem é imediatamente retirada do ar.

Fonte: Maricá Info

Setembro 9, 2011 Posted by | jornalismo, Tecnologia, Telefonia e Internet, vias públicas | | Deixe um comentário